Wikipedia

Resultados da pesquisa

quarta-feira, 29 de maio de 2013

SpaceLiner: conheça o avião hipersônico europeu

Aviões hipersônicos
Enquanto alguns se perguntam se os aviões hipersônicos vão se tornar realidade, uma equipe europeia mostrou que os projetos para isso estão mais adiantados do que se imaginava.
Uma equipe da Alemanha, Áustria, Bélgica, Espanha, Holanda, Itália e Suíça apresentou os resultados do projeto Fast20XX (Future high-Altitude high-Speed Transport - transporte futuro de alta altitude e alta velocidade, em tradução livre).
O avião hipersônico resultado do projeto foi batizado de SpaceLiner.
O que mais impressiona é a semelhança do hiperavião com os antigos ônibus espaciais norte-americanos.
O SpaceLiner será lançado na vertical, como um foguete.
A grande diferença é que o tanque principal é ele próprio um avião, que retorna e pousa normalmente em um aeroporto - nos ônibus espaciais, o tanque principal entrava em órbita e se queimava na reentrada, não sendo reaproveitado.
Os passageiros, contudo, vão a bordo do avião propriamente dito, uma autêntica cápsula espacial com capacidade para 50 passageiros.
Ela entra em órbita cerca de 8 minutos depois do lançamento, e desliza em microgravidade a Mach 20 - uma velocidade 20 vezes maior que a velocidade do som.
Isto deverá fazer com que os mais puristas levantem uma sobrancelha - os aviões hipersônicos propriamente ditos, cujos motores estão em desenvolvimento, pretendem atingir velocidades hipersônicas na atmosfera, e não no espaço.
De qualquer forma, os cálculos indicam que o SpaceLiner poderá pousar no outro lado do mundo cerca de 80 minutos depois do lançamento - o pouso também será feito em um aeroporto comum.
Hiperdesafios
Martin Sippel, diretor do projeto, afirma que várias tecnologias ainda terão que ser desenvolvidas e testadas para que o SpaceLiner torne-se uma realidade: "O SpaceLiner é um desafio tanto em termos de tecnologia quanto de operações."
Contudo, de posse do projeto, as sete agências espaciais envolvidas já estão se concentrando na parte específica do desenvolvimento que tocou para cada uma - a integração do avião hipersônico ficará a cargo da DLR, a agência espacial alemã.
Um dos maiores desafios é o resfriamento do avião conforme ele reentra na atmosfera, atingindo temperaturas que deverão chegar aos 1.800º C.
A solução adotada foi o resfriamento ativo no nariz da aeronave e nos bordos de ataque das asas. A ideia é aspergir água a partir de componentes cerâmicos porosos, resfriando a superfície conforme a água se evapora.
Outro problema é lidar com a aerodinâmica variável a que o avião estará sujeito, em sua fase em órbita baixa, durante a reentrada, e em seu voo normal até o aeroporto.
Mas os pesquisadores vão dar uma atenção especial também aos passageiros. Afinal, astronautas são treinados para suportar um lançamento de foguete e uma reentrada na atmosfera. Será que o voo hipersônico será tolerável para passageiros fisicamente menos preparados?
Projeto Alpha
Tudo isso será testado antes que o SpaceLiner vire realidade.
Segundo Martin Sippel, os testes serão feitos pelo Projeto Alpha, um misto de avião e nave espacial que será lançado de um Airbus A330 a cerca de 14 quilômetros de altitude.
O Alpha levará dois passageiros e um piloto, e deverá atingir uma altitude de 100 quilômetros.
"O turismo espacial feito dessa forma deverá ser o primeiro passo e deverá ser alcançado nesta década. Será um teste para ver se existe mercado para esse tipo de veículo espacial," disse Sippel.
SNB

EN 212 - Contraterrorismo e Guerra Química Biológica Radiológica e Nuclear (QBRN)

