terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

O mercado mundial de submarinos continua a expandir, dizem analistas da indústria

Todos os anos, a Forecast International publica sua análise da construção submarina projetada para a próxima década. Nos últimos oito anos, a tendência em termos de número de submarinos projetados e seu valor total tem sido constante para cima.
A escala dos sucessivos aumentos de construção submarina em cada previsão não é surpreendente, mas o efeito cumulativo tem sido um aumento substancial no tamanho do setor de mercado submarino e na escala projetada da frota submarina mundial.Esse aumento lento e constante da taxa de construção submarina planejada combinada com a vida média do casco de um submarino sugere que os planos de produção atuais manterão uma frota de aproximadamente 235 SSKs, 114 SSNs e 44 SSBNs, para um total de 393 submarinos.
Isso ainda é menor do que a atual frota mundial de cerca de 430 cascos, mas o diferencial diminuiu de forma constante ao longo da última década. Na virada do milênio, o número de submarinos planejados era apenas suficiente para suportar uma força de 300 submarinos, o que implicava que a frota operacional mundial de submarinos provavelmente se contraíra.
Isso ocorreu devidamente, com a frota mundial de submarinos declinando dos 800 submarinos em serviço no final da década de 1980 para o nível atual de 430. Essa queda não foi tão dramática quanto parecia; um declínio existente na frota mundial de submarinos foi há muito mascarado por marinhas que mantêm os antigos submarinos no inventário, muito tempo depois de sua vida operacional ter terminado.
Alguns submarinos ainda listados como "operacionais" eram pouco mais do que embarcações de treinamento ou baterias de carregamento de bateria. Esses antigos e desgastados submarinos foram os primeiros a serem descartados quando o dinheiro se tornou apertado. Parece que os últimos sobreviventes do projeto chinês 035 classe Ming agora se enquadram nesta categoria.
A atual frota mundial de submarinos agora parece estar em equilíbrio com os atuais requisitos operacionais, e parece que a produção e os estoques estão rapidamente entrando em equilíbrio também. Uma avaliação de força calculada sugeriria que a Rússia pretende manter uma frota de cerca de 10 SSBNs, com os EUA provavelmente manterão uma frota de cerca de 14 e o Reino Unido e a França adicionando mais quatro cada uma.
Parece que a China está apontando para uma frota de cinco SSBNs, embora a nação provavelmente não conseguirá isso dentro do período de previsão. A Índia anunciou a intenção de construir seis SSBNs da classe Arihant.
Isso traz o número total de SSBNs para 43, um número que está começando a atingir os níveis projetados pelos números de produção atuais. Todavia, ainda há um déficit, levando-nos a esperar um novo aumento na taxa de construção de SSBNs que serão acomodados pelos programas SSBN (R) e SSBN (X).
No caso da frota de SSN projetada, é provável que o nível de força para os EUA agora se estabilize em torno de 50, deixando um total de 43 SSN em todo o mundo, dos quais 12 serão russo e 14 britânicos e franceses. O total de 17 para as marinhas brasileira, indiana e chinesa (a frota chinesa existente de cinco projetos 91 está sendo desativada quando o Projeto 093 entra no serviço) não parece implausível, dado os problemas financeiros e técnicos que enfrentam essas marinhas.
O mercado SSK também continuou a expandir à medida que mais países percebem a natureza econômica de uma frota de submarinos. Além dos times alemães e franceses, a China e o Japão estão fazendo uma grande pressão para estabelecer uma presença no mercado SSK. Os japoneses podem estabelecer uma nova posição no mercado vendendo submarinos diesel-elétricos para a Austrália.
Esta é, de fato, a posição australiana preferida, já que a classe japonesa Soryu reflete muitas das demandas operacionais especificadas pelos australianos. Os novos submarinos da China são significativamente mais avançados do que os projetos mais antigos. Recentemente, a China conseguiu obter uma grande ordem de exportação do Paquistão para o seu submarino diesel-elétrico Project 041.
Uma comparação das taxas de construção e dos requisitos operacionais sugere que há margem para novos aumentos nas previsões de construção submarina de 10 anos. Na verdade, com base nas tendências existentes, é provável que um aumento constante da construção submarina seja registrado por pelo menos mais quatro anos. Depois disso, a questão será se a frota mundial de submarinos começará a aumentar ou se os níveis existentes serão mantidos. O primeiro caso provavelmente verá uma maior taxa de construção submarina do que a última.
A Forecast International é um importante fornecedor de "Inteligência de Mercado e Consultoria nas áreas de sistemas aeroespaciais, de defesa, de energia e eletrônicos militares".
Fonte ukdefencejournal

Washington e Seul Reiniciarão Manobras Militares Apesar do 'Broto Pacífico' na Península

