quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Intervenção na Costa do Marfim está descartada 'por enquanto'

Uma "intervenção militar" de países do Oeste da África na Costa do Marfim para fazer partir Laurent Gbagbo, que se recusa a deixar o poder, "parece, felizmente, descartada por enquanto", declarou nesta quarta-feira o secretário de Estado das Relações Exteriores de Cabo Verde, Jorge Borges.




Uma delegação formada por três presidentes africanos voltará à Costa do Marfim no dia 3 de janeiro para prosseguir com as negociações com o líder Laurent Gbagbo, disse o presidente do bloco regional Ecowas, Goodluck Jonathan, na quarta-feira.



"Eles voltarão no dia 3 de janeiro e, quando retornarem desta segunda visita, o resultado determinará a próxima ação", disse Jonathan, que também é presidente da Nigéria, após uma reunião com os enviados.



Os presidentes de Benin, Serra Leoa e Cabo Verde foram enviados pelo Ecowas à Costa do Marfim na terça-feira para dizer a Gbagbo que ele deve ceder o poder ao candidato presidencial rival Alassane Ouattara - o vitorioso da eleição de 28 de novembro, na opinião das potências mundiais e dos países africanos vizinhos - ou enfrentar uma possível força militar.

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Argentina rejeita recusa de Cameron em negociar sobre Malvinas

O governo argentino rejeitou nesta segunda-feira as recentes declarações do primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, de que não negociará a soberania das ilhas Malvinas apesar das insistentes reivindicações do país sul-americano. "A Argentina reitera seu pedido ao Reino Unido para que responda às exortações da comunidade internacional e cumpra sua obrigação de resolver pacificamente a polêmica da soberania", destacou a Chancelaria argentina em comunicado.




"Da mesma maneira, o governo argentino reitera seu enérgico repúdio às atividades de prospecção e exploração de recursos naturais renováveis e não renováveis na plataforma continental argentina realizada pelo Reino Unido", indicou.



O comunicado assinalou que essas atividades estão "em contradição com a resolução 31/49 da Assembleia Geral das Nações Unidas, que pede a ambas as partes que se abstenham de adotar decisões unilaterais na área em disputa".



Sobre a referência de Cameron à existência de supostas interferências no tráfego de navios nas ilhas Malvinas, a Chancelaria indicou que as medidas adotadas pela Argentina "acontecem conforme as faculdades conferidas por direito interno e internacional".



"O que, em rigor, é contrário ao direito internacional é a manutenção de um anacrônico enclave colonial em pleno Século XXI, que inclui a depredação dos recursos naturais da região e a realização de exercícios militares que colocam em risco a segurança da navegação no Atlântico Sul", acrescentou a nota.



Em mensagem aos habitantes das ilhas, David Cameron disse não ter dúvidas sobre a soberania do Reino Unido em relação às Malvinas e assegurou que não negociará essa questão "a menos que os moradores queiram".



Os países se enfrentaram em 1982 em uma guerra pela soberania do arquipélago situado no sul do oceano Atlântico, que deixou 255 militares britânicos e mais de 650 argentinos mortos. Desde então, a Argentina não deixou de reivindicar perante a ONU e outros organismos internacionais a soberania das ilhas, situadas a 400 milhas marítimas de suas costas, invadidas e ocupadas pelos britânicos em 1833.

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Price Induction anuncia a abertura de uma filial no Brasil para o desenvolvimento de turboreatores aeronáuticos

São José dos Campos - 22 de dezembro de 2010 – Com o apoio e a expertise tecnológica da Snecma (Grupo Safran), parceiro chave do GIE Rafale International, a empresa francesa Price Induction S.A, implantada na região Aquitaine em Anglet, abre a sua filial brasileira Price Induction Brasil em São José dos Campos para desenvolver e fabricar turboreatores aeronáuticos.




Considerando o dinamismo do mercado brasileiro e a existencia de uma indústria aeronáutica de qualidade, a Price Induction afirma assim a sua vondade de dar contuidade aos seus desenvolvimentos tecnológicos para co-desenvolver e fabricar produtos inéditos na sua categoria, apoiando-se sobre altas tecnologias desenvolvidas pela Snecma e a Turbomeca (Grupo Safran), fabricantes de motores de nível mundial.



Essa iniciativa, que se inscreve no contexto do programa de transferência de tecnologias proposta pela Rafale International em resposta as necessidades exprimidas pelo governo brasileiro para aquisição de aviões caças (Programa FX-2), vem reforçar a cooperação industrial e tecnológica já existentes entre a indústria brasileira e os parceiros do Consórcio.



Assim sendo, a Price Induction oferece ao Brasil a possibilidade de desenvolver turboreatores aptos a responder a necessidades fundamentais da vigilância aérea e transporte aéreo privado.



Sobre a Price Induction S.A. :



Empresa pioneira, a Price Induction desenvolve turboreatores destinados a motorização de PLJ (Personal Light Jet) e de VANT’s, bem como equipamentos de simulação e bancos de turboreatores para necessidades de formação e de pesquisa. A Price Induction tem hoje 40 funcionários, com mais de 30 engenheiros, principalmente estabelecidos em Anglet e Tarnos. PRICE abriu recentemente duas filiais, uma em Atlanta, Georgia, USA, e a outra em São José dos Campos, SP, Brasill.

domingo, 26 de dezembro de 2010

Petraeus anuncia operações militares perto do Paquistão

AE - Agência Estado


O general David Petraeus, principal comandante das forças norte-americanas e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no Afeganistão, afirmou que haverá mais operações militares conjuntas nos dois lados da fronteira desse país com o Paquistão, que elogiou por seus "admiráveis" esforços contra a insurgência.




Grupos ligados ao Taleban afegão e outras milícias islâmicas se refugiam ao longo da fronteira com o Paquistão, que tem sido pressionado pelos Estados Unidos a enfrentar os rebeldes na zona tribal, o que afeta de forma negativa as relações entre os dois países.




Petraeus, que assumiu o controle das forças no Afeganistão em julho, disse ontem que já houve operações coordenadas em ambos os lados da fronteira, com soldados paquistaneses de um lado e efetivos da Otan e afegãos do outro.



O general falou durante uma entrevista a bordo de um avião militar, enquanto viajava pelo Afeganistão fazendo visitas a bases e postos militares. Segundo ele, o Paquistão reconheceu "a necessidade de fazer mais para concretizar seus objetivos (nas áreas tribais do país), e nós vamos coordenar com eles para assistir suas operações".



Petraeus insistiu, no entanto, em reconhecer os esforços paquistaneses na hora de enfrentar os rebeldes. "Devemos ser claros em reconhecer o que o Paquistão tem feito durante os últimos 22 meses, o que é considerável. Realizaram operações admiráveis contra a insurgência" em várias regiões, inclusive no Vale do Swat. As informações são da Associated Press.

Nova Zelândia divulga documentos sobre óvnis

AE - Agência Estado


Observações de luzes misteriosas nos céus e até mesmo a decolagem de um disco voador estão entre os relatos de aparições de objetos voadores não-identificados (óvnis) detalhados em documentos secretos divulgados pelo exército da Nova Zelândia no decorrer desta semana.





As milhares de páginas de documentos cobrem mais de cinco décadas de relatos de observações de óvnis por neozelandeses. A maior parte dos arquivos contém explicações naturais para as aparições, desde meteoritos a reflexos de luzes de embarcações marítimas. Entre os relatos está o de um homem que em 1955 escreveu uma carta às autoridades do país para informar que havia visto discos voadores, e que teria inclusive observado a decolagem de um deles.



Os arquivos abrangem também o mais famoso mistério relacionado ao tema no país, registrado em 1978 na cidade insular de Kaikoura. Na ocasião, a tripulação de um avião de carga reportou que havia luzes estranhas que aparentemente acompanhavam a aeronave e controladores de tráfego aéreo informaram ter captado sinais no radar para os quais não encontravam explicação.



Os documentos mostram que o governo tomou nota cuidadosamente dos relatos, apesar de muitos cidadãos terem recebido apenas um agradecimento polido ao destrincharem suas teorias. As Forças de Defesa da Nova Zelândia divulgaram os documentos na quarta-feira em obediência a uma solicitação feita com base em uma lei local de liberdade de informação. As informações são da Associated Press.

Foguete indiano que transportava satélite explode após lançamento

Um foguete indiano que carregava um satélite de comunicações explodiu no ar pouco após o lançamento, neste sábado (25 Dez), no sul da Índia, segundo imagens da televisão local.




O foguete levava o satélite de fabricação indiana GSAT-5P e explodiu em uma bola de fumaça e fogo depois de decolar do Centro Espacial Satish Dhawan de Sriharikota, a cem quilômetros da cidade de Chennai.



Segundo o jornal indiano "Times of India". esta é a segunda vez que um foguete deste modelo fracassa em missões da Organização de Pesquisas Espaciais Indianas (ISRO, na sigla em inglês). Em abril de 2010 um foguete do modelo não pode ser lançado por problemas técnicos.



