Wikipedia

Resultados da pesquisa

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Serviço para espalhar vírus no Facebook é oferecido por R$ 70

Se você tem alguma dúvida sobre segurança da informação (antivírus, invasões, cibercrime, roubo de dados, etc), vá até o fim da reportagem e utilize a seção de comentários. A coluna responde perguntas deixadas por leitores todas as quartas-feiras.Criminosos brasileiros estão buscando novas formas de disseminar pragas digitais no Facebook: na semana, golpes circularam usando eventos, mensagens particularese também marcações. Os golpes têm finalidades diversas: alguns oferecem arquivos executáveis que instala pragas digitais, entre elas extensões para navegadores que auxiliarão a disseminação de novos vírus, enquanto outras fraudes divulgam páginas ou solicitam informações de internautas.
Segundo o site de segurança “Linha Defensiva”, disseminar uma praga digital pelo Facebook custa R$ 70 e é oferecido como “serviço” por criminosos digitais brasileiros, em lojas de “e-commerce criminoso” (clique aqui para ler a reportagem). O serviço era oferecido em uma loja on-line chamada “BlackStore” (Loja Negra, em português), que também oferecia serviços de programação personalizados e infecção por applets Java.
Apesar disso, o uso do Facebook por cibercriminosos brasileiros é um tanto novo. Os primeiros golpes brasileiros na rede social começaram com o objetivo de obter o controle dos navegadores web para vender “curtidas” na rede social, já no início do ano passado. Na ocasião, os golpistas criavam páginas na rede social, divulgavam com fraudes como “saiba quem visitou seu perfil”, convencendo internautas a instalarem extensões em navegadores. Extensões conseguiam infectar muitas pessoas, porque não geravam a mesma estranheza que um arquivo executável. Eram também mais limitadas, claro.
Esse tipo de fraude ajudar a motivar o Google a bloquear a instalação de extensões do Chrome se estas não estiverem incluídas na “Chrome Web Store”, o repositório oficial de extensões mantido pelo Google. Com a mudança, ficou mais difícil para instalar as extensões que os golpistas precisava para realizar os golpes.
O Facebook, porém, já estava acostumado a lidar com problemas maiores. Desde 2008, o Facebook era atacado pelo vírus Koobface, que buscava utilizar os recursos da rede social para formar uma rede zumbi com internautas infectados. O idioma, o público-alvo localizado e a instalação de extensões, em vez de programas executáveis, eram as diferenças das fraudes brasileiras, mas a rede social já tinha uma equipe de segurança para cuidar de casos como esses.
Com os bloqueios e mudanças feitas pelo Facebook  e pelo Chrome após essas fraudes iniciais, passou a ser necessário convencer internautas a instalarem um arquivo executável para colocar qualquer código no PC. Para um golpe, passou a não fazer mais diferença se a instalação seria de apenas uma extensão no Chrome, ou um ladrão de senhas completo.
As consequências dessa mudança estão sendo vistas agora: fraudes estão sendo feitas usando qualquer mecanismo da rede social para disseminar links que levam diretamente a arquivos executáveis, que instalam extensões nos navegadores e, possivelmente, outros componentesPreparando o terreno
Diversas fraudes no Facebook são preparatórias. Os criminosos precisam conseguir uma base inicial de pessoas infectadas para iniciar uma fraude. Algumas das fraudes exigem apenas o compartilhamento de um post ou uma “curtida” em uma página, com a promessa mais comum de que, com isso, o internauta está participando de um “sorteio”. Mais tarde, essa página pode ser usada para publicar uma fraude mais completa.
Em outros casos, a fraude pode exigir o preenchimento de um cadastro. Este tem o objetivo de coletar informações que serão usadas em fraudes mais tradicionais por e-mail. Informações como nome e CPF associadas ao e-mail auxiliam a criação de fraudes convincentes e sofisticadas, e também podem ser úteis para fraudes de falsidade ideológica.
Embora ser vítima dessas fraudes – preenchendo um cadastro, dando uma “curtida” em uma página ou compartilhando um link – possa não ter consequências imediatas, essas informações podem ser usadas por criminosos para disseminar fraudes.
Dicas
  • Fique atento com “promoções” de qualquer tipo no Facebook. Tenha cuidado ao curtir páginas ou fornecer informações; as melhores e mais divulgadas “promoções” do Facebook são todas falsas. No caso de dúvidas, entre em contato com os responsáveis, fora do Facebook, antes de fornecer qualquer informação. Se não houver contato fora do Facebook, a promoção provavelmente é falsa;
  • Não execute programas a partir de páginas do Facebook, nem instale extensões ou faça modificações de configuração em seu navegador;
  • Cuidado com páginas falsas do Facebook; se após clicar em um link você for solicitado a refazer login no Facebook, feche a janela e abra o Facebook novamente;
  • Não existe meio de saber “quem visitou seu perfil” no Facebook!
Verificando extensões e perfil no Facebook
Se o seu perfil está enviando mensagens fora do seu controle, siga os seguintes passos para verificar se não há um problema com seu perfil ou com seu navegador.
(Se quiser acessar pelo próprio Facebook, é preciso ir em “Configurações de conta” e em seguida ir em “Aplicativos”)Essa lista contém programas que podem alterar o seu perfil no Facebook. É muito comum que algum golpe convença você a instalar algum aplicativo. Depois de você ter aceitado, o app continua com acesso ao seu perfil e pode enviar mensagens ou fazer alterações. Por isso, é preciso verificar as configurações de apps.
O segundo passo é verificar as extensões do seu navegador.
  • direito) e então em Gerenciar Complementos.
  • Firefox: pressione Ctrl+Shift+A e verifique em Extensões.
  • Internet Explorer: clique em Ferramentas (ícone da engrenagem no canto superior Chrome: acesse chrome://extensions pela barra de endereços do navegador....por Altieres Rohr 
G-1...SNB

