Wikipedia

Resultados da pesquisa

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

CryEngine Licensee Trailer

SNB

Brasil deve lançar três novos satélites até 2026

O governo brasileiro está com planos bem avançados de colocar três novos satélites geoestacionários no espaço. Esses equipamentos teriam funções voltadas às comunicações governamentais estratégicas e militares, o que permitiria que as forças armadas deixassem de utilizar satélites da Embratel — o que ocorre atualmente com dois equipamentos. E eles seriam colocados em órbita até 2026.
Segundo a Agência Brasil, Caio Bonilha (presidente de Telebras) e Edwin da Costa (assessor do Ministério da Defesa) informaram que a meta do governo brasileiro é de lançar um novo satélite a cada cinco anos, já que a vida útil deles é de apenas 15 anos. O primeiro seria colocado em funcionamento em 2016 e ficaria ativo até 2031, quando um novo equipamento o substituiria.
Este primeiro satélite não será construído por empresas brasileiras e também não será lançado por aqui. A participação brasileira estaria apenas no gerenciamento, que será feito pela Visiona (uma parceria entre Embraer e Teleras). Quando estiver ativo no espaço, o satélite terá as comunicações civis controladas pela Telebras e as militares pelo Ministério da Defesa. Vale dizer que os dois postos de operação ficarão em bases militares.
A Agência Brasil ainda informa que os equipamentos vão trabalhar em três faixas diferentes. Uma delas é nacional (abrangendo todo o país), outra é regional (cobrindo América do Sul, Central e parte dos oceanos Atlântico e Pacífico) e a terceira é móvel (podendo variar a área de suporte de acordo com a demanda do governo brasileiro). Não foram informados maiores detalhes sobre os outros satélites  que devem ser lançados até 2026.
Fonte: Agência Brasil...SNB

Autorizada negociação para compra do sistema Pantsir-S1

Portaria assinada pelo ministro da Defesa, Celso Amorim, divulgada no Diário Oficial da União (DOU) nesta quinta-feira (5), autoriza abertura dos processos de negociação para compra do sistema russo de artilharia antiaérea de médio alcance Pantsir-S1, capaz de abater alvos aéreos voando entre 200 metros e 20 km de distância e entre 5 km e 15 km de altitude. Esse equipamento pode atuar contra até 24 alvos simultâneos, sejam eles aviões, veículos aéreos não tripulados (VANT) e helicópteros, entre outros.
O negócio entre Brasil e Rússia esta sendo finalizado após um acordo de intenção assinado em fevereiro último em Brasília pelo primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev, e o vice-presidente da República, Michel Temer. O objetivo inicial é adquirir cinco baterias antiaéreas, sendo duas delas de mísseis portáteis tipo MANPADS (Man-Portable Air-Defense System) Igla, de alcance máximo de 5 km e orientados por radiação infravermelha, e três do modelo Pantsir-S1, de médio alcance. As negociações envolvendo o Pantsir-S1 ficarão a cargo do Comando da Aeronáutica enquanto os Igla serão negociados pelo Exército Brasileiro. Um grupo de trabalho irá para a Rússia conhecer os sistemas, negociar valores e apresentar uma proposta de contrato.
Segundo a portaria do Ministério da Defesa, a compra envolve “transferência irrestrita de tecnologia”. Além disso, o texto admin/publicado no DOU menciona a dispensa de licitação referentes ao sistema de médio alcance por força da Lei que permite compras sem concorrência quando a segurança nacional esta acima de interesses menores. Com relação aos Igla a dispensa baseia-se na padronização requerida pelas estruturas logísticas das Forças. O conteúdo da portaria menciona também que será adquirido também um sistema de controle e alerta para artilharia de médio alcance, que ainda está em fase de desenvolvimento em conjunto com a Rússia, bem como três sensores e três centros de operações para o Pantsir-S1, além de itens logísticos, de simulação, de capacitação operacional e operação das armas. Cada bateria Pantsir-S1 russa engloba seis carros 8x8 equipados com radares, mísseis e canhões, e veículos de apoio e  Remunisiamento /manutenção.Além de preencher uma lacuna há muito tempo existente na capacidade militar do País, a chegada desse material de defesa antiaérea vem atender ao requisitos de segurança das instituições internacionais que estão coordenando os preparativos para os grandes eventos esportivos que acontecerão no Brasil nos próximos três anos, como por exemplo, a Copa do Mundo de 2014 gerenciada pela Federação Internacional de Futebol (FIFA), e as Olimpíadas de 2016 no Rio de Janeiro.
Por Ivan Plavetz
SNB..