Seshadri Sukumar/AFP
Foguete GSLV, que carregava satélite GSAT-5P, é visto momentos depois de explodir em pleno ar




O jornal relata que, cerca de dois minutos depois do lançamento, o foguete desviou de sua rota e explodiu no céu. Os monitores da agência mostraram os restos do foguete caindo em direção à baia de Bengala.



Os cientistas não sabem explicar ainda qual foi o problema no foguete.



O último GSLV, equipado com o primeiro motor criogênico de fabricação nacional, falhou em 15 de abril deste ano. O motor teve de ser substituído por um modelo russo para o lançamento deste sábado.



O foguete deveria ter sido lançado na segunda-feira passada (20), mas o evento foi adiado depois que os engenheiros detectaram um vazamento no motor criogênico.



O foguete, ainda segundo o jornal, deveria lançar o satélite em órbita após 19 minutos. Ele seria usado para melhorar o sinal da televisão.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Israel suspeita que Irã forneça mísseis sofisticados a milícias de Gaza

Associated Press


JERUSALÉM - As Forças de Defesa de Israel enviarão tanques de guerra para a fronteira com a Faixa de Gaza em resposta a ataques originados no território palestinos em que foram usados mísseis sofisticados com capacidade para destruir veículos blindados.



Os militares israelenses confirmaram na terça-feira que os militantes palestinos usaram mísseis Kornet nos ataques. Acredita-se que os foguetes sejam o que há de mais moderno no arsenal dos militantes, formado majoritariamente por mísseis de menor alcance e capacidade destrutiva.



As autoridades de defesa afirmam que os mísseis chegaram aos militantes por meio do Irã, que apoia o Hamas, partido palestino que controla a Faixa de Gaza. O Hezbollah, milícia radical do sul do Líbano, também é apoiado por Teerã e usou mísseis Kornet em uma guerra contra o Estado judeu.



Os oficiais israelenses, porém, disseram que não há provas de que os mísseis teriam vindo do Irã. Também não está claro como as armas chegaram às mãos dos militantes de Gaza. O Hamas, que controla uma rede de túneis por onde é feito contrabando de vários itens, não negou nem confirmou possuir os foguetes.



A fronteira de Israel com Gaza tem vivido um período de relativa calmaria desde a Operação Chumbo Fundido, empreendida por Israel contra militantes palestinos no final de 2008 e no início de 2009. Desde então, há registros esporádicos de disparos dos militantes comumente respondidos por mísseis israelenses.

ONU adverte sobre risco de volta da guerra civil à Costa do Marfim

ABIDJÃ - O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, advertiu sobre um "risco real" do retorno da guerra civil à Costa do Marfim em meio às disputas sobre o resultado das eleições presidenciais no país.




Ban disse que o presidente Laurent Gbagbo está tentando expulsar ilegalmente a força de paz da ONU após a organização ter reconhecido o opositor Alassane Ouattara como vitorioso no pleito do dia 28 de novembro.



Um aliado de Gbagbo afirmou que os membros das forças da ONU serão tratados como rebeldes se não deixarem o país. Em seu primeiro pronunciamento na TV desde a eleição, Gbagbo reafirmou sua legitimidade. Ele também ofereceu deixar um painel com representantes internacionais examinar os resultados da eleição.



O Exército anunciou ainda a suspensão do toque de recolher noturno, para que as famílias "possam aproveitar os feriados de fim de ano".



Gbagbo disse que Ouattara pode deixar o Golf Hotel, na capital do país, Abidjã, onde montou seu quartel-general, protegido pela ONU. O correspondente da BBC em Abidjan, John James, diz que as ruas de acesso ao Golf Hotel foram bloqueadas e o local não vem recebendo suprimentos por vários dias.



Bloqueio



Em um discurso na Assembleia Geral da ONU nesta terça-feira, Ban se disse preocupado com a missão de paz da organização na Costa do Marfim, a Unoci, formada por 10 mil homens. Ele advertiu que forças leais a Gbagbo estão obstruindo as operações da Unoci e bloquearam os 800 soldados da ONU destacados para proteger Ouattara.



"Estou preocupado que essa interrupção dos suprimentos para a missão (da ONU) e ao Golf Hotel colocará nossas forças de paz em uma situação crítica nos próximos dias", disse. "Por isso eu faço um forte apelo aos Estados membros que estão em uma posição para fazê-lo para que apoiem a missão", afirmou. "Ao enfrentar esse desafio direto e inaceitável à legitimidade das Nações Unidas, a comunidade internacional não pode ficar parada", acrescentou.



Ban disse que qualquer tentativa de "forçar a submissão da missão das Nações Unidas fazendo-a passar fome" não será tolerada e advertiu que os responsáveis por tais atos terão de responder por eles sob a lei internacional.



Ele também revelou que a Unoci havia confirmado que "mercenários, incluindo antigos combatentes da Libéria, foram recrutados para perseguir certos grupos da população" e que um embargo sobre a compra de armas foi quebrado.



Violência



Os protestos e a instabilidade desde o segundo turno da eleição presidencial ameaçam levar a Costa do Marfim de volta à guerra civil, entre 2002 e 2007, que provocou o colapso econômico no país, o maior produtor mundial de cacau.



Poucos dias após a votação, a Comissão Eleitoral Independente (CEI) declarou Ouattara vencedor com 54,1% dos votos válidos, contra 45,9% de Gbagbo. Ambos os candidatos participaram de cerimônias de posse quase simultâneas e reivindicam a Presidência.



Mas após o atual presidente e seus simpatizantes terem afirmado que houve fraude nas áreas do norte do país controladas por rebeldes ligados à oposição, o Conselho Constitucional alterou o resultado e anunciou que Gbagbo foi o vencedor, com 51% dos votos. Pelo menos 50 pessoas foram mortas nos episódios de violência desde então.



O atual presidente, que tem o apoio das Forças Armadas, está no cargo desde 2000. Seu atual mandato expirou em 2005, mas a eleição presidencial vinha sendo adiada desde então sob o argumento de que não havia segurança para sua realização.


Lei


Em seu pronunciamento na TV estatal, Gbagbo reafirmou sua vitória nas eleições e atribuiu os confrontos recentes "à recusa dos adversários de se submeter à lei". "Eu ganhei a eleição com 51,45% dos votos", disse. "Eu sou presidente da República da Costa do Marfim. Agradeço aos marfinenses por renovarem sua confiança em mim", afirmou.



Gbagbo pediu que a comunidade internacional estabeleça um "comitê de avaliação" que teria a "missão de analisar os fatos e o processo eleitoral objetivamente para resolver a crise pacificamente". Ele também fez uma homenagem aos policiais mortos nos conflitos, dizendo que eles morreram defendendo a Constituição. Mas ele insistiu que o caminho é a negociação. "Não quero mais o derramamento de sangue. Não quero mais guerra", disse.



Ouattara respondeu às declarações de Gbagbo dizendo que eles negociaram por cinco anos (para encerrar a guerra civil) e que ninguém estava em dúvida sobre quem realmente venceu a eleição.



A ONU, que participou da organização da eleição, apoiou a decisão da Comissão Eleitoral Independente e afirmou que Ouattara venceu a eleição. Os EUA também declararam apoio a Ouattara e estabeleceram nesta terça-feira sanções sobre Gbagbo e cerca de 30 pessoas ligadas a ele, seguindo a posição adotada pela União Europeia na segunda-feira.

Supercomputador de clima do Inpe será um dos mais poderosos do mundo

- O Estado de S.Paulo


Com investimento de R$ 50 milhões, a partir de janeiro o Brasil estará no topo das pesquisas em ciências climáticas. O supercomputador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), batizado de Tupã, será capaz de realizar 258 trilhões de cálculos por segundo e estará entre os mais poderosos do mundo para previsão de tempo e estudos em mudanças climáticas. Será também o único do Hemisfério Sul.





Instalado em Cachoeira Paulista, a 206 quilômetros de São Paulo, Tupã atenderá a grupos de pesquisa, instituições e universidades da Rede Brasileira de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas (Rede Clima) do Ministério da Ciência e Tecnologia. O equipamento foi adquirido com recursos da pasta e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). O investimento permitirá ao Inpe ampliar mais de 50 vezes a capacidade de processamento.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

O programa de modernização de soldado alemão

O fuzil G-36 será equipado com um lança granadas M-203
O programa de modernização de soldado alemão System Soldat - Infanterist der Zukunft - IdZ (Sistema de Infantaria do Futuro) foi lançado em 1997, baseado na iniciativa da OTAN de modernização de sistemas de soldado desmontado.




O programa IdZ tem o objetivo de melhorar a efetividade da missão do soldado desmontado e prepará-lo para o campo de batalha digital com o uso de novas tecnologias, com uma abordagem sistêmica, e com um conceito modular com requerimentos de missão específicos e com potencial de crescimento considerando as necessidades do usuário e incorporação rápida de avanços tecnológicos.



