Wikipedia

Resultados da pesquisa

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

OPERAÇÃO AMAZÔNIA - Imagens com microcâmeras mostram visão dos pilotos em reabastecimento em voo


Pilotos e equipes de manutenção da Força Aérea Brasileira realizaram nesta quarta-feira (19/09) missões de reabastecimento em voo durante a Operação Amazônia, no Norte do país. Até o fim do mês, militares das Forças Armadas treinam ações conjuntas em uma área que inclui os Estados do Amazonas, Pará, Acre e Rondônia.
O reabastecimento é a única situação em que o avião entra em contato com outro durante o voo. Em vídeo produzido pela Agência Força Aérea, veja imagens exclusivas captadas por microcâmeras instaladas no capacete de um piloto de caça durante um reabastecimento.
Para entender um pouco a complexidade do procedimento, imagine como seria abastecer um carro em movimento. Aeronaves reabastecedoras decolaram do Rio de Janeiro e de Porto Velho, em Rondônia, para missões de treinamento nas proximidades de Tefé, no Amazonas. Do Rio de Janeiro decolaram caças A-1 do Esquadrão Adelphi, e sua aeronave reabastecedora, um KC-137 do Esquadrão Corsário. De Porto Velho, decolaram aviões F-5, do Esquadrão Pacau e um KC-130 do Esquadrão Gordo.
O Chefe de Operações da Força Aérea Componente (FAC 104), responsável pela coordenação e emprego das aeronaves durante a Operação Amazônia, Tenente-Coronel-Aviador José Stumbo Neto, ressaltou que o procedimento é uma ferramenta estratégica para a defesa do país. "Com o reabastecimento em pleno voo, os caças ganham mais autonomia e podem alcançar qualquer ponto do país", explica ele que está em Manaus.
Para reabastecer, os caças se aproximam da aeronave reabastecedora e reduzem a velocidade. Em seguida, o avião "tanque" libera uma mangueira de 12 metros que se conecta ao probe, espécie de haste que fica do lado superior direito do piloto de caça. O combustível é transferido por meio da conexão.
Os KC-130, por exemplo, têm 14 horas de autonomia e o combustível ocupa as asas, os tanques externos e dois internos, com capacidade de 6.520 litros. O KC-130 pode cruzar o Oceano Atlântico e percorrer os quase 6.000 quilômetros entre Recife (PE) e Lisboa, em Portugal.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Segundo caça chinês de quinta geração


No futuro próximo, podemos esperar novas informações sobre o caça chinês que está sendo desenvolvido pela Shenyang Aircraft Corporation (SAC), bem como o reconhecimento oficial da existência desse avião. Isso, provavelmente, será seguido de notícias triunfais de seu primeiro voo.
Da mesma forma, ocorreu a divulgação de informações sobre o caça chinês J-20, que foi desenvolvido pela Chengdu Aircraft Industry Group (CAC). Ambas as empresas são parte da Aviation Industry Corporation of China (AVIC). Portanto, os dois aviões de quinta geração chineses, o mais provavelmente, não copiam um ao outro, mas se complementam.
A julgar pelas fotos disponíveis, o avião J-21 é menor, e portanto mais leve, que o J-20. Sobre oJ-20 tem sido sugerido que ele tem um grande compartimento interno de armas e é uma aeronave de ataque. Assim, o J-21 é mais provavelmente um caça concebido para se basear em porta-aviões.
Se a informação sobre a existência do J-20 for finalmente confirmada, a China será o único país do mundo realizando em paralelo dois programas de desenvolvimento de aviões de quinta geração. Nem os Estados Unidos nem a Rússia se permitiram tal magnitude, e a UE nem sequer está desenvolvendo caças avançados.
No entanto, a China não possui uma tecnologia-chave necessária para tais aviões – ela não é capaz de produzir motores modernos para aeronaves. Mesmo para o caça de quarta geração, que constitui hoje a base da Força Aérea chinesa, a maioria dos motores são comprados da Rússia. O caça chinês J-11B, como regra, utiliza o motor AL-31F, e o caça J-10 utiliza o AL-31FN. É, portanto, provável que os novos aviões chineses também ultilizem motores russos.
A existência de dois protótipos de caças de quinta geração é, para a China, uma razão legítima para estar orgulhosa. Mas é possível que seus testes e solução de problemas se arrastem por um longo tempo e exijam o recurso da ajuda externa.
segurança nacional blog

Arquivo do blog segurança nacional