Wikipedia

Resultados da pesquisa

quinta-feira, 20 de junho de 2013

VANT – Veículo Aéreo Não Tripulado PROJETO FINEP

O VANT é um termo genérico que identifica uma aeronave que pode voar sem tripulação, projetada para operar em situações perigosas e/ou repetitivas em regiões consideradas de risco ou de acesso restrito.  O VANT que vem sendo desenvolvido pela 360 Aeronáutica é um veículo leve que pode ser operado remotamente, ou efetuar missões programadas sem necessidade de um operador.

O aparelho será equipado com sensores de posição via satélite, rádio transmissor, câmera infravermelha, câmera de vídeo e software embarcado para identificação de pessoas e objetos previamente programados. Utilizará motores elétricos, mais confiáveis, limpos, silenciosos, econômicos e fáceis de manutenção. Será equipado com células fotovoltaicas o que permite o recarregamento de energia durante o vôo e sua permanência no ar por periodos de vários dias.
É destinado a aplicações civis para execução das seguintes tarefas:
  • busca marítima ou terrestre;
  • monitoramento de queimadas;
  • identificação de áreas de risco em tempo real;
  • vistoria aérea em linhas de transmissão elétrica;
  • monitoramento de reservas naturais;
  • monitoramento em áreas de produção agrícola.
Um veículo aéreo não tripulado equipado com motorização elétrica e células fotovoltaicas será visto pelos clientes como uma opção ecologicamente correta e mais econômica para aplicações que envolvam monitoramento.
O projeto foi aprovado em setembro de 2009 na terceira fase do PRIME (Programa Primeira Empresa Inovadora) da FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos) do Ministério da Ciência e Tecnologia.
SNB

