Wikipedia

Resultados da pesquisa

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

EUA vão desenvolver embarcações não tripuladas para caçar submarinos


O Ministério da Defesa dos EUA pretende usar embarcações não tripuladas para caçar submarinos a fim de proteger suas águas territoriais.

Essas embarcações completamente robóticas patrulharão automaticamente a costa e, no caso de identificar um submarino estrangeiro, o perseguirá até que esse se afaste a uma distância segura. Entretanto, o navio não tripulado não será armado e não se esconderá do seu rival.
Tal embarcação será capaz de trabalhar em modo offline até 80 dias e percorrer mais de 6000 quilômetros sem reabastecimento.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Irã entrega a Gaza tecnologia de produção de mísseis


O comandante da Guarda Revolucionária do Irã, general Mohammad Ali Jafari, declarou que os militares iranianos entregaram a militantes da Faixa de Gaza a tecnologia para a produção de mísseis de longo alcance, mas não os forneceram, informa a Associated Press, citando a imprensa local.

Anteriormente, Israel tinha acusado o Irã de fornecer mísseis à Faixa de Gaza, usados pelos combatentes contra o Estado judeu. Teerã negara essa informação mas, em seguida, o líder do grupo palestinoJihad Islâmica, Ramadan Shallah, reconheceu que os seus militantes adquiriram armas iranianas com financiamento iraniano
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Plataforma de petróleo infla saldo da balança


RAQUEL LANDIM - O Estado de S.Paulo
As exportações de três plataformas de petróleo estão ajudando a dar fôlego extra para a balança comercial. As operações representaram vendas externas de quase US$ 1,5 bilhão, mas, na prática, são apenas contábeis, porque as plataformas nunca deixaram o Brasil.
As plataformas de petróleo são adquiridas de fornecedores brasileiros pela subsidiária da Petrobrás na Holanda e depois internalizadas novamente no País como se estivessem sendo "alugadas" através do regime aduaneiro especial Repetro.
As operações são legais e obedecem a uma instrução normativa da Receita Federal. No jargão técnico, são exportações "fictas", que ocorrem apenas contabilmente. O objetivo é economizar no pagamento de impostos.
O Repetro permite que as petroleiras importem determinados bens livres de tributos por um determinado período de tempo. Ao utilizar o Repetro em vez de adquirir diretamente no Brasil, a Petrobrás economiza o pagamento de PIS, Cofins e IPI sobre as plataformas.
De acordo com a Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério do Desenvolvimento, foram exportadas plataformas nos meses de fevereiro, (US$ 405 milhões), outubro (US$ 382 milhões) e novembro (US$ 670 milhões). O valor total envolvido é de US$ 1,456 bilhão.
Não é a primeira vez que isso ocorre. No ano passado, também foram exportadas três plataformas de petróleo, que somaram US$ 1,043 bilhão. Em 2008, outras três entraram nas estatísticas por US$ 1,485 bilhão. Em 2009 e em 2010, não houve exportações desse tipo.
Por meio de nota, a Petrobrás diz que a exportação de plataformas para sua subsidiária na Holanda é "procedimento de rotina e uma condição para a aplicação do Repetro". A estatal diz que os valores "estão de acordo com os praticados pelo mercado".
Saldo. O problema é que essas operações inflam o saldo da balança. As plataformas de petróleo são registradas como exportações, mas, como voltam ao País como "admissão temporária de bens", não aparecem nas estatísticas de importação.
Até a terceira semana de novembro, o País registrou superávit de US$ 17,31 bilhões, queda de 35,2% em relação ao mesmo período em 2011. Sem as plataformas de petróleo, esse valor cairia para US$ 15,85 bilhões. Se também for descontado o atraso no registro de importações de petróleo, o superávit ficaria em apenas US$ 9,85 bilhões.
O Estado mostrou recentemente que cerca de US$ 6 bilhões em importações de petróleo e derivados feitas pela Petrobrás estavam com o registro atrasado até o fim de outubro. Após a publicação da reportagem, as importações de combustíveis tiveram um salto, o que pode compensar parcialmente esse valor até o fim do ano.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Brasileira Avibrás fecha contrato de US$ 400 milhões com a Indonésia


