quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Irã na linha de mira



Por trás da aparente calma nas ruas do Irã, transparece a preocupação com a ameaça americana de fazer do país o próximo alvo da "guerra contra o terrorismo"



Ignacio Ramonet*





Nas belas avenidas de Teerã, entupidas por congestionamentos apocalípticos, não se sente, entre os transeuntes, qualquer tipo de angústia em relação a uma eventual ameaça militar dos Estados Unidos, agora presentes no Iraque e no Afeganistão, às portas do Irã. Nenhum nervosismo nos aeroportos - onde as medidas de segurança, comparadas com as que estão em vigor na Europa ou nos Estados Unidos, parecem ridiculamente permissivas. A mídia local tampouco diz mais do que o necessário e dedica suas manchetes a outros assuntos - viagem do presidente Khatami à África, o processo de Charles Graner, o "torturador de Abu Ghraib", ou as eleições iraquianas.



Mas, por trás dessa calma aparente, transparece a preocupação. A imprensa apressou-se em reproduzir, por exemplo, no dia seguinte à sua publicação na revista New Yorker, a íntegra da pesquisa de Seymour Hersh "The Coming Wars"("As próximas guerras"). 1 Nela, o jornalista afirma que, depois do Iraque, a "guerra contra o terrorismo" vai continuar por meio de um ataque contra Teerã. Assessorado pelos "civis do Pentágono" (Donald Rumsfeld, Paul Wolfowitz e Douglas J. Feith), George W. Bush teria autorizado missões secretas no interior do Irã. Com a ajuda de informações fornecidas por Israel e pelo Paquistão, comandos viriam tentando, desde julho de 2004, obter informações sobre mais de três dúzias de objetivos relacionados com os programas nuclear, químico e balístico iranianos. Ataques de precisão lançados pelas forças especiais poderiam, dentro de pouco tempo, tê-los como alvos.



O Pentágono não desmentiu. E o presidente Bush, a quem o canal NBC perguntou se descartaria um ataque militar contra o Irã, respondeu em tom de ameaça: "Espero que possamos acertar isso de forma diplomática, mas não excluo nenhuma possibilidade."



Pressão histórica

Governistas ou opositores, os interlocutores que se encontram em Teerã continuam tranqüilos. "Faz agora 25 anos" - declara-nos, por exemplo, o professor Mahmood Kashani, opositor moderado, ex-candidato à Presidência da República - "que os Estados Unidos puseram o Irã em sua linha de mira. Desde 1995, Washington decretou contra o Irã um embargo comercial, agravado mais tarde pela lei de Amato2 . Depois, Bush classificou-nos entre os países do 'eixo do Mal', e a nova secretária de Estado, Condoleezza Rice, acaba de definir o Irã como um dos 'postos avançados da tirania' no mundo. Estamos acostumados com a hostilidade deles. A questão do programa nuclear é apenas um novo pretexto."



O ministro da Defesa do Irã, Ali Shankhani, foi mais firme: "Estamos em condições de afirmar", declarou ele em resposta às ameaças de Washington, "que possuímos tal nível de força que nenhum país terá interesse em nos atacar. Nenhum de nossos adversários conhece com precisão o poder de nossa capacidade militar, nem nossa habilidade em empregar estratégias inéditas. Produzimos rapidamente equipamentos que nos conferem o maior poder de dissuasão3 ."



O Irã sempre afirmou que seu programa nuclear é de natureza civil e situa-se no âmbito do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP), do qual Teerã é signatária4 . O país comprometeu-se, em novembro de 2004, a suspender suas atividades de enriquecimento de urânio, após negociações com o Reino Unido, a Alemanha e a França, três potências desta vez unidas numa ação diplomática comum destinada a fazer Teerã renunciar, definitivamente, a qualquer ambição nuclear militar e a evitar uma escalada semelhante à que levou, em março de 2003, à invasão do IraqueLe Monde diplomatique, janeiro de 2005."5



Desastre para a democracia

Mas Israel está convencido de que o programa nuclear iraniano logo terá alcançado um ponto sem volta. "Se nada for feito, o Irã poderá produzir urânio enriquecido daqui a seis meses, o que deveria permitir-lhe produzir sua primeira bomba atômica daqui até 2008", afirmou o general Aharon Zeevi, chefe do serviço de informações militares israelense, no dia 12 de janeiro de 2005. Enfatizou, igualmente, que o Irã já dispunha de um míssil, o Shihab-3, com um alcance de 1.300 quilômetros, "capaz de atingir o coração de Israel".