Drone Vendas florescer em tempos de austeridade


O uso de não-tripulados drones de vigilância e ataques anti-guerrilha-alvo tem sido recentemente foco de controvérsia ética e política.Apesar de toda a crítica, e numa altura em que os orçamentos de austeridade estão a provocar cortes profundos nas encomendas para o combate tripulada, transporte e aviões-tanque, os construtores de aviões não tripulados estão prosperando.
Para os planejadores da defesa e estrategistas militares, as múltiplas capacidades de missão de drones, suas tecnologias sofisticadas e sua adequação para guerra não convencional dá-lhes uma clara vantagem sobre programas de aeronaves tripuladas, que cada vez mais se parecem com um resquício de planejamento da Guerra Fria.
Variando em tamanho de mão-lançados unidades de reconhecimento para o combate urbano para gigante experimental ofício vigilância movido a energia solar destinado a permanecer no ar por até cinco anos, a drones, formalmente conhecido como veículos aéreos não tripulados, ou UAV das, não são baratos, mas são cada vez mais onipresentes.
David Kilcullen, assessor de contra-insurgência, que trabalhou com o general David Petraeus do Exército dos EUA no Iraque e no Afeganistão, disse que 70 países já estavam envolvidos com drones de alguma forma.
Michael Richter, diretor da indústria aeroespacial e de defesa de banca de investimento para o banco de investimento Lazard, em Los Angeles, disse que a lei sequestro de orçamento dos EUA iria cortar os gastos de defesa dos EUA para 551,000 milhões dólar no próximo ano a partir de 587.000 milhões dólar este ano, com uma nova queda na perspectiva para 505 dólares bilhões em 2015 e 2016.
Ainda assim, os programas de cibersegurança zumbido e é provável que sejam relativamente resistentes aos cortes devido à sua importância crítica percebida, disse.
Drones dos EUA já em uso operacional incluem a mão-lançado AeroVironment RQ-11 Raven, efetivamente, uma câmera voadora que fornece suporte para as tropas em combate corpo a corpo, ea Northrop Grumman RQ-4 Global Hawk, que pode ser programado para operar praticamente de forma autônoma, sem um controlador em terra.O Global Hawk pode tirar da Califórnia, voar através dos Estados Unidos para mapear o estado de Maine, e depois voltar para a Califórnia.
Mais familiar ao público por causa de ataques de alto perfil contra a Al Qaeda e outros alvos são General Atomics 'MQ-1 Predator eo MQ-9 Reaper.
Programas de desenvolvimento incluem a Northrop Grumman X-47B, um robô de combate baseado em transportadora experimental. O programa deu um passo adiante recentemente com uma catapulta lançando os EUA a partir de porta-aviões George HW Bush, após testes bem sucedidos em terra de desembarques usando prender os fios.
Micah Zenko, um membro no Conselho de Relações Exteriores, EUA, disse que espera que drones armados seria capaz de realizar missões baseadas transportadora daqui a cinco anos.
Outro empreendimento de alta tecnologia é um programa de pesquisa Águia Solar da Boeing, programado para começar a testar no próximo ano e pretende desenvolver uma aeronave que poderia ficar no ar por até cinco anos.
Philip Finnegan, diretor de análise corporativa da Teal Group, uma firma de consultoria aeroespacial sediada em Fairfax, Virginia, disse esperar que o orçamento de 2014 dos EUA para propor reduções em programas de aviões não tripulados já existentes em favor de "sistemas de última geração, furtivos, com mais poder, e capaz de operar de forma autônoma se preso por adversários. "
Entre os principais concorrentes para os fabricantes de aviões não tripulados dos EUA, Sr. Finnegan lista empresas israelenses - em alguns casos, trabalhando com parceiros indianos - e programas brasileiros destinados a necessidade do país para patrulhar as fronteiras da selva distantes e um litoral Atlântico longo.
Também despontando como futuros concorrentes, em vista do Sr. Finnegan, são turco Aerospace Industries; Denel, aeroespacial estatal Sul-Africano e grupo de tecnologia de defesa, e algumas empresas chinesas.
No campo mais tradicional de aeronaves militares pilotado, alguns novos jogadores com o objetivo de segmentos de nicho com potencial de longo prazo substancial. Um exemplo é a Embraer, do Brasil, que é a adição de capacidades militares convencionais e não-tripulada de vôo para o seu negócio de aviação comercial do núcleo. Na frente militar convencional, seus KC-390 twin-jet transporte aéreo tático e avião-tanque está programado para fazer o seu primeiro voo até o final de 2014, com entrada em serviço prevista para 2016.
O KC-390 é destinado a um mercado global potencial tão grande quanto $ 50 bilhões, de acordo com Luiz Carlos Aguiar, diretor de defesa da Embraer e da divisão de segurança.Sr. Aguiar, disse que a empresa estava projetando 1.250 milhões dólares em receitas militar deste ano, um aumento de 25 por cento a partir de 2012. Sua equipe identificou mais de 2.000 aeronaves no segmento de KC-390 do mercado, dos quais 723 estão dentro do alcance potencial da Embraer, deixando de fora os mercados fechados para que a controles de exportação ou outros fatores. O programa já possui 60 cartas de intenção das forças aéreas da Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, República Checa e Portugal.
"Nós vamos anunciar em breve possíveis futuras parcerias, incluindo um estudo conjunto com a Boeing", disse Aguiar.
Na frente aeronaves não tripuladas, a Embraer detém uma participação controladora em uma joint venture com a Avibras do Brasil e uma empresa israelense, com o objetivo de construir e vender aviões teleguiados para o trabalho de vigilância para reforçar o controlo das fronteiras brasileiras.
Para aviões militares tripulados, ao contrário, a perspectiva é sombria.
Para Lockheed Martin F-35 , o furtivo chamada geração multirole avião quinto, que é o maior programa do mundo atual militar desenvolvimento, Richard Aboulafia, vice-presidente da Teal Group, prevê que a aquisição da Força Aérea dos EUA é "provavelmente a cair cerca de 1.200 para 1.400 unidades ", quase metade dos atuais planos de comprar mais do que 2400 e muito abaixo do inicialmente projetado 3100. Os EUA Marine Corps poderia tomar outra 420, modificada para o portador convencional ou de curto decolagem e vertical operações de desembarque, e 260 da Marinha os EUA, disse ele.
Grã-Bretanha, que é parceira no programa - BAE Systems tem uma participação de 12 por cento - concordou em comprar 138 unidades.
Outros compradores, por agora, incluir a Turquia, o que poderia levar 116 e, potencialmente, como muitos como 200; Austrália, como muitos como 100; Itália, 90; Canadá, 65, a Holanda, 60 a 85, a Noruega, 56, o Japão, 42; Dinamarca, 30, e Israel, 20.
Vários clientes são relatados para ser infeliz sobre entregas atrasadas eo aumento dos preços, no entanto, e todos esses números ainda podem mudar. A Itália já cortou sua ordem de 131 e na Dinamarca a partir de 48.
Olhando para fora dos Estados Unidos, Aboulafia disse que os programas militares mais europeus têm potencial limitado.
A França já anunciou uma redução na sua aquisição total da Dassault Aviation Rafale lutador para 225 de 286. A Índia, por sua vez, no início do ano passado nomeou o Rafale como a sua primeira escolha para 126 aviões - mas não se comprometeu a uma ordem.
Com as economias do Sul da Europa austeridade no modo completo, o Eurofighter Typhoon também está vendo cortes nas compras projetadas pela Espanha, que confirmou em agosto que planejava adiar a sua compra de 12 dos aviões.
SNB

