Wikipedia

Resultados da pesquisa

segunda-feira, 9 de julho de 2012

CHENGDU J-10 B o vigoroso dragão Chinês

O J-10 B (Jian 10 B) é uma aeronave multifuncional de 4.5 G desenvolvida para contrapor os caças americanos F-16 E/F Block 60/62, F/A-18 E/F SH, o Russo MIG-35 e os Europeus Typhoon, Rafale e Gripen. O J-10 B foi desenvolvido a partir da versão anterior J-10 A e incorpora varias alterações aerodinâmicas e estruturais, além de possuir uma avionica totalmente atualizada. O J-10 B será o padrão de produção e exportação do J-10, o mesmo é o substituto dos jatos J-7 (MIG-21) e Q-5. O custo básico de aquisição do J-10 B é de aproximadamente 30 milhões de dólares.Na década de 1980 o então líder chinês e presidente da Comissão Militar Central (CMC) Deng Xiaoping anunciou que a China iria efetuar um investimento de 500 milhões de dólares para desenvolver um caça de nova geração com um desempenho similar ao dos caças ocidentais.

Em 1982 representantes do governo, da força aérea e do corpo de aviação naval Chinês se reunirão em Pequim para discutir o conceito do caça de nova geração e as exigências de desempenho inicial. O novo caça deveria ser superior ao J-8II e ao MIG-23 e se aproximar do desempenho do F-16. Este vetor iria formar a espinha dorsal da frota de caça chinesa na década de 1990. Uma segunda reunião foi realizada seis meses depois para aprimorar as exigências.

Em janeiro de 1984 a FAELP (Força Aérea de Libertação do Povo) finalizou os requisitos para o novo avião de caça Chinês. O Ministério da Aeronáutica recebeu três propostas de projetos apresentados por instituições de design de aeronaves.Em maio de 1984 depois de comparar as três propostas de design, o Ministério da Aeronáutica decidiu e escolheu uma configuração em delta sem cauda e com canard. A tarefa de desenvolvimento do caça de nova geração foi oficialmente atribuída Chengdu Aircraft Design Institute (611 Aircraft Design Institute). O caça deveria possuir uma configuração em delta sem cauda com canard, também deveria ser aerodinamicamente instável para fornecer um alto nível de agilidade e possuir um baixo arrasto aerodinâmico, ter uma avionica avançada, incluindo um glass cockpit, HMS, HOTAS, GPS / INS, RWR, FBW quadruplex, sistema de gestão digital de combustível, barramento de dados MIL-STD-1553B, capacidade de fusão de dados e um novo radar com um alcance de 52 km a 148 km, com capacidade de rastrear 8 alvos simultaneamente.

Em 1986 a nova geração de caça designada J-10 se tornou um dos principais projetos do estado Chinês. Wang Ang foi nomeado como diretor do programa executivo e andh Song Wen-Cong como designer-chefe. Em 1987 a China obteve algumas tecnologias do programa cancelado Lavi (Leão lutador) da Israel Aerospace Industries (IAI). O desenvolvimento do Lavi começou em outubro de 1982 com a ajuda dos Estados Unidos. A aeronave fez o seu primeiro vôo em dezembro de 1986. No entanto, os EUA não iriam financiar uma aeronave que iria competir diretamente no mercado de exportação com o F-16C/D e F/A/-18C/D. Com os cortes de investimentos americanos o governo israelita não foi capaz de financiar o programa de desenvolvimento e em 1987 o programa foi finalmente cancelado. Acreditasse que China recebeu o software de controle de vôo originalmente desenvolvido para o IAI Lavi (Lavi “fly-by-wire”), pouco depois de seu cancelamento, apesar da negação de tal cooperação por ambas as partes. Há também suspeitas de transferência de algumas tecnologias do F-16 do Paquistão para a China como parte de um acordo de cooperação, o que também é negado por ambas as nações.

