quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

anti blindados lança Rojâo brasileiro!!
Programa ALAC



Um dos itens -- o da reestruturação da indústria brasileira de material de defesa -- citados na recente apresentação ao Presidente da República da há muito esperada proposta de Estratégia Nacional de Defesa indica claramente a intenção de se assegurar o atendimento das necessidades de equipamentos para nossas Forças Armadas com base em tecnologias sob domínio nacional. Esta óbvia premissa, lamentavelmente, foi praticamente ignorada durante as últimas décadas, quando a indústria nacional voltada para o setor de defesa atingiu um estágio próximo ao do sucateamento total. Incontáveis programas de pesquisa e desenvolvimento foram parados em setores oficiais e privados, enquanto que poucos produtos maturaram a ponto de entrarem na fase de efetiva industrialização. Neste seleto grupo, não pode deixar de ser destacado, encontra-se o Sistema ALAC (Arma Leve Anticarro), do Exército Brasileiro.





Para o soldado de Infantaria, há quase um século, um dos maiores pesadelos num campo de batalha é deparar-se com um blindado inimigo, mais especificamente, com um carro de combate. Ao longo dos anos, foi-lhe provido algum tipo de armamento portátil para enfrentar esta ameaça, começando com o chamados fuzil antitanque alemão T-Gewehr (calibre 13 x 92SR mm) da Primeira Guerra Mundial, passando, na Segunda Guerra Mundial, pelos PTRD e PTRS russos (calibre 14,5 x 99 mm), os lança-rojões norte-americanos M20 (2,36 e 3,5 pol) e Panzerfaust (140 mm) alemães, bem como os lança-granadas, como o PIAT britânico. O perído de após-Guerra testemunhou o aparecimento das primeiras gerações de mísseis anticarro guiados por fio, exemplificiados pelo SS-10 francês, da década de 1950. O progresso, a partir dali, foi rápido.



Hoje, existe uma variada gama de mísseis AC disponíveis e altamente eficazes, mas, todos eles, com um “senão”: precisam de uma certa distância (em torno de 500 metros, por exemplo, para o amplamente utilizado TOW - Tube-launched, Optically-tracked, Wire-guided missile, norte-americano) até que seu sistema de guiagem possa “adquirir” o alvo. É aqui que entram em cena as armas leves anticarro de menor alcance, mais especificamente, os lança-rojões portáteis recarregáveis (a família russa RPG-7, por exemplo) ou descartáveis (como o AT-4 sueco) e os canhões sem recuo. Neste segundo grupo, existem armas recarregáveis (a sueca Carl Gustav, calibre 84 mm, é bem conhecida) e as descartáveis, após o tiro. Foi no início da década de 1990 que o Exército Brasileiro decidiu dar os primeiros passos para desenvolver uma ALAC – Arma Leve Anticarro de projeto totalmente nacional, um prático canhão sem recuo capaz de proporcionar ao combatente terrestre um meio eficaz de enfrentar e colocar fora de ação a ameaça blindada.
Entre 1992 e 1994, o IPD - Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento e o CTEx - Centro Tecnológico do Exército elaboraram os EVTE (Estudos de Viabilidade Técnica e Econômica) e as propostas de OBO (Objetivos Operacionais Básicos) e RTB (Requisitos Técnicos Básicos), além de realizarem os primeiros desenhos e especificações de matéria prima. Selecionaram, também, os primeiros prestadores de serviços terceirizados. De 1992 a 2000, o IPD desenvolveu o projeto da munição, com a execução dos desenhos de engenharia de produto, especificação de matéria prima, planejamento e execução de testes laboratoriais e de campo. Foram levantados, em testes de laboratório, os parâmetros técnicos que permitiram estabelecer as especificações necessárias ao projeto do tubo lançador.




No período 1998-99, foram elaboradas versões do Memorial Descritivo e dos Requisitos Técnicos Básicos, além das versões iniciais das Normas de Especificação do “Tiro 84 mm S/Rc AEAC” (Sem Recuo, Alto Explosivo, Anticarro), do tubo lançador, do sistema completo integrado (tubo + munição) e de montagem da munição. A Norma de Especificação do Simulador Redutor de Calibre foi feita em 2006. Deve ser ressaltado que o projeto e desenvolvimento da munição foi realizado exclusivamente pelo Exército Brasileiro, no seu Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento.



Até meados de 2000, algumas empresas foram contratadas para fabricar certos componentes do tiro completo, como a IMEP-RJ (usinagem de alguns elementos da granada e do estojo), a ENGEPRON - Fábrica Almirante Jurandir (carregamento de Octol na cabeça de guerra), COPESP - Marinha do Brasil (usinagem do cone de carga oca), GP Metalizações (metalização do cone de cobre), IMBEL - Indústria de Material Bélico do Brasil (fornecimento do cristal piezelétrico e desenvolvimento do propelente - pólvora BD-617 - com especificações do IPD) e GESPI Aeronáutica (importação da espoleta M509A2, fornecimento do fio de aço condutor, usinagem de componentes metálicos da granada e de dispositivos de sujeição mecânicos). A empresa GESPI Aeronáutica Ltda., de São José dos Campos, SP, projetou e fabricou, mediante contratos do CTEx, os primeiros provetes para medidas de pressão, desenvolveu o primeiro sistema informatizado de medição de impulsão do recuo por célula de carga e, também, um novo dispositivo de sujeição para testes de pressão e sobrepressão.


