Wikipedia

Resultados da pesquisa

domingo, 7 de julho de 2013

SAS Mission Impossible


SNB

Australian Sub quase pwns Marinha dos EUA


SNB

LCS Armamento, Sistema de mísseis superfície-superfície (SSMS


SNB

Plataforma PUMA Colômbia desenvolvido para interceptar comunicações através de redes sociais

Bogotá - Colombia 2014 espera desenvolver e implementar a sua única plataforma de Monitoramento e Análise-PUMA -, com o qual tem por objetivo interceptar ordem judicial em tempo real, todas as comunicações que envolvam a transferência de dados pela rede .
A nova plataforma seria basicamente projetado para ter acesso a dados, mensagens e comunicações feitas por meio de redes sociais ( Facebook, Instagram, Viber, Twitter, Skype, Linkedin ) e redes de telefonia.
PUMA (versão colombiana de PRISM e evolução da plataforma atual HOPE), vai ser operado a partir de Bogotá e tem 700 -300 estações de monitoramento na capital e 400 no resto do país, e poderia interceptar mídia para 20.000 diferente simultaneamente.
A administração do mesmo será realizada pela Procuradoria Geral da República , acompanhado pela Procuradoria Geral da República e terá como objetivo principal a realização das provas para facilitar o desenvolvimento das investigações judiciais.
O custo aproximado da nova plataforma seria de cerca de EUA $ 50 milhões, dos quais cerca de EUA $ 29 milhões seriam investidos em hardware e software, o que antecipa uma forte componente tecnológica, eo restante EUA $ 21 milhões, na aquisição de terrenos, ajustes, construção, licenciamento e Interventorías.
O novo sistema será o instrumento técnico fundamental para a implementação da nova lei também Inteligência e Contra-Inteligência (passou há três meses) e com o governo colombiano pretende regular definitivamente o tudo legal, técnica e jurídica relacionada com a interceptação de dados fins judiciais comunicações de voz e.
Finalmente, embora não tenha sido confirmada por meios colombianos locais emergiu que seria a empresa israelitaComverse Technology , a maioria optou para o desenvolvimento de PUMA.
SNB

NORINCO promove os seus vários sistemas de lançamento de foguetes móveis para o Exército do Peru

 A empresa chinesa NORINCO promove ativamente seus sistemas de artilharia móveis MLRS ( Multiplo  Sistema Múltiplo lançamento de foguete no Peru, dadas as exigências táticas e estratégicas do Exército do Peru (PE) para a modernização dos seus sistemas de foguetes de artilharia.
Em resposta à necessidade de encontrar substituto para sistemas EP BM-21 Grad , com várias décadas de serviço e avaliar a aquisição de uma gama mais potente e mais eficaz, adido militar do governo chinês de Peru enviou convite o PE para um movimento de delegação peruana para visitar a China a produção de plantas NORINCO para testemunhar os sistemas MLRS processo de fabricação em instalações do Exército na China para inspecionar o equipamento do tipo em serviço, e assistir a demonstrações sistemas MLRS fogo e AR3 90B 122 milímetros 300/370 mm Feita na cidade de Pequim, no final de Junho de 2013.
A delegação militar era composta de brigadeiro Manuel Gómez de la Torre Aranibar, coronel Mario Risco Carmen e Juan Carlos Lescano Coronel Alban. As despesas de viagem e alojamento foram cobertos pelo governo da China.
O sistema de 90 122 MLRS Tipo mm é uma célula de segunda geração com um tubo 40 montado num camião 2629 North Benz 6x6. Desenvolvido por NORINCO em meados dos anos 1990 como um substituto para o Tipo 81 122-mm - um derivado do Grad BM-21 - ea novidade de integrar uma recarga módulo com 40 foguetes que permite recarregar em menos de três minutos. Dependendo do tipo de foguete utilizado, o alcance do tipo 90 varia entre 20 e 40 km.
O sistema completo incorpora veículos de comando, reconhecimento e manutenção, bem como caminhões de recarga, radar meteorológico e, no caso do tipo melhor 90B um controle de fogo computadorizada com GPS. Cada unidade típico integra um tiro veículo mais seis unidades de lançamento de comando e seis unidades de recarga.
300/370-mm AR3 pode disparar os mísseis guiados ou foguetes de 300 ou 370 milímetros, montagem de tubos de configuração de célula dupla 4 +4, no caso de 370 calibre foguete 5 +5 mm e calibre de 300 mm. Um sistema modular que pode recarregar rapidamente faixas de fogo de supressão, entre 20 e 220 quilômetros. A transportadora é um 8x8 com um peso de cerca de 45 toneladas de combate (para o sistema completo), que atinge velocidades de 60 km / h na pista e operacional alcance de até 650 quilômetros.
A aquisição de um sistema como o AR3 pelo Exército peruano adiciona um novo nível de capacidade em seu braço artilharia.
SNB

