Wikipedia

Resultados da pesquisa

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Você já viu um cabo submarino de transmissão de dados?

Você já deve ter visto como funcionam os cabos de fibra óptica e como são feitas as transmissões de dados intercontinentais com cabos submarinos. Mas você faz ideia de como seja o revestimento de um desses cabos poderosos? A foto que está acima deste parágrafo mostra exatamente isso: um cabo de fibra óptica utilizado nas transmissões de dados de um continente para outro.
Eles precisam ser muito mais resistentes do que cabos comuns, pois passam por situações complicadas constantemente. Além das altíssimas pressões que são aplicadas a eles, também há diversas condições submarinas que podem causar problemas — desde pequenos maremotos até ataques de grandes animais, incluindo a salinidade das águas que entram em contato com os cabos.
Por isso, os cabos de fibra óptica submarinos são equipados com aço reforçado, capas de polímeros isoladores e blindagem realizada com cobre de alta qualidade. Tudo isso envolvendo uma importante camada de fibras de vidro, que será a grande responsável pelo envio das informações diretamente aos outros continentes.
Fonte: FOP News
SNB

Obama rejeita rotular Snowden como "patriota

Washington .- O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, rejeitou hoje o rótulo de que o ex-técnico da CIA Edward Snowden seja um "patriota" por ter revelado os polêmicos programas de espionagem das comunicações telefônicas e digitais de seu país, e afirmou que havia outros "canais" para expressado sua "inquietação" sobre eles.
"Não, não acho que o senhor Snowden seja um patriota", afirmou Obama em entrevista coletiva na Casa Branca, onde anunciou medidas para aumentar a transparência destes programas de inteligência.Obama pediu a Snowden, que recebeu asilo temporário da Rússia, para retornar aos Estados Unidos e apresentar seus argumentos perante um tribunal. "Os fatos são de que Snowden foi acusado por três crimes. Se certamente acredita que o que fez estava bom, então, como qualquer outro cidadão americano, pode vir aqui e se apresentar perante um tribunal com seu advogado", ressaltou.
O presidente americano lamentou que, devido o modo como "os vazamentos ocorreram, as informações saíram a conta-gotas, e em alguns casos de maneira oblíqua".
Por isso, Obama defendeu a necessidade destes programas e reiterou que o objetivo de seu governo não é "espionar" os cidadãos, e que eles devem ter "a confiança dos americanos". EFE
 FONTE.. EFE  SNB

NOTA ..Para o Resto Do Mundo Snowden é  Patriota Sim
Barack Obama..  heróis americanos

Nasa planeja explorar lua de Júpiter que pode abrigar vida

São Paulo - Europa, uma das luas de Júpiter, é uma forte candidata a abrigar vida. Ao saber disso, a Nasa, agência espacial americana, tornou as pesquisas sobre o satélite natural uma prioridade e, agora, divulgou seus planos para a futura exploração do local.
Europa é uma lua com uma superfície gelada. Tem um oceano debaixo da sua crosta de gelo em contato com rochas no fundo. A lua é geologicamente ativa e bombardeada por radiações que criam oxidantes e formam, ao se misturar com a água, uma energia ideal para a vida, ainda que na forma de micróbios e outras estruturas rudimentares.Segundo Daniel Nunes, cientista brasileiro que trabalha no Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa (JPL), o problema é que Europa é muito longe da Terra. Esse fator dificulta a exploração dessa lua.
"As temperaturas são muito extremas e a radiação de Júpiter é muito forte. O equipamento tem que ser muito resistente a essas condições", afirma Nunes em entrevista a INFO. Além disso, a crosta de gelo é muito espessa. "Acessar o oceano da Europa é bem difícil, um grande desafio", diz.
Apesar dos obstáculos, a Nasa planeja mandar uma sonda para Europa. A lua é o lugar mais provável no Sistema Solar, além da Terra, para abrigar vida. Logo, uma sonda no local seria a melhor forma para procurar sinais de vida, segundo Robert Pappalardo, autor principal do estudo.
Mas como os cientistas ainda não sabem muito sobre a geologia do satélite, o pouso deverá ser o ponto mais crítico da missão. Cogita-se fazer o pouso na área chamada Thera Macula, um terreno com intensa atividade geológica, mas com grandes indícios de que é possível encontrar evidências sobre vida.
Os equipamentos necessários para a exploração incluem um espectrômetro, um magnetrômetro e uma pequena perfuratriz. Essas ferramentas seriam capazes de penetrar na crosta de gelo até 10 centímetros, descobrir a composição química, medir massa e salinidade.
Ainda não há uma data determinada para o lançamento de uma missão. Ainda é preciso preparar muitas coisas antes de pousar nessa lua, mas estudar e planejar ajudará a Nasa a se concentrar nas tecnologias necessárias para chegar lá.
A sonda Juno, lançada em 2001, chegará a Júpiter em 2016. A Nasa acredita que também ajudará a estudar Europa mais de perto a fim de adiantar o projeto.
FONTE..SNB

