Wikipedia

Resultados da pesquisa

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Tropas Especiais do Exército Brasileiro - Caatinga (+playlist)

SEGURANÇA NACIONAL BLOG SNB

Russo Yakovlev Yak 130 IMPRESSIONANTE


SEGURANÇA NACIONAL BLOG,,SNB

T - 50 demonstração do vôo


SEGURANÇA NACIONAL BLOG,SNB

Nex Lig 1 integrar seu sistema de mísseis C-Star Tactical navio colombiano FS 500

- A empresa sul-coreana Lig Nex 1 , conseguiu assinar acordos para iniciar o trabalho de integração de seus mísseis C-Star (SSM-700K HAE SUNG I ), com o sistema de gerenciamento de combate tático da fragata FS 1500 colombiano .
Os contratos foram assinados no início deste mês (por quantias que se aproximam de 5 milhões), entre empresas Lig Nex 1 e Thales , e vai permitir que a empresa coreana para tirar proveito da arquitetura aberta do CMS tático , para realizar o trabalho software de integração.
Lembre-se que até o final de 2012, a Marinha colombiana mísseis anti-navio comprado 16 C-Star , em um contrato de US $ 90 milhões, e cujas entregas estão previstas para o segundo semestre de 2014.

Foto: Erich Saumeth / Infodefensa.com
SEGURANÇA NACIONAL BLOG,SNB

Cheers, Cannons Bem-vindo russo Missile Cruiser em Alexandria

Um cruzador de mísseis russo, o Varyag, fez uma chamada port não-oficial na cidade egípcia de Alexandria, no Mar Mediterrâneo e foi recebido pelos moradores com aplausos. Assista a este vídeo RIA Novosti sobre como os marinheiros foram recebidos com tiros de canhão e uma orquestra. 
SEGURANÇA NACIONAL BLOG SNB
RIA Novosti

Rússia lança novo High-Precision Sistema de Defesa Aérea

RIA Novosti) - Almaz-Antey defesa corporação da Rússia, disse quinta-feira que desenvolveu uma versão avançada do sistema de defesa aérea Tor-M2, com um campo de tiro estendida, maior precisão e maior capacidade de transporte de munição.
"Podemos dizer agora que um sistema de defesa aérea único em sua classe, com uma precisão espantosa e variedade foi criada. Seu desempenho supera todos os parâmetros planejados ", disse Sergei Druzin, chefe de pesquisa e desenvolvimento da Almaz-Antey.
O sistema Tor é um baixo e médio altitude sistema de mísseis de curto alcance terra-ar projetado para interceptar aeronaves, mísseis, munições guiadas com precisão, os veículos aéreos não tripulados e alvos balísticos.
Tor-M1 e variantes Tor-M2U, armados com mísseis 9M331, estão atualmente em serviço com o exército russo.
O novo sistema, equipado com 9M338 novos mísseis, foi testado com sucesso no final de outubro.
"Fizemos cinco lançamentos alvo drones altamente manobráveis. Três dos alvos foram atingidos de frente, enquanto os outros dois foram destruídos por estilhaços da explosão de ogivas. É um excelente resultado, a precisão impressionante ", disse Druzin.
Além disso, o tamanho menor do 9M338 comparado com o seu antecessor, permitiu que a capacidade de carga do lançador ser dobrou, passando de oito para 16 mísseis.
O funcionário disse que os melhores sistemas Tor-M2 e mísseis 9M338 ter sido aprovado por uma comissão estadual para produção em massa.
"Podemos agora começar a produzir esses mísseis em quantidades que atendam a demanda do exército russo", disse Druzin.
De acordo com Druzin, o próximo passo na melhoria do sistema seria para o lançamento de mísseis contra alvos adquiridos enquanto estiver em movimento.
"O [móvel] lançador de pára atualmente por dois ou três segundos para lançar um míssil, mas isso poderia ser feito em um movimento, sem parar", disse Druzin.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG SNB

REAPAREALHAMENTO - FAB recebe mais uma aeronave de patrulha P-3AM

A Força Aérea Brasileira (FAB) recebeu a sétima aeronave de patrulha P-3AM – Orion, conhecido como a guardião do pré-sal. A entrega do avião registrado sob a matrícula FAB7208 foi realizada em Sevilha, na Espanha, na terça-feira (05/11).
O P-3A – Orion é usado na vigilância e proteção de áreas marítimas e dos recursos naturais da Amazônia Legal e, de modo especial, a região do pré-sal. Além disso, a aeronave apoia as atividades de busca e salvamento no Atlântico Sul sob responsabilidade do Brasil.

