domingo, 28 de fevereiro de 2010

Avibras é montar o Falcão:

falcâoUm veículo aéreo não-tripulado está em desenvolvimento em São José dos Campos. É o primeiro do Brasil na categoria de reconhecimento e uso estratégico. O Vant, como é conhecido, é comandado por controle remoto e usado em sistemas de vigilância, espionagem e até em guerras.


scorpion


A equipe de 25 técnicos e engenheiros estuda sistemas norte-amoericanos da década de 90 para estudar a melhor forma de fazer o Vant brasileiro. A primeira etapa do projeto, em parceria com o CTA, começou em 2005 e foi até o início desse ano. Nesse tempo, foram definidos o sistema de navegação e de controle e o gasto foi de R$ 27 milhões.



Nessa segunda fase, o objetivo da Avibras é montar o Falcão: o primeiro veículo aéreo não tripulado brasileiro, para reconhecimento. Nele, serão instaladas câmeras e sensores. O Falcão voará a 180 km por hora, a 4,5 km de altura e poderá carregar até 150 quilos de carga. Ele terá o dobro do tamanho dos protótipos norte-americanos.



O Falcão está sendo desenvolvido para atender a Força Aérea Brasileira. A principal característica de um veículo aéreo não tripulado é justamente não ter que colocar pilotos em missões consideradas perigosas.



O primeiro voo de ensaio deve acontecer no meio do ano que vem. A segunda fase do projeto está orçada em R$ 17 milhões e será finalizada em 2011. Quando estiver concluído, o Falcão poderá ser comercializado e o preço de mercado deve ficar entre R$ 15 e R$ 20 milhões.
O Google criou o site Chile Person Finder para ajudar a localizar pessoas desaparecidas após o terremoto que atingiu o Chile na madrugada deste sábado.




Qualquer pessoa pode entrar no site e cadastrar informações sobre a saúde e a segurança de quem está no país, ou consultar os dados pelo nome de pessoas.



Até as 15h50, cerca de 2.000 entradas já estão disponíveis para visualização no site, que serve também como meio de comunicação entre familiares e amigos de quem está no Chile, mas não consegue se comunicar de outra forma.



O Google alerta que não há checagem de informações, por isso, há o risco de se encontrar nomes falsos e entradas criadas por pessoas mal intencionadas.

Arquivo do blog segurança nacional