SUBMARINO A PROPULSÃO NUCLEAR COLOCARÁ BRASIL EM NOVO PATAMAR, DIZ AMORIM

O Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub) da Marinha do Brasil vai colocar o país em um novo patamar internacional. A avaliação é do ministro da Defesa, Celso Amorim, após visitar as instalações da Unidade de Fabricação de Estruturas Metálicas (UFEM), localizada no município de Itaguaí, a 70 quilômetros do Rio de Janeiro.

“O Brasil será um dos pouquíssimos países com a capacidade de produzir, inclusive, submarino [a propulsão] nuclear, o que nos coloca no patamar, também importante, do ponto de vista das relações internacionais”, assegurou.

Amorim lembrou que a presidenta Dilma Rousseff tem afirmado que é “tendo uma defesa forte que nós podemos desenvolver uma política pacífica, sendo capaz de defender nossos interesses”. Segundo o ministro, o Prosub consiste num marco para o país, pois representa a “materialização de um projeto de grande importância”, que vai culminar com a capacidade do Brasil de construir e projetar, no futuro, submarinos.

Nas palavras de Amorim, dispor de um recurso tão valioso, num país de vasta costa, com grande necessidade de defesa, inclusive no Atlântico sul – onde estão as rotas brasileiras de exportações e importações – é “um grande salto de qualidade”.

Visita à UFEM

Amorim deslocou-se na manhã de hoje (9), junto com o comandante da Marinha, almirante Julio de Moura Neto, à base situada em Itaguaí. A comitiva contou também com a participação de assessores civis e oficiais-generais. No auditório da UFEM, o ministro recebeu o detalhamento do programa de construção de quatro submarinos convencionais e um a propulsão nuclear.

O Prosub surgiu em 2009, a partir de acordo firmado entre os governos do Brasil e da França. Ele consiste na construção do complexo do Estaleiro e Base Naval (EBN), bem como a transferência de tecnologia e o desenvolvimento da indústria nacional. A partir desse acordo, a Marinha contratou a estatal francesa DCNS que, por sua vez, associou-se à empresa brasileira Odebrecht.

Após as exposições, o ministro seguiu para o local onde estão as primeiras seções do submarino. No interior do equipamento, Amorim recebeu mais detalhes sobre a construção e o projeto.  Ao concluir a visita, ele destacou que o projeto é “um marco” para o país, pelo fato de permitir o domínio nesse segmento industrial”.
SNB

