Wikipedia

Resultados da pesquisa

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Segurança cibernética: Deputados cobram adesão do Brasil à Convenção sobre Cibercrime

Por Ivan Plavetz
Os deputados federais Eduardo Azeredo  e Claudio Cajado  querem que os ministros da Defesa, Celso Amorim, e das Relações Exteriores, Antonio Patriota, forneçam informações sobre a adesão do Brasil à Convenção Internacional sobre o Cibercrime – Convenção de Budapeste – e que medidas o País tem adotado para melhorar a sua segurança digital.
No dia 07 de agosto último, a Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN), da Câmara dos Deputados aprovou requerimento apresentado em conjunto pelo dois parlamentares.  De acordo com Eduardo Azeredo, a Convenção de Budapeste é hoje o principal tratado internacional de direito penal e processual que define de forma harmônica os crimes praticados por meio das tecnologias da informação e suas formas de persecução.Claudio Cajado lembrou que a incidência dos crimes praticados mediante o uso de tecnologias de informação e comunicação vem crescendo exponencialmente no Brasil e no mundo. Os fatos há muito evidenciam que é urgente a tomada de providências no âmbito interno, com a adoção de leis que visam o combate e a punição dos chamados cibercrimes e de medidas que reforçam a segurança digital de pessoas, empresas e governos.
Atualmente, 40 países integrantes do Conselho da Europa, mais o Canadá, a África do Sul, o Japão e os Estados Unidos são signatários da Convenção de Budapeste. Na América do Sul, apenas Chile e Colômbia aderiram.
“As recentes denúncias de monitoramento norte-americano no Brasil evidenciam, para além de qualquer interferência, que o ciberespaço brasileiro está desprotegido, vulnerável a todo tipo de invasão”, explicou Azeredo. Os ministros terão de responder sobre as providências tomadas no sentido de promover a adesão do Brasil à Convenção de Budapeste, quando isso irá ocorrer e quais as demais medidas adotadas para fortalecer a segurança digital do País, não apenas no âmbito interno, mas principalmente no tocante às questões transfronteiriças.
SNB

Índia ativa submarino nuclear de projeto doméstico

O governo da Índia  informou que foi ativado na semana passada o reator atômico do submarino INS Arihant, o primeiro de propulsão nuclear projetado naquele país. O acontecimento marca um importante êxito, haja vista que apesar de possuir na frota de sua Marinha um submergível dessa Classe desde 2012, ele foi fabricado em um país estrangeiro, na Rússia, e comissionado sob regime de arrendamento . Trata-se do INS Chakra, um modelo Nerpa e alugado por dez anos.O primeiro ministro da Índia, Manmohan Singh, assegurou neste sábado (10) que a ativação do reator atômico do INS Arihant é um grande passo na evolução  da capacidade tecnológica do país e felicitou os cientistas e as autoridades da defesa pela conquista.
Arihant, cujo reator atômico de água leve (LWR) fornece uma potência máxima de 83 megawatts, é o primeiro submarino com capacidade de portar míisseis balísticos construído fora do grupo formado por Estados Unidos, França, Rússia, Reino Unido e China.
Antes de ser colocado em serviço oficialmente, o Arihant , de seis mil toneladas deverá passar pelo menos 18 meses sendo submetido a provas em alto mar. Segundo o jornal indiano “The Times of India”, esse programa de provas inclui lançamento de misseis K-15 capazes de alcançar distâncias de até 750 km.A incorporação do navio nos meios de combate da Índia  completará  a tríade nuclear, ou seja, o país passará a contar com armas nucleares lançadas a partir de terra, mar e ar .O Exército Indiano conta com misseis balísticos Agni instalados sobre caminhões e plataformas ferroviárias. A Força Aérea  dispõe de aviões de combate Sukhoi Su-30MKI , Mirage 2000 e o desenvolvido localmente HAL Tejas, que podem transportar ogivas nucleares.
SNB

