sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Dilma abre 12 pontos de vantagem, aponta Datafolha

Cido Coelho, do estadão.com.br


SÃO PAULO - A pesquisa do Datafolha divulgada na madrugada desta sexta-feira, 22, aponta a candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, com 56% das intenções de voto e está com 12 pontos de vantagem sobre José Serra, do PSDB, que está com 44%.





Na pesquisa do dia 3, a simulação feita na ultima pesquisa apontava a candidata petista com 57% e o tucano com 43%.



Os dois candidatos oscilaram na margem de erro em relação a última pesquisa realizada pelo instituto: Dilma seguia com 54% e subiu para 56%, e Serra que tinha 46%, passou a ter 44%. Na soma dos votos totais, Dilma Rousseff tem 50% (47% no último levantamento). José Serra tem 40% (antes tinha 41%).



Em relação aos votos em branco, nulo ou nenhum, são 4%. Os eleitores indecisos somam 6%.



Fator Marina: Dilma sobe oito pontos; Serra perde cinco pontos



O levantamento mostrou que os eleitores de Marina Silva (PV) mostraram preferência a Dilma Rousseff. A candidata do PT teve crescimento de oito pontos e de 23% subiu para 31%. Porém, apesar de Serra ter a preferência dos eleitores, ele teve uma queda de cinco pontos, passando de 51% para 46%.



O instituto ainda apontou que 88% dos brasileiros já estão decididos em quem vão votar no 2º turno e 10% poderiam mudar o voto.



Os dados dos eleitores por sexo mostram que Dilma tem a preferência dos eleitores homens, com 55%, contra 38% de Serra. Já entre as mulheres a disputa esta mais apertada, 45% votarão em Dilma e 41% vão votar em Serra.



Horário político na TV



A audiência do horário político também aumentou. 63% eleitores afirmaram que assistiram pelo menos uma vez a propaganda nesta semana. Na semana anterior o índice era de 52%.



A região Sul foi a que mais assitiu o horario eleitoral, com 71%, já no Nordeste, 61% dos eleitores disseram acompanharam a propaganda política.



Voto por regiões



O Datafolha fez o levantamento por segmento de regiões: Sul, Sudeste, Nordeste e Norte e Centro-Oeste. José Serra lidera apenas na região Sul, com 50%, contra 39% de Dilma Rousseff.



No Sudeste, Dilma está a frente por um ponto de diferença, com 44%, Serra tem 43%.



Nas regiões Norte e Centro-Oeste, a petista tem 49% e o tucano 42%. Por fim no Nordeste, a canidata do PT tem 37 pontos de vantagem, com 65%, contra 28% do candidato do PSDB.



Voto por escolaridade



Dilma e Serra mostram divisão entre os eleitores do ensino fundamental e do ensino superior. Entre os eleitores do ensino superior, Serra tem 50% da preferência, 11 pontos de vantagem, contra 39% de Dilma. Já entre os eleitores do ensino fundamental, a candidata do PT segue com 53% dos votos, com 17 pontos de vantagem, contra 36% do candidato do PSDB.



E por último, entre os eleitores do ensino médio Dilma está à frente de Serra, 49% contra 40%.



Eleitores por renda



O resultado do levantamento por renda mostra que os eleitores com mais de 10 salários mínimos (mais de R$ 5.101), 54% votam em José Serra, contra 38% em Dilma. Para os eleitores com renda de 5 a 10 salários mínimos (de R$ 2.551 a R$ 5.100), 48% declararam o voto na Dilma e 43% no Serra.



Entre os eleitores que tem renda de 2 a 5 salários mínimos, 46% votariam em Dilma e 43% em Serra. Por fim, para quem ganha até dois salários mínimos (que ganha até R$ 1.020), a petista tem 55% e o tucano 34%.



A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O levantamento foi realizado no dia 21 de outubro, com 4.037 entrevistas em 243 municípios e está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número 36536/2010.

Tupi começa a produzir 100 mil barris diários dia 28

Elder Ogliari, da - Agência Estado


PORTO ALEGRE - O presidente da Petrobrás, José Sergio Gabrielli, confirmou nesta sexta-feira, 22, que a produção do projeto-piloto do campo de Tupi vai subir de 14 mil barris de petróleo por dia para 100 mil barris por dia a partir de 28 de outubro. O plano de investimentos de US$ 224 bilhões da companhia até 2014 também foi confirmado pelo executivo, que explicou que a maior parte desse valor será coberta com recursos de caixa, capitalização já feita e geração de receita.