Moradores das Malvinas lamentam morte de sua libertadora Thatcher


HILARY BURKE - Reuters
O chefe da Assembleia Legislativa das Ilhas Malvinas disse que a morte de Margaret Thatcher representa um dia de grande tristeza para os moradores da ilha, que sempre a reverenciaram por ter libertado o território no Atlântico Sul após a invasão de forças argentinas em 1982.
Outro morador local a considerou "nossa Winston Churchill".
Thatcher enviou uma força-tarefa para recuperar as ilhas, em uma operação que ela considerou um dos triunfos de seu governo.
A Argentina ainda exige a soberania das ilhas e, no ano passado, intensificou sua retórica contra a Grã-Bretanha. Em um referendo em março os moradores das Malvinas, também chamadas de Falkland, votaram por esmagadora maioria para continuarem sob o controle britânico.
"Não há absolutamente nenhuma dúvida de que a sra. Thatcher teve um sentimento especial pelas ilhas, ela liderou uma retomada muito difícil das ilhas, ela ficou muito feliz por ter restaurado a liberdade para o povo das Ilhas Falkland e as Falkland sempre estiveram no seu coração", disse à Reuters Mike Summers, presidente da Assembleia Legislativa das Malvinas, de oito membros, por telefone desde Port Stanley.
"Ela é uma pessoa muito reverenciada nas Falkland por liderar o nosso retorno à liberdade em 1982, e vai ser um dia de grande tristeza para as Ilhas Falkland".
Bandeiras foram hasteadas a meio mastro na Malvinas assim que se soube da morte de Thatcher, aos 87 anos, nesta segunda-feira. Summers disse que uma homenagem será realizada, mas não disse quando.
Summers, que se encontrou várias vezes com Thatcher, acrescentou: "Ela era uma mulher muito forte e uma política muito forte, muito clara e muito decisiva."
PESSOA CERTA, HORA CERTA
Cerca de 650 argentinos e 255 britânicos morreram na guerra de 1982, que começou com a invasão argentina em 2 de abril e terminou com a recaptura de Port Stanley por tropas britânicas em 14 de junho.
A atual presidente da Argentina, Cristina Kirchner, tem feito pressão sobre a Grã-Bretanha para negociar a soberania das ilhas --algo que Londres se recusa a fazer a não ser que os moradores solicitem.
Tim Miller, de 60 anos, dono de uma loja de jardinagem e de venda de produtos patrióticos, disse que se lembra claramente do conflito de 1982.
"Para mim, ela foi para as Ilhas Malvinas o que Winston Churchill foi para a Grã-Bretanha em 1940. Ela era a pessoa certa, no lugar certo, na hora certa, e fez a coisa certa."
Miller reconheceu que ela era uma figura contestada na Grã-Bretanha. "Mas para as Falklands ela era o nosso Winston Churchill.
SNB

GRUPO INBRAFILTRO - MOSTRA O BLINDADO MULTIUSO DE ALTA PERFORMANCE GLADIADOR

Além do Gladiador nas versões militar e policial, empresa lança coletes à prova de balas e escudos de proteção balística com tecnologias inéditas no maior evento de defesa e segurança da América Latina.