E-mail criptografado que teria sido usado por Snowden é fechado

Um serviço de email criptografado que supostamente foi usado por Edward Snowden, delator do esquema de espionagem feito pelos Estados Unidos, fechou as portas abruptamente na quinta-feira. O site foi fechado em meio a uma disputa judicial com Washington pelo acesso de dados de usuários do serviço.
Em nota, o proprietário do Lavabit, Ladar Levison, disse que decidiu "suspender as operações", mas foi impedido de discutir os acontecimentos que levaram à sua decisão que, segundo ele, levou seis semanas.
"Fui forçado a tomar uma decisão difícil: tornar-me cúmplice de crimes contra o povo americano, ou abandonar quase dez anos de trabalho duro. Depois de consultar minha consciência de forma exaustiva, decidi suspender as operações".
Esse período coincide com o momento em que Snowden apareceu publicamente como fonte de reportagens que detalharam operações de espionagem eletrônica secreta realizada pela Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA, na sigla em inglês).
O Departamento de Justiça dos EUA não fez nenhum comentário imediato. A lei americana de segurança nacional permite que as autoridades realizem pedidos a companhias com a advertência formal de que manterão segredo.
"Esta experiência me ensinou uma lição muito importante: sem a ação do Congresso ou um forte precedente judicial, recomendo fortemente contra confiar seus dados privados a uma empresa com laços físicos nos Estados Unidos".
Também na quinta-feira, um executivo de um provedor mais conhecido de email seguro disse que sua empresa também havia encerrado o serviço. Jon Callas, co-fundador do Silent Circle, disse no Twitter e em um blog que o Silent Circle tinha encerrado o serviço Silent Mail.
SNB

