sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

novo fuzil da embel

novo fuzil da embel do brasil

Comandante do USS Enterprise destituído de suas funções

Comandante do USS Enterprise destituído de suas funções






Num fato raríssimo, a Marinha Americana decidiu destituir de suas funções o comandante de um porta-aviões nuclear, neste caso, o USS Enterprise. Owen Honors, pelo fato de ter um senso de humor muito duvidoso, provocou um belo escândalo. Em 2006 e 2007, quando foi imediato do "Big E", o oficial animou um programa da televisão de bordo, o "XO Movie Night". Neste programa, Owen Honors destilou piadas estudantis sexistas e homofóbicas. Chocados, alguns marinheiros reportaram-se aos seus superiores, resultando na eliminação desse programa interno, supostamente destinado a entreter a tripulação. O caso parecia assunto para permanecer interno à Marinha, mas, na segunda-feira, o jornal americano Virginian Pilot revelou a existência deste programa e divulgou trechos dele em seu site. A proeza do comandante Honors, que não faz jus ao corpo de oficias americanos, causou um verdadeiro clamor popular. Dada a disseminação pública dos vídeos, a Marinha Americana foi forçada a tomar medidas rápidas para salvar sua própria imagem.



"Nossos oficiais devem ser irrepreensíveis"



"O comando do capitão Honors transcorreu sem incidentes, mas a sua profunda falta de profissionalismo e julgamento, quando ele era anteriormente o imediato do USS Enterprise, levanta dúvidas sobre seu caráter e destrói completamente a sua credibilidade para seguir servindo efetivamente como comandante" disse o chefe das forças navais dos EUA. Para o almirante John C. Harvey: "Como oficiais da Marinha, estamos sujeitos a um padrão mais elevado. Aquele que comanda que deve dar o exemplo dos valores fundamentais da Marinha, que são a coragem, a honra e o compromisso, a fim de que nossos marinheiros o sigam. Nossos oficias devem ser irrepreensíveis e nossas equipes não merecem nada menos dele." Honors foi substituído pelo Capitão Dee Mewbourne, que provavelmente terá o privilégio de ser o último comandante do celébre porta-aviões, chamado à ativa em 1961 e cujo desarmamento está previsto para Novembro de 2012.



Tradução: Felipe Medeiros



Fonte: Mer et Marine

Estaleiro EISA e a construção do segundo lote de Navios Patrulha de 500 toneladas

Logo antes do Natal ALIDE visitou o Estaleiro Ilha S.A. localizado no bairro carioca da Ilha do Governador. Fomos fazer uma atualização do status atual do programa industrial dos quatro Navios Patrulha (NPas) vencido pelo EISA no ano passado. Para tanto, entrevistamos o economista Carlos Palmer, o novo responsável pelo programa de construção destes navios militares dentro do Estaleiro Ilha.




Caminhando pelo estaleiro, ele nos mostrou que, sobre um píer pequeno pré-existente, já foi construída uma cobertura para que os navios patrulhas possam ser montados sem que os operários fiquem expostos ao sol e aos elementos. A construção de cada um dos módulos componentes (de no máximo 20 toneladas) é feita dentro de um dos dois outros grandes halls de montagem cobertos do estaleiro. Atualmente dois módulos centrais de casco já estão montados, um pertencente ao NPa Maracanã e outro ao NPa Matinhos.



Para Palmer, um produto militar é bem diferente de um navio civil. Em primeiro lugar, porque não se utiliza das sociedades classificadoras, como a Det Norsk Veritas e a ABS, entre outras. Estes programas militares usam normas industriais próprias, que precisam ser aprendidas pelo pessoal do estaleiro. Outra característica diferente, é que nos projetos militares existe um grande número de anteparas, assim as cavernas e demais elementos estruturais ficam muito mais “apertadinhos” do que são nos navios civis. Isso, naturalmente, dificulta o trabalho dos soldadores durante a montagem dos módulos.