O Grupo InbraFiltro participa da LAAD 2013, Latin America Aerospace and Defence, a maior e mais importante feira de defesa e segurança da América Latina, que acontece de 9 a 12 de abril, no Riocentro, Rio de Janeiro.

Durante o evento, o Grupo InbraFiltro dá destaque ao lançamento de capacetes à prova de balas para uso em CDC - Controle de Distúrbio Civil, escudos com blindagem Nível III, para munição 7,62 x 51, com um peso de 9,8 kg, coletes Nível II-A para uso em cães de apoio policial, colete balístico nível III, com placas balísticas anatômicas e colete balístico nível III-A, todos para uso das Forças Armadas e Policiais. Coletes balísticos confeccionados em tecido de fibra aramida, considerado o mais leve do mercado mundial. Será mostrada também a mala-executiva blindada.

Entre os produtos expostos na feira também estão o Gladiador – Blindado Leve Sobre Rodas 4x4, partes da blindagem utilizada em aviões modelo Super Tucano, estruturas de aeronaves, portas blindadas para cockpit de aeronaves de modelos em utilização comercial bem como inovações em itens de proteção balística.
 

 
Gladiador – Blindado Multiuso de Alta Performance

O Grupo InbraFiltro apresenta no evento o blindado leve sobre rodas Gladiador, já em versão cabeça de série e com atualizações mecânicas, em fase de comercialização.  Destinado às múltiplas utilizações das Forças Armadas nível balístico IV ou da Segurança Pública, Polícia Civil ou Militar, grupo especiais com blindagem nível III de qualquer país, o Multiuso 4x4 é uma alternativa eficaz e extremamente segura para missões de variadas complexidades, como transporte e escoamento de tropas com agilidade.

Com características extremamente versáteis e muito competitivo, o blindado, de tecnologia 100% brasileira, superou similares desenvolvidos na Alemanha, EUA, França, Rússia, entre outros, alcançando o melhor resultado em comparação com produtos semelhantes nos quesitos peso/performance, capacidade/blindagem e deslocamento/consumo, conseguindo pontuação muito superior à concorrência no índice específico de avaliação “Ação de Choque”.

Pesando aproximadamente sete toneladas, com capacidade para transportar até oito ocupantes incluindo o motorista, o modelo possui diversas aplicações em missões de reconhecimento, ataque ou defesa, conforme a necessidade das forças. Entre os equipamentos que podem ser acoplados, destacam-se vários armamentos, sistemas de proteção ativa, estação de armas não letais e radar de vigilância. Além disso, possui escudo defletor inferior para proteção contra minas terrestres, faróis protegidos, inexistência de parafusos e dobradiças nas faces externas da carroceria, sistema de arrefecimento do motor sob o capô, para-lama dianteiro e fechamento do para-lama traseiro em material não balístico, visando romper explosões de minas terrestres e evitar o tombamento do veículo.

“Nossa empresa está muito satisfeita com o resultado final desse importante e, sem dúvida, complexo projeto. O Gladiador exigiu de nossa equipe muita persistência e estudo, já que foi submetido, durante vários anos, a séries completas de testes de engenharia para verificar a existência de vulnerabilidade antes de ser homologado pelo Exército Brasileiro”, comenta o presidente do Grupo InbraFiltro, Jairo Candido.

O valor da versão básica do blindado é de cerca de US$ 350 mil. Sendo indicado para qualquer tipo de solo, o BLSR alcança até 105 Km/h e é equipado com motor MWM de 185 cavalos.

Neste projeto, a integração da engenharia mecânica e chassi é Agrale.

Materiais de Proteção Individual

Com ampla atuação no mercado de materiais de proteção individual, o Grupo InbraFiltro apresenta no evento de 2013 lançamentos em capacetes, escudos, coletes à prova de balas e acessórios blindados.