O IdZ irá melhorar a capacidade do infante individual nas áreas de efetividade, sobrevivência, controle de operações e mobilidade, adaptando-o as tarefas do Bundeswehr. O programa também prioriza áreas como logística, treinamento, troca de informações e doutrina. O impacto nas melhorias ou novas capacidades do infante nestes áreas deve ser mantida em um limiar mínimo.



Uma abordagem evolucionária de baixo risco foi adotada na fase de definição e seleção dos componentes para permitir a introdução rápida da primeira geração o IdZ já em 2005, usando vários componentes já existentes como o fuzil G36.



O IdZ usa um conceito modular, incorporando tudo desde o uniforme de combate aos itens individuais de proteção, armamento e comunicação, combinando equipamentos já disponíveis com outros desenvolvidos e integrados a estes elementos em um sistema coerente.




O conceito modular oferecerá amplo potencial de integração de novas capacidades e tecnologias de alto risco no futuro. A modularidade inclui outros serviços como a Força Aérea e capacidade de trocar módulo para reagir rápido as mudanças. O infante irá receber equipamentos que podem ser adaptados as diferentes condições operacionais com proteção adequada a ameaça.



As melhorias essenciais serão um rádio de comunicação para o grupo de combate, melhoria na capacidade e combate noturno e integração com o sistema de comando e controle do exército com um mapa digital, GPS, bússola digital e conjunto na cabeça.



Objetivos Chaves do Programa



Desde o início foi dada grande prioridade a capacidade de sobrevivência do infante desmontado com o objetivo geral de melhorar o sucesso da missão. Considerando que o nível de proteção balística que pode ser atingida pelo infante desmontado é limitada pelo peso e volume, assim como a mobilidade e sustentação, a ênfase na vulnerabilidade implica em diminuir a possibilidade de ser atingido.



Idealmente, o infante do futuro alemão deverá ter, sempre e em qualquer lugar:



- Informações completas do inimigo e ameaças



- Sensores e armas com alcance e precisão superior



- Capacidade de reação rápida e surpresa



Para garantir estes resultados, é necessário diminuir a probabilidade do soldado ser detectado, rastreado, engajado e atingido. Também é necessário diminuir a probabilidade de ser morto ou incapacitado quanto atingido.



Desse modo, o sistema IdZ tem os seguintes parâmetros:



- Redução/evitar detecção com camuflagem visual, infravermelha e possivelmente radar, diminuir emissões acústicas e eletromagnéticas.



- Reduzir/evitar ser rastreado/atingido (e por pouco tempo ou nunca durante a fase de vigilância, engajamento e comunicações, com meios remotos)



- Proteção balística



- Proteção QBR



- Proteção dos olhos contra energia laser



Além da ênfase na sobrevivência, o sistema IdZ pretende melhorar a consciência da situação e capacidade de reação com melhora das informações sobre os inimigos e ameaças dando a todos os soldado no grupo de combate o mesmo nível de informações.



Como a reação rápida depende da mobilidade e agilidade do soldado, a redução do peso é de grande importância. O IdZ também irá dar informações de posicionamento, e no futuro, situação da saúde para medidas de resgate e primeiros socorros rápidos.




O "System Infanterist" considera o grupo de combate (GNppe na Alemanha) como a menor fração da tropa (10 soldados). Isto é devido ao fato de todas as capacidades necessárias não poderem ser realizadas por um único infante, contudo, no GC é possível configurar diferentes equipamentos individuais como armas, óticos, e C4I

França reitera que fará transferência de tecnologia na venda do Rafale

A transferência de tecnologia incluída no pacote oferecido pela França para vender os caças Rafale ao Brasil inclui até a abertura dos códigos-fonte dos programas usados pelo avião, reiterou o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas francesas, Edouard Guillaud, em encontro com o ministro da Defesa, Nelson Jobim, no fim da semana passada. Em entrevista exclusiva ao Valor, após o encontro, Guillaud disse estar "muito, muito confiante" de que será o Rafale o jato escolhido para reequipar as Forças Armadas brasileiras, no governo de Dilma Rousseff.




"Quem fixa a agenda e o calendário (para a compra) é a presidente, não a França", ressalvou o almirante. "A presidente terá de analisar os documentos, e como nossa proposta é excepcional, devido ao desempenho, à transferência de tecnologia, estou muito confiante sobre a decisão final da presidente Dilma Rousseff", comentou.



Guillaud lembrou que a França vem cumprindo os compromissos assumidos para transferência de tecnologia em submarinos, que incluiu intercâmbio de oficiais entre os dois países, admitiu que o preço do Rafale é maior que o dos concorrentes, mas argumentou que não se pode fazer essa comparação, porque a qualidade do avião e as condições da oferta francesa são melhores. É o que o leva a pensar que o Rafale não será abatido por cortes orçamentários. "Todos buscam o maior valor possível pelo dinheiro gasto", disse, em inglês.



Ele confirmou o interesse das Forças Armadas no avião cargueiro projetado pela Embraer, o KC-390 - o presidente francês, Nicolas Sarkozy, chegou a anunciar, no ano passado, que poderia comprar dez dessas aeronaves, mas havia rumores de que os franceses teriam mudado de ideia. "A partir de 2016, vou precisar de novas unidades e o KC-390 atende às minhas necessidades, porque é complementar ao europeu A 4006", assegurou. A americana Lockheedconcorre com a brasileira pelo fornecimento do cargueiro de menor porte aos franceses. O avião não pode ser avaliado, porque a Embraer ainda não o produz, lembrou.



Em visita ao Brasil para reafirmar a "parceria estratégica" do país com a França, o almirante Guillaud, que até o ano passado, era o conselheiro militar do presidente Sarkozy, garantiu que o apoio francês a um assento permanente para o Brasil, no conselho de segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), não sofreu nenhum abalo com a decisão do governo brasileiro de votar contra a proposta de sanções ao Irã, por suspeitas de uso militar do programa nuclear iraniano. A votação, no Conselho de Segurança, onde o Brasil ocupa temporariamente uma cadeira, só teve dois votos contrários, o brasileiro e turco.



"O Brasil é a oitava potência mundial, um gigante na América do Sul; é anormal que não tenha assento permanente no Conselho de Segurança", disse o almirante, minimizando as divergências em relação ao Irã, com o argumento de que os dois países condenam o uso bélico da energia nuclear pelos iranianos. "No Irã, estamos de acordo; sobre o método de obtê-lo é que há divergência, mas isso não é razão para que o Brasil não ocupe o assento a que tem direito."



Os franceses, segundo o chefe das Forças Armadas da França, apoiam também a decisão brasileira de expandir, para as Forças da ONU no Líbano (Unifil), a participação do país em operações de paz. Há duas semanas, o Senado brasileiro aprovou, com apoio da oposição, o envio de um almirante e quatro oficiais para comandar a frota naval encarregada de patrulhar a chamada linha azul, onde se tenta evitar conflito entre integrantes do Hizbollah e Israel. Essa primeira missão pode se expandir para incluir até mais de uma centena de fuzileiros navais, e Guillaud ofereceu a Jobim treinamento e apoio francês aos brasileiros.



"Vamos trabalhar com o Brasil no Líbano", confirmou o almirante, que vê a possibilidade de que a "parceria estratégica" se estenda a missões conjuntas em países africanos, com a troca de informações dos dois governos sobre as Áfricas lusófona e francófona. A parceria, que inclui acordos nas áreas de ciência, tecnologia, agricultura, economia e industrial, vem avançando como prometido no campo militar, com o treinamento de 30 engenheiros da Marinha para a construção do submarino nuclear brasileiro e com o intercâmbio de informações sobre os projetos dos Exércitos brasileiro e francês para o "Soldado do Futuro".



Satisfeito com o que considera uma aproximação crescente entre os militares dos dois países, Guillaud, que se encontrou separadamente com comandantes das três Forças no Brasil, não chegou a conversar com Jobim sobre uma possível atuação conjunta na América do Sul. "Não conversamos sobre ação conjunta, a América do Sul felizmente é um continente calmo, embora haja personagens interessantes no continente", gracejou o militar.



Fonte:Valor Econômico - Sergio Leo
De Brasília

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Marinha do Brasil incorpora Navio-Patrulha 'Macau' à Armada


Marinha do Brasil incorpora Navio-Patrulha 'Macau' à Armada



Navio-Patrulha “Macau” (P75)

A Marinha do Brasil incorporou à Armada, no dia 30 de novembro, o segundo navio da Classe “Macaé”, o Navio-Patrulha “Macau” (P75). Em obras desde 2007, o navio foi construído na Indústria Naval do Ceará (INACE), em Fortaleza, local onde também foi realizada a cerimônia de incorporação. O evento contou com a presença do Comandante da Marinha, Almirante-de-Esquadra Julio Soares de Moura Neto.



O P75 atuará na área do Comando do 3° Distrito Naval e realizará, prioritariamente, apoio à fiscalização das Águas Jurisdicionais Brasileiras (AJB) em atividades de Patrulha e Inspeção Naval, contribuindo para a segurança do tráfego marítimo nacional, salvaguarda da vida humana no mar e defesa dos interesses estratégicos do Brasil.