Após espionagem dos EUA, Brasil tenta acelerar construção de cabos submarinos

As rotas de cabos submarinos que conectam os brasileiros a outros internautas no exterior estão na mira do governo brasileiro após as denúncias de Edward Snowden, ex-técnico de informática da agência nacional de segurança americana (NSA, na sigla em inglês), sobre a espionagem do governo dos Estados Unidos a milhões de telefonemas e e-mails de brasileiros. Atualmente, cerca de 90% do tráfego de dados gerado nas conexões de internet brasileiras passa pelos Estados Unidos, o que torna a maior parte das chamadas de voz, e-mails e bate-papos vulneráveis à interceptação pela NSA.
Como não existem cabos submarinos para ligar todos os países, os pacotes de dados passam por grandes pontos de troca de tráfego (PTTs), data centers onde redes de grande porte de empresas de internet, provedores e operadoras se encontram. “É como numa rodoviária, onde diversas empresas de ônibus chegam para pegar e deixar passageiros”, compara Demi Getschko, diretor-presidente do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR, órgão que implementa as decisões e projetos do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI).
Os pacotes de dados passam por PTTs de grande porte, como o NAP das Américas localizado em Miami (EUA). Além dele, existem outros 13 PTTs para troca de tráfego internacional no mundo, nenhum deles no Brasil. Nestes data centers, grandes roteadores recebem informações trazidas por cabos submarinos, verificam o destino e redirecionam os pacotes de dados para outros cabos que os levem até seu destino final. “Os EUA são um ponto de concentração, porque recebem muito tráfego e geram muito tráfego de internet”, diz Getschko. “A maior parte do tráfego de dados internacional acaba passando pelos EUA em algum momento.”
Denúncias geram alerta
Antes uma questão apenas de logística, o controle sobre os cabos submarinos que conectam as redes de internet em todo o mundo se tornou questão de segurança nacional. Documentos da NSA sobre o programa de espionagem americano obtidos pelo jornal "O Globo" apontam que a agência utiliza um programa chamado Fairview para coletar dados em redes de comunicação em todo o mundo, por meio de uma parceria com uma grande operadora americana. “Na hora que o tráfego passa pelos roteadores nos PTTs, alguém pode olhar esses pacotes de dados”, explica Getschko. As leis americanas obrigam empresas baseadas nos EUA, sejam elas de serviço de internet ou operadoras, a colaborar em ações de espionagem.
No total, o Brasil possui uma capacidade de banda contratada para transmissão de dados por meio de cabos submarinos de 3,7 Tbps (terabits por segundo), de acordo com a consultoria TeleGeography. Para efeito de comparação, essa banda permitiria que o Brasil transmitisse a mesma quantidade de dados armazenados em 657 DVDs a cada segundo para os EUA. A capacidade de transmissão de dados contratada, no entanto, não é completamente utilizada. “Em 2013, as rotas entre o Brasil e EUA transmitiram 680 Gb por segundo, o que equivale a transmissão do conteúdo de 144 DVDs a cada segundo para os EUA a partir do Brasil”, diz Greg Brian, analista sênior da TeleGeography.
Logo após as denúncias de Snowden, o governo brasileiro anunciou a formação de um grupo técnico para investigar as denúncias de espionagem e a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) afirmou que investigaria se as operadoras brasileiras violaram o sigilo dos dados e ligações telefônicas e se houve participação de empresas brasileiras no esquema de espionagem do governo dos EUA. “Só interceptamos a comunicação se há autorização judicial da Justiça brasileira”, diz Alex Castro, diretor da Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil). Além disso, o governo brasileiro pediu mais rapidez na análise de leis que garantam a privacidade dos dados de brasileiros, como o Marco Civil da internet e a Lei de Proteção de Dados Pessoais .Defesa anda devagar
Poucas ações novas, no entanto, fazem parte da estratégia do governo para proteger e-mails, conversas de chat e outras informações das ações de espionagem da NSA. O principal projeto em discussão é a construção de dois cabos submarinos: um deve conectar o Brasil diretamente à Europa e outro deve ligar o Brasil à África. Dessas localidades, os pacotes de dados com origem no Brasil poderão seguir rotas para países da Europa, Oriente Médio, Ásia e Oceania, sem passar pelos EUA. Atualmente, o Brasil possui apenas um cabo submarino conectado à Europa por meio de Portugal, o Atlantis-2, mas ele é usado somente para transporte de comunicações por voz, por ter capacidade limitada.
Os projetos já estavam em andamento antes das denúncias de Snowden. “Estamos há mais de um ano fazendo estudos sobre estes cabos submarinos”, diz Caio Cezar Bonilha Rodrigues, presidente da Telebras.
Após as denúncias, no entanto, a estatal acelerou o processo e deve entregar em breve um projeto de construção dos cabos, com o estudo sobre possíveis rotas e custos envolvidos, ao Ministério das Comunicações. “Tão logo o governo haja uma definição e o orçamento associado, o cabo levará 18 meses para ser implementado”, diz Rodrigues. O novo cabo para a Europa deve sair de Fortaleza (CE), cidade com maior densidade de cabos submarinos no Brasil, passar por Fernando de Noronha e seguir até Portugal ou Espanha.
No caso da conexão submarina entre o Brasil e a África, o governo brasileiro não terá que fazer grandes investimentos. O projeto é uma iniciativa liderada pelo consórcio de operadoras Angola Cable. “Somos parceiros apenas para construir o ponto de aterragem do cabo em Fortaleza”, diz Rodrigues, da Telebras. O cabo, que deve ter 6,5 mil quilômetros, ligará o Brasil à Luanda, na Angola. A previsão é de que o cabo esteja pronto para operar no quarto trimestre de 2014.
A construção de novos cabos submarinos, contudo, depende de altos investimentos. De acordo com a TeleGeographic, a construção de um sistema de cabos submarinos entre o Brasil e os EUA, por exemplo, custa cerca de R$ 690 milhões (US$ 300 milhões); um sistema que conecte o País com a Europa, por meio do Oceano Atlântico, pode sair ainda mais caro. A Telebras procura empresas brasileiras, europeias e de outros países sul-americanos que tenham interesse em investir nos novos cabos submarinos. “A Telebras entrará com um investimento de R$ 800 milhões e a outra parte será custeada por meio de parcerias com empresas”, diz Coimbra.