Gabrielli afirmou ainda que o índice de alavancagem deve subir para 30% nos próximos anos. Segundo ele, há hoje uma dívida de US$ 38 bilhões que pode ser rolada e há necessidade de contrair outra, também de cerca de US$ 38 bilhões, nos próximos cinco anos. "Não é algo que seja considerado impossível ou muito difícil", avaliou. "Nossa alavancagem, que é a razão dívida sobre capital próprio, está em 16%, 18%, e depois da nova (dívida) vai para 30%", afirmou durante entrevista coletiva ao final de sua participação no seminário "Pré-sal e o Rio Grande do Sul - Oportunidades para a Indústria, Trabalhadores e Sociedade", em Porto Alegre.



O presidente da Petrobrás acredita que a queda das ações da petroleira nos últimos dias seja em decorrência de um movimento generalizado do mercado de capitais mundial, especialmente nas áreas das empresas de energia e de petróleo. "Como a Petrobrás tem um volume de transações muito alto, é uma ação muito líquida, ela tende a ter movimentos muitos mais intensos que outras companhias", afirmou. Quanto ao impacto nas ações após a megacapitalização da empresa, o executivo considera que se trata de "um processo de estabilização". Além disso, citou a mudança na cobrança de IOF sobre aplicações de renda fixa e variável no início de outubro como outro fator de estabilização das ações, devido a ajustes de carteira feitos pelos investidores internacionais.



Fornecedores



Gabrielli avisou ainda, a um público formado por empresários e estudantes, que a cadeia de fornecedores da Petrobrás deve aumentar sua capacidade e qualidade para atender à demanda da empresa nas condições de prazo necessárias e a custos compatíveis com a tendência internacional. Uma das medidas tomadas para fazer a cadeia crescer e se qualificar é o programa Progredir, lançado em setembro. O presidente da Petrobrás lembrou que, por acordo, seis bancos se disponibilizaram a aceitar como garantias para financiamento a empresas da segunda cadeia (provedores dos fornecedores da Petrobrás) os contratos da primeira cadeia. Também citou os estudos que serão feitos com entidades empresariais para identificar áreas que possam ser supridas pela terceira cadeia de fornecedores.



"Estamos falando de aproximadamente 250 mil fornecedores e 500 mil contratos ao todo", calculou. Embora os fornecedores possam estar em todo o País, Gabrielli identificou como potenciais nichos do Rio Grande do Sul as áreas de mecânica, engenharia de motores e eletroeletrônica.

Submarino nuclear britânico encalha na costa da Escócia

AE-AP - Agência Estado


O mais novo submarino nuclear da Marinha Real da Grã-Bretanha encalhou na manhã de hoje no largo da costa da Escócia, mas o governo afirma que ninguém ficou ferido e que o acidente não foi sério. O submarino HMS Astute atingiu rochas ao largo da ilha de Skye, na costa oeste escocesa, e ficou horas encalhado até que rebocadores da Marinha Real levaram a embarcação para águas mais profundas durante a maré alta.







O submarino, que custou 1,57 bilhão de libras, é um dos 11 submarinos da frota britânica movidos a reatores nucleares e entrou em serviço em 2007. O Ministério da Defesa disse que o submarino estava iniciando uma missão de patrulha na costa escocesa quando ocorreu o acidente. O Ministério disse que o incidente está sob investigação.





"Este não foi um incidente nuclear", disse o Ministério, em comunicado. "Estamos respondendo ao incidente e podemos garantir que ninguém ficou ferido e que a embarcação continua impermeável. Também não houve sinal de qualquer impacto ambiental". O submarino Astute é armado com torpedos Spearfish e mísseis de cruzeiro Tomahawk. Segundo o ministério, o submarino obtém energia do próprio reator nuclear, que nunca precisa ser reabastecido durante seus 25 anos de vida útil. Normalmente, um submarino dessa classe leva 120 tripulantes.



Arquivo do blog segurança nacional