Asteroide se aproxima da Terra sem trazer riscos ao planeta

Um asteroide cujo tamanho é estimado entre 1 e 2.3 quilômetros deve passar próximo da Terra nesta sexta-feira (31), com aproximação máxima às 17h59, horário de Brasília. O objeto, batizado de 285263 (1998QE2), passará a 5.8 milhões de quilômetros, no ponto de maior aproximação - o equivalente a 15 vezes a distância entre a Terra e a Lua.
Identificado em 19 de agosto 1998, o asteroide é classificado como Potencialmente Perigoso por ter tamanho estimado superior a 50 metros e chegar a uma distância da Terra menor do que 0,05 UA (Unidades Astronômicas), ou 7,5 milhões de quilômetros. Apesar disso, não oferece riscos de colisão nem terá qualquer efeito sobre o planeta.
O 285263 (1998QE2), que não será visível a olho nu da Terra, leva 3,77 anos para completar sua evolução em torno do Sol.
"A aproximação do asteroide permite realizar estudos sobre suas características físicas e sua dinâmica, contribuindo para melhor compreensão de origem e evolução de objetos que possam vir a colidir com a Terra", explica a pesquisadora do Observatório Nacional Daniela Lazzaro.
FOLHA DE S PAULO...SNB

Projeto com satélite leva alunos de escola municipal brasileira a EUA e Japão

Acredita-se que estudantes do projeto UbatubaSat sejam os mais jovens do mundo envolvido em um projeto espacial.
Estudantes da Escola Municipal Tancredo Almeida Neves, de Ubatuba, litoral norte de São Paulo, estão de malas prontas.
Nesta quarta-feira eles embarcam para o Japão para participar do Simpósio Internacional de Ciência e Tecnologia Espacial, patrocinado pela Agência Espacial Japonesa.
Há dois anos, depois de ver um artigo em uma revista de ciências dizendo que era possível construir um satélite e mandá-lo para o espaço com cerca de R$ 14 mil, o professor de matemática Candido Osvaldo de Moura decidiu iniciar um projeto de construção de satélite com os alunos do 6º ano.
Assim nasceu o projeto UbatubaSat, que transformou os estudantes brasileiros, de acordo com a empresa que vendeu o satélite, nas pessoas mais jovens do mundo a terem se envolvido em um projeto espacial.
O objetivo era despertar nos estudantes o interesse pelas áreas de tecnologia e ciências, e ajudar a suprir a carência de profissionais nessas áreas no Brasil.
Nasa
Além de já ter conquistado vários estudantes que agora decidiram seguir carreira em áreas de engenharia, o projeto já levou os alunos para conhecer os Estados Unidos, onde visitaram a Nasa (agência espacial americana), e agora, ao próximo destino - o Japão. Eles escreveram um artigo sobre a influência do projeto em jovens de Ubatuba, e o material foi aceito pelo simpósio.
Com a ajuda dos governos municipal e federal e as passagens compradas pela Unesco (braço da ONU para a educação), 12 estudantes e quatro professores representarão o Brasil no congresso espacial do Japão.
Para o prefeito de Ubatuba, Mauricio Maromizato, o projeto ajuda a disseminar a cultura na tecnologia em um região muito marcada apenas por atividades turísticas e pesqueiras, onde "a juventude nunca teve outros horizontes."
Como parte de projeto, alunos e professores receberam treinamento no Instituto Espacial de Pesquisa Espacial (Inpe). De acordo com Antonio Ferreira de Brito, técnico eletrônico de desenvolvimento de hardware, "esta foi a primeira vez que o instituto forneceu treinamento para crianças desta idade".
O lançamento do satélite está atrasado, mas o professor Candido diz que a escola municipal não vai desistir e está à procura de verbas para fazer o lançamento através de um outro foguete espacial comercial.
Quando o satélite entrar em órbita, ele enviará uma mensagem em português, inglês e espanhol, a qual será escolhida em uma competição na escola.