No momento em que o Irã se prepara para a eleição presidencial de junho de 2005 - à qual não poderá candidatar-se o reformista Mohammad Khatami, que termina seu segundo mandato -, essas ameaças são inoportunas. Para muitos opositores, elas poderiam, paradoxalmente, reforçar um regime islâmico ultrapassado. "Os abusos do Islã radical", declara-nos, por exemplo, um jornalista laico, "acarretaram uma reação do povo, em especial das mulheres, que reivindicam mais democracia. A maioria dos iranianos viu com simpatia as intervenções norte-americanas contra o Afeganistão dos talibãs e contra o Iraque de Saddam Hussein porque nos livraram de dois regimes que nos eram ferozmente hostis. Mas, em contrapartida, as ameaças atuais de Washington e de Israel beneficiam as correntes mais conservadoras e empurram para a Presidência os candidatos mais anti-reformistas. Para os democratas iranianos, isso é um desastre." voces percebel que EUA ê israel jâ tentou bombadear o IRÂN pois jâ tar tundo armado,
um ataque com missil ê bombas anti bunke ja pre-visto para 2010 quer,, O BRASIL NÂO TENHA TRASFERIDO  TECNOLOGIA PARA O IRÂN O NOVO IRAQUE Ê MAIS, PETROLIO PARA,EUA
Imagens inéditas do maior atentado terrorista do mundo, que destruiu o World Trade Center, em Nova York. As fotos, de autoria de Greg Semendinger, foram disponibilizadas pela Departamento de Polícia de NY para a rede de televisão ABC e distribuída pela AP. As imagens aéreas ficaram retidas por quase uma década. Leia matéria: Divulgadas novas fotos do atentado de 11 de setembro


Eu estava na quele momento,despedindo de uma amiga ,era nove e meia da manhã do dia onze de setembro, guando meu esposo Marceu me gritou ,apavovorado ,venha ver oque ,está acontecendo ,nos Estados Unidos??? e eu corri,e guando eu vi!! aquele ,enorme avião entrando no preddio ,eu fiquei,sem me mover, sem falar ,sem olhar para nem um lugar eu fique ,como uma estatua ,e até agora eu choro ,ao lembrar,daquele momento , tão terrivel,asustador,choro,por tantas pessoas inocente,do mundo imteiro que perderam a vida,ali trabalhando,enclusivel,do pais daquele ,terrorista e anti Cristo,O presidente BarkObama,deveria tirar aquele povo dos Estados Unidos,eles são uma ameaça a todos os paises,pricipalmente na,Inglaterra,ambem que está cheio deles,não dar, cidadania ,porque,eles não iriam mais fazer ,isso ,dar cidadania so,p/as pessoas Brasileiras, que são do bem!!! alegres ,trabalha,la e não faz mal p/ ninguem ,nos amamos U.S.A.
São belas as fotos mas….ha duvidas no que realmente aconteceu como dizem e a famosa teoria da conspiração,e no EUA tudo e possivel acontecer,uma pergunta que alguns fanaticos nesta teoria fazem porque as torres cairam totalmente e não parcialmente ja que o impacto não foi no centro e sim perto do topo,vocês ja viram como e uma implosão de predio como funciona.Mas voltanto as foto e dificil so julgar um lado,vemos a todo tempo os EUA tentando ser o xerife do mundo,invadir paises sem autorização da ONU(que não funciona e não tem autoriedade para eles)quem ficar contra a seus interesses ja pertence ao eixo do mal agora vocês ja viram eles invadir um país que mata seu proprio povo como SUDÃO,SOMALIA entre outros nao Africa,não porque a interesse dos EUA neste paises como vender armas agora se um país produtor de petroleo dizer que não vendera mais para EUA se prepara que sera invadido então onde esta a DEMOCRACIA,agora brasileiros fanaticos pelo EUA que sentem pena pelos seus cidadãos sera que sentem tambem pelo palestinos,paquistão,afeganistão entre outros.Terminando cuidado esta chegando o dia que este país EUA ira virar seus olhos para nosso país Brasil e eles não tem pena,seus interesses acima de tudo e todos a proxima guerra sera por agua e você lutara por nosso país.

Arquivo do blog segurança nacional