ROBERTO GODOY - O Estado de S.Paulo
A versão mais avançada do lançador de foguetes de artilharia Astros-2, vai equipar batalhões especializados do Exército da Indonésia. Há duas semanas, em Jacarta, a Avibrás Aeroespacial, de São José dos Campos (SP), assinou o acordo comercial para fornecer pouco mais de US$ 400 milhões - cerca de R$ 800 milhões - em unidades do sistema de armas.
O contrato é amplo: envolve dois grupos completos do Astros - carretas lançadoras, blindados de comunicações, comando e controle, e viaturas para o radar de coordenação, junto das centrais de meteorologia.
O tamanho exato do pacote está protegido por cláusula de confidencialidade. No entanto, o número é estimado em 40 veículos. O sigilo protege também as especificações do tipo de munição escolhido. O sistema emprega foguetes com alcance entre 9 e 100 quilômetros. Os modelos maiores, SS-60 e SS-80, podem receber ogivas múltiplas, levando até 70 pequenas granadas, dispersadas sobre o alvo.
A versão selecionada pelos indonésios é a Mk-6, a mais avançada do portfólio da Avibrás. Ainda não é a série 2020, definida pelo Exército brasileiro, e que utilizará misseis de cruzeiro para atingir objetivos a 300 quilômetros, além de um foguete guiado com possibilidade variada de configuração. O programa é prioritário no Ministério da Defesa, incluído no PAC-Equipamentos pela presidente Dilma Rousseff. Foram liberados R$ 45,3 milhões para a fase inicial. O custo total é de R$ 1,09 bilhão.
O Astros da Indonésia sairá da fábrica com pesada carga eletrônica. Isso permitirá a futura incorporação da nova munição inteligente que cumpre atualmente as etapas de certificação - é o caso do míssil, por exemplo.
Para o ministro da Defesa, Celso Amorim, "o negócio mostra a importância de o Brasil dedicar-se ao trabalho com novos protagonistas e parceiros". Para Amorim, "a Indonésia tem grande importância no contexto mundial e já adquiriu aviões Super Tucano da Embraer". A aviação de Jacarta adquiriu 16 turboélices, no arranjo de ataque leve, vigilância eletrônica e apoio à tropa terrestre.
Concorrência pesada. Para cumprir o contrato, a Avibrás vai instalar um escritório técnico na capital indonésia. É o segundo da empresa na região. O primeiro é o de Kuala Lumpur, na Malásia, país onde o Astros faz parte de um comando estratégico desde 2010. A encomenda do exército malaio bateu em R$ 500 milhões.
"A concorrência na Indonésia foi muito pesada", diz o presidente da empresa, Sami Hassuani. A negociação começou em 2008 e exigiu "agilidade e prova de capacidade técnica o tempo todo". O resultado, entretanto, é bastante bom. Sami estima que os documentos finais serão firmados em no máximo 90 dias e as entregas finalizadas em três anos, "mas a convivência com o cliente vai se estender por até 30 anos".
Esse tempo, no entendimento do mercado de equipamento militar, é o que é dedicado ao aperfeiçoamento tecnológico, encomendas suplementares e sobretudo ao atendimento da abertura de novas parcerias. O impacto da encomenda indonésia será grande no polo industrial de São José dos Campos. Na Avibrás, já se sabe, serão criadas 300 empregos diretos - e 600 outros na cadeia dos fornecedores, quase todos da região do Vale do Paraíba.
A assinatura do protocolo inicial foi no dia 8, em Jacarta, pelo diretor da Agência de Aquisições do Ministério da Defesa indonésio, Ediwan Prabowo, e por Sami Hassuani. Dois dias depois, o presidente do país, Susilo Bambang Yudhoyono, viu uma carreta lançadora do Astros, já pintada com as cores do exército local e armada com quatro foguetes SS-80.
A apresentação, na feira de material de defesa Indo Defence, implicou uma operação complexa. A fabricante não tinha um veículo de demonstração. Mandou para a Indonésia uma unidade operacional, de série - um carro de guerra, pronto para o combate.
O prazo era curto. Um jato cargueiro Boeing 747 f0i fretado pela Avibrás para levar toneladas de material por metade do planeta sem risco. Deu certo.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Desesperada batalha para permanecer vivo em Gaza