Independente do lançamento, para Candido Moura o projeto "já é um sucesso". Agora, a ideia é expandir a proposta, e novos pequenos cientistas já começam a serem treinados.
NOTIMP ...SNB

Segurança da Copa terá até caminhão tecnológico

MARINA GAMA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA
DANILO JANÚNCIO
Atentados como o que deixou três mortos durante a maratona de Boston, nos EUA, podem ser evitados no Brasil durante a Copa das Confederações e a Copa do Mundo?
O governo federal afirma que sim e que a prevenção pode ser feita em caminhões.
Chamados de CiCCM (Centros de Integração de Comando de Controle Móveis), esses veículos estão equipados com computadores de última geração, câmeras, captadores de áudios e softwares capazes de integrar a base de dados das polícias Civil, Militar e Federal, além dos bombeiros e do Samu e acioná-los com mais eficiência.
Os operadores que atuarem dentro desses caminhões, que ficarão no entorno dos estádios, poderão ajudar a prevenir de atentados terroristas, tumultos entre torcedores e venda de produtos piratas.
O sistema de monitoramento também possibilita identificar veículos estacionados irregularmente.
Cada veículo custará de R$ 3 milhões a R$ 3,5 milhões. Ao menos 12 serão usados na Copa das Confederações, sendo um deles operacional e um tático, em cada cidade-sede. Os dois primeiros serão entregues nesta sexta no Rio.
No total, devem ser gastos R$ 92 milhões --até a Copa do Mundo serão 27 caminhões em funcionamento.

O processo de licitação envolveu três empresas brasileiras, e o vencedor foi um consórcio liderado pela Rontan Eletro Metalúrgica.
O governo vetou a participação de empresas estrangeiras, alegando preocupação em diminuir os custos de manutenção e transferência da tecnologia.
"Dependendo do acontecimento, cada polícia sabe o que fazer, assim como os bombeiros, o Samu e as outras instituições que estarão presentes nesses eventos", diz José Monteiro, diretor de operação da Sesge (Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos), do Ministério da Justiça.
"A grande vantagem é que o centro móvel pode se deslocar para qualquer ponto onde esteja a ocorrência, no aeroporto, no estádio, num hotel, além de poder gerenciá-la de forma autônoma", afirma Ricardo Max, da equipe técnica da Sesge.
O especialista em tecnologia e segurança pública João Vasco Furtado corrobora sobre a eficiência de uma base móvel, porém afirma que boa parte dos Estados que receberão os veículos não possuem um sistema de informação integrada.
"Se eu não tenho uma infraestrutura de dados integradas, a deficiência continuará do mesmo jeito. A questão a ser levantada é se conseguiremos usar todos os benefícios dessa base móvel."
Além de serem usados para os eventos esportivos, cada Estado poderá utilizar os caminhões em agendas como a Virada Cultural, em São Paulo, e o Carnaval de rua.
SNB

Operação Ágata 7 20 05 2013


SNB

ÁGATA 7 - (Vídeo) Força Aérea, Exército e Marinha juntos apoiando população na região Centro-Oeste

Militares das três Forças realizam Ação Social na cidade de Porto Murtinho e municípios carentes da redondeza.
portalfab
SNB

Docks nave espacial Soyuz da Rússia com a ISS

RIA Novosti) - A nave espacial Soyuz TMA-09M, que transportava três novos tripulantes para a Estação Espacial Internacional (ISS), acoplado à estação na quarta-feira, um porta-voz da agência espacial russa Roscosmos disse.
"A sonda automaticamente acoplado à ISS, como previsto, seis horas após o lançamento.Felizmente, os cosmonautas não terá de mudar para o regime de acoplamento Manual ", disse ele.
"Quando a pressão iguala, portais serão abertos, e os novos membros da tripulação vai" flutuar "para a estação", disse o porta-voz continuou.
O vôo levou cerca de seis horas. Até março, ela tinha tomado dois dias para as tripulações para ir da Terra a estação espacial.
A nave espacial, levando o cosmonauta russo Fyodor Yurchikhin e Karen Nyberg astronautas da NASA e Luca Parmitano da Agência Espacial Europeia, foi lançada quarta-feira às 00:31, horário de Moscou (08:31 GMT terça-feira) e entrou em órbita cerca de dez minutos depois.
Este é o quarto vôo espacial para Yurchikhin, que assumirá o comando da Expedição 37, uma vez astronauta EUA Christopher Cassidy, e os cosmonautas russos Pavel Vinogradov e Alexander Misurkin, desencaixar em novembro.Este é o primeiro vôo do engenheiro de vôo Nyberg a bordo de um Soyuz, que ela voou para a ISS no ônibus espacial Discovery em 2008.Parmitano não tem experiência prévia vôo espacial.
A duração prevista para a nova expedição ISS é de 172 dias. Seus membros irá realizar 34 experiências e tomar parte na atracação e descarga de quatro naves espaciais - espaço dois cargueiros russos Progress, ATV-4 naves de carga da Europa e um US-made de reabastecimento não tripulados Cygnus naves espaciais comerciais. Cosmonautas russos também estão programados para realizar várias caminhadas espaciais.
SNB