Em 1990 o projeto do J-10 enfrentou um grande retrocesso, porque a China não conseguiu obter assistência tecnológica crucial dos países ocidentais, resultado do embargo imposto pelos Estados Unidos e a União Européia depois de 1989. A principal dificuldade era produzir um motor eficiente para suas aeronaves de combate. Em meados dos anos 1990 a Rússia se envolveu no programa de desenvolvimento do J-10, contribuindo com o motor Lyulka-Saturn AL-31F e abrindo a possibilidade de fornecimento de outros sistemas como radares, sistemas de navegação e orientação, suíte de contramedidas eletrônicas ECM (Electronic countermeasures) e contramedidas descartáveis Chaff & Flare.

Em 1993 a Chengdu tinha construído o primeiro protótipo de metal em escala real do J-10. Os testes de túnel de vento revelaram problemas potenciais com o desempenho à baixa velocidade e um AOA (Ángulo de Ataque - Angle Of Attack) menor que o esperado em velocidades máximas. Ao mesmo tempo, a principal tendência no desenvolvimento de aviões de combate foi à transição de simples lutadores de propósito, como interceptador de alta velocidade ou de baixa altitude para dogfighters multirole, aeronave que combina bom desempenho subsônico e supersônico para o combate ar-ar, com capacidade de ataque ao solo. Com mais esta característica adicionada aos requisitos da aeronave, a mesma teve que receber pontos fixos mais resistentes e em maior quantidade, novos controles de vôo e sistemas de navegação.

O primeiro protótipo foi criado para voar entre 1995-1996, alimentado por uma turbina Chinesa recém-concebida WS-10. Contudo a evolução deste motor sofreu sérias dificuldades, o que teria como resultado o atraso no cronograma de desenvolvimento, assim a fuselagem traseira e admissão do motor foram forçados a ser redesenhado para acomodar o propulsor alternativo AL-31FN importado da Rússia. Em 1996 o primeiro protótipo 1001 teria feito seu primeiro vôo propulsado pelo motor Russo AL-31 FN, apos vários anos de vôos intensivos de testes, o mesmo foi aposentado.

O protótipo 1002 foi perdido em um acidente no final de 1997. Em 22 de março de 1998 após um atraso de 15 meses, o protótipo 1003 fez seu vôo inaugural. No mesmo ano, a aeronave recebeu a designação oficial de serviço J-10. Até então, o programa de desenvolvimento estava atrasado em dois anos.

Em Dezembro de 1999 dois protótipos do J-10 foram transferidos para a China Chengdu Flight Test Establishment (CFTE), com base em Yanliang, província de Shaanxi, para os testes de vôo e avaliações de serviços.

No ano de 2000 houve o desenvolvimento de dois protótipos de uma variante de treinamento bi-posto chamada J-10S. O designer-chefe era Yang Wei, responsável por esta versão. Em Maio de 2000 os testes de vôo Intensivo do J-10 foram realizadas por CFTE em Yanliang. No final de 2000 os protótipos de vôo tinham cumulado mais de 140 horas de vôo. No verão de 2000 foi realizado o primeiro teste bem-sucedido do assento ejetor para o J-10.

Em 2001 a China ordenou a compra de 54 motores AL-31 FN especialmente configurados para equipar o lote inicial de J-10. os motores foram recebidos de 2002 a 2004.

No verão de 2002 após dois anos de testes de vôo em Yanliang, os protótipos do J-10 foram realocados para o Dingxin Airbase na província de Gansu, para os testes de armas e de controle de vôo. Em 28 de junho de 2002 ocorreu o primeiro vôo do J-10 de pré produção. A produção de pequenos lotes de aeronave começaram logo após. Em 10 de março de 2003 o J-10 entrou oficialmente em serviço na PLAAF. Seis J-10S foram entregues ao FAELP Test e ao Centro de Formação em Cangzhou AFB, província de Hebei para a experimentação e avaliação operacional. Durante a cerimônia de entrega, dois caças J-10 realizaram vôos de demonstração para altos funcionários da FAELP. Na primavera de 2003 foi utilizado um Y-8 modificado para os testes de radar para o J-10, os testes foram realizados na província de Shandong. No verão de 2003 o J-10 realizou sua primeira simulação de reabastecimento aéreo. No dia 26 de dezembro de 2003 a variante de treinamento bi-posto J-10 S fez o seu primeiro vôo. Em dezembro de 2003 foi realizado com sucesso o primeiro lançamento de um míssil ar-ar de teste a partir do J-10.