SEGURANÇA NACIONAL BLOG..CNN

Contrabando de armas para Gaza - o longo caminho


Por Tim Lister e Mohamed Fadel Fahmy
Logo após a meia-noite de 24 de outubro, uma série de explosões sacudiu um bairro na periferia sul da capital sudanesa, Cartum. Em poucos minutos, as chamas para o céu iluminado de tiro da área, eo Yarmouk Complexo Industrial foi consumido pelo fogo.
Testemunhas disseram ter ouvido aviões na área, e uma posterior análise de imagens de satélite revelou seis grandes crateras ", cada uma cerca de 16 metros [52 pés] de largura ... e consistentes com crateras criadas por ar-entregues munições", de acordo com o Sentinel satélite Project, uma organização não-governamental que analisou imagens DigitalGlobe.
Como a fumaça se dissipou no dia seguinte, as autoridades sudanesas culparam Israel pelo ataque aéreo, que destruiu uma grande parte do complexo, incluindo uma fábrica de munições e cerca de 40 contêineres...O Projeto Sentinela por satélite, disse: "Nada permanece do metro-60 [197 pés] edifício, que parece ter sido pulverizado na explosão."
Os israelenses não disse nada. Mas o ataque devastador parece ter sido o último episódio em uma guerra sombria entre Israel e pelo menos dois de seus inimigos: o Irã eo Hamas.
Estados Unidos, as autoridades israelenses e egípcios já suspeitavam que o Irã está usando o Sudão para contrabandear armas e equipamentos para o Hamas, usando uma rota tortuosa pelo ar em Cartum ou num barco, para Port Sudan. Em seguida, as armas iniciar uma longa viagem através leste do Sudão, do outro lado da fronteira com o Egito e através da Península do Sinai para Gaza.
Um funcionário israelense disse à CNN segunda-feira que os mísseis e seus componentes continuam a ser enviados através de túneis do Sinai para Gaza.Ele disse que o Irã estava fornecendo munições, mísseis Grad, mísseis anti-aéreos, de comunicações e de comando e controle de capacidade para o Hamas.
Seus comentários foram repetidos por uma das figuras mais poderosas tribais no norte do Sinai, Ibrahim Menai.
Menai, que supostamente possui vários dos túneis de contrabando que ligam Gaza com o Sinai, disse à CNN na segunda-feira: "As armas que são contrabandeadas para Gaza vêm principalmente do Sudão e da Líbia recentemente durante o vácuo de segurança que se seguiu à revolução no Egito."
"Beduíno que estão envolvidos no contrabando de armas receber as armas do Sudão, em pequenos barcos de pesca através do Mar Vermelho e por terra através do terreno montanhoso acidentado só familiar a eles e são quase impossível interceptar pelas forças de segurança que têm pouco poder sobre a comunidade beduína, ", disse.
"As armas que são contrabandeadas para Gaza são principalmente mísseis Grad, mísseis antiaéreos, e recentemente, durante a revolução líbia, realizada ombro avançado mísseis anti-tanque vieram através", disse ele.
Menai também diz que é muito provável que os de longo alcance Fajr-5 mísseis foram contrabandeados através do lado egípcio, "muito provavelmente escondido entre outras mercadorias que é carregado em caminhões grandes que passam os túneis grandes."
No mês passado, um diplomata iraniano nas Nações Unidas, disse que a alegação de que o Irã está usando o Sudão para abastecer o Hamas com armas era "totalmente infundadas, e nós rejeitamos essas alegações sem fundamento." Sudão também negou "qualquer ligação entre a produção militar do Sudão e partidos estrangeiros", segundo o Ministério dos Negócios Estrangeiros.
Mas em uma entrevista a um jornal do Qatar no início deste mês, o chanceler do Irã ministro Ali Akbar Salehi, disse: "Vamos supor que o Irã estabeleceu uma fábrica de armas no Sudão é esta proibida No âmbito das leis internacionais, se há um país que.? quer comprar armas de nós, estamos prontos. "