Especialistas russos para ajudar a Índia em Submarine Probe naufrágio

RIA Novosti NEW DELHI / Petropavlovsk-Kamchatsky, 16 de agosto - Uma equipe de especialistas de engenharia naval russa vai participar de uma investigação para descobrir por que um de fabricação russa submarino da marinha indiana explodiu e afundou no porto nesta quarta-feira, matando 18 tripulação membros, Vice-premiê russo Dmitry Rogozin, disse sexta-feira.
O barco, INS Sindhurakshak, um navio movido a diesel-elétrico da classe Kilo (Project 877 EKM), afundou em suas amarras no porto de Mumbai após um incêndio provocou a explosão de pelo menos dois torpedos ou mísseis a bordo, em uma explosão que acendeu zona portuária da cidade.Um punhado de marinheiros pulou fora do barco e sobreviveram, informou a imprensa local.
"Eu instruí o United Shipbuilding Corporation para enviar mais especialistas, de acordo com o lado indiano, para participar na investigação da tragédia e oferecer toda a assistência necessária aos nossos amigos indianos", disse Rogozin, que supervisiona a indústria de defesa russa.
A Marinha indiana é provável que solicitar assistência da Rússia, jornal DNA da Índia, citando fontes navais.
Os especialistas russos não vejo falha técnica como a provável causa do incidente, disse Rogozin.
"A informação inicial ... é que a explosão ocorreu no compartimento onde as baterias estavam cobrando '", disse ele. "Este é o trabalho mais perigoso, que não é tanto o que fazer com os fabricantes dessas baterias, mas com medidas técnicas de segurança, que devem ser ao mais alto nível. Assim, as primeiras suspeitas de nossos especialistas são sobre questões de normas técnicas de segurança. Nós não estamos culpando o equipamento ainda ", acrescentou.
Especialistas russos ainda não foram para o local do acidente, onde os mergulhadores da Marinha da Índia ainda estão trabalhando para tentar recuperar os corpos dos que morreram. Os mergulhadores recuperaram três corpos sexta-feira das entre os 18 equipeacredita ter sido a bordo, The Times of India informou.
"Três corpos foram recuperados do submarino pelos nossos mergulhadores, mas sua identidade ainda não foi apurado", um porta-voz da Marinha em Mumbai, disse, segundo o jornal. Testes de DNA serão realizados para identificar os corpos.
O chefe da Marinha indiana, Almirante DK Joshi, disse que há pouca chance de encontrar sobreviventes no barco. Mergulhadores de resgate relataram graves danos ao navio, de acordo com um incêndio a bordo e explosões, o Deccan Herald.
Relatos da mídia indiana disse que a Marinha era improvável que seja capaz de levantar o barco de 2.300 toneladas por si só e, provavelmente, utilizar uma empresa de salvamento de Cingapura para trazê-lo para cima.
O Sindhurakshak sofreu um incêndio fatal em 2010, que matou um tripulante. Uma investigação marinha indiana disse que o incidente foi causado por uma bateria defeituosa, o Hindustan Times.
O barco foi reformado por Zvezdochka estaleiro da Rússia, depois que o fogo, e só voltou a operar em janeiro.
O barco havia navegado 15.000 milhas após a reforma e os índios "não havia manifestado qualquer reclamação sobre a condição do submarino" depois, Rogozin disse.
Diesel de barcos elétricos, como o Kilo-class usar seus motores a diesel para funcionar na superfície, e carregar as baterias enormes para poder motores elétricos para funcionamento silencioso abaixo da superfície.
Os gases podem ser descarregados durante o processo de carregamento, incluindo o hidrogénio inflamável, que deve ser ventilado de forma segura para impedir o fogo.N(RIA Novosti EW DELHI / Petropavlovsk-Kamchatsky, 16 de agosto - Uma equipe de especialistas de engenharia naval russa vai participar de uma investigação para descobrir por que um de fabricação russa submarino da marinha indiana explodiu e afundou no porto nesta quarta-feira, matando 18 tripulação membros, Vice-premiê russo Dmitry Rogozin, disse sexta-feira.
O barco, INS Sindhurakshak, um navio movido a diesel-elétrico da classe Kilo (Project 877 EKM), afundou em suas amarras no porto de Mumbai após um incêndio provocou a explosão de pelo menos dois torpedos ou mísseis a bordo, em uma explosão que acendeu zona portuária da cidade.Um punhado de marinheiros pulou fora do barco e sobreviveram, informou a imprensa local.
"Eu instruí o United Shipbuilding Corporation para enviar mais especialistas, de acordo com o lado indiano, para participar na investigação da tragédia e oferecer toda a assistência necessária aos nossos amigos indianos", disse Rogozin, que supervisiona a indústria de defesa russa.
A Marinha indiana é provável que solicitar assistência da Rússia, jornal DNA da Índia, citando fontes navais.
Os especialistas russos não vejo falha técnica como a provável causa do incidente, disse Rogozin.
"A informação inicial ... é que a explosão ocorreu no compartimento onde as baterias estavam cobrando '", disse ele. "Este é o trabalho mais perigoso, que não é tanto o que fazer com os fabricantes dessas baterias, mas com medidas técnicas de segurança, que devem ser ao mais alto nível. Assim, as primeiras suspeitas de nossos especialistas são sobre questões de normas técnicas de segurança. Nós não estamos culpando o equipamento ainda ", acrescentou.
Especialistas russos ainda não foram para o local do acidente, onde os mergulhadores da Marinha da Índia ainda estão trabalhando para tentar recuperar os corpos dos que morreram. Os mergulhadores recuperaram três corpos sexta-feira das entre os 18 equipeacredita ter sido a bordo, The Times of India informou.
"Três corpos foram recuperados do submarino pelos nossos mergulhadores, mas sua identidade ainda não foi apurado", um porta-voz da Marinha em Mumbai, disse, segundo o jornal. Testes de DNA serão realizados para identificar os corpos.
O chefe da Marinha indiana, Almirante DK Joshi, disse que há pouca chance de encontrar sobreviventes no barco. Mergulhadores de resgate relataram graves danos ao navio, de acordo com um incêndio a bordo e explosões, o Deccan Herald.
Relatos da mídia indiana disse que a Marinha era improvável que seja capaz de levantar o barco de 2.300 toneladas por si só e, provavelmente, utilizar uma empresa de salvamento de Cingapura para trazê-lo para cima.
O Sindhurakshak sofreu um incêndio fatal em 2010, que matou um tripulante. Uma investigação marinha indiana disse que o incidente foi causado por uma bateria defeituosa, o Hindustan Times.
O barco foi reformado por Zvezdochka estaleiro da Rússia, depois que o fogo, e só voltou a operar em janeiro.
O barco havia navegado 15.000 milhas após a reforma e os índios "não havia manifestado qualquer reclamação sobre a condição do submarino" depois, Rogozin disse.
Diesel de barcos elétricos, como o Kilo-class usar seus motores a diesel para funcionar na superfície, e carregar as baterias enormes para poder motores elétricos para funcionamento silencioso abaixo da superfície.
Os gases podem ser descarregados durante o processo de carregamento, incluindo o hidrogénio inflamável, que deve ser ventilado de forma segura para impedir o fogo.
SNB

