Wikipedia

Resultados da pesquisa

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

BOPE - Batalhão de Operações Especiais, caveiras completam 35 anos

SNB

Tropas de Operações Especiais (Rangers), Lamego, Exército Português, Rep...

SNB

Guerra na Guiné Imagens que foram ocultadas aos Portugueses

SNB

Política e concorrência na navegação global

Andrei Karneev..

O início da exploração comercial e o desenvolvimento dinâmico do sistema de navegação chinês não ameaça o sistema russo Glonass, consideram peritos russos.

Inicialmente, o sistema Beidou, que se desenvolve a partir dos anos 2 mil, atrasava-se seriamente em relação aos seus concorrentes. Os satélites de primeira geração não tiveram relógios atômicos de alta precisão, de que estão munidos os sistemas GPS e Glonass. Por outro lado, o número de satélites foi insuficiente. Em 2012, a quantidade total de satélites foi aumentada para 16, o que permitiu utilizar plenamente o Beidou na Região Asiática do Pacífico. Nas palavras de engenheiros chineses, já em 2020 o número de aparelhos espaciais subirá para 30-35 unidades projetadas e o sistema cobrirá todo o globo.
Analistas valorizam altamente o potencial do sistema de navegação chinês, consideram que a China possa garantir a cobertura global ainda antes de 2020.
Contudo, o sistema chinês fica para atrás em relação aos concorrentes pelas caraterísticas técnicas. Atualmente, sinais do Beidou no território da China têm uma precisão de 10 metros e nos territórios limítrofes – de 20 metros. O Glonass tem hoje uma precisão de 2,8 metros, devendo alcançar a de 0,6 metros para 2020. Portanto, o sistema Beidou não pode ser considerado ainda como concorrente do Glonass, mas é capaz de competir com o sistema russo no futuro.
Por um lado, a navegação global permite estabelecer uma cooperação que ultrapasse as fronteiras de Estados, mas, por outro, qualquer sistema de navegação encerra aspectos militares, o que pode impedir a interação entre diferentes sistemas de navegação ou países, declarou à Voz da Rússia Piotr Topychkanov, perito da Fundação Carnegie:
“Há um exemplo de cooperação frutífera que se desenvolve hoje entre a Rússia e Índia na área da aplicação do sistema Glonass. A Índia, que analisava diferentes variantes, inclusive a utilização do sistema de navegação americano, fez finalmente opção a favor da Rússia. Os indianos receiam que por razões políticas no caso de certas divergências os Estados Unidos possam desligar a Índia do sistema GPS”.
No ano passado, Moscou e Pequim aprovaram um novo programa de cooperação espacial para 2013-2015. Ao mesmo tempo, as partes começaram a cooperar na temática dos sistemas de navegação por satélites Glonass e Beidou. Na opinião de analistas russos, é pouco provável que se trate de uma interação profunda e tanto menos de uma conjugação do Beidou e Glonass. As partes, pelo visto, podem cooperar na produção de recetores Glonass/Beidou na base industrial chinesa.
Segundo Topychkanov, a Rússia deve acompanhar atentamente o desenvolvimento do sistema Beidou e não apenas na área civil, mas também militar. Nas palavras do perito, em tempos a parte chinesa tentava ilegalmente obter acesso a segredos militares e espaciais russos, copiava e continua a copiar largamente projetos militar-técnicos russos. Isso impõe certas limitações à cooperação dos dois países na navegação global.
Na opinião de outros peritos russos, o sistema de navegação chinês Beidou, que hoje está sendo desenvolvido, não ameaça o sistema russo Glonass, podendo tornar-se seu potencial aliado. “O mundo avança rumo a sistemas de navegação versáteis tanto no mercado de equipamentos profissionais, como no mercado de consumo”, considera o diretor técnico de uma grande holding russa que opera no mercado de navegação por satélites, Aleksei Kutsenko. Nas suas palavras, quanto mais sistemas forem apoiados por equipamentos de consumidores, tanto mais vantagens haverá para todos os participantes interessados
VOZ DA RUSSIA ..SNB

