sábado, 20 de fevereiro de 2010

Os testes iniciais com o sistema S-400 foram iniciados em meados de 1999-2000 e o sistema atingiu a capacidade operacional em 2009 entrando no serviço de defesa da capital Russa Moscow no mesmo ano.Inicialmente denominado S-300PMU-3, o S-400 Triumf, recebe o nome código OTAN, é conhecido Sa-20 Growler, é o mais recente sistema de defesa antiaérea da Russia, que a poucos meses deu início ao desenvolvimento do seu sucessor o sistema S-500. Ele é um desenvolvimento da família dos ssiemas S-300 Favorit.....O S-400 no entanto é um sistema de defesa muito mais capáz que o seu antecessor, capacitado a abater alvos como mísseis intercontientais e UAVs, com capacidade de engajamento muito superior, estimado em 400km de distância.




Posto de comando



O S-400 é considerado um dos mais sofisticados e letais sistemas de defesa aérea do mundo, e pelo fato de poder operar em data link com demais plataformas o sistema pode (em tese) extender a sua capacidade de engajamento à alvos voando a baixa altitude e ou até mesmo aeronaves de 5ª Geração , uma vez que detectados por qualquer um outro sistema passivo e as informações enviadas via data-link chegarem ao coamndo da bateria, este poderá proceder a vetorização dos mísseis em modo passivo até o alcance d eengajamento autônomo procedendo assim o abate do alvo.



Veículo Lançador



Uma bateria S-400 operacional é composta por por um veículo radar, um veículo de comando e três veículos lançadores.



São utilizados como plataformas lançadoras os mais recentes veículos 6×6+4×4 BAZ-6910, na versão-carreta rebocada 64022, o veículo pode transportar a té 4 mísseis armazenados em containers individuais idênticos aos do sistema S-300.



Posto de radar



Uma facilidade do sistema S-400 é capacidade de ser instalado em poutras plataformas como veículos 8×8 (sem carreta rebocada) ou mesmo em veículos sobre lagartas, o que aumenta de sobremaneira a sua capacidade operacional a qualquer terreno.Posto de Radar





O principal radar do sistema, é instalado num veículo bielorusso 8×8 MZKT do tipo MAS-543A, enquanto o posto de comando pode utilizar um camião do tipo URAL-5323.



lançador se preparando para entrar em operação



O sistema permite operar em vários tipos de enagajamento podendo o comando optar por vetorizar pura e simplesmente o míssil até o fim de sua trajetória ou parcialmente até uam distância de engajamento acionando apartir dai o radar do próprio míssil que passa então a guiar-se até o abate do alvo.



Em qualquer dos modos os dados do radar do próprio missil são enviados para o sistema de controle que pdoe decidir vetorizá-lo até o ponto crítico, ou delegar esta função a outros sitemas direcionadores (postos d ecomando) através de uma data link em tempo real e durante a trajetoria.



Esta vantagem em relação ao seu antecessor S-300 é o fato de que mesmo que o posto de comando seja destruido por um ataque a s baterias lançadores ainda possuiriam capacidade operacional, bastando para isto que outro centro de comando entrasse em operação.





Os mísseis do sistema S-400 podem ser igualmente vetorizados por aeronaves e outros veículos como navios e estações fixas de radar e está totalmente compatível com o sistema direcionador embarcado nas aeronaves A-50 Mainstay.



Fora isto o sistema S-400 é dotado de uma nova e mais atualizada e avançada suite de contramedidas eletrônicas que o seu antecessor o S-300.




Arquivo do blog segurança nacional