Quais os riscos de manter uma rede WiFi sem senha?

Recentemente, muito se falou em abrir a rede WiFi de sua casa para que as pessoas que foram às ruas para as diversas manifestações pudessem divulgar fotos, vídeos e outras coisas que estavam acontecendo ali. Mas, por outro lado, isso significa um risco muito grande para você e para suas informações. Veja por que.

Matéria completa: 
O conteúdo do Canaltech é protegido sob a licença Creative Commons (CC BY-NC-ND). Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção. 

canaltech.com.br..SNB

Pesquisa mostra que adolescentes se preocupam sua privacidade

Diferente do mito popular, uma pesquisa da Pew Research em parceria com a Universidade de Harvard descobriu que os adolescentes norte-americanos com idades entre 12 e 17 anos se preocupam com sua privacidade online.
O estudo envolveu uma amostra representativa de 802 adolescentes e 802 pais de adolescentes, bem como grupos de discussão envolvendo 156 adolescentes. Confira as principais conclusões da pesquisa.

A palavra é: controle

Os jovens tendem a compartilhar uma série de coisas online, mas eles também tomam medidas cabíveis para gerenciar o que pode ser visto e quem pode acessar determinado conteúdo. Em outras palavras, está tudo relacionado ao controle. O estudo também descobriu que 70% dos adolescentes já ofereceram conselhos sobre a forma de gerir sua privacidade online e, talvez para a surpresa de muitos adultos, pais e colegas são praticamente iguais quando se trata desse tipo de ajuda.
  • 42% dos adolescentes entrevistados pediram a um amigo ou colega algum conselho sobre a gestão de sua privacidade online;
  • 41% pediram aos pais;
  • 37% pediram a um irmão ou primo;
  • 13% procuraram ajuda em algum site;
  • 9% pediram ajuda a um professor;
  • 3% pediram ajuda a outras pessoas ou recursos.

Privacidade no Facebook

A maioria dos adolescentes não apenas sabe como usar as configurações de privacidade do Facebook, mas também configura seus perfis de maneira total ou parcialmente privada. Daqueles que têm procurado aconselhamento sobre privacidade, 61% postam apenas para amigos, enquanto 24% fazem posts "parcialmente privados". E mesmo aqueles que não recebem o conselho de privacidade dos outros são cuidadosos com o que compartilham com o mundo por meio da rede social, com 56% dos compartilhamentos reservados apenas para amigos e 24% parcialmente privados.