Bolívia e Brasil concordam em trabalhar em drogas

 Ruben Atahuichi / La PazOs governos da Bolívia e do Brasil concordaram em executar várias tarefas em conjunto com vista a interdição do tráfico de drogas, incluindo a troca de informações de inteligência sobre o controle de migração ilegal e desenvolvimento operacional.
A informação foi dada pelo ministro de Governo, Carlos Romero, que se reuniu com o vice-ministro da Justiça do país vizinho, Márcia Pellegrini, com quem também participou de um fórum internacional sobre o confisco de propriedade, medir para a luta contra o tráfico de drogas.
Agência citado ANF, uma reunião bilateral também foi assistido pelos mesmos técnicos eo chefe de polícia Federal Leandro Coimbra da Lello. O acordo nova droga tem nove pontos e pelo menos 40 subtópicos.
Romero disse que o monitoramento por satélite brasileiro apoio de cultivos ilegais de coca no país, uma tarefa facilitada a erradicação manual de 11.000 hectares no ano passado. A este respeito, disse que "não haverá interpretação formação (Brasil) de mapeamento por satélite na área de produção de coca." Romero disse que é importante ter acesso ao software que o Brasil usado para detectar o uso de capital ilegal no país.
Reuniões. 23 de fevereiro haverá uma reunião da Fronteira na cidade de Beni Guayaramerín, Guajaramirim adjacente, e outro sem data Santa Cruz, no município de San Matias, Cáceres perto do Brasil, para a análise de fronteira integrado. Haverá outra reunião, no estado brasileiro do Acre.
Além disso, de acordo com a ANF falou para resgatar a autoridade empregando os chamados "cartões de bairro" para controlar a "dupla residência" nos municípios que fazem fronteira com o Brasil. Além disso, o marco previu que haverá um registo biométrico.
A Força Aérea Brasileira irá fornecer suporte técnico na manutenção de helicópteros cedidos pelo país para operações antidrogas na Bolívia.
Outra ação coordenada será a próxima reunião dos comandantes das forças armadas de Brasil e Bolívia sobre tráfego aéreo e as tarefas de defesa. "É importante apoiar (Brasil) no controle de áreas vulneráveis", disse Romero.
O ministro lembrou que o Brasil 176 radares instalados em 32 anos. Bolívia espera ter 20-30 radares para rastrear aviões utilizados para o transporte de drogas.
.la-razon.com..SNB

