sábado, 23 de setembro de 2017

Muitos Blindados subindo a Rocinha em meio a tiroteio

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Submarino russo dispara mísseis de cruzeiro Kalibr contra Frente al-Nusra na Síria



O submarino Veliky Novgorod da Frota do Mar Negro da Marinha russa lançou mísseis de cruzeiro contra posições de terroristas na província síria de Idlib, informa o Ministério da Defesa da Rússia.
"Às 10h11 da hora local [04h11] o submarino da Frota do Mar Negro Veliky Novgorod, que está ao serviço da Marinha russa no Mediterrâneo, lançou mísseis de cruzeiro Kalibr contra posições terroristas na Síria", informa o comunicado do ministério.
O comunicado acrescenta que os alvos do ataque foram posições de terroristas da Frente al-Nusra (proibida na Rússia) onde foi detectada uma concentração de militantes e armas. O alcance do ataque foi de 300 km.
O ataque, realizado de surpresa, resultou na destruição de posições importantes, bases e veículos blindados dos terroristas que haviam participado da tentativa de capturar 29 policiais militares russos no norte da província de Hama.

Manobras navais russo-chinesas entram em fase ativa no Pacífico

Navios do Exército de Libertação Popular da China e da Frota do Pacífico da Rússia saíram ao mar para realizar a fase ativa das manobras Cooperação Marítima 2017, informou o chefe do Departamento de Informação da Assessoria de Imprensa da Região Militar Oriental para a Frota do Pacífico, Vladimir Matveev.
Segundo Matveev, antes dos navios saírem ao mar, o comando unido das duas Marinhas esteve reunido para planejar as manobras.
"Todos os elementos das manobras foram simulados em mapas, os comandantes dos navios informaram o Estado-Maior sobre a prontidão das tripulações para as manobras e suas decisões", afirmou.
Os militares treinarão ações conjuntas de defesa dos navios ancorados, missões de busca, salvamento e reboque de embarcações, libertação de navios capturados, deteção e reconhecimento de alvos da defesa antiaérea conjunta. Planeja-se realizar tiros de artilharia contra alvos no mar. Pela primeira vez, no âmbito de tais exercícios será simulada uma missão de salvamento da tripulação de um submarino convencional afundado a grande profundidade.
A fase ativa das manobras decorrerá no mar do Japão (também conhecido como mar do Leste) e no mar de Okhotsk. Dela participarão 15 navios de superfície e submarinos, dois veículos submarinos de resgate, quatro aviões antissubmarino e quatro helicópteros embarcados da Frota do Pacífico e da Marinha chinesa.

Após ameaça norte-coreana, porta-aviões nuclear dos EUA realiza manobras com o Japão

O porta-aviões nuclear da Marinha dos EUA, Ronald Reagan, de 100 mil toneladas, realizou exercícios com navios de guerra japoneses ao sul da Península da Coreia, informaram autoridades do Japão. Pyongyang, entretanto, ameaçou com um "teste de bomba de hidrogênio" sobre o Pacífico.
A Força de Autodefesa Marítima do Japão disse, em um comunicado na sexta-feira, que o navio de classe nuclear de Nimitz, Ronald Reagan, baseado na cidade japonesa de Yokosuka, na Prefeitura de Kanagawa, e seus navios de escolta, realizaram brocas com navios da Marinha japonesa em águas ao sul e oeste das principais ilhas do Japão, onde estão desde 11 de setembro.
O grupo de ataque também está preparado para organizar uma manobra separada com a Marinha sul-coreana em outubro, acrescentou o Ministério da Defesa japonês. O exercício em larga escala envolverá três navios de guerra japoneses, incluindo dois destróieres e um dos dois maiores helicópteros do país, e irão até o final do mês.
Também nesta sexta-feira, o ministro das Relações Exteriores da Coreia do Norte, Ri Yong-ho, disse que Pyongyang está considerando testar uma bomba de hidrogênio sobre o Oceano Pacífico. A medida seria uma resposta a Washington, que vem intensificando sanções econômicas contra a Coreia do Norte. "Poderia ser a detonação mais poderosa de uma bomba H no Pacífico", disse Ri, citado pela agência sul-coreana Yonhap.
A sugestão surgiu quando Ri foi convidado a esclarecer a última declaração de Kim Jong-un, em que o líder norte-coreano sugeriu que pretende se vingar do presidente dos EUA, Donald Trump, por insultá-lo e também ao seu país "diante dos olhos do mundo", ameaçando "destruir" a Coreia do Norte.
Em 3 de setembro, Pyongyang afirmou ter realizado mais um teste com uma bomba H, saudando-o como um "sucesso perfeito" e um passo "significativo" ainda mais no desenvolvimento do programa nuclear.
A mídia estatal informou no momento em que a bomba poderia ser montada em um míssil balístico intercontinental (ICBM, na sigla em inglês), embora essa capacidade tenha sido alvo de descrença fora da Coreia do Norte.