Em 2005 a variante bi-posto J-10S completou os testes de vôo e recebeu seu certificado de design. Em julho de 2005 a China encomendou uma remessa adicional de 100 AL-31FN no valor de 300 milhões de dolares. A produção estava sendo realizada a uma taxa inicial de 2 a 3 unidades por mês. Em 10 de março de 2003 o J-10 entrou oficialmente em serviço na PLAAF. Seis J-10S foram entregues ao FAELP Test e ao Centro de Formação em Cangzhou AFB, província de Hebei para a experimentação e avaliação operacional. Durante a cerimônia de entrega, dois caças J-10 realizaram vôos de demonstração para altos funcionários da FAELP. Na primavera de 2003 foi utilizado um Y-8 modificado para os testes de radar para o J-10, os testes foram realizados na província de Shandong. No verão de 2003 o J-10 realizou sua primeira simulação de reabastecimento aéreo. No dia 26 de dezembro de 2003 a variante de treinamento bi-posto J-10 S fez o seu primeiro vôo. Em dezembro de 2003 foi realizado com sucesso o primeiro lançamento de um míssil ar-ar de teste a partir do J-10.

Em 2005 a variante bi-posto J-10S completou os testes de vôo e recebeu seu certificado de design. Em julho de 2005 a China encomendou uma remessa adicional de 100 AL-31FN no valor de 300 milhões de dolares. A produção estava sendo realizada a uma taxa inicial de 2 a 3 unidades por mês. Em novembro de 2006 a mídia estatal chinesa anunciou que a nova geração de caças J-10 havia alcançado a IOC (initial operational capability - capacidade operacional inicial). A aeronave foi oficialmente apresentada em 29 Dezembro 2006.
Em novembro de 2008 o J-10 participou do Zhuhai Air Show, se apresentando ao publico no show aéreo. J-10B foi apresentado em Março de 2009, 3 meses após o seu vôo inaugural em Dezembro de 2008.

O J-10 pode ser equipado com diversos radares de vários fabricantes, são eles o NRIET (Nanjing Research Institute of Electronic Technology) KJL-3, que possui um alcance de cerca de 100 Km e pode atacar 2 alvos simultaneamente. Outro radar é o russo Phazotron Zhuk-10 PD, com alcance de 160 Km de alcance e capacidade de atacar 6 alvos simultaneamente, o radar israelense ELTA 2035 com alcance de 100 Km e que pode rastrear 6 alvos simultaneamente também pode ser instalado no J-10, outra opção é o radar JL-10A com um alcance máximo de detecção de 104 km. O J-10A possui um difusor móvel na entrada do duto de alimentação do motor, este difusor auxilia a compressão e indução de mais ar para o propulsor, porem este sistema utiliza partes moveis que elevam o peso da aeronave e as superfícies refletoras de emissões magnéticas, elevando a assinatura de radar, porem o J-10 B utiliza um difusor fixo ovalado em forma de V, que fica na parte superior da entrada do duto de ar, este novo sistema substitui o difusor móvel e por consequência elimina todas as partes moveis daquele sistema, mantendo a eficiência do conjunto, diminuindo o arasto aerodinâmico e reduzindo significadamente o RCS da aeronave. Este novo difusor trouxe inúmeras vantagens como eliminação das partes moveis e de sustentação do difusor móvel do duto de ar, alem de esconder a face do motor, a maior fonte de eco de radar em qualquer aeronave. O J-10 A utiliza extensamente materiais compostos e RAM absorventes em sua estrutura e fuselagem e possui um RCS estimado de aproximadamente 1m2 no setor frontal, o J-10 B teve como prioridade a redução da assinatura RCS, e pára isto o mesmo teve a incorporação de um novo difusor fixo, refinamentos na aerodinâmica que deixaram a aeronave com um designer mais limpo, antena AESA inclinada cerca de 45º para cima em relação ao eixo central da aeronave, extensa utilização de materiais compostos e RAM absorventes na estrutura e fuselagem da aeronave, utilização de materiais RAM absorventes na face do motor, com estas modificações que eliminaram as duas principais fontes de eco de radar do mesmo (Face do motor e aletas de sustentação e partes moveis do difusor) e maior utilização de materiais compostos e RAM absorventes, o RCS deste vetor, fica próximo de 0,5m2 no setor frontal, o que é uma excelente marca, visto que o RCS do F-16 E/F fica na casa de 1m2 no setor frontal. FICHA TÉCNICA
Velocidade de cruzeiro: Mach 0.95
Velocidade máxima: Mach 2.2
Razão de subida: 15.000 m/min
Potencia:0.95
Fator de carga:9Gs
Taxa de giro: 24º/s
Taxa de rolamento: 270º/s
Raio de ação/ alcance: 600 km/ 1300km
Alcance do Radar: 100 km a 160 km dependendo da versão
Empuxo: 1 X AL-31FN M1 com 13.250 KGF
DIMENSÕES
Comprimento: 14,57 m
Envergadura: 8,78 m
Altura: 4,78 m
Peso vazio: 9.800 Kg
Peso máximo de decolagem: 19.300 Kg
ARMAMENTO
Ar-Ar: WVR R-73, PL-8, PL-9 e futuramente o novo PL-10, BVR R-77, PL-11, PL-12, PL-21
Ar-superficie: C-801/YJ-8, C-802/YJ-82, míssil anti radiação YJ-91.
Bombas guiadas a laser 500kg e 250 kg, bombas de uso geral.
Canhão interno: 23 milímetros