Alegações do governo de que o Chile considera soldados bolivianos como civis


O governo informou ontem que os três soldados do Exército boliviano, sob custódia, enquanto Iquique, são processados ​​na forma ordinária, no Chile, o que coloca uma resolução de decisões da Suprema Corte que regem as convenções e do direito internacional.  
Os três soldados, Claudio Alex Choque Quispe (20), Augusto Cardenas Garcia (19) e José Luis Choque Fernandez (18) - foram presos pela polícia chilena na fronteira em 25 de janeiro, quando um veículo em situação irregular guardando fingindo ser introduzidas por contrabandistas do país.
"Estados lei internacional que quando um Estado entra em ação, a acusação contra determinadas pessoas e qualquer disputa deles decorrentes devem ser esclarecidas no campo do direito internacional", disse o ministro da Defesa, Ruben Saavedra, o programa é o povo notícias, que transmissão de rádio e televisão estatal.
No entanto, disse ele, em 2012, o Auto do Chile Suprema emitiu um Supremo que prevê que quando um tropas estrangeiras foram recuperados em um território etapa chilena sem autorização, deve ser submetido à justiça chilena e civil.
 A acusação apresentou acusações no país de posse ilegal de armas de guerra e de renda não está habilitado por um passo contra os três soldados, crimes que carregam uma pena de cinco a 20 anos de prisão.
"A regra básica é que uma norma nacional não se sobreponha a uma convenção, uma convenção, um tratado internacional", disse o vice-chanceler por sua vez o ministro Juan Carlos Alurralde, entrevistado no mesmo programa.
Direito. O Chile se prevalecer Auto disse Supremo Tribunal viola o artigo 14 da Carta da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Resolução 25 do órgão, em 1970, acrescentou.
Os favores primeira "solução pacífica de qualquer situação, independentemente da sua origem (...) que pode prejudicar o bem-estar geral ou às relações amistosas entre as nações".
Enquanto Resolução 25 - "Declaração dos Princípios do Direito Internacional relativos às Relações de Amizade e Cooperação entre os Estados" - afirma que eles "resolver suas controvérsias internacionais por meios pacíficos, de tal forma que não ponha em perigo ou paz e segurança internacional e da justiça. (...) ".
Ele também diz que "os Estados têm o dever de cooperar uns com os outros, independentemente das diferenças em sua política, econômica e social, nas diversas esferas das relações internacionais, a fim de manter a paz ea segurança (...).
O que aconteceu em 25 de janeiro para a Política Externa da Bolívia Ministério uma linha diplomática. "Houve uma transferência involuntária de fronteira no combate ao contrabando e isso deve ser esclarecida e resolvida por meios diplomáticos, mas referem-se soldados bolivianos das forças armadas a justiça civil é uma flagrante violação de padrão internacional", disse Alurralde.
 Saavedra, por sua vez, alegou que podem ser julgados os três soldados e civis e os acusam de posse ilegal de armas de guerra-FAL fuzil tinha um quando foi detido, quando as tropas das forças armadas de qualquer Estado do mundo são autorizada a portar armas.
Violação. "Aqui deve ser o Chile se tornar conhecido através de canais diplomáticos, que circunstância o Estado boliviano (parar) e se o Estado boliviano não tinha respondido, ele teria o direito de recorrer aos órgãos de solução de controvérsias", disse ele.
"Mas o que aconteceu, ele acrescentou, é que o Estado chileno atribui competência de um tribunal para o julgamento de nossos três soldados.Aparentemente, em que o processo estaria procurando juiz ordinário as ações do Estado boliviano, porque os nossos soldados não estavam agindo a título pessoal, estavam em uma missão que lhes foi confiada pelo Estado boliviano ".
A autoridade também observou que o país vizinho, neste caso, violou três acordos específicos para combater o contrabando.
Um acordo bilateral de 1937, em que ambos os países a tomar a decisão de combater o contrabando, o que eles definem como um crime internacional, e se comprometem a cooperarse. O Contrato de Assunção, assinado no âmbito do Mercosul, em que seus membros estão comprometidos com cooperarse no combate ao tráfico ilegal de veículos (1999) e um acordo de 2008 assinado entre a polícia boliviana e de Carabineiros do Chile com a mesma finalidade.
O medo, no caso da Bolívia uso político
Bolívia governo teme que o Chile está fazendo uso político da captura e acusação contra três soldados do Exército. O suspeito foi feita pelo ministro da Defesa, Ruben Saavedra, e vice-chanceler Juan Carlos Alurralde As pessoas no programa é notícia, emitindo Patria Nueva rede e TV estatal.
"A partir da leitura preliminar é que estamos tentando fazer uso político do caso, política interna no Chile. Não sei se para distrair a opinião pública ou de outra forma ", disse o primeiro.
Alurralde, por sua vez, mostrou o memorando apresentado pela chancelaria chilena com o cônsul da Bolívia em Santiago, Ramiro de La Fuente, que em seu último parágrafo, diz que "O Ministério dos Negócios Estrangeiros, juntamente com a conhecer estes fatos está pronto para dar solução rápida e expedita evita a solicitação de repetir situações hostis que destroem normal que deve prevalecer em uma relação bilateral ".
Esta configuração inicial, para resolver o incidente na fronteira, por via diplomática, disse o vice-ministro das Relações Exteriores contradiz os desenvolvimentos. Soldados bolivianos são presos e o tribunal ordenou sua prisão rejeitou um recurso apresentado pela defesa dos três soldados.
"Essas questões nos preocupam e nos fazem imaginar uma espécie de retaliação. Parece que isso resultaria em uma espécie de retaliação porque a Bolívia é a primeira vez em uma estratégia ferroviário, sério e crédito marítimo calculado ", disse ele.
la-razon.com..SNB