O Navio-Patrulha “Macau” será comandado pelo Capitão-de-Corveta Maurício do Nascimento Pinto e terá tripulação de 30 militares. Em entrevista, o Comandante do navio falou da capacidade do P75: “O navio vai operar com software desenvolvido pela própria Marinha. O passadiço é de última geração, assim como o sistema de armamento”, disse. Registrou, ainda, que comandar um navio é a realização de um sonho para qualquer Oficial de Marinha: “Ver o nascimento, desde a primeira chapa até este momento, é uma experiência sem igual”.




De acordo com o Comandante da Marinha, Almirante-de-Esquadra Moura Neto, a construção de um navio é sempre motivo de satisfação para a Marinha. O Almirante também falou de mais quatro navios que estão em processo de construção, mas para ele a Marinha pode ir além: “Se tivermos uma folga orçamentária no ano de 2011, partiremos para a construção de mais navios, que completarão o total de 12, previstos na primeira fase. Em uma segunda fase, esses 12 serão 27, e em uma terceira fase, os 27 serão 46”, afirmou.



Fonte/Fotos: Marinha do Brasil

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

A Rússia lançou na quarta-feira,15, rumo à Estação Espacial Internacional (ISS) a nave Soyuz TMA-20 com três tripulantes a bordo, um russo, um americano e um italiano.




O lançamento, transmitido ao vivo pelo canal de notícias Rossía 24, aconteceu às 22h09 de Moscou (17h09 no horário de Brasília) com a ajuda de um foguete portador Soyuz FG a partir da base de Baikonur, no Cazaquistão.
Apenas nove minutos depois, a nave com o cosmonauta russo e comandante da nave, Dmitri Kondratiev, a americana Catherine Coleman e o italiano Paolo Nespoli se separou do foguete para começar seu voo autônomo de dois dias rumo à plataforma orbital.




O acoplamento da Soyuz à ISS está previsto para as 23h12 no horário local (18h12 de Brasília) de sexta-feira, 17.



Este será o primeiro voo espacial de Kondratiev, de 41 anos, enquanto Catherine, quem completa 50 anos nesta quarta-feira, já realizou duas viagens a bordo da nave Columbia em 1995 e 1999.



Já Nespoli, de 53 anos, voou com a nave Discovery em 2007.



Nesta missão à plataforma orbital, onde permanecerá por 152 dias, a tripulação deverá realizar três caminhadas segundo o programa de voos russo.


Além disso, receberá e descarregará quatro cargueiros russos Progress e supervisionará o acoplamento do segundo veículo espacial europeu e da Soyuz TMA-21, assim como o retorno à Terra da Soyuz TMA-20.




A atual tripulação da plataforma orbital é integrada pelo americano Scott Kelly, em qualidade de comandante, e pelos engenheiros russos Aleksandr Kaleri e Oleg Skrípochka.



Em 26 de novembro, a nave Soyuz TMA-19, com o russo Fyodor Yurchikhin e os americanos Douglas Wheelock e Shannon Walker a bordo, aterrissou nas estepes do Cazaquistão.

CENIC entrega modelo de qualificação do SARA

A Cenic Engenharia entregou, no mês de dezembro, o Modelo de Qualificação Mecânica do Sara Suborbital. A entrega ocorreu na sede da empresa no bairro Chácaras Reunidas em cumprimento do contrato com o IAE.




Após uma apresentação da empresa, as comissões receberam os volumes de documentação correspondentes à etapa cumprida e puderam vistoriar o Modelo de Qualificação.



A principal estrela da apresentação foi o Modelo do Subsistema de Recuperação. Composto de um conjunto de paraquedas divididos em aba piloto, paraquedas de arrasto e dois paraquedas principais, o Modelo ainda conteve o container para abrigar os paraquedas durante o voo e um Bloco de Separação que comanda a abertura. Este subsistema envolve uma inovação tecnológica do projeto, pois não é acionado por sistemas pirotécnicos.



Os ensaios de qualificação do Subsistema de Recuperação ocorrerão no Prédio de Integração de Lançadores (PIL) do IAE após o término dos ensaios de separação do VLS-1. O Modelo de Qualificação entregue nesta etapa será utilizado durante estes ensaios, sendo que a sequencia de abertura dos paraquedas será repetida várias vezes para se chegar à qualificação do subsistema. Todo o processo será filmado com câmeras de alta velocidade.

Israelenses vendem VANT para FAB

Aviação: Aeroeletrônica, controlada pela Elbit, ganha licitação para entrega de duas unidades




A AEL-Aeroeletrônica, de Porto Alegre, venceu o processo de seleção da Força Aérea Brasileira (FAB), para a aquisição de dois veículos aéreos não tripulados, também conhecidos pela sigla VANT. A Aeroeletrônica é controlada pelo grupo israelense Elbit. O valor do contrato, segundo o diretor do Subdepartamento de Desenvolvimento e Programas da Aeronáutica, brigadeiro Carlos Augusto Amaral Oliveira, ainda não foi definido, pois a FAB está finalizando a negociação.



Além da Aeroeletrônica, também participaram do processo a BAE Systems, da Inglaterra; Sagem, do grupo francês Safran; e a IAI, de Israel, que entrou no processo junto com a brasileira Flight Solutions. Segundo a FAB, a IAI ficou em segundo lugar.



A Flight Solutions desenvolveu uma família de VANTs para o Exército brasileiro denominada VT-15. O mercado no Brasil, segundo o diretor da Flight, Nei Salis Brasil Neto, ainda está nascendo, mas o setor no mundo deve movimentar negócios da ordem de US$ 8 bilhões até 2016. A América do Sul responde por apenas 2% desse montante, mas Neto acredita que essa realidade tende a mudar com o fortalecimento da indústria de defesa local.



A aquisição dos novos veículos, de acordo com o brigadeiro Amaral, tem como objetivo a consolidação de uma doutrina de utilização de VANTs na FAB, mais adequada às necessidades do sistema de defesa nacional e que também sirva de base para a compra futura de novos veículos.



O Brasil ainda não possui um produto desenvolvido e fabricado no país. O Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), em São José dos Campos, desenvolveu a parte eletrônica de um VANT nacional, envolvendo o seu sistema de navegação e controle. O projeto, que também envolve o Centro Tecnológico do Exército (CTEX), o Instituto de Pesquisas da Marinha (IPqM) e a Avibrás, entrou agora numa segunda fase, relacionada ao desenvolvimento do sistema de decolagem e pouso automático.



Para a primeira fase do projeto nacional, a Finep destinou R$ 9 milhões. "Estamos agora aguardando a liberação de uma verba de R$ 4,5 milhões para dar continuidade ao desenvolvimento", disse o coordenador do projeto no DCTA, Flávio Araripe.



A Avibrás também partiu para o desenvolvimento de um VANT próprio, batizado de Falcão. O veículo foi financiado com recursos da Finep, que destinou R$ 19 milhões para o projeto. O primeiro protótipo, segundo o gerente do projeto na Avibrás, Renato Bastos Tovar, ficará pronto em abril e o primeiro voo está previsto para junho. "A fase de certificação e industrialização exigirá mais R$ 30 milhões em investimentos e temos a expectativa de que a FAB nos considere em um próximo processo de aquisição", disse.



O modelo escolhido pela FAB, um Hermes 450, é fabricado pela Elbit. Duas unidades do Hermes 450 já estão sendo testadas, há um ano, pelas Forças Armadas brasileiras na Base Aérea de Santa Maria (RS), onde fica sediado o Esquadrão de VANT da Aeronáutica. Os VANTs foram cedidos pela Elbit sem custo e estão sendo avaliados em missões de reconhecimento tático e vigilância de fronteira.



Segundo o diretor-executivo da Aeroeletrônica, Vitor Jaime Neves, a empresa está criando um centro de excelência no Brasil e enviou técnicos brasileiros para participar de um programa de desenvolvimento de tecnologias associadas a VANTs nas instalações em Israel.



No contrato que negocia com a FAB, a Aeroeletrônica também terá de cumprir obrigações de offset (compensação) relacionadas à transferência de tecnologia. "Está prevista a transferência de tecnologias de partes das aeronaves para a indústria nacional, além de suporte e apoio técnico por parte da Aeroeletrônica/Elbit", explica o diretor de programas e desenvolvimento da Aeronáutica.



A brasileira Inbra Aerospace, de acordo com Vitor Neves, já pode ser citada como um exemplo concreto de offset relacionado ao Hermes 450. A empresa, segundo ele, já está fabricando partes da asa do veículo em material composto.



O executivo da Aeroeletrônica também não descarta a possibilidade de futuras parcerias com a Embraer na área de VANTs. As duas empresas já trabalham juntas nos programas de modernização dos caças AMX e F-5 da FAB.