A planta Yarmouk foi "designado" pelos Estados Unidos como essencialmente sob o controle do Irã no final de 2006 e, assim, tornou-se alvo de sanções no âmbito da Lei de Não-Proliferação Irã e Síria.
A greve na noite de 24 de outubro foi um dos quatro ataques inexplicáveis ​​ao longo dos últimos três anos, contra alvos no Sudão.
No início da manhã de 2 de maio, um Toyota Prado explodiu nos arredores de Port Sudan, no Mar Vermelho, uma cidade que agências de inteligência ocidentais acreditam que é um ponto crítico na rota do contrabando.Autoridades sudanesas identificou uma das vítimas como Nasir Ahmad Awad Saed, um rico empresário e líder tribal.
Ministro dos Negócios Estrangeiros do Sudão, Ali Ahmad Karti, sugeriu que o carro foi destruído por um ataque aéreo e disse a uma rede pró-governo que o ataque parecia anteriores ataques israelenses. Por Saed teria sido alvejado é claro.
Em um ataque similar em Port Sudan um ano antes, um homem que tinha acabado de chegar ao aeroporto da cidade foi morto. Karti disse na época: "Nós sabemos que era um ataque israelense." Mas ele negou o alvo era um palestino.
E em janeiro de 2009, um comboio de mais de uma dúzia de veículos que viajam entre Cartum e Sudão Porto foi atingida e destruída em um ataque aéreo.
Os sudaneses ministro dos Transportes, Mabrouk Mubarak Salim, disse que logo depois que uma "grande potência bombardeou pequenos caminhões transportando armas, queimando todos eles." Relatos não confirmados no momento disse que os veículos estavam transportando componentes de fabricação iraniana de Fajr-3 mísseis, que têm um alcance de cerca de 65 quilômetros (40 milhas).
Uma revisão de cabos diplomáticos dos Estados Unidos publicados pelo WikiLeaks sugere que os embarques de armas iranianos para Gaza através do Sudão tornou-se um problema em 2007.
No início de 2009, o premiê israelense, Benjamin Netanyahu, disse em uma visita a delegação dos EUA no Congresso: "Os egípcios sabem que o tráfico de armas do Irã corre para o Sudão para o Egipto ..... os egípcios poderiam fazer mais para pará-lo, mas pelo menos agora compreender a extensão da ameaça. "
Ao mesmo tempo, o vice-chefe de pessoal da Defesa de Israel, general Dan Harel, exortou os EUA a prod Cairo para fazer mais, e em breve, porque "o Hamas estava ficando armamento mais sofisticado do Irã, para incluir mais alcance de mísseis ".
Apesar do ataque comboio, persistiu suspeitas de que o Irã ainda estava enviando armas ao Sudão. Em julho de 2009, os Estados Unidos pressionado Jordânia para negar os direitos de sobrevoo para alguns aviões que viajam entre Cartum e do Irã, incluindo alguns operado por uma transportadora privada, Badr Airlines, que é baseada na capital sudanesa.
Quando apresentado com alegações sobre a carga Airlines Badr, o Ministério das Relações Exteriores do Sudão disse que os EUA os vôos "foram limitados a transportar equipamentos e equipamentos agrícolas para fins não-militares de fabricação."
Vizinho não tão útil
Em seus últimos anos no poder, o presidente egípcio, Hosni Mubarak tornou-se visceralmente hostil a crescente influência do Irã na região.
Depois que o último conflito em Gaza, em janeiro de 2009, as autoridades israelenses observou que o Egito tinha desempenhado um papel positivo, mantendo a fronteira de Rafah fechada, sufocando suprimentos para Gaza, que era (e é) já sujeito a um bloqueio marítimo.
Netanyahu disse então que "espera" trabalhar com os egípcios a capacidades ainda mais contundente do Hamas, e parecia que ele tinha um parceiro disposto.
Egito aumentou as patrulhas militares - na terra e no ar - ao longo de sua fronteira com o Sudão. Funcionários da inteligência egípcia disse a diplomatas dos EUA que tinham impedido o Irã de transferência de dinheiro para Gaza para pagar os salários dos lutadores para a ala militar do Hamas.