No segmento capacetes, destaque para o capacete antitumulto com proteção balística nível I. O produto é desenvolvido com a mesma matéria prima dos capacetes e escudos nível III-A, e resiste a disparos de armas de calibre .22 e  .38, utilizado recentemente por várias tropas de choque da Policia Militar de vários Estados

Outro item de importância é o capacete balístico modelo ACH, nível III-A para uso das Forças Armadas e tropas policiais. Testado e homologado pelo Exército Brasileiro.

Em coletes balísticos, a empresa oferece produtos de baixo peso e alta flexibilidade e conforto em todos os níveis de proteção, com tecidos em novas configurações, proporcionando maior conforto e absorção de suor. Visando maior segurança, são oferecidos também coletes com sistema de identificação via radiofrequência.

Grande ênfase é dada aos coletes balísticos femininos com bojo, sem costura, altamente confortáveis, oferecidos nos níveis II e III-A.

Ainda em materiais de proteção individual, destaque para a ‘mala-executiva blindada’. O material, com blindagem nível III-A, quando aberto atinge aproximadamente 1,5m x 0,60m, transformando-se em um anteparo balístico portátil.

Todos os coletes, capacetes e escudos balísticos, são ensaiados no Campo de Prova de Marambaia – Exército Brasileiro, e homologados através de emissão dos RETEX`S e posterior apostilamento ao Título de Registro.

 Blindagem de Aeronaves 

Um dos principais destaques do Grupo destinado ao segmento aéreo tem sido a blindagem parcial dos modelos Super Tucano fabricados pela Embraer. No estande os visitantes podem conferir parte do ship set de blindagem desenvolvido pela empresa, e que já equipa 25 aeronaves da Força Aérea Colombiana e mais de 20 em outros países.
Além de desenvolver partes específicas de aeronaves com blindagens destinadas às metralhadoras 0.50 AP-M2, a empresa também coloca em exposição alguns exemplos da aplicabilidade desta tecnologia, demonstrando a qualidade dos produtos desenvolvidos, fabricados e ofertados aos mercados nacional e internacional. 

Os visitantes também podem conferir partes da proteção aplicada em helicópteros modelo AS-350, popularmente conhecidos como Esquilo. As aeronaves receberam reforço balístico contra disparos de fuzil em diversas partes da aeronave. Outras aeronaves militares (Eurocopter) também recebem peças estruturais e em materiais compostos, assim como blindagens parciais.

A porta blindada para cockpit, tecnologia vencedora de concorrência internacional aberta pela Embraer, também está em evidência durante o evento. O produto, que é referência no segmento aeroespacial, pode ser removido facilmente em situações emergenciais e, mesmo contendo proteção balística, é considerado bastante leve. Atualmente, o Grupo InbraFiltro já contabiliza mais de 1000 aeronaves equipadas com esta porta.
 
Grupo InbraFiltro

O Grupo InbraFiltro, fundado em 1979, iniciou suas atividades como fornecedor de tecidos técnicos industriais e elementos filtrantes, mas logo passou a desenvolver novos produtos no segmento de blindagens automotivas. Hoje, emprega cerca de 600 funcionários e atua em diversas áreas através de suas sete unidades industriais instaladas em Mauá, na Grande São Paulo: InbraFiltro, InbraBlindados, InbraTêxtil, InbraGlass, InbraAerospace, InbraDefesa e InbraLand.

Um dos principais conceitos oferecidos pelo Grupo é proteção através da fabricação de mais de 680 produtos para segurança no mercado. Além disso, presta serviços diferenciados e possui uma gama de produtos que vão desde tecidos técnicos filtrantes até blindagens de veículos civis, militares e aeronaves.

Empresa 100% brasileira, a Inbra conquistou diversos certificados nacionais e internacionais, incluindo aNBR 15100. A aplicação correta destas normas e o constante treinamento de seus funcionários demonstram a preocupação em estabelecer uma relação harmoniosa entre a empresa e seus colaboradores, visando maior satisfação dos clientes e respeito ao meio ambiente.
SNB

MEIOS DE DEFESA ANTIAÉREA RUSSOS FICAM NO CENTRO DE ATENÇÃO

O interesse que os militares brasileiros demonstram pelos meios de defesa antiaérea russos, e em particular, pelo Sistema antiaéreo Pantsyr-S1 de mísseis e canhões, indica que este tema tornar-se-á um dos principais na exposição russa na LAAD-2013.
        