“Do ponto de vista do estaleiro, saber construir navios militares, na verdade, não agrega maiores vantagens para a produção dos nossos navios civis... Esta capacitação, e muito específica, e serve mesmo é para que possamos construir mais e melhores navios militares. Uma possível exceção a isto talvez seja a oportunidade de aprendermos a trabalhar com estruturas feitas em alumínio. Inclusive, por conta destes navios patrulha já contratamos alguns soldadores, ex-funcionários do Estaleiro Barcas, onde apenas se trabalha com este matéria. Mas o número de profissionais nossos nesta área ainda é insuficiente para nossas necessidades ”, emendou Palmer.



O executivo do EISA falou ainda que “embora o número inicialmente anunciado pela Marinha na imprensa seria de 46 navios patrulha novos, atualmente, o número mais aceito se situa na casa de 26 NPas de 500 toneladas. Mas tudo pode mudar no futuro...” Palmer continuou: “o próximo lote de NPas de 500 toneladas deve ser licitado agora em janeiro, a principio, comenta-se que serão mais seis navios. Se também ganharmos esta encomenda, é possível que optemos por criar um novo estaleiro, exclusivamente para a construção de navios militares, no bairro do Gradim, em São Gonçalo. Neste momento, várias opções estão sendo avaliadas, inclusive uma onde apenas os módulos componentes seriam feitos lá para montagem final em outro estaleiro. O EISA também está de olho neste novo local para a construção de corvetas derivadas do projeto da Barroso, caso elas realmente sejam adquiridas por marinhas africanas conforme contado em julho do ano passado por ALIDE.



Na forma que escolhemos para esta construção os navios não serão lançados ao mar, mas, sim erguidos e colocados na água por uma ‘cábrea’, um guindaste pesado montado sobre uma balsa flutuante. Este é o mesmo método que usamos para lançar as estruturas das plataformas de petróleo e gás montadas no Estaleiro Mauá. Uma boa característica de uma encomenda múltipla, como esta, é a chamada curva de aprendizado. Este fenômeno faz com que, a cada novo navio, o seu tempo de construção encolha em relação ao navio justamente anterior”.



Perguntamos ao Sr. Palmer se ele já havia ouvido qualquer menção a tecnologia de navios stealth com perfis de superestrutura lisos e materiais anti-eco radar. Ele respondeu que: “até onde eu tenha percebido não houve qualquer mobilização da Marinha ou da indústria nesta direção”.



No contrato assinado com a Marinha está ainda previsto que se instale dentro do estaleiro um Grupo de Fiscalização (o “GruFis”) da obra. Para eles, o EISA já preparou uma sala dedicada e aguarda a mudança deste pessoal, ainda em janeiro, de seu escritório no prédio da DEN para o estaleiro. Os atrasos ocorridos no início deste segundo lote derivam da necessidade de se entregar as plantas definitivas para a construção dos NPas. Surpreendentemente, Palmer contou a ALIDE “que por decisão da Marinha os quatros navios fabricados no EISA não seguirão rigorosamente o mesmo desenho do Macaé e Macau, os primeiros navios desta nova classe, que foram fabricados no estaleiro INACE do Ceará. Por isso, um novo contrato aditivo se encontra sendo negociado entre o Estaleiro Ilha e a Diretoria de Engenharia Naval da Marinha. Devido ao número de alterações que foi necessário adicionar ao programa básico, o Maracanã passará, então, a ser o navio padrão (de referência) desta nova classe. Tudo o que já foi construído até aqui neste programa, inclusive a distribuição das peças a serem cortadas das chapas (o “nesting”), foi feito exclusivamente a partir de plantas da CMN – Constructions Mécaniques de Normandie. O CMN foi o estaleiro que criou a classe Vigilante original para a Marinha Francesa. Neste momento, o EISA apenas aguarda que sejam entregues pela MB as plantas definitivas desta classe para seguir adiante com a obra dos seus navios patrulha.