Em entrevista exclusiva ao iG , o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, revelou que o governo brasileiro já acertou com o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) uma linha de financiamento com juros de 3% ao ano para empresas interessadas em investir nos novos cabos submarinos. A linha de crédito, que segundo o ministro ficará entre R$ 3 bilhões e R$ 4 bilhões, será oferecida por meio do Programa de Sustentação do Investimento (PSI). "Este é um bom atrativo que o governo oferece aos interessados", diz Bernardo.
Além da iniciativa do governo brasileiro, não há nenhum outro cabo planejado para conectar o Brasil à Europa nos próximos anos. No caso da conexão entre o Brasil e a África, há outros dois cabos submarinos planejados até o momento, com início da operação previsto para 2015. Contudo, nenhum deles está em construção. “Não há nenhuma garantia de que qualquer um deles saia do papel, mas pelo menos um deles deve ser construído”, diz Brian, da TeleGeography. Cada novo cabo submarino deve ter capacidade para transmitir dados a uma velocidade entre 16 Tbps e 32 Tbps.
Anel óptico
Além dos quatro cabos submarinos que ligam o Brasil aos EUA e do antigo cabo de conexão com a Europa, há um sexto cabo submarino em operação. De menor porte, o Unisur facilita a comunicação do Brasil com a Argentina e o Uruguai, mas não se conecta a outros países da América Latina. Com isso, se um internauta do Chile quer acessar um site hospedado no Brasil, o pacote de dados com sua solicitação “viaja” para algum PTT localizado nos EUA antes de chegar ao Brasil e vice-versa. É o chamado "efeito trombone".
"Existem algumas conexões terrestres nas fronteiras dos países da América do Sul, mas temos pouca visibilidade desses sistemas. Na prática, a maior parte do tráfego de internet desses países é roteada por meio dos Estados Unidos, apesar de haver algumas conexões físicas diretas", diz Cody Williams, analista da TeleGeography. A distância pode se tornar mais curta e a transmissão dos dados mais barata quando o projeto do anel óptico, um compromisso firmado pelos países-membros da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), sair do papel. Anunciado no ano passado, ele prevê a conexão, nas fronteiras, das redes de fibra óptica dos países da América do Sul.
O projeto até agora só resultou na conexão direta entre o Brasil e o Uruguai, realizada em maio de 2013. Ele depende de que as operadoras locais levem a rede de fibra óptica até as fronteiras, para que a conexão seja concluída. "A Telebras está investindo para ampliar a rede na região Norte, mas levar a rede para a região da Amazônia é extremamente difícil. É um projeto de longo prazo", diz Rodrigues. Os investimentos para expandir a infraestrutura de fibra óptica da Telebras são parte do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL).
Segundo o Ministério das Comunicações, a rede brasileira já está pronta na fronteira com a Argentina e com o Paraguai e a conexão depende do término das obras nos países vizinhos. No caso da Bolívia, Venezuela e Peru, a rede de fibra óptica ainda não chegou à fronteira também do lado brasileiro. "Feitas as conexões físicas, deverão ser estabelecidos acordos de interconexão entre todos os países para que esse arranjo de redes funcione em anel", diz Coimbra.
PTTs nacionais
O "efeito trombone" não é um fenômeno apenas da América do Sul, mas acontece inclusive internamente no Brasil. Uma estimativa do Ministério das Comunicações aponta que até 50% do tráfego de internet que segue para os pontos de troca de tráfego (PTTs) nos EUA seja destinado ao próprio Brasil. Uma parte deste tráfego, porém, precisa realmente sair: as solicitações são enviadas a serviços baseados em web de empresas americanas, como Google e Facebook, mas também a sites de empresas brasileiras hospedados em servidores nos EUA devido ao custo baixo. Sem necessidade, parte dessas informações ficam expostas à possíveis ações de espionagem do governo dos EUA."A maioria das operadoras está fora dos pontos de troca de tráfego brasileiros. Elas não têm interesse em participar, porque quanto mais tráfego elas transmitirem, mais elas cobram", diz Rogério Santanna, ex-secretário de logística e tecnologia da informação do Ministério do Planejamento e ex-presidente da Telebras. Atualmente, o Brasil tem 22 pontos de troca de tráfego (PTTs) neutros, ou seja, que são gerenciados pelo Comitê Gestor da Internet (CGI). Contudo, as grandes operadoras brasileiras, salvo algumas exceções como a GVT, trocam pouco tráfego nesses data centers.
"Se a troca ocorre no PTT, o custo é zero. No modelo das operadoras, levar o tráfego de dados até algum lugar para fazer a interconexão também gera receita", diz Getschko, do CGI. Contudo, apesar da resistência das operadoras em participar dos PTTs "neutros", isso não quer dizer que elas não façam a troca de tráfego no Brasil. Muitas operadoras mantêm acordos entre si, por questões de logística. " A Vivo pode ter um acordo com a Oi para trocar tráfego entre as duas redes em um data center da Oi", diz Getschko. De acordo com a Telebrasil, as operadoras mantém mais de 100 pontos de interconexão de redes no País, fora dos PTTs neutros.
Para garantir que as informações com origem e destino no País não sejam expostas sem necessidade, o Ministério das Comunicações já pediu às operadoras brasileiras que façam a troca de tráfego desses pacotes em PTTs nacionais. "Já fizemos uma reunião e estamos esperando a resposta das operadoras. Em caso negativo, há a possibilidade de a Anatel determinar isso por meio de uma nova regulamentação", diz Coimbra. De acordo com o Plano Geral de Metas de Competição, publicado pela Anatel em 2012 e ainda em fase de implementação, empresas de telecomunicações que têm poder de mercado significativo devem fazer a troca de tráfego em PTTs localizados no Brasil.
FONTE  IG...SNB