"A área de VANTs é um dos focos que estamos olhando dentro da nova estrutura de segurança e defesa criada pela Embraer, mas ainda não sabemos se faremos um produto em parceria com outra empresa ou se partiremos para um desenvolvimento próprio", comenta o diretor-presidente da Embraer, Frederico Fleury Curado.



Segundo Curado, a Embraer vem fazendo prospecções nessa área há algum tempo, mas qualquer decisão de parceria estratégica para atendimento das necessidades nacionais será feita em conjunto com o governo brasileiro.



Fonte: Valor Econômico - Virgínia Silveira

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Voyager chega perto da fronteira do Sistema Solar

A Voyager está se aproximando da fronteira da bolha formada por partículas carregadas emitidas pelo Sol. A sonda espacial Voyager 1, lançada há 33 anos e está perto da fronteira do Sistema Solar.





A 17,4 bilhões de quilômetros de casa, a sonda é o objeto feito pelo homem mais distante da Terra e começou a identificar uma mudança nítida no fluxo de partículas à sua volta

Estas partículas, emanadas pelo Sol, não estão mais se dirigindo para fora e sim se movimentando lateralmente. Isso significa que a Voyager deve estar muito perto de dar o salto para o espaço interestelar - o espaço entre as estrelas.




Edward Stone, cientista do projeto Voyager, elogiou a sonda e as incríveis descobertas que ela continua enviando à Terra. "Quando a Voyager foi lançada, a era espacial tinha apenas 20 anos de idade, então não era possível prever que uma sonda espacial pudesse durar tanto tempo", disse ele à BBC.



"Não tínhamos ideia do quanto teríamos que viajar para sair do Sistema Solar. Sabemos agora que em aproximadamente cinco anos devemos estar fora do Sistema Solar pela primeira vez."



'Partículas carregadas'



A Voyager 1 foi lançada no dia 5 de setembro de 1977, enquanto sua sonda gêmea, a Voyager 2, foi enviada ao espaço pouco antes, em 20 de agosto de 1977. O objetivo inicial da Nasa era inspecionar os planetas Júpiter, Saturno, Urano e Netuno, uma tarefa concluída em 1989.


As sondas gêmeas foram então enviadas na direção do centro da Via Láctea. Abastecidos por suas fontes radioativas de energia, os instrumentos das sondas continuam funcionando bem e enviando informações à Terra, apesar de que a vasta distância envolvida significa que uma mensagem de rádio precisa viajar cerca de 16 horas.




As últimas descobertas vêm do detector de partículas de baixa energia da Voyager 1, que tem monitorado a velocidade dos ventos solares.



Esta corrente de partículas carregadas forma uma bolha em torno do nosso Sistema Solar conhecido como heliosfera. Os ventos viajam a uma velocidade "supersônica" até cruzar uma onda de choque no encontro com as partículas interestelares.



Nesse ponto, o vento reduz sua velocidade dramaticamente, gerando calor. A Voyager determinou que a velocidade do vento em sua localização chegou agora a zero.



Corrida



"Chegamos ao ponto em que o vento solar, que até agora tinha um movimento para fora, não está mais se movendo para fora; está apenas de movendo lateralmente para depois acabar descendo pelo rabo da heliosfera, que é um objeto com forma de cometa", disse Stone, que é baseado no Instituto de Tecnologia da Califórnia, em Pasadena.



O fenômeno é a consequência do vento indo de encontro à matéria vinda de outras estrelas. A fronteira entre os dois é o fim "oficial" do Sistema Solar, a heliopausa. Uma vez que a Voyager passar por isso, estará no espaço interestelar.



Os primeiros sinais de que a Voyager havia encontrado algo novo apareceram em junho. Vários meses de coleta de novos dados foram necessários para confirmar a observação.



"Quando percebi que estávamos recebendo zeros definitivos, fiquei maravilhado", disse Rob Decker, um pesquisador da Universidade Johns Hopkins que trabalha com o detector de partículas de baixa energia da Voyager.



"Ali estava a Voyager, uma sonda espacial que tem sido um burro de carga há 33 anos, nos mostrando algo completamente novo mais uma vez."

Concluídos testes do satélite SAC-D. Atividades no INPE seguiram protocolos da NASA

O Laboratório de Integração e Testes do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (LIT/INPE), em São José dos Campos (SP), concluiu no dia 10 de dezembro os ensaios de simulação das condições em órbita que enfrentará, quando lançado, o satélite argentino SAC-D.




O último teste foi realizado na câmara vácuo-térmica de grandes dimensões do LIT e teve a duração de 18 dias ininterruptos. Ele consumiu meses de preparação e envolveu aproximadamente uma centena de profissionais. Antes dele foram realizados diversos outros ensaios ambientais e de medidas do satélite.



Além de experimentos científicos argentinos, franceses e italianos, o SAC-D, Satélite de Aplicações Científicas, leva a bordo o instrumento Aquarius, equipamento inovador para monitorar a salinidade oceânica desenvolvido pelo Jet Propulsion Laboratory (JPL) da NASA. Para a realização dos testes no Brasil, o LIT/INPE aperfeiçoou procedimentos para adequação aos exigentes protocolos da agência espacial americana.



Segundo Petrônio Noronha de Souza, chefe do LIT/INPE, tais procedimentos, que incluíram regras de segurança, foram auditados e aprovados por representantes da própria NASA. “É valiosa a oportunidade de nossos técnicos atuarem ao lado de equipes do mais alto nível. Aumentamos nossa capacitação e reconhecimento internacional”.



O LIT/INPE é o único laboratório do gênero no Hemisfério Sul capacitado para a realização de atividades de montagem, integração e testes de satélites e seus subsistemas. Ter condições de oferecer a “matriz completa de testes espaciais” foi decisivo para o Brasil ser escolhido para testar o satélite que a Argentina desenvolveu com a cooperação dos Estados Unidos.



O satélite chegou ao LIT/INPE no final de junho e deve deixar o laboratório, para o lançamento nos Estados Unidos, em março de 2011. Das atividades participam mais de duas centenas de técnicos e cientistas dos países envolvidos no desenvolvimento e na qualificação do satélite.



No total, foram realizados testes de interferência e compatibilidade eletromagnéticas, vibração, vibro-acústico, choque de separação, vácuo-térmico, além das medidas de propriedades de massa do satélite. A impossibilidade de reparo em órbita torna imprescindível a simulação em Terra de todas as condições que o satélite irá enfrentar desde o seu lançamento até o final de sua vida útil no espaço.



A realização dos testes no Brasil é resultado de acordo entre a Agência Espacial Brasileira (AEB) e a Comisión Nacional de Actividades Espaciales (CONAE), da Argentina. Trata-se da terceira operação com um satélite argentino no LIT/INPE, por onde já passaram os satélites SAC-B e C.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Alcântara lança foguete

Um foguete de médio porte foi lançado, ontem, com sucesso, às 13h30 (horário de Brasília), do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão. O objetivo da operação era colocar 10 experimentos a 100 quilômetros de altitude, em um ambiente de microgravidade. O veículo, chamado de BSB-30, foi desenvolvido por técnicos brasileiros e projetado para ter uma autonomia de voo de 250 quilômetros e carregar até 400kg. Ontem, ele atingiu 241,9km de altura, praticamente a mesma distância entre Brasília e Goiânia.




O foguete transportou o material das áreas de bioquímica, ciências de materiais, ciências térmicas, genética e posicionamento global. Tudo produzido por centros de pesquisas, universidades e estudantes do ensino fundamental que integram os programas desenvolvidos pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço.



Segundo técnicos da base, os sistemas funcionaram "perfeitamente"

Por volta das 15h (de Brasília), depois do retorno à Terra, foi iniciado o processo de recuperação da carga útil do foguete. Os 10 experimentos caíram no mar, sustentados por paraquedas, e foram resgatados 16 minutos depois, a 140 quilômetros da costa. Equipes da Força Aérea Brasileira usaram dois helicópteros para transportar a carga útil até uma base na Ilha de Santana. Lá, a carga foi acondicionada em uma caixa de transporte para ser levada com segurança ao CLA.



Os resultados sobre como se comportou o material no ambiente de microgravidade ainda serão conhecidos. Técnicos de Alcântara, porém, já consideram a operação um sucesso, pois todos os sistemas de lançamento e rastreio funcionaram “perfeitamente”.



Testes anteriores



A Operação Maracati II foi iniciada em 16 de novembro e contou com a participação de 183 pessoas, entre técnicos do CLA, do Instituto Nacional de Pesquisas Especiais e da agência espacial alemã Deutsche Zentrum für Luft- und Raumfahrt (DLR).



Antes de lançar o foguete BSB 30, o CLA já tinha feito testes como parte da primeira etapa da operação. Um foguete de médio porte, chamado de Improved Orion, foi lançado, no último dia 6, para realizar testes de equipamentos de aferição e para o lançamento do VSB-30.