Bolívia: libertação de militares no Chile é questão de Estado


O governo boliviano afirmou neste sábado que se tonou em uma "questão de Estado" conseguir a libertação dos três soldados detidos no Chile desde 25 de janeiro após ingressar no território do país levando um fuzil.
O ministro da Presidência, Juan Ramón Quintana, declarou neste sábado que o Executivo boliviano está fazendo gestões "em diferentes âmbitos institucionais para libertar os três soldados".
"Para nós é uma prioridade de Estado a libertação dos três soldados, se transformou em uma questão de Estado", disse Quintana aos meios de imprensa.
Os três membros do Exército da Bolívia foram detidos no final de janeiro no setor de Colchane, na região de Tarapacá, levando um fuzil, e posteriormente foram transferidos em um helicóptero à cidade nortista de Iquique.
Há dois dias um tribunal chileno rejeitou o recurso de amparo em favor dos três soldados, que se encontram reclusos no Complexo Penitenciário de Alto Hospicio.
O Governo da Bolívia dizem que os soldados realizavam um operacional de luta contra o contrabando de veículos imigrantes ilegais quando foram detidos pelos Carabineiros do Chile.
Quintana disse que se reuniu com os parentes dos militares, que expressaram preocupação pelo ocorrido.
"As famílias estão preocupadas, mas também estamos trabalhando para que os soldados retornem às suas casas", acrescentou.
O chanceler boliviano, David Choquehuanca, disse na sexta-feira que as autoridades do país não ficarão "com os braços cruzados".
Choquehuanca disse que apelará ao tribunal que negou o recurso de amparo e acrescentou que "se for necessário", empreenderão "uma ação internacional" contra o Chile por quebrar acordos de cooperação mútua e outras normas internacionais.
O incidente agravou a deterioração das relações destes países, que se distanciaram desde o anúncio do presidente boliviano, Evo Morales, em março de 2011, que processará o Chile perante uma corte internacional para tentar a restituição da saída soberana ao oceano Pacífico que perdeu em uma guerra de fins do século XIX.
Agencia EFE..SNB

Força Aérea francesa bombardeia centro de Gao, no norte do Mali


As forças armadas francesas lançaram nesta segunda-feira uma série de ataques aéreos na cidade malinesa de Gao, no norte do país, e que no domingo foi palco de uma invasão islamita, informaram à Agência Efe fontes das forças de segurança malinesa na capital, Bamaco. Os helicópteros franceses fizeram ataques contra uma delegacia onde um grupo de homens armados havia se fortalecido.
Testemunhas afirmaram que no começo da manhã o prédio havia sido destruído e que os tiroteios esporádicos na região haviam se intensificado. Fontes hospitalares indicaram que houve muitos mortos entre os islamitas, mas sem fornecer números.
Além disso, foi ouvida uma forte explosão nos arredores de Gao pouco depois do amanhecer, mas não há informações sobre a causa.
Um professor de Gao, Garba Maiga, afirmou que a situação atual é "muito complexa", já que apareceram na cidade franco-atiradores do grupo Monoteísmo e Jihad na África Ocidental (Mujao) e os moradores não se atrevem a sair de casa.A cidade ficou sem eletricidade, as ruas estão abandonadas, o mercado de frutas e verduras está fechado e as poucas lojas que abriram suas portas estão com estantes quase vazias. Um contingente de reforço de cerca de 500 gendarmes malineses chegou ontem para apoiar os soldados locais e aos militares franceses que já estão em Gao.
A deterioração repentina da situação na cidade do norte do Mali, que havia se libertado da presença islamita em janeiro, motivou as forças francesas a retirar um grande número de jornalistas de várias nacionalidades que trabalhavam na região. Um fotógrafo malinês confirmou à Agência Efe que os jornalistas foram levados de helicóptero ontem à tarde.Na sexta-feira passada, um suicida em uma moto explodiu a bomba que levava nos arredores de Gao, o que feriu um militar malinês. Na noite de sábado, os soldados locais mataram a tiros um indivíduo que usava explosivos presos à cintura.
Na sexta-feira passada, um suicida em uma moto explodiu a bomba que levava nos arredores de Gao, o que feriu um militar malinês. Na noite de sábado, os soldados locais mataram a tiros um indivíduo que usava explosivos presos à cintura.
 Agencia EFE -SNB

Arquivo do blog segurança nacional