BRASIL E VENEZUELA ESTUDAM PARCERIA NA ÁREA DE DEFESA CIBERNÉTICA

Em sua primeira visita ao Brasil como ministra, a titular da Defesa Nacional da Venezuela, almirante em chefe Carmen Teresa Meléndez, pediu a Celso Amorim apoio para desenvolver o setor de defesa cibernética de seu governo. Meléndez esteve reunida com o ministro brasileiro na manhã desta quinta-feira, em Brasília, e destacou o avanço do país nesse setor.

Segundo Meléndez, durante as eleições presidenciais venezuelanas, muitas páginas do governo saíram do ar e algumas sofreram a ação de hackers. “Queremos assessoramento para que isso não aconteça”, disse. Amorim, por sua vez, avaliou positivamente a possibilidade de cooperação, e citou o recém-criado Centro de Defesa Cibernética (CDCiber) como órgão capaz de apoiar a iniciativa.

Presente ao encontro, o comandante do Exército, general Enzo Martins Peri, lembrou que o CDCiber atuou em grandes eventos realizados no Brasil, como a Copa das Confederações e a visita do papa Francisco, e garantiu que o Centro está preparado para funcionar durante a Copa do Mundo.

Cooperação


No encontro entre os ministros, Celso Amorim e Carmen Meléndez debateram também outras formas de parceria no setor de Defesa. Mencionaram a possibilidade de ampliar a cooperação entre a Marinha e a Força Aérea dos dois países, além da revitalização de carros blindados e a promoção de ações conjugadas.

No caso da Força Naval, a comitiva venezuelana manifestou interesse na aquisição de lanchas-patrulha desenvolvidas pelo Brasil. O comandante da Marinha, almirante Julio Soares de Moura Neto, sinalizou o envio, ao país vizinho, de um grupo de representantes da Empresa Gerencial de Projetos Navais (Emgepron) para estudar a viabilidade de projetos conjuntos.

No que diz respeito à Aeronáutica, o comandante-geral de Operações Aéreas, brigadeiro Nivaldo Luiz Rossato, destacou a importância da realização, no ano passado, do exercício VENBRA VI. A ação – entre as Forças Aéreas do Brasil e da Venezuela – visa combater tráfegos ilícitos entre as fronteiras. De acordo com a ministra Carmen Meléndez, o país enfrenta problema com o contrabando de gasolina e alimentos, em suas regiões limítrofes.  

Presente também na reunião, o chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, general José Carlos De Nardi, lembrou que, durante a Operação Ágata 4, realizada em 2012, oficiais venezuelanos atuaram como observadores na ação fronteiriça.

Acordo mais amplo

Celso Amorim citou, também, a valorização do governo brasileiro na participação da Venezuela no Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil (CCOPAB) – organização situada no Rio de Janeiro que prepara militares para atuarem em missões no exterior, de ajuda humanitária, desminagem, entre outras.

O ministro defendeu a elaboração de um acordo mais amplo “para facilitar ainda mais a cooperação entre as nações”. E voltou a falar que é preciso “firmar uma identidade sul-americana”.

Ao concordar com Celso Amorim, a ministra venezuelana disse que “não pode haver integração se não estão alinhadas as Forças Armadas”. A visita ao Brasil foi a primeira viagem ao exterior da almirante Carmen Meléndez, depois de empossada.
MINISTÉRIO DA DEFESA 
SNB

Arquivo do blog segurança nacional