quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Intervenção na Costa do Marfim está descartada 'por enquanto'

Uma "intervenção militar" de países do Oeste da África na Costa do Marfim para fazer partir Laurent Gbagbo, que se recusa a deixar o poder, "parece, felizmente, descartada por enquanto", declarou nesta quarta-feira o secretário de Estado das Relações Exteriores de Cabo Verde, Jorge Borges.




Uma delegação formada por três presidentes africanos voltará à Costa do Marfim no dia 3 de janeiro para prosseguir com as negociações com o líder Laurent Gbagbo, disse o presidente do bloco regional Ecowas, Goodluck Jonathan, na quarta-feira.



"Eles voltarão no dia 3 de janeiro e, quando retornarem desta segunda visita, o resultado determinará a próxima ação", disse Jonathan, que também é presidente da Nigéria, após uma reunião com os enviados.



Os presidentes de Benin, Serra Leoa e Cabo Verde foram enviados pelo Ecowas à Costa do Marfim na terça-feira para dizer a Gbagbo que ele deve ceder o poder ao candidato presidencial rival Alassane Ouattara - o vitorioso da eleição de 28 de novembro, na opinião das potências mundiais e dos países africanos vizinhos - ou enfrentar uma possível força militar.

Arquivo do blog segurança nacional