Mas de acordo com um telegrama enviado em Abril de 2009 da embaixada dos EUA no Cairo, antigo chefe da inteligência egípcia, Omar Suleiman, disse o presidente do Joint Chiefs of Staff EUA, o almirante Mike Mullen, de que o Irã estava tentando recrutar o apoio de tribos beduínas do Sinai para facilitar o contrabando de armas para Gaza.
Um cabo dos EUA enviou à embaixada do Cairo, três meses depois, disse vista Mubarak foi que "a ameaça imediata para o Egito vem de conspirações iranianos com o Hamas (que ele vê como o" irmão "de sua própria mais perigosa ameaça política interna, a Irmandade Muçulmana) para provocar distúrbios em Gaza, mas ele também está preocupado iraniano maquinações no Sudão ".
Mubarak é há muito tempo, ea Irmandade Muçulmana está no poder no Egito.Desde o último conflito eclodiu, o primeiro-ministro egípcio visitou Gaza para expressar solidariedade com o Hamas.
Além disso, o Sinai está muito além do alcance de um estado débil egípcio.
Contrabandistas Sinai burlar segurança
"Esses sistemas de armas estão sendo movidos principalmente por famílias de beduínos do Sinai criminais. Isto é o que eles fazem", diz Matthew Levitt, do Instituto Washington para a Política do Oriente Próximo.
"Para enfrentá-los é algo que o governo central no Egito, o governo Morsy, não quer fazer e pode não ser tudo o que capaz de fazer agora."
Um egípcio nacional oficial de segurança, Osama Emam, disse à CNN segunda-feira que o Egito estava trabalhando duro para conter fornecimentos de armas de ambos Líbia e Sudão.
"Conseguimos nos últimos meses em obstruir caminhões de metralhadoras, mísseis antiaéreos e foguetes que passaram pela fronteira da Líbia no cruzamento Saloum", disse ele.
Mas ele reconheceu que Sinai baseados contrabandistas eram oponentes formidáveis.
"Beduíno tem táticas diferentes, como soltando o ar dos pneus de seu 4 × 4 caminhões, a fim de conter a areia do deserto macio profundo, como evitar auto-estradas", disse ele.
"Não há dúvida de que a dissolução da segurança de Mubarak estado feroz tem dificultado a aderência no Sinai e deu o beduíno mais liberdade do que nunca", acrescentou Emam.
"Alguns meses atrás nós capturou um traficante humano transportando refugiados africanos do Sudão em Sinai, e ele tinha caixas escondidas de mísseis Grad e munições no mesmo caminhão levando os africanos que são vendidos para beduínos no Sinai."
No entanto, Menai, o líder da tribo beduína Swarke, disse que as enormes somas de dinheiro envolvidas no contrabando significava muitos funcionários poderiam ser subornados.
"Os agentes de inteligência militares estacionados no Norte-Sinai fechar os olhos quando se trata do negócio túnel de milhões de dólares, e muitos deles em diferentes fileiras receber subornos", disse à CNN.
Como as mudanças de paisagem regional, o Irã deixou escapar uma pista de que ele não será impedido de voar a sua bandeira no Mar Vermelho. Dentro da quinzena passada, dois navios de guerra iranianos - um porta-helicópteros e destruidor - visitou Port Sudan por cinco dias.
A visita suportado "fortes relações de segurança, política e diplomática." um porta-voz militar sudanês disse.
Atuar de Estado dos EUA voz do Departamento de Mark Toner, disse: "É difícil para nós saber o que os detalhes são desta visita agora ... Certamente estaríamos em causa."
Assim foram os sauditas. Port Sudan olha para fora em uma rota marítima vital para a Arábia exportações de petróleo bruto.
O mais recente conflito entre o Hamas e Israel, e como e quando ele termina, é apenas uma peça em um quadro regional que se torna mais complexa e de combustível a cada semana que passa.
CNN..SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Erupções de violência entre palestinos, israele