Idade e sexo

O estudo apontou que adolescentes mais jovens, com idades entre 12 e 13 anos, são mais propensos a procurar aconselhamento sobre privacidade do que os adolescentes mais velhos, mas a diferença não é drástica. Cerca de 77% dos adolescentes mais novos têm procurado conselhos contra 67% dos adolescentes mais velhos. E, como já era de se esperar, os mais novos estão mais propensos a buscar auxílio dos pais (58%) em comparação com os adolescentes mais velhos (33%). As meninas (77%) são ligeiramente mais propensas a pedir conselhos do que os meninos (66%).

O que tudo isso significa?

A pesquisa mostra que a visão da maioria das pessoas acerca dos adolescentes e sua relação com a privacidade online está errada. Ela mostra que os adolescentes têm consciência sobre sua própria privacidade e sobre como deve configurar seus controles de privacidade.
Mas é importante ressaltar que os adolescentes não estão plenamente conscientes de todos os aspectos que regem a privacidade na Internet. Existem alguns deles que não foram abordados na pesquisa, conforme indica a Forbes, incluindo cookies de rastreamento de terceiros e seu papel nas redes de publicidade, bem como a forma como os aplicativos e rede sociais estão coletando dados dos usuários, incluindo (em alguns casos) os dados de localização, amigos e contatos.


Matéria completa: 
O conteúdo doé protegido sob a licença Creative Commons (CC BY-NC-ND). Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção. 

canaltech.com.br...SNB

CIA localiza no mapa ultrassecreta 'Área 51', alvo de teorias sobre óvnis e ETs

Reconhecimento mais explícito dos EUA sobre local é feito em documento sobre avião espião U-2 da Guerra Fria

A CIA (Agência de Inteligência dos EUA) reconheceu nos termos mais claros já adotados a existência da Área 51, local ultrassecreto de testes da Guerra Fria (1947-1991) que foi alvo de teorias conspiratórias por décadas sobre objetos voadores não identificados (óvnis), alienígenas e encenação de pousos na lua.
Documentos antes confidenciais recentemente revelados sobre o programa do avião espião U-2 não apenas mencionam a Área 51 e descrevem algumas de suas atividades, mas também a localizam no mapa.
'O Cofre': FBI cria busca online de documentos sobre óvnis e paranormalidadeJeffrey Richelson, membro do Arquivo de Segurança Nacional da Universidade George Washington, diz que essa não é a primeira vez que o governo americano reconhece a instalação secreta. Mas aqueles convencidos de que "a verdade está por aí" consideram que a recente informação é um sinal de diminuição do sigilo das atividades governamentais no deserto de Nevada.
O Arquivo de Segurança Nacional obteve a história da CIA por meio de uma requisição de registros públicos divulgados na quinta-feira. O documento obtido descreve a aquisição em 1955 de uma área no Estado de Nevada para o teste do avião secreto U-2.
Além de ser um relato longo do desenvolvimento do programa da aeronave espiã, a história também tenta iluminar o fascínio público com a Área 51 e suas associações de longa data com extraterrestres e óvnis. O documento aponta que, durante o teste do avião nos anos 1950 - em altitudes muito maiores do que voavam os aviões comerciais da época -, houve "um tremendo aumento no relato de óvnis".
"Naquela época, ninguém acreditava que um voo tripulado era possível acima dos 18 mil km de altitude, então ninguém poderia esperar ver um objeto tão alto no céu", afirmam os autores Gregory Pedlow e Donald Welzenbach.
Perto de instalação de teste nuclear
Autoridades já haviam reconhecido de passagem a existência da instalação no centro de Nevada, onde se acredita que o governo teste instrumentos e armas de inteligência. O remoto trecho de deserto ao redor do Lago Groom foi escolhido para o programa do U-2 após uma pesquisa aérea da CIA e da Força Aérea e por ser adjacente a uma instalação de teste nuclear.
Em 2002, Richelson revisou a história, um documento interno da CIA produzido em 1992 e originalmente aberto em 1998, mas todas as menções à Área 51 haviam sido editadas. Richelson relata que pediu a história novamente em 2005 e recebeu uma versão há poucas semanas com as menções sobre a Área 51 restauradas.
Richelson acredita que os novos documentos mostram que a CIA está se tornando menos secreta sobre a existência da Área 51, ou ao menos sobre o que acontece no local.
"O U-2 era absolutamente ultrassecreto", disse à BBC Chris Pocock, um jornalista de defesa britânico e autor de histórias sobre o programa. "Eles tiveram de esconder tudo relacionado a isso." O avião U-2, desenvolvido para espionar a União Soviética durante a Guerra Fria, ainda é usado pela Força Aérea dos EUA. 
De acordo com o documento, o presidente Dwight Eisenhower (1953-1961) determinou pessoalmente a aquisição do local em Nevada. Autoridades da CIA, da Força Aérea e da Lockheed, a empresa contratada para construir o U-2, começaram a se mudar para a instalação em julho de 1955.
*Com AP e BBC
SNB