O CLA é uma organização do Comando da Aeronáutica subordinada ao Comando-Geral de Tecnologia Aeroespacial. A unidade realiza missões de lançamento e de rastreio de engenhos aeroespaciais, de coleta e processamento de dados de cargas úteis, incluindo testes e experimentos científicos de interesse da Aeronáutica. Além disso, mantém permanente manutenção e atualização de equipamentos, aperfeiçoamento e treinamento de técnicos e engenheiros, e modernização de sistemas

sábado, 11 de dezembro de 2010

Embraer cria unidade para área militar e já prevê receita de R$ 1,5 bi em 2011

Roberto Gogoy, de O Estado de S. Paulo


SÃO PAULO - Uma nova empresa no ar – e isso quase literalmente: o grupo Embraer anunciou sexta-feira a criação da Embraer Defesa e Segurança, unidade de negócios autônoma, destinada a cuidar dos projetos e negócios da área militar. Com essa nova corporação ficarão ainda as atividades ligadas às tecnologias sensíveis – tanto a absorção como o desenvolvimento.



A Embraer Defesa nasce poderosa. De acordo com Luiz Carlos Aguiar, executivo que assume a presidência da organização, a receita prevista para o segmento, "vai bater em R$ 1,5 bilhão já em 2011". Aguiar é o atual vice presidente Financeiro e de Relacionamento com Investidores, mas esteve anteriormente à frente da área Defesa do grupo. O atual titular do setor, Orlando Nogueira Neto, continua no cargo de vice-presidente.



O presidente da Embraer, Frederico Curado, considera que o moviment0 "era inevitável, não apenas considerados os benefícios para a racionalização da gestão empresarial mas, também, o alinhamento com os conceitos fixados pela Estratégia Nacional de Defesa" (a END é o programa do Ministério da Defesa que estabeleceu prioridades para a reorganização das Forças Armadas e fixou diretrizes da base industrial).



Para Curado a ação confirma o compromisso da empresa com o País: "é um sinal claro: podem contar com a gente".



Fábrica própria



A nova unidade tem fábrica própria, em Gavião Peixoto, na região de Araraquara, a 300 quilômetros de São Paulo. Ali trabalham 2,2 mil funcionários envolvidos na construção dos turboélices de ataque leve Super Tucano e na transformação de 46 caças supersônicos F-5, americanos com 30 anos de idade, em modernas versões M. A revitalização está chegando para 53 bombardeiros leves de precisão AMX e para o caça subsônico Skyhawk, da Marinha.



Um novo hangar vai abrigar a linha de produção do cargueiro e avião tanque KC-390, militar, a maior aeronave já criada na Embraer. Os produtos mais discretos do catálogo, grandes jatos birreatores tipo Emb-145 convertidos em estranhas configurações eletrônicas cheias de antenas e bulbos externos, para cumprir missões de inteligência, vigilância e reconhecimento, saem dos mesmos prédios. Sem alarde, pela porta dos fundos.



O complexo abriga o ninho dos jatos Phenom executivos. A pista de ensaios mede 5 mil metros, a maior da América Latina. É repleta de sensores eletrônicos. A Embraer surgiu, faz 41 anos, como iniciativa estritamente da Força Aérea. "Felizmente, ao longo do tempo, os dirigentes perceberam que era preciso expandir a atividade no rumo do mercado civil – e isso fez da empresa, em 2010, a fabricante líder de jatos comerciais para até 120 passageiros. Agora, retomamos o caminho da Defesa",explica Curado. Ele lembra que em 1997 todo o faturamento da Embraer era do tamanho da carteira de negócios militares atual, "alguma coisa como os US$ 760 milhões alcançados esse ano".



Inteligência



Não por acaso, as prioridades da Embraer Defesa e Segurança que receberão os novos investimentos estão ligadas à sofisticada tecnologia de sensoriamento eletrônico – na prática sistemas de espionagem, escuta, e produção de informações.



Os sistemas avançados são os do tipo C4I, integrando Comando, Controle, Comunicações, Inteligência e Computadores. "Será fundamental no domínio do cenário estratégico dos grandes eventos como a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016, aplicados sobre plataformas aéreas", enfatiza o presidente Frederico.



Não apenas



Um levantamento recente do Pentágono, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos, estima em 300 unidades a demanda internacional por aeronaves configuradas em estações C4I. Um terço delas, estarão em países emergentes. Onde mora a clientela da Embraer.

Será lançado amanhã foguete desenvolvido por brasileiros


EQUIPE AE - Agência Estado 


O Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) deve lançar amanhã, entre 12h00 e 15h00, o foguete de médio porte VSB-30, segundo informações da Agência Brasil. O foguete foi desenvolvido por técnicos brasileiros. Dez experimentos de universidades, institutos de pesquisas e de alunos do ensino fundamental que integram os programas desenvolvidos pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) serão submetidos a testes em ambiente de microgravidade a 100 quilômetros de altitude.




Está previsto tempo de voo de 18 minutos, incluindo a ida e seu retorno à Terra de paraquedas. O foguete foi projetado para percorrer 250 quilômetros e carregar 400 quilos.

A França oferecerá à Índia uma versão maior do submarino Scorpène convencional, movido a energia elétrica gerada a partir de óleo Diesel (SSK), por um contrato de 5 bilhões de dólares (300 bilhões de rúpias) por seis submarinos. Essa é a maior encomenda por submarinos convencionais do mundo.




Declarando isso, Patrick Boissier, Presidente e CEO da construtora naval francesa DCNS, confirmou que o design do submarino Scorpène atual pode ser alongado com a adição de mais seções, incluindo um sistema de Propulsão Independente de Ar (Air-Independent Porpulsion - AIP).



Boissier era parte da delegação comercial em visita a Nova Delhi com o Presidente francês Nicolas Sarkozy. A Índia já está construindo seis submarinos Scorpène na estatal Mazagon Dock ltd sobe um contrato de 180 bilhões de rúpias assinado com a França em 2005.



Ano passado, a Marinha Indiana expediu Pedidos de Informação (Requests for Information - RFIs) a distribuidores globais para seis submarinos da classe Project 75I, independentes do contrato de 2005.



A DCNS respondeu aos RFIs da Marinha em Setembro passado. No próximo ano, a Marinha deve emitir seus Pedidos por Proposta (Requests for Proposal - RFPs), que irão definir o tamanho dos submarinos e demais parâmetros críticos. Oficias da Marinha dizem que o contrato para o primeiro P75I deve ser assinado por volta de 2012-13.



Espera-se que os submarinos Project P75I sejam maiores que os da classe Scorpène, de 1800 toneladas, e permitam a montagem de sistemas AIP, propiciando maior tempo de permanência submersos e viabilizando a instalação de mísseis para ataque em terra.







Oficias da Marinha Indiana dizem que a comunalidade de componentes significará que a segunda linha de seis Scorpène será mais barata do que a de qualquer concorrente, embora não esteja clara a dimensão dessa economia. Os dois primeiros submarinos serão construídos no estaleiro estrangeiro que ganhar o contrato, os três seguintes, na MDL, e o último na Hindustan Shipyard Limited, recentemente adquirida pelo Ministério da Defesa.



Os submarinos serão construídos simultaneamente na Índia e fora dela para assegurar sua rápida adição à Frota. Isso ocorre porque a Marinha encara o rápido encolhimento de seu ramo de submarinos. Nenhum submarino foi adicionado na última década. Dos 18 em 2000, a Marinha vê-los reduzidos a 14 e começará a aposentar as 10 embarcações russas da classe Kilo a partir de 2015. O programa de submarinos Scorpène está atrasado em quatro anos. Espera-se que o primeiro deles junte-se à Marinha apenas em 2015.



O programa indiano de longo prazo de construção de submarinos, concebido em meados dos anos 1990, prevê a construção de 24 submarinos nas próximas duas décadas.



Tradução: Felipe Medeiros

EUA testam com sucesso 'canhão eletromagnético'

Um "canhão eletromagnético", que atinge alvos a 200 km de distância e dispara projéteis a 'Mach 5', ou cinco vezes a velocidade do som, foi testado com sucesso nesta sexta-feira nos Estados Unidos, informou a Marinha.




"O teste do canhão eletromagnético" revela "que a Marinha pode disparar projéteis a uma distância de, ao menos, 110 milhas náuticas (200 km)", disse o almirante Nevin Carr, chefe de pesquisa naval. Esta distância é quase 20 vezes maior que a capacidade dos canhões atualmente embarcados.



O novo canhão tem dois trilhos de metal sobre os quais é colocado o projétil. O disparo ocorre por meio da passagem de uma forte corrente elétrica pelos trilhos. Não é utilizada pólvora ou qualquer outra propulsão química.



O teste foi realizado hoje no Centro de Pesquisas da Marinha, em Dahlgren (Virgínia).

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Foguete Orion V03 é lançado no CLA

O IAE informa que foi realizado com sucesso o lançamento do foguete Orion V03 no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), nesta segunda-feira, dia 06 de dezembro, ocorrido às 15 horas e 19 min, atingindo um apogeu de 103,9 km, alcance de 73,6 km e tempo de voo de 316,9 segundos, conforme a trajetória prevista. As estações de telemetria rastrearam o foguete durante todo o voo. O foguete Orion V03, de porte menor que o VSB-30, está sendo utilizado para os testes preliminares da Operação Maracati II.




