Wikipedia

Resultados da pesquisa

sábado, 18 de setembro de 2010

Boeing levará turista ao espaço em 2015


SÃO PAULO - A companhia aérea Boeing anunciou nesta quarta-feira (15/9) que vai oferecer serviços de viagem ao espaço para turistas.





A Space Adventure, parceira da companhia no projeto, fechou oito viagens à Estação Espacial Internacional (ISS), um projeto de 176 bilhões de reais, construído por um grupo formado por 16 países.




As viagens ao espaço para turistas são um desdobramento da decisão do governo Obama, que terminará com o plano espacial em 2011, que leva astronautas e suprimentos à ISS. A Casa Branca propôs a companhias privadas a tarefa de levar astronautas da Nasa para o espaço. A agência espacial americana passaria, então, apenas a comprar os assentos necessários para levar sua equipe à ISS - que funcionará até 2020 - em aeronaves desenvolvidas por outras empresas.





A Boeing e a Bigelow Aerospace, de Las Vegas, ganharam neste ano um contrato de 18 milhões de reais para testes e desenvolvimento preliminares de todo o equipamento que carregará sete passageiros.





No entanto, há apenas três vagas para turistas, já que os outros assentos estão reservados à astronautas profissionais. O voo da CST-100, desenvolvida pela Nasa, será o primeiro a dar chance a um turista a viajar ao espaço a partir de uma nave lançada dos Estados Unidos. A decolagem será a partir do Cabo Canaveral, na Flórida, até a ISS.





O preço exato para conhecer o espaço como turista ainda não foi estipulado pela Boeing mas, está longe de ser barato. O fundador do grupo canadense Cirque du Soleil, Guy Laliberte, por exemplo, pagou mais de 60 milhões de reais para estar na tripulação de um voo russo, no ano passado.





Até hoje, sete milionários desembolsaram 35 milhões de reais para viajar ao espaço. A cifra dá direito a uma média de dez dias no espaço, depois de um simbólico treinamento. Além da Boeing, a Virgin Atlantic, do empresário Richard Branson (colunista de EXAME) também tem um projeto semelhante em andamento com seis veículos comerciais que poderão levar até seis viajantes.

Corte de orçamento do Cern atrasará em um ano planos para o LHC

REUTERS - REUTERS


O centro europeu de estudos nucleares, o Cern, informa que cortes em seu orçamento forçarão um fechamento temporário de seus aceleradores de partículas no ano de 2012, mas fez a ressalva de que sua principal máquina o Grande colisor de Hádrons (LHC) não será prejudicado, embora sua operação venha a sofrer um atraso.



O experimento que testa os limites da Física



A redução de orçamento representa um corte de US$ 133,4 milhões de dólares ao longo de cinco anos, até 2015.



A despeito da alegação de que o LHC não sofrerá prejuízos, a atualização da intensidade dos feixes do colisor será adiada em um ano, até 2016, o que significa que os pesquisadores terão de esperar mais para aumentar a taxa de coleta de dados.



Um acelerador de partículas é uma máquina que impele um feixe de partículas subatômicas a alta velocidade. Físicos usam essas máquinas para criar colisões de alta energia, de forma que possam estudar os componentes fundamentais da matéria.



O Cern opera uma rede de aceleradores, incluindo o LHC, que é o maior do mundo e iniciou operações há dois anos, para testar uma série de hipóteses na fronteira da ciência.



O Cern já havia avisado que o LHC não operaria em 2012 "por questões estritamente técnicas". Agora, informa que todos os demais aceleradores ficarão inativos em 2012.



"Todo o complexo de aceleradores do Cern se juntará ao LHC em um fechamento de um ano", disse nota da instituição. "A administração do Cern considera esse um bom resultado, dado o atual ambiente financeiro".



A redução das contribuições dos governos europeus ocorre num momento em que os países buscam cortar gastos não essenciais. Cientistas afirmam que a redução da verba para pesquisa científica vai desacelerar a inovação tecnológica e a criação de empregos, prejudicando a recuperação econômica no longo prazo.

Arquivo do blog segurança nacional