Ancara: Ninguém Impedirá Turquia se Exército Sírio Entrar em Afrin Para Proteger Curdos



Fonte: Exército Turco Começa Bombardeio de Artilharia em Grande Escala de Afrin


Israel Desenvolve Novo Sistema Antimíssil Perante Possíveis Ameaças do Irã

O teste bem sucedido do Arrow 3 israelense

Oficial do Pentágono revela pontos fracos do exército dos EUA

O exército norte-americano deve estar pronto para combates multidomínio, assinalou a edição National Interest, citando o major-general Paul Chamberlain, tesoureiro-geral das Forças Armadas dos Estados Unidos.
Assim o representante do Pentágono comentou o projeto orçamentário da defesa do país para o ano fiscal de 2019, que prevê um aumento significante dos gastos com defesa.
"Potências revisionistas, tais como a Rússia e a China, regimes vilões da Coreia do Norte e do Irã e organizações terroristas representam ameaça séria para interesses americanos. Nossos competidores regionais no Círculo do Pacífico e na Europa estudam pontos fortes e fracos [do exército dos EUA] já por mais de 10 anos. Seus esforços quanto à modernização vêm diminuindo gradualmente nossas vantagens competitivas. Sendo assim, nosso projeto orçamentário visa garantir a supremacia do exército norte-americano", afirmou Chamberlain.
Além disso, o general nomeou as principais metas do exército dos EUA.
O exército deve ser capaz de vencer, caso seja preciso, uma guerra multidomínio, que exige consistência na condução de fogo, luta radioeletrônica e ataques cibernéticos e espaciais. Ademais, as Forças Armadas do país devem estar preparadas para atacar o inimigo e aumentar a sobrevivência de suas tropas na luta contra um adversário de alto potencial tecnológico", argumentou Chamberlain.
De acordo com ele, o novo orçamento fará com que o exército norte-americano "possua um poder de fogo mais mortal e flexível, estando sempre pronto para repelir ameaças presentes e futuras".
O major-general explicou que o orçamento prevê a luta contra o terrorismo e assegura financiamento de operações contra terroristas.
Chamberlain classificou também seis direções principais da modernização do exército norte-americano: desenvolvimento de armas de alta precisão, criação de veículos de combate de última geração, substituição da frota de aeronaves por equipamento do projeto avançado Future Vertical Lift, aperfeiçoamento da comunicação interna das Forças Armadas, aprimoramento dos sistemas de defesa antiaérea e aumento das capacidades de combate dos oficiais.
Segundo o general, a modernização fará com que o exército dos EUA aumente sua supremacia tecnológica sobre possíveis adversários.

Washington e Seul reiniciarão manobras militares apesar do 'broto pacífico' na península

Os EUA e a Coreia do Sul continuarão com exercícios militares na península coreana, suspensos durante os Jogos Olímpicos, apesar do recente descongelamento nas relações entre Seul e Pyongyang, informou a agência de notícias Yonhap, citando o Ministério da Defesa sul-coreano.

Antes do início dos Jogos Olímpicos de Inverno em Pyeongchang, Seul conseguiu convencer Washington a adiar o início de suas manobras conjuntas para depois dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos. A suspensão temporária dos treinamentos Foal Eagle e Key Resolve entre os EUA e a Coreia do Sul permitiu que Seul e Pyongyang iniciassem diálogo para aliviar tensões na região.

No entanto, nesta terça-feira (20), um dia depois de Pyongyang se expressar contra o reinício das manobras de Seul e Washington, o Ministério da Defesa da Coreia do Sul confirmou, sem anunciar datas específicas, que os aliados realizarão exercícios Key Resolve e Ulchi Freedom Guardian.

Com esses treinamentos, o exército sul-coreano procura melhorar o chamado Conceito Operacional 4D, que visa "detectar, interromper, destruir e se proteger das ameaças de mísseis da Coreia do Norte", segundo o Ministério da Defesa sul-coreana.
'Esmagar pequeno broto da paz'
A Coreia do Norte solicitou repetidamente para que os dois países dessem um basta a manobras conjuntas.  Na segunda-feira (20), Pyongyang reiterou sua postura quanto aos exercícios de Seul e Washington perto de suas fronteiras.
"Reiniciar treinamentos militares é um ato selvagem de pisotear implacavelmente um pequeno broto da paz, que surgiu na península coreana", declarou a agência norte-coreana KCNA, em comentário oficial.
Pyongyang acusou os EUA de estar procurando por "guerra" na região. "O time de Trump deve refletir sobre as consequências catastróficas" de seu comportamento e "tomar decisão responsável", frisou KCNA.

Arquivo do blog segurança nacional