Wikipedia

Resultados da pesquisa

sábado, 22 de abril de 2017

novo UAV FT-empresa pionneira brasileira no segmento de UAVs.

Após quatro anos de desenvolvimento tecnológico dedicado, com investimentos superiores a US $ 3 milhões, a FT Sistemas, parceira de longa data das Forças Armadas Brasileiras em pesquisa, inovação, operações e suporte logístico de veículos aéreos não tripulados, apresenta os 200FH.

O novo UAV tem capacidade de transporte, autonomia e resistência que respondem a situações de campo que exigem exigências específicas para maior versatilidade e facilidade operacional. O novo produto pode ser usado para realizar aplicações de defesa, segurança e mercado civil. O 200FH é um sistema multifuncional de alto desempenho, um helicóptero não tripulado que pode atingir mais de 100 km com autonomia superior a 10 horas de vôo, podendo transportar até 50 kg de carga útil.
O uso de UAVs militares e de segurança interna é fundamental para combater organizações criminosas envolvidas em atividades ilegais no território, incluindo centros urbanos e fronteiras. A tecnologia 200FH permite uma coleta de dados mais rápida, precisa, eficiente e confiável para a tomada de decisões.
A 200FH traz tecnologias avançadas em aeronáutica, micromecânica e sistemas propulsores, e está incorporada com sofisticada tecnologia de sensores de alto desempenho, possuindo sistemas exclusivos de navegação e piloto automático. A tecnologia desenvolvida pela FT Sistemas é resultado de vários anos de pesquisa e desenvolvimento para atender aos requisitos das Forças Armadas Brasileiras e clientes particulares.
O desenvolvimento de projetos mais ambiciosos e tecnológicos, como o 200FH, só é possível com o apoio do Ministério da Defesa. Além de ser o principal apoiante, o Ministério da Defesa é uma referência importante para outras organizações e para o mercado internacional. Prevemos oportunidades para comercializar os 200H nos países das Américas, Norte da África e Oriente Médio ", disse Nei Brasil, Fundador e CEO da FT Sistemas. "Como um veículo versátil, o 200FH pode operar em vários segmentos, com grande potencial para aplicações em instalações industriais, agronegócios e setores de energia e infra-estrutura ".

Carra força e coragem

Um boa noite para todos os policias do CARRA de Osasco e de são paulo  em defesa do cidadão de SP
Um forte Abraço 

Moment N Korea announces H-bomb test - BBC News

Discovery Channel - Ultimates - Explosions - Tsar bomb segment

Como funciona a Bomba H, a arma que a Coreia do Norte diz ter no arsenal (VÍDEOS)

Verdade ou mito? A dúvida existe quando o assunto é a possibilidade da Coreia do Norte ter em seu arsenal a chamada bomba de hidrogênio – ou Bomba H –, que pode chegar a um poder 4 mil vezes maior do que a bomba atômica que explodiu em Hiroshima, ao final da Segunda Guerra Mundial, em 1945.

Em janeiro do ano passado, o regime de Kim Jong-un anunciou ter realizado um teste com uma bomba de hidrogênio, mas a comunidade internacional recebeu a notícia com ceticismo e desconfiança, já que nenhuma amostragem de abalos sísmicos endossou a alegação de Pyongyang.
Contudo, a escalada das tensões com os Estados Unidos reascende o temor de quais armamentos os norte-coreanos poderiam lançar mão em um eventual conflito contra as forças norte-americanas e suas aliadas. Assim, não há certeza absoluta sobre a existência ou não da Bomba H no arsenal do país asiático.
Como funciona a Bomba H?
Em uma bomba de hidrogênio ou de fusão nuclear vários núcleos atômicos de carga similar (neste caso particular, de hidrogênio) se unem para formar um núcleo mais pesado que desprende também enormes quantidades de energia.
Porém, para que se produza essa reação é necessária uma quantidade considerável de energia que só pode ser fornecida pela detonação inicial de uma bomba de fissão, esta funcionando como o detonador.
O impacto da Bomba H é muito mais devastador do que o de uma bomba atômica – ou bomba de fissão nuclear – que, por sua vez, baseia a sua operação sobre a divisão de um núcleo atômico em dois ou mais núcleos, que geram uma reação em cadeia com a libertação de grandes quantidades de energia, como energia cinética e radiação gama.
Em comparação com as bombas atômicas lançadas pelos Estados Unidos sobre Hiroshima e Nagasaki, no Japão, ao final da Segunda Guerra Mundial, uma Bomba H teria um impacto e um grau de destruição muito maior, até por ser na verdade duas bombas em uma: a atômica como parte primária e a outra de hidrogênio como secundária.
A bomba de hidrogênio mais potente a ser testada foi a soviética Bomba Tsar, detonada em 30 de outubro de 1961 acima do Ártico. A explosão gerou uma energia de 57 megatons (1 megaton equivale a 1 milhão de toneladas de dinamite), quase 4 mil vezes mais do que a bomba de Hiroshima.

Arquivo do blog segurança nacional