CNN) - Quando eu visitar Jerusalém e na Cisjordânia, eu freqüentemente perguntar jovens árabes sobre as suas opiniões sobre o Hamas . Em quase todas as discussões, os cristãos e muçulmanos se recusam a rotular o Hamas como uma organização "terrorista". Quando eu levantar críticas do Hamas e sua segmentação de civis inocentes, nunca os meus comentários registar. As respostas são alguma variação de "Israel tomou sobre as nossas terras e mataram milhares de civis árabes ao longo dos anos. Hamas só é resistir à ocupação e lutar por nossos direitos."
Eu ouço sentimentos semelhantes no Egito, Arábia Saudita e até mesmo não-árabe Paquistão. Al-Jazeera em árabe dá destaque para o popular egípcio Irmandade Muçulmana clérigo Yusuf al-Qaradawi, que tem repetidamente chamado de atentados suicidas contra israelenses não o terrorismo, mas "martírio". Ele argumenta que, desde que todos os israelenses servir no exército, eles não são civis. Mesmo as crianças, ele vilmente argumenta, não são inocentes. Eles iriam crescer para servir nas forças armadas.Qaradawi não está sozinho.
Eu posso citar dezenas de clérigos muçulmanos, formuladores importantes da opinião pública em uma região dominada pela religião, que prontamente condenar atos de terrorismo contra o Ocidente, mas se calam quando se trata de condenar o Hamas ou a Jihad Islâmica. Simplificando, o apoio à resistência violenta contra Israel entre os países árabes e de maioria muçulmana - incluindo aliados dos Estados Unidos, como Qatar, Arábia Saudita, Egito, Turquia, Tunísia - continua popular.Opinião: Como esta poderia ser a última guerra em Gaza
Ed Husain
Ed Husain
Benefícios do Hamas de que o apoio. De radical Irã a moderar a Tunísia, o primeiro-Hamas-ministro Ismail Haniyyeh foi recebido por vastas multidões torcendo durante as visitas este ano.
Em um novo Oriente Médio, onde a opinião pública é mais importante do que nunca, para exigir que as pessoas condenam o Hamas é uma impossibilidade política. Isso não vai acontecer. Conversa de Israel, do Hamas, o terrorismo não conseguiu convencer as massas árabes e muçulmanos. E pior, o rótulo de "terror" perde sua importância quando populações inteiras, essencialmente, não vejo nada de errado com atividades violentas do Hamas.
Em suma, a estratégia de Israel não foi capaz de conquistar corações e mentes muçulmanos. No longo prazo, não pode continuar a contar com superioridade militar e apoio do Ocidente em face da hostilidade popular. Israel é um país no Oriente Médio, e que precisa encontrar um lar e local entre seus vizinhos cada vez mais democráticas. As velhas idéias de "não falar com os terroristas" não são apenas estrategicamente fútil, mas também não é verdade.
A fim de garantir a libertação de seqüestrado o soldado israelense Gilad Shalit, israelenses (em capacidades oficiais e não oficiais), negociado com o Hamas. Apesar da arrogância do governo de Netanyahu sobre se recusar a negociar com o Hamas, agora, garantir um cessar-fogo envolve fazer exatamente isso com a ajuda do novo governo do Egito islâmico.
Ser fã de CNNOpinion
Mantenha-se atualizado sobre as últimas opinião, análise e conversas através de mídias sociais. Junte-se a nós noFacebook / CNNOpinion e siga-nos no Twitter @ CNNOpinion . Congratulamo-nos com as suas ideias e comentários. 