Lockheed Martin Skunk Works ® - Passado, Presente e Futuro Innovations


SNB

Piloto Relata Tales de SR-71 Blackbird

SNB

Esquadrão operacional francês está para receber Rafale com AESA

Segundo reportagem do site Flightglobal, executivo da Thales informou no Paris Air Show 2013, que ocorre em Le Bourget, que um esquadrão operacional francês receberá, nas próximas semanas, seu primeiro caças Dassault Rafale equipado com um novo radar AESA (varredura eletrônica ativa).
A declaração foi dada por Bruno Carrara, diretor do programa Rafale na Thales, que é a empresa fornecedora do radar RBE2 AESA. Carrara informou: “O primeiro avião equipado com a nova antena será entregue às forças no final de junho ou início de julho. ” Ele acrescentou que o sensor em questão foi entregue à linha de montagem final da Dassault, em Merignac, no final de 2012, dizendo também que a produção da antena AESA atualmente está numa cadência de 11 por ano.
Ainda segundo o executivo, “Mont-de-Marsan* está responsável por definir táticas sobre como se utilizará esse novo equipamento. As respostas que recebemos a respeito dos testes que eles realizam mostram que conseguimos atender a todas as expectativas.”
Entre os benefícios do novo sistema, são divulgadas características como a duplicação do alcance de detecção, frente a ameaças aéreas, e a capacidade de produzir imagens do terreno em apoio a operações ar-solo. O equipamento faz parte de propostas de exportação do Rafale. A Thales também realiza trabalhos de redução de riscos para o Ministério da Defesa da França, referentes a um novo pod (casulo) laser de designação de alvos. O equipamento deverá suceder o atual pod Damocles empregado no Rafale.
FONTEFlightglobal

SNB

45% do novo avião da Embraer é produzido em Portugal

O presidente da Empresa de Engenharia Aeronáutica (EEA), Jacinto Bettencourt, revelou esta quinta-feira, no Salão Internacional da Aeronáutica «Le Bourget», que 40 a 45% do novo avião da Embraer «é desenhado e produzido em Portugal».

«Não só nunca tínhamos entrado num programa destes, como entrámos com uma participação muito significativa», explicou Jacinto Bettencourt, referindo-se ao programa KC-390, que representa «um primeiro e significativo passo» de Portugal na indústria aeronáutica de asa fixa.

«É um programa de desenvolvimento da maior aeronave que alguma vez a Embraer desenvolveu, uma aeronave militar na qual Portugal participa em várias áreas: sistemas e 'software', engenharia e desenvolvimento, certificação e testes e na produção de ferramentas», escreve a Lusa.

A EEA foi designada a entidade gestora da participação portuguesa no programa com a Embraer, com o papel de mobilizar as empresas das áreas de aeroestruturas e 'software' em torno de consórcios tecnológicos do KC-390.

«Apresentarmo-nos como uma empresa portuguesa que é capaz de atuar como integrador de outras empresas portuguesas em grandes programas aeronáuticos, com o suporte do nosso principal parceiro de engenharia que é o Centro para a Excelência e Inovação na Indústria Automóvel (CEIIA), que tem a maior equipa de engenharia aeronáutica em Portugal», é o objetivo da EEA, explica o presidente.

A EEA é fornecedor direto da Embraer em engenharia, com o CEIIA, e faz o projeto e cálculo estrutural de três módulos: leme de profundidade, a barriga do avião e a fuselagem central.

