Wikipedia

Resultados da pesquisa

domingo, 12 de agosto de 2012

Grupo de VANTs submeteu-se ao homem


A empresa Boeing demonstrou o seu sistema avançado de controlo de veículos aéreos não tripulados (VANT), realizado com base em tecnologia de swarm (enxame).

Pela primeira vez, um operador em terra, usando apenas um computador portátil e uma radioemissora militar, conseguiu dirigir VANTs que funcionam de forma autônoma. Tal controle de veículos militares mudará radicalmente as táticas de guerra.
Atualmente, os VANTs são dirigidos a partir de certos pontos terrestres e aéreos, o que exige bastante tempo para coordenar as tarefas. No futuro, os soldados só precisarão de estabelecer metas e utilizar as capacidades dos veículos de combate não tripulados.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Israel testa sistema de SMS-avisos sobre ataques com mísseis


Israel começou os testes do sistema de SMS-avisos sobre ataques com mísseis.

Os avisos serão divulgados em quatro idiomas: hebráico, russo, árabe e inglês. Segundo escreve o Jerusalem Post, os avisos poderão ser enviados aos habitantes de diversas regiões, partindo do supostio itinerário de vôo do míssil.
O sistema esteve em fase de elaboração durante vários anos. Seu lançamento protelou-se, porque o Ministério da Defesa de Israel não podia chegar ao entendimento com os operadores da comunicação celular, mas, ao que tudo indica, conseguiu vencer as divergências.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Uma nova guerra no Sinai?


A crise na Península do Sinai está preocupante. O Egito enviou tropas para o Sinai a fim de realizar operações em grande escala contra os extremistas radicais. Israel está assistindo passivamente a revisão dos acordos de paz de Camp David, quando, nesta semana, os rebeldes já tinham feito a primeira tentativa de invadir o seu território.

O exército egípcio está varrendo a Península do Sinai de grupos radicais. Está sendo planejada a operação para destruir os rebeldes nas montanhas. Para realizá-la, foram transferidas urgentemente para o local tanques, aviões e lançadores de foguetes.
Já foram eliminados mais de 50 rebeldes, o mesmo numero deles foi preso. Eles são suspeitos de ataques aos postos de controle do exército e assassinato de 16 soldados. Autoridades egípcias afirmam que rebeldes têm ligações com Al-Qaeda.
Quando o presidente era Hosni Mubarak, o Cairo, mais ou menos, controlava a situação no Sinai, afirma o presidente do Instituto do Oriente Médio e Israel, Evgueni Satanovsky. Depois de derrubá-lo, a situação ficou fora de controle:
“Depois da Primavera árabe, após a queda do regime de Mubarak, não há controle no Sinai. Sinai se tornou uma área de anarquia. A libertação de prisioneiros após a derrubada de Mubarak fez com que milhares e dezenas de milhares de terroristas islamitas e elementos criminosos ficassem fora do controle do sistema egípcio de detenção. Tráfico de armas no Egito no momento é absolutamente livre, dezenas de milhares e centenas de milhares de armas estão espalhadas por todo o país no mercado interno. Entre este armamento estão os sistemas de mísseis antitanques que permitem abater aviões. Hamas estabeleceu no Sinai a sua rede de bases de apoio para ataques terroristas contra Israel.”
Muitos destes grupos, na semana passada, declararam contra o Cairo uma guerra de guerrilha. O presidente egípcio, Mohammed Mursi, prometeu restaurar a ordem na península. Seus oponentes não acreditam nele. A transferência de tropas para o Sinai, através do Canal de Suez é um argumento forte na disputa. No entanto, quando e com que resultado vai terminar a operação militar, ninguém é capaz de prever, além disso, o controle real da situação só é possível no caso da cooperação com os serviços de inteligência israelenses. Quando Hosni Mubarak era presidente,o controle estava presente, mas agora é minimizado. O seguinte episódio, por exemplo, é evidência disso. A inteligência israelense teve a informação de que os rebeldes iriam, em carros blindados, realizar ataques contra Israel após capturarem um posto de controle na fronteira egípcia. Como resultado, a Força Aérea Israelense destruiu rebeldes a 50 metros da fronteira. Enquanto os militares egípcios estavam totalmente despreparados para este ataque.
Cooperação com Israel na esfera de segurança, obviamente, pode ajudar ao presidente do Egito a sair do "impasse de Sinai." No entanto, é provável que a Irmandade Muçulmana não permita que o seu candidato coopere com os "inimigos sionistas", concluindo, por exemplo, com ele alguns acordos informais.
Se Israel de repente decidir estender primeiro a mão para o Egito, então, em troca, ele vai colocar suas próprias condições, diz o chefe do Centro de Estudos Árabes do Instituto de Estudos Orientais da Academia de Ciências Russa, Bagrat Seyronyan:
“Depois da revolução do Egito, em janeiro do ano passado, especialmente após a chegada à presidência do islamita, foram feitas algumas declarações muito duras contra Israel, após os quais as relações com este evidentemente ficariam piores, comparando com o período de Mubarak. Israel gostaria de ter alguma pressão sobre o novo governo egípcio, para confirmar, pelo menos, os acordos que foram alcançados durante o regime anterior. Parece-me que este fator seja, naturalmente, importante.”
Israel, evidentemente, está interessado no mais rápido restabelecimento do controle sobre o Sinai por parte do Cairo. No entanto, as forças conservadoras de Israel ainda não disseram a sua última palavra sobre a transferência de soldados egípcios e armas pesadas na área. Na verdade, até 1973 Sinai tinha sido ocupado por Israel e os Acordos de Camp-David o obrigaram a retirar suas tropas de lá. Agora, o lugar dos israelenses ocupam soldados egípcios, por isso podemos esperar uma reação dura do Tel-Aviv contra isso.
É claro que os extremistas radicais atingiram o que queriam i.e. conseguiram provocar uma grave crise nas relações entre Egito e Israel, afirma o perito do Instituto de Estudos Orientais da Academia de Ciências Russa, Boris Dolgov. Ele prevê que o desenvolvimento da situação será seguinte:
“A tensão e a incerteza da situação na Síria vão continuar, os confrontos continuarão. Isso cria dificuldades para Israel, com os radicais islâmicos que tentaram reingressar no território. É possível falar sobre o crescimento de uma ameaça direta contra os serviços de inteligência egípcios e o exército, porque os radicais islâmicos encaram o exército do Egito como o seu adversário.”
Na mesquita do Cairo, Al-Rashdan, onde se despediam com os policiais mortos no posto de controle, Rafah, quase que explodiu uma revolta espontânea da população. Ao chegar na cerimônia, o Primeiro-ministro Hisham Kandil, foi atacado pela multidão e se retirou rapidamente. Jogaram nele sapatos que é o indicador do mais alto grau de desprezo no mundo muçulmano. E em seguida, foram ouvidas maldições contra a Irmandade Muçulmana.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