Fatos relevantes

O Estado de S.Paulo
O que pode ter levado uma empresa que aplicou mais de US$ 5 bilhões na prospecção e exploração de petróleo, no que é considerado o maior programa já realizado no Brasil por uma companhia privada do setor, a ter errado tanto nas suas projeções, a ponto de ter de informar ao mercado que os poços atualmente em operação no campo, que, como informara há pouco mais de um ano, tinha um volume total recuperável de 110 milhões de barris de petróleo, deixarão de produzir ao longo de 2014? Terá uma imprevista maldade da natureza tornado inviável um projeto anunciado como tão promissor ou o público que investiu nas ações da empresa responsável por esses anúncios recebeu informações improcedentes?
É tarefa da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) esclarecer o que de fato ocorreu entre o anúncio, pela empresa OGX Petróleo e Gás Participações S. A. - do Grupo EBX, controlado pelo empresário Eike Batista -, do potencial dos campos dos quais é concessionária e sua informação de que os poços em operação nesses campos são economicamente inviáveis.
Como lembrou o presidente da CVM, Leonardo Pereira, as empresas de capital aberto têm a responsabilidade de divulgar informações corretas e que reflitam a real situação da companhia, e que "fazer qualquer coisa que deixe o investidor desprotegido é falta grave".
Até há poucos meses, a OGX vinha alimentando o mercado com informações otimistas, segundo ela baseadas em critérios técnicos, sobre o potencial dos campos dos quais é concessionária. De repente, porém, a empresa anuncia que esse potencial desapareceu ou seu aproveitamento se tornou antieconômico.
Em fato relevante divulgado em 14 de maio de 2012, a OGX - que se apresentava ao mercado como "empresa brasileira de óleo e gás natural responsável pela maior campanha exploratória privada no Brasil" - declarou a comercialidade de parte do Complexo Waimea, que passou a denominar como Campo de Tubarão Azul. No mesmo documento, afirmou que os testes confirmaram "as excelentes qualidades de permoporosidade do reservatório" e que o plano de desenvolvimento da área estimava um volume recuperável de 110 milhões de barris ao longo do período de concessão.
Em 26 de junho de 2012, em outro comunicado, a OGX informou que o plano de desenvolvimento definiu a vazão de 5 mil barris de petróleo por dia para os dois primeiros poços do Campo de Tubarão Azul.
Na segunda-feira (1.º/7), em novo fato relevante, porém, a OGX afirmou que, depois de "uma análise detalhada do comportamento de cada um dos três poços de produção do Campo de Tubarão Azul", chegou à conclusão de que não há condições técnicas que tornem viáveis os investimentos necessários à operação. Por isso, esses poços deixarão de produzir em 2014. Depois da avaliação dos poços de Tubarão Azul, de acordo com o comunicado, a empresa teve de rever e reinterpretar os dados geológicos e geofísicos da área, com o que "ficou evidente a intensa compartimentalização e descontinuidade desses reservatórios, o que compromete a (sua) produtividade". Assim, também se tornaram inviáveis economicamente os poços dos Campos de Tubarão Tigre, Tubarão Gato e Tubarão Areia, que a empresa pretende devolver à Agência Nacional do Petróleo.
Dito isso, a empresa conclui seu comunicado informando "que não devem mais ser consideradas válidas as projeções anteriormente divulgadas, inclusive as que dizem respeito a suas metas de produção".
É possível, como alega a empresa, que os novos dados a tenham levado a concluir pela inexistência, no momento, de "tecnologia capaz de viabilizar economicamente" investimentos adicionais nos campos que operava? Surpreende, afinal, que só tenha chegado a essa constatação depois de ter convencido o mercado sobre o potencial das áreas que explorava.
Cabe à CVM investigar se a mudança na situação da empresa se deve apenas a questões técnicas ou se há outros motivos. E verificar se não precisa melhorar suas práticas de disciplinar e fiscalizar o mercado.
SNB

Marinha russa para receber 36 navios de guerra, em 2013

RIA Novosti) - A Marinha da Rússia vai receber 36 navios de guerra, em 2013, um número sem precedentes na história da Rússia, da Marinha Vice-Comandante-em-Chefe, o vice-almirante Alexander Fedotenkov disse no domingo.
"Durante este ano, 36 navios de combate, artesanato ataque rápido e navios de apoio vai entrar para a Marinha russa. Isso nunca aconteceu antes ", disse Fedotenkov na Defesa Mostrar Marítima Internacional em São Petersburgo.
Navios de guerra da Marinha da Rússia estão agora realizando missões em todas as áreas do Oceano Mundial, com mais de 60 navios de combate atualmente no mar, disse ele.
Ministro da Defesa, Sergei Shoigu disse em março a Marinha russa receberia 24 submarinos e 54 navios de guerra de várias classes em 2020.
"Como resultado da implementação do programa de rearmamento do Estado para 2020, a Marinha deverá receber oito submarinos estratégicos de propulsão nuclear, 16 submarinos multifunção e 54 navios de guerra de várias classes", disse Shoigu.
Os oito barcos de mísseis estratégicos incluem três e cinco Borey-A Borey navios da classe (SSBN) armados com Bulava mísseis balísticos.
Os 16 submarinos multifuncionais incluem oito Graney classe de submarinos de ataque de propulsão nuclear (SSN) e melhor Kilo e Lada classe diesel-elétrica (SSK) barcos.

Além dos submarinos, a Marinha vai receber Admiral Gorshkov fragatas e corvetas classe classe Steregushchy, corvetas classe Buyan e Ivan Gren Classe grandes navios de desembarque.
O presidente russo, Vladimir Putin, disse no ano passado que a aquisição de novos navios de guerra e submarinos para a Marinha seria uma prioridade ao longo da próxima década.O governo russo atribuiu cinco trillion rublos ($ 166 bilhões), ou um quarto de todo o orçamento de aquisições de armamentos até 2020 para esta finalidade.
SNB

Arquivo do blog segurança nacional