terça-feira, 24 de abril de 2018

A GRANDE RAZÃO DA RÚSSIA PODE PERDER UMA GUERRA CONTRA A AMÉRICA || WARTHOG 2018

O novo (e muito mais moderno) Mil Mi-28

Vídeo: Embraer KC-390



O Embraer KC-390 oferece mobilidade inigualável, entregando muito mais logística, muito mais rápido, muito mais longe, em qualquer lugar do mundo. Saiba mais sobre a nova geração de aeronaves de transporte com múltiplas missões. Novos episódios desta série da web serão lançados quinzenalmente às segundas-feiras no canal da Embraer no Youtube.

BRICS parecem estar 'correndo sério perigo', e isto pode garantir sua sobrevivência

Será que as atividades do grupo BRICS se limitam apenas a vários dias que abrangem a cúpula entre os seus líderes? Na percepção de muitos, é assim mesmo. Porém, isto está longe de ser a realidade, segundo revelou à Sputnik Brasil o carismático Henrique Domingues, Coordenador-Geral da BRICS Youth Students League (YSL).
No âmbito do 4.º Fórum de Economia Internacional de Yalta, os delegados de 71 países vieram à península recém-integrada na Rússia para discutir os assuntos mais atuais da agenda internacional. Assim, nesse ano o evento contou com a delegação excepcionalmente numerosa da Síria, que fez questão de ponderar as questões da reconstrução nacional no período pós-guerra. Ou, por exemplo, muitos participantes da Itália, Alemanha e do Leste Europeu que se destacaram pela atitude oposta à atual política de sanções.
Nesse tradicional alvoroço de um evento a escala tão alta, não era nada fácil encontrar um participante latino-americano. Porém, a Sputnik Brasil conseguiu — e discutiu toda a gama de assuntos internacionais — com o único brasileiro que viajou até a cidade de Yalta, na Crimeia, para participar do evento nesses belos dias de primavera na península.
Sputnik: Primeiro, poderia me contar um pouco sobre o projeto no qual você está participando e que trouxe você à esta conferência?
Henrique Domingues: Eu fui indicado pela Organização Continental Latino-Americana e Caribenha de Estudantes para fazer parte do Comitê Organizador Internacional do Festival que aconteceu aqui na Rússia no ano passado. E aí, morei três meses aqui, organizamos o festival, conhecemos bastante gente. Durante o festival, a gente criou uma Organização da Juventude dos Estudantes dos BRICS, a Youth Students League [Liga de Jovens Estudantes], e desde então a gente vai trabalhando para poder implementar [de maneira] institucional e oficialmente essa organização junto com governos, com as organizações de juventude dos governos, a Agência Nacional de Desenvolvimento da Juventude da África do Sul, a Secretaria Nacional de Juventude do Brasil, o Ministério da Juventude aqui da Rússia e por aí vai.
Segundo nos revelou Henrique, jovem ambicioso e com ar de muita fé naquilo que faz, sua organização prepara uma série de propostas, que de fato representa uma agenda que ele está tentando implementar no nível mais alto, já entre governo e presidentes. Assim, o primeiro passo disso tudo seria aprovar a Constituição da entidade, coisa que provavelmente acontecerá na Cúpula da Juventude dos BRICS, uma semana no máximo antes da cúpula principal.
A ideia é fortalecer o BRICS pela base, pelo povo", afirma Domingues. "Porque a gente sabe que a ideia dos BRICS vem sofrendo uma série de ataques externos, todas essas desestabilizações que aconteceram no mundo — o impeachment da presidente [Dilma Rousseff] no meu país, a prisão do ex-presidente Lula no Brasil, a questão da Ucrânia e agora da Síria, uma tentativa de provocar russos, a pressão para o presidente [Jacob] Zuma se renunciar na África do Sul, a guerra econômica contra a China…", lamenta.
Na opinião do jovem, todos esses processos têm a ver, além de outras coisas, com as tentativas de "desarticular a iniciativa dos BRICS", que é uma oportunidade nova de desenvolvimento no mundo. Mas não se trata de uma criação de nova ordem mundial, como alguns poderiam pensar. Trata-se de modificação, ou, de fato, assinala Henrique, das aspirações "de criar um novo modelo de desenvolvimento e de economia, talvez mais solidário, talvez mais inclusivo".
E as propostas da juventude não demoraram — hoje, ele já concebeu uma ótima ideia que planeja transmitir em voz alta para os cargos mais altos do grupo. "Uma das principais propostas nossas que a gente quer levar para os presidentes, para a Cúpula dos BRICS, é a Universidade dos BRICS. A gente quer que aqui o Novo Banco de Desenvolvimento, ou como os presidentes acharem melhor, construa uma universidade que tem por objetivo preparar a juventude para os desafios dos BRICS", revela.
Domingues realça em nossa conversa que, de fato, a cúpula anual dos BRICS da qual todos nós costumamos ouvir tanto é um evento onde é celebrado toda o montante de trabalho de inúmeros grupos internacionais, seja de estudantes ou de empresários.