China Afirma Reivindicação do Mar com a política e Navios

Haikou, China - A China não quer controlar todo o Mar da China Meridional, diz Wu Shicun, o presidente de uma pesquisa patrocinada pelo governo instituto aqui dedicado a esse canal estratégico, cujo leito se acredita ser rico em petróleo e gás natural. Ele quer apenas 80 por cento.O Sr. Wu é um político de cabelos prateados com um gosto de pinturas a óleo europeus e mobiliário fino. Ele é também um defensor agressivo e efetivo para a reivindicação de longa data de Pequim em grande parte do Mar da China do Sul em uma disputa cada vez mais dividido com vários outros países na região que está atraindo os Estados Unidos mais profunda para o conflito.
China estabeleceu recentemente um maior guarnição do exército e expandiu o tamanho de uma legislatura ostensivo para governar um pedaço de terra, conhecida como Ilha Yongxing, mais de 200 quilômetros a sudeste de Hainan. O objetivo desse movimento, o Sr. Wu disse, é permitir que Pequim para "exercer a soberania sobre todos os recursos de terra no interior do Mar da China Meridional", incluindo mais de 40 ilhas "que agora estão ocupadas ilegalmente" pelo Vietnã, Filipinas e Malásia.
Nas últimas semanas, a China tem aumentado regularmente a sua pressão, o envio de patrulhas com navios maiores e emissão de avisos persistentes em controladas pelo governo jornais de Washington para parar de apoiar os seus amigos asiáticos contra a China.
A liderança em Pequim parece ter fixado para o Mar do Sul da China como uma forma de mostrar o seu público interno que a China é hoje uma potência regional, capaz de obter o seu caminho em uma área há muito tempo considerada legitimamente a sua própria. Alguns analistas ver as ações reacendeu-se como um desvio a partir da transição de liderança que vem uma vez por década-a, deixando a mostra a força do governo em um momento potencialmente vulnerável.
"Eles têm de ser vistas no mercado interno tão forte e dura nos próximos meses", Kishore Mahbubani, reitor da Escola Lee Kuan Yew de Políticas Públicas da Universidade Nacional de Cingapura, disse que da liderança sênior. "Eles têm que se certificar que não são vistos como fracos."
A administração Obama, alarmados com impulso de Pequim, afirma que as disputas devem ser resolvidas por negociação, e que, como um dos corredores comerciais mais importantes do mundo, o Mar da China Meridional devem desfrutar de liberdade de navegação. O Departamento de Estado, em uma forte e incomum comunicado emitido este mês destina-se a avisar a China que deve moderar seu comportamento, disse que Washington acreditava que as reclamações devem ser resolvidas ", sem coação, sem intimidação, sem ameaças e sem o uso da força."
Washington estava reagindo ao que consideravam uma campanha permanente sobre o Mar da China Meridional, após Pequim impediu que a Associação de Nações do Sudeste Asiático, na sua reunião de cúpula no Camboja, em julho, de lançar um comunicado descrevendo uma abordagem comum para o Mar da China Meridional.
A disputa continua aumentando. Em 31 de julho, o 85 º aniversário da fundação da Libertação do Povo do Exército, o Ministério da Defesa chinês anunciou a ocasião, anunciando "um sistema regular de patrulha de combate-readiness" para as águas do mar sob jurisdição da China.
O governo então disse que tinha lançado seu mais novo navio patrulha: um navio de 5.400 toneladas. Ele foi projetado especificamente para manter a "soberania marítima", disse o Diário do Povo, jornal do Partido Comunista levando.
Somando-se a ansiedade entre os vizinhos da China, uma fragata da Marinha chinesa encalhou em Julho perto de uma formação rochosa conhecida como Meia Lua Shoal, em águas reivindicadas pelas Filipinas. O acidente levantou dúvidas sobre a competência da Marinha chinesa e suspeitas sobre o que o barco estava fazendo ali.
Wu, que é o presidente do Instituto Nacional de Estudos Mar da China Meridional , bem como o diretor-geral do Ministério do governo provincial de Hainan dos Negócios Estrangeiros, disse que nenhuma das ações da China foram desagradável.
Entrevistado em seu escritório espaçoso decorado com pinturas de paisagens da Itália e da Rússia, ele tinha retornado recentemente de um dia de festividades para a legislatura expandido e guarnição em Yongxing Island.
Yongxing, uma ilha de areia franjas de menos de um quilômetro quadrado dominado por uma pista que pode lidar com aviões de passageiros de médio porte, é parte do que a China chama as ilhas Xisha. Eles são conhecidos como os Paracels do Vietnã, que também reivindica o território.
New York Times SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Virus Buscando Dados do Banco está atrelado ao ataque ao Irã