A Rússia que ocupa a posição de líder neste setor, é um dos poucos países capazes de produzir toda a variedade de meios de defesa antiaérea modernos, a partir dos sistemas lança-míssil portáteis até os sistemas de longo alcance que podem desempenhar funções de defesa antimíssil. Uma grande parte de modelos oferecidos para exportação estará apresentada no estande da Rosoboronexport, a única exportadora do material de guerra autorizada pelo Govereno da Rússia.
        
Em particular, especialistas poderão estudar a maqueta do Sistema lança-míssil antiaéreo portátil Igla-S, de dimensões reais, com o módulo de controle automatizado. Entre os meios de defesa antiaérea, estarão apresentados o Sistema antiaéreo de mísseis e canhões Pantsyr-S1, o Sistema lança-míssil antiaéreo Tor-?2E, e o Sistema lança-míssil antiaéreo Buk-?2E de médio alcance, único no seu gênero. Certamente, estará apresentado um dos sistemas antiaéreos mais poderosos que a Rússia oferece para exportação, o Antey-2500.

Os produtores russos também oferecem os sistemas de defesa antiaérea de navio bem eficazes, em particular, o mais novo Sistema antiaéreo Palma, de mísseis e canhões.

Ademais, a Rosoboronexport promove também no mercado latino-americano as versões modernizadas dos meios de defesa antiaérea bem conhecidos e provados. Um de tais meios é o Sistema lança-míssil antiaéreo Petchora-2? com as características essencialmente melhoradas que garantem elevação da estabilidade de combate e da probabilidade de destruição de objetivos de alta manobrabilidade e precisão.

Nota informativa:

O Sistema antiaéreo Pantsyr-S1. O seu armamento combinado de mísseis e canhões permite criar uma zona de destruição inteira e fazer tiro contínuo contra objetivos, desde a distância máxima de 20 km até a de 200 m, na faixa de alturas de 5 m a 15 km.

Um veículo de combate é capaz de engajar simultaneamente quatro objetivos em voo com velocidades de até 1000 m/s. Tal capacidade foi conseguida com o emprego da Estação de acompanhamento de objetivos e mísseis, em cuja construção foi aplicada a rede de antena comandada por fase, e o sistema óptico-eletrônico  sofisticado capaz de operar nas condições de dia e de noite. Operação do Sistema, desde a busca de objetivos até sua destruição, efetua-se com participação mínima dos operadores tripulantes e caracteriza-se por um curto tempo de reação.

Ademais, o Sistema é capaz de efetuar lançamento dos mísseis e fazer fogo dos canhões em marcha. Devido ao sistema de radar / óptico adaptativo multímodo para controle das armas, o Pantsyr-S1 possui uma alta resistência a interferências e uma alta capacidade de sobrevivência em ambiente de contramedidas eletrônicas e de fogo inimigo. O Sistema está construído à base do princípio de módulos, e pode estar montado em vários chassis de rodas e de lagartas, bem como sobre plataformas estacionárias.


Ultimamente, a demanda pelos meios de defesa antiaérea russos mostra a tendência de crescimento estável. Uma prova evidente da eficácia dos meios de defesa antiaérea russos é também a atenção atribuída pela mídia aos seus fornecimentos. Segundo os peritos mais competentes, os sistemas antiaéreos russos poderão, de fato, jogar um papel essencial de dissuasão. Pois, nas condições atuais do desenvolvimento rápido dos meios de ataque aéreo, a disponibilidade dum sistema de defesa antiaérea eficaz será a garantia da segurança nacional.
        
A Rússia possui uma enorme experiência na construção de sistemas de defesa antiaérea de conjunto, em interesses de clientes mais diversos. Portanto, a Rosoboronexport está disposta de oferecer os projetos que não só irão dar respostas adequadas às ameaças atuais e futuras, mas corresponderão também, de melhor maneira, ao critério “eficácia / custo”.
        