Sputnik: Na cúpula dos BRICS em Xiamen [China] no ano passado, Pequim decidiu propor um novo formato dos BRICS+. Será que esse formato também se aplica na sua organização, se convidarem os estudantes de outros países não participantes do bloco?
HD: Na verdade, quando a gente criou a iniciativa no Festival Mundial [de Juventude] de Sochi, a juventude de muitos outros países participou da ocasião de lançamento e da celebração do acordo entre as organizações fundadoras, apoiando e pedindo participar também. Então, a nossa ideia é poder incluir cada vez mais jovens na órbita dos BRICS para que a gente consiga qualificar e pluralizar cada vez mais a atuação dos BRICS, porque é para isso que os BRICS servem mesmo. Mas na última reunião que a gente teve lá, na África do Sul, a gente teve uma oportunidade maravilhosa de encontrar com o presidente Jacob Zuma, ex-presidente da África do Sul, e ele nos deu uma opinião muito interessante: que na verdade os BRICS têm representantes em todos os continentes, em todas as áreas do globo, exceto do Oriente Médio. Então, o presidente Zuma nos convenceu de que talvez chamar o Irã para participar dos BRICS institucionalmente, que é um dos países mais fortes ali da região, seja benéfico para a organização dos BRICS.
Entretanto, nem tudo é tão radiante. Para qualquer pessoa que se envolve ou se interessa de alguma maneira pelos processos de integração do respectivo bloco, fica bem evidente os indícios de enfraquecimento da imagem dos BRICS, para não falar da crise. A euforia dos primeiros anos já passou, mudaram os governos, e, observa Henrique, consequentemente alteraram-se as prioridades.
Dá para sentir. De fato, os BRICS correm perigo. Não por parte nem da Rússia, nem da África do Sul, apesar do que aconteceu lá, e tampouco da China. Mas na Índia, onde o atual governo foi apoiado pelos EUA, pelas forças tradicionais imperialistas, e no Brasil, que está dentro de todo esse cenário latino-americano, o cenário que passa hoje por golpes de Estado, como aconteceu no Honduras, no Paraguai e no próprio Brasil, ou por uma ascensão de governos de direita no continente, como aconteceu agora no Chile e na Argentina com todo o apoio da estrutura midiática dos Estados Unidos da América", analisa o entusiástico.
Na sequência destes acontecimentos, os BRICS deixaram de ser prioridade para o Brasil, acredita o jovem, e com troca do governo o Itamaraty "deu uma guinada no tipo de política estrangeira e está mais alinhada agora com os EUA e a União Europeia". Domingues foi bem consistente na sua avaliação da tormentosa política interna no Brasil hoje em dia. Pensa inclusive que as perturbações que se deram no país influíram, afinal das contas, no seu potencial como ator na arena diplomática.
"Há uma situação bastante curiosa, porque o governo que está no Brasil hoje é o governo ilegítimo, que não foi eleito por ninguém, apesar do presidente Michel Temer ter sido vice-presidente da Dilma. Lá, nós elegemos um projeto político que garantia direitos, progresso social e econômico. Então, quando caiu a presidenta Dilma, houve a troca do governo, e o mais curioso é: houve a troca do projeto e aqueles políticos que foram derrotados, os políticos de oposição, tornaram-se líderes do governo, tornaram-se ministros. E, na verdade, o projeto derrotado nas urnas assumiu poder. Esse fato de ilegitimidade faz mesmo com que, apesar dos esforços do nosso Ministério de Relações Exteriores em se alinhar com a União Europeia e com os EUA, o presidente também não tenha sido bem recebido ou até tenham sido evitadas as visitas ao nosso país por conta desses líderes", critica.
Nessa situação, ressalta que da juventude virá aquele ator que é capaz de contribuir para a consolidação do bloco, unindo-o "pela base". Por isso, tais iniciativas como o Fórum de Yalta proporcionam uma chance a não perder para os ambiciosos participantes do movimento YSL.
Sputnik: Também queria saber sua opinião sobre a Crimeia. Por conta da propaganda midiática, os estrangeiros às vezes possuem uma impressão errada de fora, podendo imaginar que aqui há tanques ou militares nas ruas. O que você achou da península?
HD: Lá no Brasil eles tentaram passar essa impressão das eleições [realizadas] com muitos soldados em volta e tal quando teve um referendo para saber se a Crimeia faz parte da Ucrânia ou da Rússia. Mas mesmo assim, do meu ponto de vista, as notícias da Ucrânia eram assustadoras também: aquela guerra civil que teve, financiada pelos donos do mundo hoje, no intuito de fazer acender um governo mais autoritário, ultranacionalista e tudo mais. Para mim, o que aconteceu na Crimeia foi uma resposta de alto nível da própria Rússia. Enquanto em Kiev eles usaram armas e mataram pessoas para chegar ao poder, aqui [na Crimeia] abriram urnas e perguntaram ao povo o que eles pensavam o que deveria ser a Crimeia. Então, para mim, foi muito positivo o que aconteceu aqui. Eu vejo a Crimeia como um ponto de forte resistência a essa escalada neofascista que a gente tem passado no mundo hoje.