Uma empresa de segurança nesta quinta-feira que tinha descoberto o que ele acreditava ser o vírus de computador quarto patrocinado pelo Estado para a superfície no Oriente Médio nos últimos três anos, aparentemente destinada a computadores no Líbano.
A empresa, o Kaspersky Lab, disse que o vírus parece ter sido escrito pelos mesmos programadores que criaram Flame, o vírus de computador de mineração de dados que foi encontrado para ser espionagem em computadores no Irã, em maio, e que pode estar vinculado a Stuxnet , o vírus que interrompeu o trabalho de enriquecimento de urânio no Irã, em 2010.
O vírus, apelidado de Gauss depois de um nome encontrado em seu código, foi detectada em 2.500 computadores, a maioria no Líbano, disse a empresa. Seu objetivo parecia ser para adquirir logins para contas de mensagens de correio electrónico e instantâneas, redes sociais e, nomeadamente, contas em determinados bancos - uma função mais tipicamente encontradas em programas maliciosos usados ​​por criminosos com fins lucrativos.
Os pesquisadores disseram que os bancos alvo incluiu vários Líbano maior - o Bank of Beirut, Banco Blom, Banco Byblos e Libanais crédito - juntamente com o Citibank e do sistema de pagamento online PayPal.
"Nós nunca vimos qualquer alvo de malware, uma faixa específica de bancos", Costin Raiu, diretor da Kaspersky da pesquisa global e análise, disse em uma entrevista. "Geralmente, o alvo cibercriminosos como muitos bancos como possíveis para maximizar o lucro financeiro, mas esta é uma campanha cyberespionage muito focados para usuários de certos sistemas bancários online."
Especialistas do Líbano disse que uma campanha de espionagem norte-americana cibernético dirigido sistema Líbano bancário parece ser uma possibilidade plausível, dadas as preocupações de Washington de que os bancos do país estão sendo utilizados como um canal financeiro para o governo da Síria e ao Hezbollah, o grupo militante libanês e política partido.
"Os Estados Unidos teve um número de bancos libaneses sob o microscópio por um tempo", disse Bilal Y. Saab, especialista em Líbano do Instituto Monterey de Estudos Internacionais, que disse que os bancos "operam como bancos suíços" em termos de sigilo. "Um vírus de computador poderia minar completamente isso", disse ele.
Pesquisadores da Kaspersky Lab, com sede em Moscou, disseram que encontraram o vírus Gauss ao analisar o vírus da Chama em junho. Chama é uma ferramenta de reconhecimento que pode capturar imagens de sessões de tela do computador do usuário, o registro de e-mail e bate-papo, ligar microfones remotamente e monitorar as teclas pressionadas e tráfego de rede. Ele pode infectar um computador offline através de um stick USB ou uma conexão Bluetooth.
Pesquisadores da Kaspersky disse que eles estavam confiantes de que Gauss foi o trabalho das mesmas mãos, como chama, porque os dois vírus foram escritas na mesma língua (conhecido como C + +) sobre a mesma plataforma e compartilhou alguns códigos e características. Diferentes pessoas provavelmente escreveu Doqu e Stuxnet , os dois primeiros patrocinados pelo Estado vírus à superfície em anos recentes, eles disseram, mas todos os quatro foram provavelmente encomendado pela entidade patrocinada pelo Estado mesmo.
"Não há absolutamente nenhuma dúvida de que Gauss e Flame foram impressas pelas mesmas fábricas", disse Raiu disse. "Uma versão inicial do Stuxnet utilizado um módulo de Chama, que mostra que eles estão conectados. Stuxnet foi criado por um Estado-nação - ele simplesmente não poderia ter sido concebida sem apoio do Estado-nação -. O que significa Chama e Gauss foram criados com o apoio estado-nação bem "
Kaspersky Lab se recusou a especular sobre o que os Estados-nação eram responsáveis. The New York Times relatou em junho , com base em entrevistas com funcionários de vários países, que Stuxnet foi desenvolvido em conjunto pelos Estados Unidos e Israel.
Especialistas em segurança não relacionados com o laboratório foram menos certo que o governo estava por trás de Gauss. "É um salto bastante grande, em termos de raciocínio dedutivo, a assumir que, porque eles compartilham uma plataforma de arquitetura comum, essa variante é também patrocinado pelo Estado", disse Will Gragido da RSA, uma empresa de segurança, que estudou a chama, mas não tem ainda analisados ​​de Gauss. "É possível que o código foi disponibilizado no subsolo e reutilizado ou reutilizados por cibercriminosos."
Pesquisadores da Kaspersky disse Gauss continha uma "ogiva", que busca um sistema de computador muito específico, sem conexão com a Internet e instala-se apenas se encontra um. "É feito de tal forma inteligente que os pesquisadores de segurança não pode analisá-lo, porque eles não sabem a chave de descriptografia que desbloqueia o verdadeiro propósito desse programa", disse Raiu disse.
Logo NYTimes  SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Israel diz que ameaça nuclear do Irã é grande