A aeronave possui capacidade para transportar 4.500 kg de mísseis, bombas, foguetes, PODS e tanques externos, distribuídos em11 pontos fixos, três em cada asa e cinco sob a fuselagem. O J-10 pode ser equipado com 3 tanques externos, um tanque de 800 litros para a estação central e dois tanques de 1.700 litros em cada asa, totalizando 4.200 litros de combustível externo. Os dois pontos fixos na parte frontal da fuselagem pode ser utilizado para o transporte de mísseis e PODs. A aeronave possui uma capacidade máxima de combustível interno de 4.950 litros, compreendendo 3.180 litros nos tanques das asas e 1.770 litros nos tanques de fuselagem. O J-10 B futuramente poderá ser equipado com CFT (conformal fuel tank).
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Bomba guiada foi testada com sucesso em caça Rafale


A empresa americana Raytheon demonstrou com sucesso as capacidades de tecnologia sem fios de guiação de bombasEnhanced Paveway II no avião caça Rafale da Marinha da França.

A tecnologia WiPAK torna possivel transformar bombas tradicionais em bombas teleguiadas com a ajuda de recetor sem fios montado na bomba e um transmissor no cockpit do piloto. O sistema Enhanced Paveway II compreende um conjunto de lemes e uma ogiva dotada de sistema de controlo a laser e GPS. O sistema é universal, podendo ser montado nos 17 modelos de aviões em 42 países.
Na França, as bombas aéreas com base na tecnologia Enhanced Paveway II eram usadas com sucesso nos aviões de assalto Super Etendard no decorrer dos últimos seis anos. Por exemplo, as bombas guiadas foram utilizadas na operação militar de OTAN contra a Líbia em 2011.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Petrobras terá US$ 250 bi na indústria naval, diz Lobão


SERGIO TORRES - Agencia Estado
RIO - A Petrobras investirá US$ 250 bilhões na indústria naval em cinco anos, informou nesta segunda-feira o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, durante a solenidade de lançamento ao mar do navio Sérgio Buarque de Holanda, no Estaleiro Mauá, em Niterói, região metropolitana do Rio de Janeiro.
Segundo Lobão, serão construídos petroleiros, plataformas, sondas, navios auxiliares e embarcações a serem usadas pela Petrobrás. "Não há hipótese de desnacionalização desse programa tão brasileiro", disse ele, referindo-se ao Programa de Modernização e Expansão da Frota, o Promef.
O navio de produtos Sérgio Buarque de Holanda é a terceira embarcação do Promef a iniciar as operações. A embarcação tem 183 metros de comprimento e capacidade para transportar 56 milhões de litros de combustíveis.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Arquivo do blog segurança nacional