O Estaleiro Ilha é o nome novo (desde 1994) de um dos mais tradicionais estaleiros brasileiros, o antigo EMAQ. Hoje o EISA junto com o Estaleiro Mauá em Niterói fazem parte integrante do conglomerado de empresas de German Efromovich, empresário que, além de ser dono da companhia aérea Avianca (a ex-Oceanair), há muitos anos trabalha neste segmento de construção naval construindo plataformas para a Petrobras com sua empresa original, a “Marítima”. Efromovich comprou o EMAQ do grupo do empresário Nelson Tanure, que também era o dono dos estaleiros Verolme e Ishibras.

Novo capacete permite aos pilotos do Typhoon olhar, mirar e atirar

Parece com algo saído de Guerra nas Estrelas, e seu desempenho também parece ter saído de Guerra nas Estrelas, e para os pilotos de aviões de caça do futuro, pode significar toda a diferença entre a vida e a morte.




Bem-vindo à nova arma do caça Eurofighter Typhoon: não um dispositivo que fique pendurado debaixo das asas, mas um sistema com “cérebros”, que fica bem na cabeça do piloto.



O “Sistema de Simbologia Montado no Capacete” (“Helmet Mounted Symbology System”, em inglês), projetado pela BAE Systems, é um capacete e sistema de apoio altamente sofisticado, que permite que o piloto “veja” através da fuselagem da aeronave, dando a ele uma vantagem vital quando é necessário tomar uma decisão em uma fração de segundo.



Usando o novo sistema de capacete, o piloto agora pode olhar para múltiplos alvos, mirar neles, e então, por comando de voz, priorizá-los. É um sistema muito veloz, que permite ao piloto olhar, mirar e atirar.



O piloto pode até mesmo fazer isso sem olhar para um alvo que esteja por trás dele, ou um alvo que seja identificado pelo radar que esteja diretamente embaixo do chão da aeronave.



Esta capacidade de rapidamente olhar e atirar, aliada ao super amplo campo de visão, dá ao piloto do Typhoon um campo de visão para qualquer hora do dia e qualquer clima.



O capacete funciona através de um número de sensores fixados em toda a área da cabine do piloto. À medida que o piloto move a cabeça, os sensores em seu capacete se movem em relação aos sensores da aeronave, assegurando que a aeronave saiba exatamente para onde e para o que o piloto está olhando.



Imagens projetadas no visor do piloto oferecem, dentre outras informações, velocidade, posição e altura e, crucialmente, também oferece a posição precisa de quaisquer aeronaves ou mísseis inimigos. Estas imagens, que permanecem estáveis e precisas de qualquer ângulo de visão, permitem ao piloto tomar decisões imediatas sem ter que tirar seus olhos do alvo em momento algum.



Mark Bowman, Piloto de Testes Líder da BAE Systems, disse: “Este é um grande avanço em termos de capacidade de combate, e é algo que dá aos pilotos do Typhoon uma vantagem considerável no que se refere ao combate aéreo. Não existem dúvidas para mim de que o Eurofighter Typhoon é o líder mundial nesta capacidade, e isso é algo de que todos aqueles que trabalharam nesse sistema podem se orgulhar profundamente. É um enorme avanço na capacidade da aviação. Além do mais”, diz ele, “o melhor ainda está por vir.”



O novo sistema de capacete deve entrar em operação na Força Aérea do Reino Unido ainda esse ano.



Sobre a BAE Systems



A BAE Systems é uma empresa global que atua nas áreas de defesa, segurança e aeroespacial. Mundialmente, conta com aproximadamente 107.000 funcionários. A Empresa oferece uma seleção completa de produtos e serviços para forças aéreas, terrestres e navais, bem como avançadas soluções eletrônicas, de segurança e informática, além de serviços de atendimento ao cliente. Em 2009, a BAE Systems registrou um faturamento de £22,4 bilhões (US$ 36,2 bilhões).

Arquivo do blog segurança nacional