Na Operação Maracati II, o foguete VSB-30 será lançado com a carga útil Micro G1A, da Agência Espacial Alemã, levando ao espaço dez experimentos de universidades e de diversas instituições brasileiras. O lançamento do VSB-30 deverá ocorrer entre os dias 11 e 15 de dezembro.



Os testes realizados com o veículo Orion V03 permitiram o trabalho de apronto do campo e de verificação da comunicação entre as estações e as diversas facilidades para a Operação Maracati II.



A equipe do IAE começou a trabalhar na montagem do foguete, juntamente com a equipe do DLR (Agência Espacial Alemã), no dia 22 de novembro, sendo o propulsor e a carga útil do foguete as primeiras partes a serem montadas. Após preparo do propulsor do Orion V03 e sua montagem completa, realizados no dia 24, as medições foram iniciadas no CLA e o lançamento realizado nesta segunda-feira.

Cientistas encontram primeiro exoplaneta rico em carbono

Uma equipe de cientistas da Universidade de Princeton, dos Estados Unidos, descobriu que o planeta WASP-12b, um dos exoplanetas mais quentes já descobertos, tem uma relação carbono-oxigênio maior que a vista no nosso sistema solar, segundo informou a revista britânica Nature. Os especialistas chegaram a essa conclusão após analisar a luz que o planeta reflete.




WASP-12b orbita uma estrela ligeiramente mais quente que o Sol a uma distância quarenta vezes mais próxima que aquela que a Terra tem do Sol, por isso é considerado um dos exoplanetas mais quentes conhecidos até o momento, com uma temperatura de superfície de 2.200ºC, mostra o estudo.



"Esse planeta revela a impressionante diversidade de mundos que há lá fora", disse Nikku Madhusudhan, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts. "Planetas ricos em carbono podem ser exóticos de todas as formas - formação, interior e atmosfera."




É possível que o planeta tenha altas quantidades de grafite, diamante e ainda outras formas não conhecidas de carbono em seu interior. Até o momento, astrônomos não têm a tecnologia para observar o interior dos exoplanetas (ou planetas que orbitam outras estrelas que não o Sol), mas suas teorias trazem possibilidades intrigantes.



O planeta Terra tem muitas rochas, como o quartzo, que são feitas de sílica, oxigênio e outros elementos. Mas planeta onde o carbono fosse predominante seria um lugar muito diferente. "Um planeta terra com carbono predominante teria muitas rochas de puro carbono, como o diamante ou grafite", disse Joseph Harrington, responsável pela pesquisa. Isso significa que, nesse mundo o diamante não seria uma pedra preciosa.



O carbono é um componente comum nos sistemas planetários e um ingrediente chave para a vida na Terra. Astrônomos muitas vezes medem a relação carbono-oxigênio para ter uma ideia da composição química dos astros

França confiante que vai vender o Rafales ao Brasil

PARIS, 8 dez 2010 (AFP) -O governo francês confia na venda ao Brasil do caça Rafale em uma licitação bilionária, apesar do anúncio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de que deixará a decisão para a sucessora Dilma Rousseff.




"Temos confiança", declarou o porta-voz do governo francês, Francois Baroin, ao fim do conselho de ministros. "Li as declarações de Lula citadas pela imprensa, mas não comento. Temos confiança", acrescentou.



Em uma entrevista à TV Brasil, que teve trechos divulgados na terça-feira pela Agência Brasil, Lula anunciou que não decidirá sobre a compra dos aviões de combate, em uma disputa entre a francesa Dassault, a americana Boeing com o F/A-18 Super Hornet e a sueca Saab com o Gripen NG.



"É uma dívida muito grande, é uma dívida a longo prazo para o Brasil. Eu poderia assinar e fazer um acordo com a França, mas não vou fazer", disse Lula.



O resultado da licitação que oscila entre quatro e sete bilhões de dólares ficará nas mãos de Dilma Rousseff, que assumirá a presidência em 1º de janeiro de 2011.



Em setembro de 2009, durante uma visita oficial ao Brasil, o presidente francês Nicolas Sarkozy anunciou que a França venderia o Rafale ao país.

A França até hoje não conseguiu exportar o caça.



Lula afirmou que o avião francês era o favorito e que a Dassault se comprometeu a transferir a tecnologia. Mas a Aeronáutica prefere a versão sueca, segundo a imprensa brasileira.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Navio de Assistência Hospitalar “Soares de Meirelles” é incorporado à Marinha do Brasil

A Marinha do Brasil (MB) está recebendo mais um Navio de Assistência Hospitalar (NAsH) para atender à população ribeirinha da Amazônia, o “Soares de Meirelles”. Sua incorporação à Armada da Marinha do Brasil será no próximo dia 23, às 10h, na Estação Naval do Rio Negro, em Manaus (AM). No evento, estará presente o Comandante da Marinha, Almirante-de-Esquadra Julio Soares de Moura Neto, e outras autoridades militares, estaduais e municipais.




Em agosto de 2010, a Marinha do Brasil e o Ministério da Saúde decidiram adquirir a embarcação “Ludovico Celani”, pertencente à W.A. Comércio e Transporte e Navegação Ltda, construída em 2008, pelo estaleiro de mesmo nome, na cidade de Manaus. Três meses depois, o navio foi denominado NAsH “Soares de Meirelles”, em homenagem a Joaquim Cândido Xavier Soares de Meirelles, Cirurgião-Mor da Armada e Patrono do Corpo de Saúde da Marinha. Após a sua incorporação, o navio passará por um processo de conversão a fim de adaptá-lo ao serviço naval e às atividades de assistência médico-hospitalar.



A aquisição do navio partiu de uma necessidade premente, identificada pelo Plano de Articulação e Equipamentos da Marinha do Brasil, de aumentar a quantidade de NAsH de três para cinco na Amazônia. O objetivo é ampliar, de forma quantitativa e qualitativa, a capacidade em prover atendimento médico e odontológico às populações ribeirinhas da região amazônica em parcerias com o Ministério da Saúde; Secretarias Estaduais de Saúde dos Estados do Acre, Amazonas, Pará, Roraima, Rondônia e Amapá; e Secretarias Municipais de Saúde.



O NAsH “Soares de Meirelles” ficará diretamente subordinado ao Comando da Flotilha do Amazonas e, juntamente com os NAsH “Osvaldo Cruz”, “Carlos Chagas” e “Doutor Montenegro”, contribuirá para a realização de atividades de Defesa Civil (operações humanitárias e catástrofes naturais), além de assistência médica e odontológica e ações cívico-sociais em benefício das populações ribeirinhas.



A tripulação do navio é composta por 44 militares, sendo quatro Oficiais e 40 Praças, e o Capitão-de-Corveta Rubinei dos Santos Silva será o seu primeiro Comandante.




Características do Navio:




ComprimentoTotal……………………………………………………………………………….63,00 m

Comprimento entre Perpendiculares………………………………………………………….55,72 m

Boca Moldada……………………………………………………………………………………. 12,00 m

Calado Carregado………………………………………………………………………………… 3,20 m

Deslocamento Carregado……………………………………………………….. cerca de 1.388,35 t

Deslocamento Leve…………………………………………………………………………….. 271,83 t

Velocidade máxima mantida……………………………………………………………………..12 nós

Raio de ação na velocidade de 12 nós…………………………………………………………500 MN

Propulsão e Governo:

Dois MCP fabricados por Yanmar (importados do Japão), modelo 6AYM-ETE, com potência de 610 kW cada, 1900 r.p.m., associados, cada um, a uma caixa redutora/reversora fabricada pela ZF do Brasil, com razão de redução de 5:1.

Geração e Distribuição de Energia Elétrica:

Dois grupos diesel-geradores principais (MTU-Cramaco), cada um com potência de 100 kVA, 220 V, 60 Hz


Os órgãos de imprensa, interessados em participar, poderão realizar o credenciamento no local Comando do 9º Distrito Naval Manaus, Rua Bernardo Ramos s/n – Centro, Manaus – AM. Mais esclarecimentos podem ser fornecidos pelo telefone (92) 2123-2253 (Tenente Glaucenira).

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Comandante do Exército diz que militares têm recebido ameaças no Rio

RIO - O comandante do Exército, general Enzo Peri, admitiu ao chegar nesta quinta-feira, 2, no Complexo do Alemão, zona norte do Rio, que a força militar tem "informes" de que alguns dos seus membros que residem em áreas populares e que estão atuando no entorno do complexo teriam recebido supostas ameaças por meio de e-mails ou telefonemas.





Segundo ele, a veracidade destas ameaças está sendo investigada pelo setor de inteligência. General Enzo não quis adiantar que providências seriam tomadas no caso de serem confirmadas as ameaças: "Primeiro vamos verificar se as ameaças realmente surgiram e se há disposição de executar, mas não deixaremos nenhum dos homens sem proteção".