Defesa russa: EUA empurram outros países para nova corrida armamentista

Ao tentarem manter seu papel hegemônico na arena mundial, Estados Unidos forçam outros países a iniciar uma nova corrida armamentista.
"Hoje em dia, testemunhamos as transformações das relações internacionais, sua transição para o sistema multipolar, caraterizado pela distribuição de áreas de influência e endurecimento de concorrência pela liderança regional e global", declarou o ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu.
Neste contexto, afirmou, "EUA tentam manter seu papel hegemônico na arena mundial [e por isso] usam todos os meios, inclusive militares, para empurrar os países a uma nova corrida armamentista".
Ao mesmo tempo, durante reunião dos ministros da Defesa da Organização de Cooperação de Xangai (OCX), o ministro russo indicou que "Washington não está disposta a cooperar na base de direitos iguais mesmo com parceiros tradicionais".
Para provar sua afirmação, Shoigu destocou que "isso foi confirmado pelos novos documentos norte-americanos firmados nas áreas de segurança nacional e defesa, e por sua aspiração de revisar os mais importantes acordos internacionais, incluindo as decisões da ONU e as principais normas da Organização Mundial do Comércio [OMC]".
Segundo opina o chefe da Defesa russa, "Estados Unidos declaram sem vergonha alguma que as tendências na política exterior, que não os satisfazem, podem ser corrigidas através da força militar".

1º porta-aviões da fabricação chinesa se prepara para testes iniciais

O segundo-porta-aviões da China e o primeiro de fabricação nacional pode iniciar seus testes no alto-mar já nos próximos dias, devendo ser entregue à Marinha do país no final desse ano.
Analistas militares chineses apontam que o navio, que ainda não foi batizado e é designado somente como Tipo 001A, poderia estar pronto para combate em 2020.
"As primeiras provas navais do segundo porta-aviões da China, construído no estaleiro de Dalian, provavelmente terão lugar no mar de Bohai e no mar Amarelo, para avaliar seu poder e design", afirmou o especialista militar Song Zhongping em entrevista à edição Global Times.
Nesta sexta-feira (20), as autoridades navais da China limitaram o acesso de embarcações a esta zona no período entre 20 e 28 de abril. Observadores militares apontaram que pode se tratar dos testes do novo navio. 
De acordo com Song, o novo porta-aviões poderia estar pronto para combate dois anos depois dos testes navais, que possivelmente serão concluídos no final do ano, bem como dos testes do radar, do sistema de controle e dos voos sobre a plataforma.
​Os detalhes conhecidos até hoje indicam que o porta-aviões de fabricação chinesa possui um deslocamento de aproximadamente 54 mil toneladas, propulsão a diesel convencional e a vapor, bem como um sistema de catapulta a vapor para a decolagem dos aviões. 
Pequim iniciou a construção da embarcação em novembro de 2013, um ano depois de ter  adotado em serviço o primeiro porta-aviões, o Liaoning, adquirido à Ucrânia a baixo preço e posteriormente modernizado.

Russo dá início às massivas provas militares no oeste da Rússia

Arquivo do blog segurança nacional