Como os EUA capturaram um submarino da URSS, sem que os soviéticos soubessem

O submarino havia se partido — e a maior parte dele voltou para o fundo.
A CIA teria que se contentar com um pedaço de cerca de 12 metros do submarino de mais de 90 metros de comprimento.
No entanto, esses navios soviéticos nunca descobriram exatamente o que estavam testemunhando. Wetmore disse que o plano era levar o submarino para o navio à noite com a esperança de que os soviéticos não percebessem.
Mas, à medida que o submarino se aproximava da superfície, o barco soviético “soprou seu apito três vezes, que é um símbolo de “te vejo mais tarde”, adeus, e eles foram embora”, disse Wetmore.
Pouco depois, os restos do submarino foram trazidos a bordo do Hughes Glomar Explorer. O navio então dirigiu-se ao Havaí. Toda a jornada durou pouco mais de dois meses.
Então, o que a CIA encontrou?
Dois torpedos de ogiva nuclear e alguns manuais de submarinos. Coisas muito interessantes, embora não fossem o que a inteligência esperava.
A operação começou a vazar seis meses depois, com uma série de reportagens na mídia dos EUA no início de 1975.
A revista Rolling Stone apresentou um pedido pela Lei da Liberdade de Informação para obter mais detalhes. A CIA ainda não queria confirmar a operação, porém, não podia mais negá-la.
Daí a frase “Nós não podemos confirmar nem negar”.
O embaixador soviético em Washington, Anatoly Dobrynin, exigiu uma resposta do secretário de Estado Americano, Henry Kissinger.
Os documentos da CIA, citando oficiais soviéticos, dizem que Kissinger “admitiu essencialmente o sucesso parcial”.
Após a Guerra Fria, em 1992, os Estados Unidos deram à Rússia um vídeo que mostra os americanos no navio sepultando respeitosamente no mar os restos de seis marinheiros soviéticos encontrados no submarino:
Meio século depois da missão, Polmar ainda pensa que valeu a pena.
“A CIA, ao longo de um período de seis anos, fez um trabalho fenomenal de construir a capacidade de resgate para capturar um submarino, a 16.000 pés de profundidade, no meio do Oceano Pacífico, com a Marinha Soviética observando, e os soviéticos não tinham ideia do que estava acontecendo”, disse ele.
Duas notas finais:
O Hughes Glomar Explorer viveu o resto da sua vida marítima perfurando poços de petróleo no mar profundo. Há dois anos ele foi para o desmanche para virar uma pilha de sucata, vítima dos baixos preços do petróleo.
Quando a CIA inaugurou sua conta no Twitter em 2014, começou assim: “Nós não podemos confirmar nem negar que este é o nosso primeiro tweet”.
Greg Myre é um correspondente de segurança nacional

Como os EUA e o Japão se tornaram tão aliados?



 


Submarinos da Marinha dos EUA usando controles do XBox?

Classe Virginia, os submarinos mais avançados do mundo

Arquivo do blog segurança nacional