Sua declaração foi dada no início da tarde ao chegar à antiga fábrica da Coca-cola, em Ramos, onde será erguida a base militar que irá atuar nos próximos meses. Segundo ele, o pedido de ajuda já foi feito oficialmente pelo governador Sérgio Cabral ao Ministério da Defesa e agora estão sendo discutidas as bases da operação que, muito provavelmente, será nos moldes da força de paz que atua no Haiti.



O general Enzo não especificou datas para que o acerto final seja feito. Mas, oficiais do Exército, acreditam que poderá ocorrer no próximo sábado, quando o ministro da Defesa, Nelson Jobim, virá ao Rio de Janeiro para formatura de uma turma de oficiais da Academia Militar das Agulhas Negras. O que está definido é que o comando da operação ficará a cargo dos militares, que serão maioria de tropa.



Apreensão. Cerca de 1,2 tonelada de sardinha apreendida no Mercado São Pedro, em Niterói, foi distribuida nesta manhã para moradores do conjunto de favelas na zona norte. A distribuição foi realizada na Rua Joaquim Queiroz, em um dos acessos aos morros.



A apreensão foi deita por policiais militares do Batalhão de Polícia Florestal e Meio Ambiente (BPFMA) e a ocorrência foi encaminhada para a 76ª Delegacia de Polícia na quinta. A pesca está proibida, pois é período de procriação da espécie.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Após vazamento, EUA cortam acesso à rede de informações sigilosas

O Departamento de Estado do governo americano limitou o acesso do Pentágono a uma das suas bases de dados, como parte de um esforço para evitar outro enorme vazamento de comunicados diplomáticos, disseram hoje os funcionários. "Nós cortamos temporariamente a conexão entre a base de dados e uma rede de informações classificadas", disse o porta-voz do Departamento, Philip Crowley.






Crowley não quis identificar qual rede de informações classificadas teve o acesso cortado, mas um funcionário graduado do Departamento afirmou mais tarde que a rede com acesso cortado foi a de informações militares, a SIPRNet.



Crowley também afirmou hoje que as instruções secretas aos diplomatas dos EUA, para que reunissem informações sensíveis sobre líderes estrangeiros, se originaram na comunidade de espionagem dos EUA, mas também disse que não foi exigido dos diplomatas que espionassem.



Já o secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, disse que o enorme vazamento de informações diplomáticas secretas foi algo constrangedor, mas terá consequências apenas "modestas" para a política externa americana.



"É constrangedor? É claro que é. É deselegante? Sim. Mas as consequências para a política externa, eu acredito que serão bem modestas", afirmou Gates. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Sistemas Interferidores para Ataques Eletrônicos

A empresa TSM apresentou no XII SIGE ( Simpósio de Aplicações Operacionais em Área de Defesa), realizado no Instituto de Aeronáutica em São José dos Campos, entre 28 de setembro e 01 de outubro um Sistema Interferidor de Radiofreqüência para Uso na Defesa Nacional e Segurança Pública para neutralizar ou degradar comunicações inimigas.




O projeto foi desenvolvido com recursos do FINEP (Fianciadora de Estudos e Projetos) seleção pública – subvenção econômica e inovação 2007 e a TSM.



O TSM JAM é um interferidor de telecomunicações capaz de impedir comunicações entre rádios inimigos que operem na faixa de 30 a 88 MHz tanto em freqüência única quanto em salto de freqüência.




O projeto foi inspirado nas reais demandas da Defesa Nacional e Segurança Pública repassadas pelo Exército Brasileiro em participações que tivemos como palestrantes em diversos simpósios de Guerra Eletrônica nas Forças Armadas do Brasil, no período de 2006 a 2007 e em reuniões realizadas no âmbito do IME - Instituto Militar de Engenharia, CIGE - Centro Integrado de Guerra Eletrônica e CTEx - Centro de Tecnologia do Exército.



As antenas desenvolvidas no âmbito do projeto foram projetadas para equipar sistemas interferidores, equipamentos de radiomonitoramento e radiocomunicações de interesse das Forças Armadas e dos órgãos da segurança pública.



Os interferidores foram projetados visando equipar a Defesa Nacional em atividades de Contra-Medidas Eletrônicas - CME (mais modernamente denominadas de Ataque Eletrônico) e os órgãos de segurança pública para bloqueio seletivo de comunicações por radiointerferência, tal como telefonia celular em presídios e outros sistemas em regiões de conflito urbano.



Uma das principais inovações do projeto foi a nacionalização do amplificador de potência, desenvolvido pela equipe de P&D da TSM com tecnologia brasileira, deixando de ser um componente crítico para o país.



O ministro da Defesa Nelson Jobim acompanhado pelo Prefeito de Santa Maria, Sr Cesar Schirmer, visitou a empresa TSM em 30 de outubro.

domingo, 28 de novembro de 2010

'A minha satisfação é poder trazer a paz

'A minha satisfação é poder trazer a paz a essa comunidade. Fizemos história reconquistando a Vila Cruzeiro e o Alemão', disse o policial civil Henrique Cerqueira, que participou da ocupação do Conjunto de Favelas do Alemão, na Zona Norte do Rio, na manha deste domingo (28).




"Na Vila Cruzeiro foi mais difícil. Lá, os criminosos não sabiam que iríamos invadir. Aqui no complexo, não foi surpresa, tinha data e hora marcada. Mas fizemos história nesse domingo", acrescentou.



Muitos policiais que participaram da invasão, disseram que esperavam mais dificuldade na ocupação. "Eu esperava muito mais do Alemão. Estava preparado para o pior. Não foi fácil, agora temos que achar o lugar em que esses criminosos estão escondidos", disse o policial civil, Hélio.



Enquanto a polícia vasculha becos e casas nas comunidades, os moradores começam a circular pelas ruas do Alemão.



PM afirma que chefes do tráfico se entregaram

O relações públicas da Polícia Militar, coronel Lima Castro, afirmou por volta das 11h25 deste domingo (28) que alguns chefes do tráfico no Alemão, já se entregaram à polícia. O número e o nome dos suspeitos, no entanto, ainda não foi divulgado.



"A varredura no Alemão pode durar dias. Isso porque acreditamos que existam ali 5 mil moradias e cerca de 200 criminosos continuam ali dentro", diz o coronel Lima Castro.



Pouco antes disso, a polícia chegou à mansão do traficante conhecido como “Pezão”, que seria o chefe de tráfico do Alemão. O imóvel estava vazio. Segundo o delegado Marcos Vinícius Braga, trata-se de um imóvel triplex, com hidromassagem, discoteca, ar-condicionado em todos os cômodos, assim como TV de LCD.



“Eu nunca vi nada igual, é muito, melhor do que muita casa no Leblon, nunca vi disso”, disse o delegado, que afirmou que o traficante destruiu todos os cômodos antes da chegada da polícia.



Aos poucos, polícia toma favela

Depois de entrar no Alemão, por volta das 8h, aos poucos, a polícia vai tomando conta da região. Agentes chegaram à uma região conhecida como Coqueiral, no alto de uma das favelas. Deste ponto, os traficantes tinham visão privilegiada e podiam ver tudo o que acontecia na favela, inclusive a movimentação da polícia.



Segundo o delegado Ronaldo Oliveira, chefe das delegacias especializadas do Rio de Janeiro,

houve pouca resistência, e a polícia levou cerca de 2 ou 3 horas para chegar ao local. Mas ressaltou que a situação é "preocupantemente tranquila e que a quadrilha é covarde e perigosa". O delegado disse ainda que o trabalho de vasculhar casa a casa vai continuar.



Durante a ocupação , os blindados passaram por várias barricadas montadas pelo tráfico. Há dez suspeitos detidos, entre eles uma mulher. Os suspeitos chegaram num ônibus da polícia, do alto da favela.



Entre as apreensões, há seis toneladas de maconha e grande quantidade de armas.



Policiais vão vasculhar cerca de 30 mil casas

Já o relações públicas da Polícia Militar, coronel Lima Castro, afirmou que o momento é de fazer a varredura do terreno. "É um trabalho minucioso, que requer paciência. São cerca de 30 mil residências, 100 mil moradores", afirmou o coronel Lima Castro.


A preocupação, segundo o coronel, é com os moradores, já que há possibilidade de os criminosos estarem escondidos em casas da comunidade. "Eles (criminosos) são muito covardes, estão acuados. Nesse momento é cada um por si. Então podem fazer pessoas reféns, se esconder em casas de moradores", considerou o coronel Lima Castro.




"Por isso peço cautela aos moradores", disse o relações públicas da PM. "Permaneçam em suas casas e, se saírem, não carreguem nada nas mãos para que não sejam confundidos com os criminosos", alertou o coronel.



"Nossa obrigação é proteger a nossa vida e a dos moradores", concluiu Lima Castro.

Arquivo do blog segurança nacional