O avião possui um dos mais modernos sistemas para identificação por radar e dispõe do mecanismo Forward Looking Infra-Red (FLIR), que complementa as informações dos tráfegos marítimos, fornecendo imagens nítidas e claras mesmo no período noturno. permitem localizar, identificar e repassar todo o cenário do tráfego marítimo para embarcações da Marinha do Brasil e direcionar a atividade de policiamento para as áreas mais críticas.
O traslado até o Brasil foi feito pela tripulação do Esquadrão Orungan (1º/7º GAV), sediado em Salvador (BA)  num voo direto de quase 10 horas sobre o Oceano Atlântico até Fortaleza(CE).
A nova aeronave faz parte do contrato de modernização da frota de patrulha da Força Aérea Brasileira (FAB) assinado pelo Comando da Aeronáutica (COMAER), por meio da Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (COPAC).Saiba mais sobre o P-3AM e seu emprego na FAB. 
Veja na reportagem o P-3 realizando missão de guerra antissubmarina:
Fonte: COPAC ,,SEGURANÇA NACIONAL BLOG,,SNB

CRUZEX - Combates vão além do alcance visual

Velocidades mais rápidas que a do som, altitudes superiores a 14 mil metros, mísseis de alta tecnologia com capacidade de perseguir seus alvos por dezenas de quilômetros e radares que localizam aeronaves a mais de 100 km de distância. Com essas características, os combates realizados na CRUZEX Flight 2013 acontecem sem nenhum contato visual. Isto é: os pilotos de caça combatem sem ver seus oponentes, em um cenário chamado de BVR, do inglês Beyond Visual Range (BVR), ou seja, além do alcance visual. 

O Major Cláucio de Oliveira Marques, que participa da CRUZEX a bordo de caças Mirage 2000 da Força Aérea Brasileira, diz que o combate BVR se caracteriza pela análise dos dados recebidos eletronicamente. “Você não vê o seu inimigo. Só o vê no seu radar. Então o combate BVR é um combate de análise, em que é determinante analisar aquilo que se vê no radar. Ele registra aeronaves mais longe, mais perto, mais alto, mais baixo, todas ao mesmo tempo, e você tem que decidir para que lado vai, se sobe ou se desce”, conta. 

Já o Capitão Raphael Efísio, piloto de F-5 da FAB, explica que o combate BVR é fruto do desenvolvimento tecnológico. “Há vinte anos, era preciso ver o inimigo para efetuar o disparo no alvo. Hoje, fazendo uso de mísseis com alcance cinco vezes maior e com a tecnologia de localização por radar e sistema datalink de compartilhamento de dados, é possível localizar, identificar e abater aeronaves inimigas à longas distâncias”, diz. 

Embora as manobras radicais à curta distância tenham cedido espaço ao combate BVR, a habilidade dos pilotos ainda conta. “Existe o risco de um piloto não perceber a aproximação do inimigo, ou percebê-lo somente quando o míssil dele já tiver sido lançado. Uma vez que esteja no cinemático, ou seja, dentro do alcance do míssel, uma manobra de defesa pode ser inútil”, explica o Capitão Efísio. 

Também é preciso conseguir lançar os mísseis em um momento propício. O ar rarefeito das grandes altitudes, bem como a velocidade do caça na hora do disparo, podem aumentar 
o desempenho do armamento. “Para efeito de comparação, se em um carro à 30Km/h você atira uma laranja, ela tem determinado alcance. Se o carro estiver à 100Km/h, a mesma laranja terá um alcance muito maior. Então, quanto melhor o desempenho da aeronave, mais eficiente a atuação em BVR”, diz o Major Marques. 

Por outro lado, é preciso usar com parcimônia a potência das turbinas. “Se empregamos uma velocidade superior, temos ataque e defesa mais eficazes, mas o consumo de combustível é maior e nos arriscamos a ficar menos tempo no combate”, afirma o Major Marques, que participa da CRUZEX Flight 2013 como piloto de Mirage 2000, aeronave capaz de atingir mais de duas vezes a velocidade do som. 
Disputa de xadrez - Os dois pilotos de caça são categóricos: o combate BVR é como um jogo de xadrez. É preciso conhecer cada peça, observar cada movimento e interpretar cada estratégia. “A missão é toda planejada do inicio ao fim”, afirma o Capitão Efisio. “O dia anterior à missão é exclusivo para planejamento. Estudamos com afinco as aeronaves envolvidas e as condições da operação”, concorda o Major Marques.

“Tudo exige um planejamento”, prossegue o Capitão Efisio: “Não adianta nada você investir numa manobra defensiva se o inimigo vai atrás de você e com condições de chegar. É preciso analisar a perfomace da aeronave, o míssel que ela utiliza, as táticas que a gente já viu e o que fazer para contrapor às ameaças”. 

Durante a CRUZEX Flight 2013, com a participação de países e aeronaves diferentes, o número de variáveis aumenta e o planejamento se torna um desafio para os pilotos. “É interessante participarmos com outras unidades aéreas, em especial estrangeiras, pois combatendo com quem você não conhece, utilizando táticas diferentes, performances de aeronaves diferentes, com capacidade de disparo de míssel diferentes, sempre se agrega mais aprendizado”, afirma o Capitão Efisio. “A gente sempre sai melhor do que entrou”, completa o Major Marques.
Fonte: Agência Força Aérea SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Arquivo do blog segurança nacional