Após o término do desenvolvimento da munição, foi tomada a decisão pelo IPD de que a fabricação de todos os seus componentes fosse concentrada num único fornecedor, sendo escolhida, então, a Fábrica de Juiz de Fora, da IMBEL, empresa vinculada ao Exército Brasileiro. A montagem da munição e todos os testes de campo continuaram sendo feitos pelo IPD e, posteriormente, no CTEx, quando da extinção daquele Instituto. O processo de produção foi consolidado numa Norma de Montagem elaborada pelo CTEx, que está sendo repassada, agora, à Fábrica de Juiz de Fora.




O projeto, desenvolvimento e fabricação do tubo lançador da ALAC foram realizados pela GESPI Aeronáutica, que hoje detém toda a tecnologia necessária. Coube ao CTEx a execução dos estudos teóricos de balística externa para o levantamento de trajetórias necessárias ao ajustamento do aparelho de pontaria. Os estudos de modelagem da granada, levantamento de coeficientes de arrasto também foram feitos por engenheiros militares do CTEx, utilizando o programa PRODAS, existente no IME. A GESPI também foi a responsável pelo projeto, desenvolvimento e fabricação do Simulador Redutor de Calibre, com seu cartucho gerador de gás, e da embalagem operacional, contanto com o indispensável apoio do Centro Tecnológico do Exército nos testes de desenvolvimento.

Hoje, apenas o CTEx, a IMBEL e a GESPI Aeronáutica permanecem, técnica e fabrilmente, no programa ALAC. De 1996 até 2006, o sistema completo foi desenvolvido, testado e maturado. Ao longo de 2007 e até setembro de 2008, a ALAC foi submetida às Avaliações Técnica e Operacional pelo CAEx – Centro de Avaliações Técnicas do Exército, situado na Restinga da Marambaia, no Rio de Janeiro. Sua subseqüente aprovação foi homologada pelo DCT – Departamento de Ciência e Tecnologia em novembro de 2008. Encomendas substanciais destinadas ao Exército Brasileiro já foram feitas.


argentina de olho nas malvinas,
petroleo pode leva a guerraO ministro das Relações Exteriores da Argentina, Jorge Taiana, convocou a embaixadora britânica em Buenos Aires protestar contra a informação de que o Reino Unido teria autorizado a busca de petróleo na região das ilhas Malvinas (conhecidas como Falklands pelos britânicos).


                                                       

Taiana entregou uma nota formal ao governo britânico expressando "enérgico protesto" contra a decisão.



Segundo o comunicado, o governo "rejeita firmemente a pretensão do Reino Unido de autorizar a realização das operações de exploração de hidrocarbonetos em regiões da plataforma continental argentina submetidas à ocupação ilegítima britânica".



"Esta é uma iniciativa ilegítima", disse Taiana a jornalistas no ministério.



Na segunda-feira, o jornal "El Cronista" publicou que a petroleira Desire Petroleum deverá começar a buscar petróleo no arquipélago ainda neste mês. Segundo o diário, esta é uma das quatro empresas com autorização britânica para realizar exploração petroleira naquele território.



Disputa por soberania             submarinos argentinos classe... ikl -1.500


Os dois países entraram em guerra em 1982 na chamada Guerra das Malvinas. Apesar da derrota das tropas argentinas, o governo mantém uma reivindicação pela soberania das ilhas na ONU (Organização das Nações Unidas).



A ONU, por sua vez, recomenda que os dois governos retomem a negociação pela soberania das ilhas e aconselha ainda que nenhum dos dois países realize modificações unilaterais sobre as Malvinas.

                                                submarinos argentinos

No comunicado emitido pelo governo argentino e entregue nesta terça-feira ao encarregado de negócios da representação diplomática do Reino Unido, o ministério "responsabiliza Londres por não respeitar as resoluções das Nações Unidas".



"A nova ação unilateral britânica soma-se à sucessão de ações unilaterais que levaram o governo argentino a dar por terminado, a partir de 27 de março de 2007, a Declaração conjunta argentino-britânica de setembro de 1995".



A Declaração se refere à chamada Cooperação de Atividades referente à "exploração de hidrocarbonetos na área sujeita a disputa de soberania".

                                      comando sas ingleis

No comunicado, a Argentina ressalta ainda que a "nova ação unilateral" do governo britânico é "incompatível" com o que foi estabelecido na ONU, que reconhece a "existência da disputa pela soberania" das ilhas e sugere que as negociações sejam retomadas para uma "solução pacífica da disputa".

tropa de elite argentina


A reclamação argentina pela soberania das ilhas tem sido frequente desde que o ex-presidente Nestor Kirchner assumiu o governo, em 2003, e persiste durante a gestão da atual da presidente Cristina Kirchner, que chegou ao poder em 2007.

Arquivo do blog segurança nacional