Ainda mais, a Rússia está disposta de não apenas fornecer produtos finais, mas também transferir tecnologias, organizar a produção sob licença, e em perspectiva, proceder com elaboração conjunta de novos sistemas antiaéreos. Tal atitude é o princípio firme da política de Moscou no mercado de armas latino-americano, refletindo plenamente as tendências atuais de desenvolvimento da cooperação na área de defesa.
DEFESA NET ...SNB

UNIFORMES MULTI-RESISTENTES PARA MILITARES DO BRASIL

Alta tecnologia para levar mais conforto e resistência aos uniformes militares do Brasil. Em parceria com a marca Santista Workwear, unidade de negócios da Tavex, a INVISTA, levará para a 9º edição da LAAD Defence & Security – Feira Internacional de Defesa e Segurança - diversos lançamentos para o segmento militar e de segurança com a tecnologia têxtil da marca CORDURA®. A LAAD é um dos mais importantes encontros do setor na América Latina. A feira reúne bienalmente empresas brasileiras e internacionais especializadas em equipamentos, serviços e tecnologia para as Forças Armadas, Polícias, Forças Especiais e segurança corporativa. A INVISTA mostrará seus produtos no estande P10, no pavilhão 3.
 
A INVISTA - um dos maiores produtores integrados de polímeros e fibras do mundo, especialmente em aplicações de nylon, spandex e poliéster – se uniu à Santista Workwear - pioneira e líder no mercado de tecidos para uniformes profissionais na América do Sul – para produzir uniformes de alta performance e atender às grandes demandas de mercado, como as licitações públicas para compra de uniformes em grande quantidade.
 
Tecnologia para grandes missões
 
Durante a nona edição da LAAD serão apresentadas peças produzidas com o tecido DURAPRO, uma tecnologia que reúne os melhores atributos dostecidosCORDURA® NYCO,da INVISTA e da tecnologia Rip Stop, da Santista Workwear. DURAPRO possui a estrutura Rip Stop e combina a fibra de poliamida de alta tenacidade com o algodão. A partir desta mistura, o tecido ganha excepcional resistência à abrasão, cinco vezes superior aos tecidos mistos com poliéster de peso similar, e é indicado para ambientes austeros e de trabalho extremo. “O grande diferencial desses uniformes é a leveza e o conforto, sem perder a resistência à abrasão, ou seja, ele detém uma grande durabilidade. Estas características são fundamentais para melhorar a performance do usuário e garantir um melhor custo-benefício aos compradores”, afirma o gerente de CORDURA® da INVISTA, Paulo Pustiglione.
 
Os uniformes militares e de segurança produzidos com o tecido DURAPRO são bastante apropriados ao clima brasileiro e trazem novas tecnologias de estampa, como o camuflado digitalizado, e de modelagem, que vêm sendo aprovadas pelas forças armadas brasileiras. Com uma linha completa de produtos, a Santista Workwear atende a todo o portfólio de uniformes utilizados no segmento militar, desde o operacional e combate, que requer funcionalidade e proteção, até a roupa de passeio e gala, com tecidos nobres e caimento impecável.
DEFESA NET.....SNB

Investigações levaram à identidade real de espião virtual chinês

ALEXANDRE ARAGÃO
O trabalho de Jeffrey Knockel, da Universidade do Novo México (EUA), não está isolado ao contar segredos cibernéticos do governo chinês.Joe Stewart, 47, chefe da divisão de segurança da Dell, e o hacker indiano Cyb3rSleuth, 33 --que não revela sua identidade--, nunca se conheceram, mas têm algo em comum: o trabalho de um ajudou o outro a desvendar a identidade de um espião.
A função de Stewart é analisar vírus do mundo todo e prevenir clientes. Fazendo isso, ele percebeu que sites que concentravam envio de malware chinês eram registrados com o mesmo e-mail.
A partir do trabalho de Stewart, Cyb3rSleuth passou a investigar por conta própria. Ligando informações esparsas, chegou a uma identidade real: Zhang Changhe, professor de uma universidade militar de ciência da computação, na qual, suspeita-se, o governo treina hackers.
"Agentes independentes não têm as fontes, a infraestrutura e, especialmente, a proteção que governos têm", diz o hacker, por e-mail. "Se o governo chinês fosse sério, teria aberto investigação."
"Os agentes da China têm acesso a mais infraestrutura", diz Stewart, da Dell. Ele ressalta, no entanto, que isso não prova envolvimento governamental.
Em fevereiro, relatório da empresa de segurança Mandiant afirmou que a duração e a escala dos ataques praticamente descarta a hipótese de o governo não participar.
Após a publicação, agentes chineses tiraram informações pessoais da web. Os ataques, por sua vez, diminuíram, informou à Folha a Mandiant.
 FOLHA ....SNB

Arquivo do blog segurança nacional