No passado, Israel se recusou a falar com a OLP e Yasser Arafat, e em 1988, apesar da intransigência de Israel, os Estados Unidos abriram um diálogo com a OLP e, assim, ajudou a conduzir a organização a sua política não-violentos hoje. Exemplos similares abundam na história recente da África do Sul, onde Margaret Thatcher uma vez chamou o Congresso Nacional Africano e os terroristas Nelson Mandela, para o Sinn Fein da Irlanda do Norte.
Em suma, quando os cálculos políticos mudar, as ações dos terroristas são alterados. Para que não esqueçamos, George Washington foi rotulado de terrorista pelos britânicos. Mas esse rótulo realizado pouco peso em meio a sua base de apoio na América.
Rockets cair perto de mídia de construção em Gaza
Pode uma guerra terrestre na Faixa de Gaza pode ser evitado?
Anderson Cooper: Nenhum sinal de calma ainda
Hoje, as etiquetas de Israel de terrorista não significa nada para o povo da região. Recém-habilitadas, as suas opiniões e atitudes. Matéria Israel não pode continuar a nadar contra a maré. Para sua própria segurança, para fortalecer os interesses dos Estados Unidos na região e mostrar reconhecimento das mudanças que estão varrendo todo o Oriente Médio, Israel precisa mudar. Ele deve falar diretamente com o Hamas. O jogo é mais antiga. Hamas está aqui para ficar. Em 2004, Israel matou seu fundador Ahmed Yassin, e seu sucessor, Abdel Aziz Rantisi Rantissi e agora o chefe de seu braço militar,Ahmed al-Ja'abar , cada vez prometendo enfraquecer o Hamas, apenas para vê-lo voltar mais forte. Esses erros não podem ser repetidos novamente.
Para exigir que o Hamas abandonar a violência, alterar seu estatuto, ou reconhecer Israel não é o início, mas deve ser o resultado final de um processo de paz que constrói confiança ao longo de um período de tempo.Para impor essas condições prévias e, assim, excluir o Hamas, ao mesmo tempo, negligenciar o governo do Fatah na Cisjordânia, é dar uma mensagem clara para os árabes que nenhuma estratégia (o da Fatah ou do Hamas) é do agrado de Israel. Arrogância percebida como mais aliena populações em países importantes como a Turquia eo Egito, para não mencionar os palestinos.
Os Estados Unidos precisam dessas novas democracias emergentes do seu lado. Melhores relações com 300 milhões de árabes ajuda a proteger Israel também. Uma América mais forte na região é uma boa notícia para Israel. A pequena nação de sete milhões não pode ser permitido danificar os laços entre 360 ​​milhões de americanos e 300 milhões de árabes. Por outro lado, os árabes têm o dever de reconhecer Israel como lar para os filhos de Abraão, os descendentes de Moisés.
Em todo o mundo árabe, da Tunísia ao Iêmen, estamos testemunhando tumulto eo surgimento de organizações salafistas violentas. Ataques contra embaixadas dos EUA recentemente, serviu como um poderoso lembrete das forças que estão sendo desencadeadas. Israel pode ajudar a si mesmo, seus vizinhos e os Estados Unidos por pelo menos terminando suas velhas táticas de guerra e abraçando o plano de paz árabe oferecido desde 2002 pela Arábia Saudita e aprovado pela Liga Árabe. É hora de Israel de agir como a democracia que afirma ser e acabar com o cerco de Gaza e da ocupação da Cisjordânia.CNN..SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Cofre' salva família de foguete

..segurança nacional blog cnn




Arquivo do blog segurança nacional