De seguida, esses módulos são produzidos nas Oficinas Gerais de Material Aeronáutico (OGMA), com quem a EEA tem uma parceria alargada. As OGMA subcontratam, com a EEA, empresas de ferramentas e compra ainda peças, área na qual a EEA intervém em qualidade.

Jacinto Bettencourt explicou que, «como gestor de programa, o objetivo é maximizar a incorporação nacional», fazendo com que «o máximo de empresas portuguesas participem no programa».

O objetivo da EEA é arranjar programas aeronáuticos, da Embraer ou de outros construtores mundiais, que permitam alavancar a indústria.

«A Embraer está a apostar fortemente em Portugal, temos que aproveitar esta oportunidade», frisou.

O presidente da EEA considerou que tem que haver um processo de sensibilização de «todos os intervenientes, desde o ponto de vista da diplomacia económica, à identificação de medidas de financiamento, mesmo os atores políticos».

O objetivo é que a aposta na aeronáutica seja «uma aposta estratégica do Estado português e faça parte da chamada campanha de re-industrialização que se está a pensar neste momento em Portugal», explicou.

«Na prática tudo isto se traduz em exportações de produtos de alto valor acrescentado», afirmou Jacinto Bettencourt, considerando que «é necessário mostrar uma grande coesão da indústria, que as empresas, que não são grandes empresas, estão unidas em consórcios complementares, com uma liderança disciplinadora e vertical, da EEA e de outras empresas que sabem liderar produtos nesta área, que há apoio político e formas de financiamento criativas».

A EEA participa pela primeira vez no Salão Internacional da Aeronáutica, Le Bourget, na região de Paris, que acolhe este ano 19 empresas portuguesas até ao próximo domingo.
SNB

TECNOLOGIA - FAB expõe projetos de reaparelhamento em audiência pública

A Força Aérea Brasileira (FAB) participou, na terça-feira (18/06), de uma audiência pública da Frente Parlamentar de Ciência, Tecnologia, Pesquisa e Inovação, realizada na Câmara dos Deputados, em Brasília (DF). No encontro, o vice-diretor do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), Major-Brigadeiro do Ar Alvani Adão da Silva, explicou aos parlamentares a missão e os programas em desenvolvimento na instituição.
“Nesta reunião foi possível dar destaque particular para o programa espacial, principalmente ao projeto do Veículo Lançador de Satélite. Além disso, apresentei vários outros projetos da área aeronáutica, entre eles, o desenvolvimento da aeronave cargueira KC-390 e também de armamentos  essenciais, como os mísseis infravermelho e antirradiação”, ressaltou o Major-Brigadeiro Alvani.
Na audiência pública, representantes do Ministério da Defesa, do Exército Brasileiro e da Marinha do Brasil também expuseram seus programas na área tecnológica.“Estamos discutindo aqui na Câmara a aprovação do Código Nacional de Ciência e Tecnologia. Nesse sentido, este encontro foi um momento importante porque foi possível verificar as dificuldades e também as contribuições que as Forças podem dar para o aperfeiçoamento desta legislação”, disse o deputado Izalci Lucas Ferreira, presidente da Frente Parlamentar.
No final da reunião, houve um debate sobre os projetos apresentados. O encontro foi uma oportunidade de conhecer melhor as atividades desenvolvidas pelas Forças Armadas na área tecnológica. “A nossa frente parlamentar estará fazendo de tudo para prestar uma grande contribuição ao trabalho das Forças Armadas”, avaliou o deputado Sibá Machado. “O Brasil tem capacidade para produzir alta tecnologia. O que nos falta é recurso com fluxo contínuo para que tenhamos resultados adequados”, complementou o deputado Colbert Martins. 
Fonte: Agência Força Aérea
SNB