MARINHA TERÁ 2,5 MIL MILITARES NA SEGURANÇA DA COPA DAS CONFEDERAÇÕES

A Marinha do Brasil vai mobilizar entre 2 mil a 2,5 mil militares para o esquema de segurança que vai vigorar durante a Copa das Confederações, que ocorre no País entre os dias 15 e 30 de junho. A informação foi dada nesta segunda-feira pelo capitão de fragata Osmar da Cunha Penha, comandante do 1º Batalhão de Infantaria de Fuzileiros Navais (Batalhão Riachuelo), durante o treinamento de Controle de Distúrbios Civis voltado para a Copa das Confederações e a Jornada Mundial da Juventude.
O treinamento reuniu cerca de 100 militares da equipe especializada de fuzileiros navais do Complexo Naval da Ilha do Governador, sede da Divisão Anfíbia, o principal núcleo das unidades de operações da Força de Fuzileiros da esquadra. As demonstrações, abertas à imprensa, tiveram o objetivo de mostrar algumas das capacidades do Corpo de Fuzileiros Navais em situações onde for necessária a intervenção do grupo para a segurança das pessoas envolvidas no evento, inclusive atletas, e também de potencial de risco de dano ao patrimônio público ou privado.

"Foi uma pequena demonstração da capacidade dos fuzileiros navais que vão trabalhar durante a Copa das Confederações. Nós fizemos uma pequena demonstração das ações de controle de distúrbios e de prevenção e combate ao terrorismo com vistas a garantir a segurança dos eventos", disse o capitão de fragata .
Divididas em três etapas, as ações envolveram - além da ação do Controle de Distúrbios Civis, quando foi utilizado um blindado Mowag Piranha - uma demonstração de um posto de controle de trânsito com simulação de vistoria aleatória de uma viatura suspeita, com imobilização e ataque de um cão da raça rottweiler. Também foi empregado farejador da raça pastor malinois, utilizado no vasculhamento do veículo para detectar a presença de explosivos. Por fim, houve uma demonstração do Grupo de Retomada de Ações Especiais, que simulou o resgate de um atleta mantido refém.
O capitão disse que, do ponto de vista logístico, a Marinha está preparada para apoiar e garantir a segurança dos eventos. "As tropas estão mobilizadas, ultimando os preparativos e adestramentos específicos e, com certeza, a partir do dia 15, quando terá início efetivamente a Copa das Confederações, tudo estará 100% para o desenvolvimento da ação em caso de necessidade."
Cunha disse que a Marinha terá, durante a Copa das Confederações, o apoio do Grupamento Marítimo responsável pelas ações de segurança na orla marítima da cidade, com a presença de diversas embarcações da Marinha, que farão a inspeção e o patrulhamento naval ao longo da costa.
A Marinha estará presente no Rio de Janeiro, em Fortaleza e em Salvador, três das seis cidades-sede da Copa das Confederações. No caso de Salvador, a Marinha terá o comando das operações de segurança - subordinada ao Segundo Distrito Naval.
terra...SNB

Arquivo do blog segurança nacional