Satélite brasileiro não está totalmente livre de restrições militares norte-americanas. Segundo satélite (SGDC-2) deverá operar em 2022

Um detalhe até então desconhecido da escolha do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicação Brasileiro, o SGDC-1, cujo fornecedor (Thales Alenia) foi anunciado há poucas semanas, é que ele não é um satélite imune à regulamentação militar norte-americana. Não é, portanto, um satélite ITAR-free. ITAR é a sigla para International Traffic in Arms Regulations, que é a regulação dos EUA que limita o compartilhamento de informações e a venda de equipamentos que possam ter relevância militar para o governo norte-americano. Na prática, qualquer tecnologia desenvolvida nos EUA que seja classificada como ITAR está sujeita a essas restrições, mesmo quando comercializadas por uma empresa estrangeira.

No caso do satélite brasileiro, a Thales é uma empresa francesa, que em tese teria condições de fornecer um satélite sem essas restrições do ITAR. Mas na prática, chegar aos custos, escala e prazos necessários sem passar por nenhuma tecnologia norte-americana é quase impossível. Segundo fontes que acompanharam o processo de contratação do satélite, isso significa que algumas partes da tecnologia do satélite não poderão ser compartilhadas com brasileiros, mas não se sabe exatamente o quê. Ainda segundo essas fontes, a limitação do ITAR não deve se aplicar à capacidade em banda X do satélite, que será usada para fins militares.

VLS

Nesse caso, os fornecedores escolhidos dos componentes e subsistemas do satélite seriam ITAR-Free. Também existe a expectativa de que parte da tecnologia a ser utilizada pelo lançador (cujo fornecedor é a Arianespace) poderá ser absorvida pela equipe envolvida no projeto do Veículo Lançador de Satélite (VLS), trabalho há anos sendo desenvolvido no Brasil para lançamento de pequenos satélites e que teve significativa perda de material humano e atraso quando ocorreu o acidente na base de Alcântara, em 2003, matando mais de 20 pessoas envolvidas no projeto.

Originalmente, o projeto do SGDC previa que ele fosse totalmente livre dessas restrições inerentes ao ITAR, até para que o governo pudesse maximizar a transferência tecnológica, mas isso não foi possível nas condições de preço e prazo disponíveis. Ainda assim, a avaliação é de que o acordo firmado com a Thales permitirá a incorporação de uma quantidade razoável de conhecimento ao processo.

A expectativa é de que até abril ou maio de 2014, quando o satélite passará a ser efetivamente construído, a Agência Espacial Brasileira (AEB) anuncie como será a participação de empresas brasileiras ligadas a esse segmento no processo de transferência tecnológica.

Not made in Brazil

Um outro detalhe sobre o SGDC-1: ele não tem, pelo menos até esse momento, nenhum componente fabricado no Brasil, mas isso ainda pode mudar. Existe a possibilidade de que alguns sistemas secundários possam contar com fornecedores brasileiros. Mas isso será avaliado posteriormente, dentro do projeto final do satélite, e de modo a assegurar a performance e a segurança do equipamento nas condições contratadas, segundo fontes ouvidas por este noticiário.
SGDC-2  só deve operar em 2022
O projeto original do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicação Brasileiro (SGDC) prevê um total de três satélites para uso civil e militar. Desde a sua origem, o projeto já sofreu inúmeras mudanças de escopo, prazo e orçamento. Uma mudança recente, em função até do atraso para a escolha do SGDC-1, foi a data prevista para operação (agora oficialmente meados de 2016) e a previsão do cronograma para o SGDC-2. Originalmente, o segundo satélite seria contratado em 2016. Agora, a expectativa do governo é que ele comece a ser contratado em 2019 para entrar em operação até 2022. O terceiro satélite só viria depois disso, caso não se opte por fazer dois de uma vez.

O SGDC-1, que ficará na posição 75°W (a dispensa de licitação foi, aliás, aprovada nesta quinta, 5, pela Anatel), deve começar a ser construído em cerca de nove meses, a partir do momento em que a Visiona (prime-contractor) tiver o mandato da Telebras para assinar o contrato com a Thales, o que deve acontecer no próximo mês.

A construção das instalações que abrigarão o centro de controle deve começar ainda este ano, e será coordenada pela Telebras e pelos órgãos de defesa. A única restrição, nesse caso, é que os dois centros de controle ficarão em áreas militares, no Rio de Janeiro e em Brasília.

Outra variação nos planos originais se deu no orçamento. O primeiro satélite deveria ter custado R$ 700 milhões, mas com a variação cambial, o custo está estimado entre R$ 1 bilhão e R$ 1,1 bilhão. Segundo apurou este noticiário, com a preocupação crescente do governo com a soberania de suas informações, a tendência é que não haja dificuldades para fazer esse ajuste orçamentário, mas é algo que ainda precisará ser discutido com o governo.
SNB..

Arquivo do blog segurança nacional