Hackers prejudicam vantagem de programa de armas dos EUA

Washington - O roubo por hackers de dados confidenciais envolvendo programas como o F-35 Joint Strike Fighter tira uma grande vantagem dos EUA, ao permitir que rivais acelerem o desenvolvimento de suas próprias aeronaves, um alto funcionário do Pentágono disse nesta quarta-feirO diretor de aquisições de defesa Frank Kendall disse em audiência no Senado que estava razoavelmente confiante de que informações sigilosas relacionadas com o desenvolvimento do F-35 estavam bem protegidas.
"Mas eu não estou confiante de que nossa informação não classificada esteja tão bem protegida", disse.
"Muito disso está sendo roubado agora e é um grande problema para nós", disse Kendall uma audiência no Senado sobre o desenvolvimento do lutador da Lockheed Martin, chamada de aeronave de quinta geração capaz de fugir de radares e integrada a sistemas de defesa aérea.
O F-35 é o programa de armas mais caro da história dos EUA. Os EUA tem oito parceiros internacionais e pretende adquirir cerca de 2.450 aeronaves a um custo de quase 400 bilhões de dólares.
Respondendo a perguntas de senadores interessados em saber se o roubo cibernético havia deixado a F-35 vulnerável a ataques, Kendall disse que sua principal preocupação era que a vantagem de concepção e produção foi perdida para os poderes concorrentes.a.

SNB

Abin monta rede para monitorar protestos pela internet

São Paulo - Sem detectar as manifestações combinadas pelas redes sociais e que nesta quinta-feira, 20, terão como alvo o Palácio do Planalto, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) montou às pressas uma operação para monitorar a internet.O governo destacou oficiais de inteligência para acompanhar, por meio do Facebook, Twitter, Instagram e WhatsApp, a movimentação dos manifestantes. A avaliação na agência é de que as tradicionais pastas do governo que tratavam de articulação com a sociedade civil perderam a interlocução com as lideranças sociais.
A decisão foi tomada após uma crise entre assessores civis da presidente Dilma Rousseff e o Gabinete de Segurança Institucional (GSI), que não teria alertado o Planalto das manifestações da semana passada em São Paulo e que desencadearam em uma onda de protestos no Brasil.
Nos últimos dois meses, os agentes da Abin e de outros órgãos de inteligência foram deslocados para a segurança da Copa das Confederações, negligenciando outras áreas.
Com a eclosão da crise, o potencial das manifestações passou a ser medido e analisado diariamente pelo Mosaico, um sistema online de acompanhamento de cerca de 700 temas definidos pelo ministro-chefe do GSI, general José Elito.
Nos relatórios, os oficiais da agência tentam antecipar o roteiro e o tamanho dos protestos, infiltrações de grupos políticos e até supostos financiamento dos eventos. "O monitoramento, acompanhamento dos assuntos nacionais é dever de todos nós, independentemente de qualquer assunto", disse o ministro.

O governo destacou oficiais de inteligência para acompanhar, por meio do Facebook, Twitter, Instagram e WhatsApp, a movimentação dos manifestantesO GSI colocou grades duplas em torno do Palácio do Planalto para reforçar a segurança em preparação para um protesto marcado para hoje. Em dias de manifestações, as instalações presidenciais são protegida na parte interna, pelos seguranças do GSI e pela Polícia do Exército, e, na parte externa, pela Polícia Militar do Distrito Federal.Manifestações

Embora o governo tenha anunciado nesta quarta-feira à noite a redução das tarifas do transporte público no Rio, ativistas sairão em um novo protesto nesta quinta-feira à tarde no centro. A concentração será às 17 horas em frente à Igreja da Candelária. A ideia é ir até a sede administrativa da prefeitura e fazer vigília durante a madrugada. Mais de 350 mil pessoas já haviam confirmado presença no ato, por meio das redes sociais.
"Estamos felizes com a redução da tarifa, e o ato desta quinta deve ser uma comemoração, mas a luta está só começando. Exigimos tarifa zero", disse Raphael Godoi, um dos líderes. Em Porto Alegre, uma nova manifestação está programada para a noite desta quinta, no Paço Municipal. O ato será acompanhado pela Brigada Militar. O governador Tarso Genro (PT) disse que manifestações c são um sinal de "vitalidade da sociedade", mas pediu que quem for ao ato de amanhã não faça depredações.
Em Salvador, a manifestação desta quinta contra o aumento de tarifas deve passar perto Arena Fonte Nova, onde Nigéria e Uruguai se enfrentam pela Copa das Confederações. O governador Jaques Wagner (PT) já se disse favorável às manifestações populares, mas alerta que abusos serão coibidos. "A orientação (da PM) é preservar a integridade de todos, esperando a mesma postura dos manifestantes." ( Colaboraram Heloisa Aruth Sturm, Marcelo Gomes, Fábio Grellet, Elder Ogliari, Tiago Décimo e Vitor Villar)
SNB

Arquivo do blog segurança nacional