Wikipedia

Resultados da pesquisa

sábado, 6 de julho de 2013

Saab nos suecos Guerra Terrestre dias de demonstração 2012


SNB

Skeldar V-200 Marítimo - Médio alcance UAV sistema


SNB

INPE - Cbers BRASIL


SNB

Navio alemão de pesquisa sobre o clima atraca no Brasil

GIULIANA MIRANDA
DE SÃO PAULO
O navio de pesquisa alemão Meteor, em missão para analisar o papel do oceano Atlântico tropical na variabilidade do clima e em seus impactos, atracou em Fortaleza (CE) no fim de semana.
Na visita, que faz parte do Ano da Alemanha no Brasil, Peter Brandt, chefe da missão que sai de Fortaleza em direção à Namíbia, destacou o papel do estudo das águas brasileiras na compreensão das dinâmicas do aquecimento do oceano e até do clima nos continentes adjacentes.
Com mais de 30 cientistas de diferentes nacionalidades a bordo, o Meteor tem equipamento que permite analisar o solo marinho e a atmosfera. A embarcação tem sua própria usina de geração de energia e trata seus resíduos.
O projeto, que é do Instituto de Oceanografia da Universidade de Hamburgo, passará novamente pelo Brasil em maio de 2014.
FOLHA...SNB

O CIBERS 3 na fase de integração antes do lançamento

O Brasil é um dos maiores distribuidores de imagens de satélites do mundo. Através delas é possível controlar desmatamentos, fazer previsões meteorológicas, monitorar recursos naturais e ajudar na preservação ambiental. Importantes iniciativas e políticas públicas são tomadas a partir da observação desses dados que, desde 2004, são distribuídos gratuitamente via internet pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).
 
A política pioneira de livre acesso a dados de satélites pelo Brasil foi implementada graças ao domínio da tecnologia espacial conquistado com a família de satélites Cbers (Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres, na sigla em inglês). Um dos principais programas de sensoriamento remoto do mundo, é resultado de um acordo de cooperação conjunta entre Brasil e China. Desde 1999 já foram lançados três satélites nesta parceria.
Imagens de satélite
 
O compartilhamento dos dados espaciais sem custo começou em junho de 2004, com as imagens do satélite Cbers-2. Depois, o Inpe liberou o material captado por outros satélites. Em seis anos de programa, mais de 1,3 milhões de imagens foram disponibilizadas pelo Centro de Dados de Sensoriamento Remoto do Instituto, localizado em Cachoeira Paulista, no estado de São Paulo. O sucesso da iniciativa levou outros países, como os Estados Unidos, a também disponibilizar gratuitamente dados orbitais de média resolução.
Cerca de cinco mil instituições públicas e privadas já foram beneficiadas com a difusão das imagens de satélites. As aplicações são as mais variadas e vão desde os mapeamentos urbanos disponibilizados pelo IBGE a informações sobre a produção agrícola brasileira ou denúncias de queimadas na Amazônia. Entre os usuários destacam-se órgãos como Petrobras, Incra, Embrapa, Ibama e Agência Nacional de Águas (ANA), organizações não-governamentais, universidades e empresas que usam a geoinformação nas áreas de transporte, defesa, topografia e saúde.
 
Além de gerar conhecimento, o uso de dados de satélites permite a obtenção de informações fundamentais para estudos ambientais, previsão de desastres naturais e ocupação de centros urbanos. A popularização do sensoriamento remoto no Brasil traz benefícios sociais e é usada como uma das principais ferramentas de desenvolvimento e soberania nacional.
AEB...SNB

Arquivo do blog segurança nacional