Dan Williams - Reuters
JERUSALÉM - O premiê de Israel, Benjamin Netanyahu, disse neste domingo, 12, que a maior parte das ameaças à segurança do país se tornam menores diante da possibilidade de o Irã obter armas nucleares. Segundo a mídia israelense, Teerã tem intensificado os seus esforços para produzi-las.Os comentários do primeiro-ministro na reunião semanal de gabinete e as notícias de primeira página no liberal Haaretz, crítico de Netanyahu, e no jornal conservador Israel Hayom se dão em meio ao debate cada vez mais intenso sobre se Israel deve ou não atacar o Irã por causa de seu controverso programa atômico.
O debate desafiou os apelos do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que disputa a reeleição e que pede mais tempo para a diplomacia internacional. Teerã diz que seu programa nuclear é pacífico e promete fortes represálias caso atacado.
Nos comentários também transmitidos ao vivo pela mídia israelense, Netanyahu afirmou que "todas as ameaças dirigidas neste momento a Israel se tornam pequenas diante de outra ameaça, diferente em escopo, diferente em substância."
"Por essa razão, eu digo de novo que ao Irã não pode ser permitida a obtenção de armas nucleares", declarou Netanyahu. Netanyahu também disse que Israel investe bilhões em defesa.
O Banco Central, por exemplo, tem feito simulações para o caso de "grandes crises", como uma guerra contra o Irã, disse Stanly Fischer, chefe do banco, a uma televisão israelense neste fim de semana.
Os jornais Haaretz e Israel Hayom publicaram que o Irã teria feito progressos significativos para o desenvolvimento de armas nucleares, com base em fontes anônimas.
Amplamente conhecido por ter o único arsenal atômico da região, o Estado judeu vê um conflito nuclear com o Irã como uma ameaça mortal e há tempos tem ameaçado atacar seu arquirrival preventivamente.
Os comentários sobre guerra têm, em parte, como objetivo endurecer as sanções internacionais contra Teerã. Alguns analistas especulam que Netanyahu esteja blefando. Outros acham que é uma tentativa de mudar a opinião de ministros, militares e eleitores contrários a um ataque.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Arquivo do blog segurança nacional