BOEING ESTÁ OTIMISTA COM LICITAÇÃO DOS CAÇAS DA FAB

Por Sérgio Lamucci | De Washington 
 
A presidente da Boeing Brasil, Donna Hrinak, disse ontem acreditar que o resultado da licitação dos 36 caças para a Força Aérea Brasileira (FAB) será definido "por seus próprios méritos", avaliando que as denúncias de que os EUA espionaram e-mails e telefonemas de brasileiros não deverão influenciar a decisão do governo brasileiro. A Boeing é uma das finalistas do processo que se arrasta há anos, ao lado francesa Dassault e da sueca Saab, num negócio que envolve mais de US$ 4 bilhões. Para Donna, fatores como a qualidade do produto, o pacote de transferência de tecnologia e as necessidades do Brasil nas áreas de defesa, inovação e competitividade é que serão decisivos para a escolha final. 
 
Embaixadora no Brasil entre 2002 e 2004, Donna disse que o caso envolvendo a Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em inglês) é muito sério para o Brasil, e também para muito cidadãos americanos. "Mas acho que o governo brasileiro deixou claro que essa é uma relação complexa, com interesses diferentes, e que se deve separar esse assunto do resto da relação, para que se faça progressos em outras áreas enquanto se resolve isso". 
 
Para ela, isso é sinal de maturidade na relação. Donna lembrou que, quando era embaixadora no Brasil e Rubens Barbosa era o embaixador em Washington, os dois conversavam sobre a importância de não transformar toda questão comercial num grande problema da relação bilateral. "Acho que nós chegamos ao ponto em que vamos abordar as alegações sobre a NSA sem que isso afete a relação ou coloque obstáculos a ela." 
 
Questionada sobre se a decisão poderia ser anunciada durante a visita de Estado da presidente Dilma Rousseff aos EUA, em outubro, Donna limitou-se a dizer que isso depende da presidente brasileira. "Ela vai tomar a decisão quando for certo para o Brasil." Na quarta-feira, o comandante da Aeronáutica, Juniti Saito, disse na Comissão de Relações Exteriores do Senado que a decisão deve sair no curto prazo. No fim do ano, os caças Mirage 2000 serão retirados de uso. 
 
No governo Lula, os franceses eram os grandes favoritos. Há informações, contudo, de que o jogo teria mudado no governo Dilma, e os aviões da Boeing tenderiam a ser os escolhidos. Um dos trunfos da Boeing são as parcerias com a Embraer. A empresa brasileira venceu neste ano uma licitação para vender 20 Super Tucanos para a força aérea americana, num contrato de US$ 427 milhões, que pode chegar a quase US$ 1 bilhão. A colaboração entre a Embraer e a Boeing na área de sistema de armas é um dos fatores que pode ter pesado na decisão dos EUA. 
 
Donna disse ver potencial de crescimento no mercado brasileiro de aviação, apesar dos desafios enfrentados pelas empresas do setor. Segundo ela, no Brasil, os gastos com combustível representam cerca de 40% dos custos operacionais das companhias aéreas, acima da média de um terço nos outros países, devido ao peso dos impostos. A Boeing estima que a América Latina deverá precisar de 2,5 mil aviões comerciais nos próximos 20 anos, dos quais 40% no Brasil. Donna disse que deverá inaugurar o seu Centro de Pesquisa e Tecnologia, em São José dos Campos, em novembro ou dezembro. 
 
A executiva disse que continua otimista quanto às perspectivas do país, mesmo num cenário de crescimento mais fraco. "Eu digo que sou otimista em relação ao Brasil desde quando isso não era chique", brincou ela, para quem a euforia de alguns anos atrás era exagerada, assim como é exagerado o pessimismo que marca algumas análises atuais sobre a economia brasileira. Donna observou que o país continua a receber volume expressivo de investimentos estrangeiros diretos, ainda que mais concentrado em alguns setores. 
 
As manifestações que ocorreram em várias cidades brasileiras a partir de junho não mudam os planos da Boeing no Brasil, disse ela. "A Boeing não vai alterar os seus projetos no Brasil por causa dos protestos, e acho que a maior parte das empresas com um histórico no Brasil também não."
SNB

Arquivo do blog segurança nacional