Wikipedia

Resultados da pesquisa

domingo, 3 de novembro de 2013

preocupação russa sobre a implantação de elementos de uma rede de defesa de mísseis dos EUA no Japão

RIA Novosti) - preocupação russa sobre a implantação de elementos de uma rede de defesa de mísseis dos EUA no Japão foi o tema de "atenção especial" durante as conversações em Tóquio esta semana entre a defesa da Rússia e ministros das Relações Exteriores e os seus homólogos japoneses, russo ministro da Defesa, Sergei Shoigu, disse neste sábado.
Shoigu disse que os russos haviam sugerido a realização de reuniões adicionais com o Japão sobre a apreensão de Moscou sobre movimentos dos EUA para implantar defesas antimísseis ao redor do arco do Mar do Sul da China, além do escudo antimísseis europeu disputado, incluindo um novo radar de defesa contra mísseis no oeste do Japão para se juntar um radar existente no norte da prefeitura de Aomori.
"Nós não fez segredo do fato de que a criação, até os EUA de um sistema de defesa antimísseis global, incluindo um elemento japonês, está nos causando grande preocupação, principalmente sobre a possível destruição do equilíbrio estratégico de poder na região da Ásia-Pacífico, "Shoigu disse em uma coletiva de imprensa sobre o resultado das negociações de dois dias em Tóquio, no sábado.
Ministro das Relações Exteriores japonês Fumio Kishida disse na mesma conferência que "o eixo da política de defesa do Japão continua a sua união com os EUA, e não haverá mudanças nesse sentido."
Ambos os países foram, no entanto, positivo sobre o resultado das negociações - a primeira a ser realizada entre os dois países no formato de ministro das Relações Exteriores e de defesa de cada lado 2 +2 - anunciando cooperação reforçada sobre uma série de questões relacionadas com a segurança internacional e relações bilaterais, bem como os planos para atender no mesmo formato em uma base regular.
O ministro da Defesa japonês Itsunori Onodera disse que os dois lados concordaram em realizar joint anti-terrorismo e exercícios militares anti-pirataria.
"Nós compartilhamos a avaliação dos nossos colegas japoneses sobre a necessidade de coordenar os nossos esforços na luta contra o terrorismo ea pirataria internacional.Propusemos o reforço da coordenação de navios russos e japoneses que servem na região do Corno de África ", disse Shoigu, acrescentando que os marinheiros não poderia tomar parte em exercícios navais conjuntos.
Onodera disse que ambos os países a intenção de enviar observadores para exercícios militares uns dos outros em uma base regular, enquanto Shoigu disse que o Estado-Maior russo e seu homólogo japonês estavam olhando como cooperar mais de perto.
Kishida disse que ambos os países se ampliar ainda mais a sua cooperação no âmbito das organizações regionais como a Associação de Nações do Sudeste Asiático e da Cúpula do Leste Asiático. "A cooperação entre o Japão ea Rússia, como os jogadores-chave na região do Oceano Pacífico, é importante para fortalecer a paz ea estabilidade na região", disse ele.
O ministro das Relações Exteriores japonês também disse que os dois países iria começar a realizar reuniões sobre a questão da segurança cibernética.
O chanceler russo, Sergei Lavrov, disse que os quatro ministros concordaram em realizar reuniões no formato 2 +2 em uma base regular, e que os russos haviam convidado os seus homólogos japoneses para ir a Moscou para esse fim no próximo ano.
Na sexta-feira, os dois chanceleres disseram ter concordado em manter conversações tratado de paz em janeiro ou fevereiro do próximo ano. Moscou e Tóquio nunca assinaram um tratado de paz permanente após a Segunda Guerra Mundial por causa de uma disputa territorial de longa duração sobre as ilhas Curilas, no norte do Pacífico, um arquipélago ocupado pelas forças soviéticas no final da guerra e ainda reivindicado por Japão.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG,,SNB

Novos mísseis Subs da Marinha russa não operacionais - Fonte

(RIA Novosti) - A Marinha russa novos submarinos de mísseis balísticos "s não estão prontos para entrar em operação em seu papel principal de realizar patrulhas de dissuasão nuclear devido a uma falha no teste de disparo do míssil Bulava ano passado, um alto comando fonte disse à RIA Novosti na sexta-feira.
Os dois barcos da classe Borey em questão, o Alexander Nevsky eo Vladimir Monomakh, em vez disso pode ser restrito ao teste experimental no papel de ataque e armado com as armas convencionais, disse a fonte do comando elevado.
"A classe Borey submarinos de mísseis estratégicos podem realizar as tarefas de multi-funções submarinos de ataque, através da realização de outras armas a bordo - torpedos e foguetes de torpedos. Assim como um médico da ciência também pode ensinar matemática em uma escola ", disse a fonte.
O barco principal da classe, Yury Dolgoruky, foi aceito no serviço pela Marinha no final de 2012.
Mas o ministro da Defesa, Sergei Shoigu em 6 de setembro ordenou a demora na aceitação de outros navios tais em serviço e insistiu em mais cinco disparos de sua arma principal, o Bulava submarinos lançadores de mísseis balísticos, após o fracassado teste de tiro.Os dois novos barcos da classe Borey estão completos e deveriam ter sido entregues à marinha até o final deste ano.
A decisão pode ser tomada para utilizar os barcos em papéis alternativos como o Alexander Nevsky está pronto e não tem mostrado falhas, disse a fonte.
Da Marinha Lada classe diesel-elétrico submarino St. Petersburg foi aceito de forma semelhante para testes e ensaios em 2010, mas ainda não está em serviço operacional com a frota, disse ele.
O barco está passando por novos testes com a Frota do Norte depois de vários sistemas foram redesenhados e substituídas por insistência da Marinha.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG,, SNB

CRUZEX 2013 – Diretor fala sobre as novidades do maior exercício de combate aéreo da América Latina

Em entrevista à FAB TV, o diretor da CRUZEX Flight 2013, Brigadeiro do Ar Mário Luis da Silva Jordão, fala sobre a importância do maior exercício de combate aéreo da América Latina. Realizada pela Força Aérea Brasileira desde 2002, o treinamento traz novidades nesta edição. “Houve um processo evolutivo muito grande, de conhecimento, de incorporação de doutrinas, com isso conseguimos trazer mais países. Isso aumenta a interação entre as forças aéreas, aumenta a troca de conhecimento, padroniza ações para que a Força Aérea Brasileira possa atuar no cenário internacional em ações conjuntas com outras forças aéreas”, explica o oficial-general.
Neste ano o número de países participantes é recorde: nove. São mais de 90 aeronaves. Serão realizados voos de pacote com aproximadamente 75 aeronaves por missão. Haverá aumento do número de missões de transporte aéreo e participação de forças especiais. Além disso, o exercício realizado a partir da Base Aérea de Natal, no Rio Grande do Norte, incorpora a tecnologia do shot validation, um sistema que vai conferir mais precisão a validação do emprego dos armamentos nos exercícios de combate.  Veja entrevista:
Saiba mais -  A cobertura completa da CRUZEX também pode ser acompanhada 
Fonte: Agência Força Aérea,,,SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Arquivo do blog segurança nacional