Wikipedia

Resultados da pesquisa

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Ataque israelense à usina nuclear no Iraque

SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Irã diz que pode acertar Israel minutos após um ataque


AE - Agência Estado
O Irã declarou nesta quarta-feira que pode destruir bases americanas e atacar Israel minutos após sofrer um ataque. A ameaça velada aconteceu durante um exercício militar que incluiu o disparo de mísseis balísticos. Israel e os Estados Unidos vêm indicando a possibilidade de ataque militares contra o Irã caso a diplomacia e sanções econômicas não forcem o país a encerrar seu programa nuclear.
Em entrevista para a agência de notícias semioficial Fars, o general Ami Ali Hajizadeh, da Guarda Revolucionária, afirmou que as bases americanas estão ao alcance dos mísseis iranianos. Ele referiu-se a Israel como "territórios ocupados". "Medidas foram tomadas para que possamos destruir todas a bases nos primeiros minutos de um ataque", disse Hajizadeh, chefe da agência aeroespacial.
Israel e Washington não comentaram as declarações. O general disse também foram testados com sucesso mísseis que podem atingir navios de guerra dos EUA no Golfo Pérsico. As informações são da Associated Press.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Aterrou o drone espacial experimental norte-americano


O aparelho espacial experimental não-tripulado, que pelo aspeto faz lembrar o shuttle americano em miniatura, aterrizou com sucesso no cosmódromo de uma base militar no estado da Califórnia, informa o Spaceflight Now.
O drone X-37B Orbital Test Vehicle 2 (OTV-2) permaneceu na órbita terrestre 468 dias e 13 horas, tendo dado mais de 7000 voltas à Terra.
Segundo a agência Associated Press, o aparelho servirá de plataforma de teste para sensores e sistemas para satélites. Segundo os comunicados oficiais, o trabalho com o segundo aparelho X-37B terá em consideração a experiência da missão anterior.
Os outros pormenores do lançamento do aparelho, assim como os detalhes da missão, são mantidos em segredo, acrescenta a agência.
fonte: Voz da Rússia segurança nacional blog

Irã possui plano para destruir 35 bases dos EUA caso seja atacado


O Irã já possui planos detalhados para destruir as 35 bases dos EUA no Oriente Médio, no Golfo Pérsico e na Ásia Central caso seja atacado, afirmou nesta quarta-feira o general Amir Ali Hayizadeh, comandante da Força Aeroespacial dos Guardiães da Revolução.
"Tomamos todas as medidas necessárias para situar essas bases e desdobrar mísseis para destruir todas elas nos primeiros minutos de um possível ataque (contra o Irã)", advertiu Hayizadeh em declarações divulgadas pela agência local Fars.
Hayizadeh fez essas declarações, que detalhava os planos do Irã diante de um eventual ataque dos Estados Unidos contra seu território, no final de um exercicio militar de três dias. Neste, os Guardiães da Revolução testaram diversos tipos de mísseis de fabricação nacional.
O comandante explicou que os Estados Unidos "tem 35 bases ao redor do Irã" e acrescentou que "todas elas estão ao alcance dos mísseis, assim como a terra ocupada da Palestina (Israel)".
Segundo ele, as manobras de mísseis que foram realizadas nos últimos dias tinham o objetivo de destruir réplicas de hipotéticas bases dos EUA na região, assegurando que o resultado dos testes tinha sido um grande êxito.
O site dos Guardiães da Revolução Sepah News informou nesta quarta que dentro dessas manobras foram usados mísseis do tipo "Golfo Pérsico" (antinavios) contra alvos marítimos, com o apoio de aviões de combate e aeronaves não tripuladas.
Ontem, os guardiães da Revolução asseguraram que tinham destruído sete hipotéticas bases das "forças alheias à região" em manobras aéreas e com lançamento de mísseis de até 1,3 mil km de alcance, embora Hayizadeh tenha feito questão de ressaltar que o país dispõe de mísseis que superam 2 mil km.
O Irã está submetido a sanções da ONU, dos EUA e da UE por causa de seu programa nuclear, sendo que Washington e Tel Aviv ameaçaram atacar o território iraniano caso não haja uma paralisação de suas atividades atômicas. Neste caso, Teerã respondeu que daria uma resposta "arrasadora" e que também poderia fechar o estratégico Estreito de Ormuz.
Enquanto alguns países, liderados pelos EUA, suspeitam que o programa nuclear iraniano possui uma vertente armamentista destinada a fabricação de armas atômicas, Teerã assegura que seu programa é exclusivamente civil, pacífico e ainda respeita o Tratado de Não-Proliferação (TNP) nuclear.
Ontem, em sua entrevista coletiva semanal, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Ramin Mehmanparast, comentou as manobras realizadas e disse que a mensagem desses exercícios é que "Irã tem total autoridade e preparação para garantir a segurança no Golfo Pérsico e no tráfego de petroleiros no Estreito de Ormuz".
O presidente da Comissão de Segurança Nacional e Política Externa do Parlamento do Irã, Alaedin Boruyerdi, disse que Teerã considera a presença de forças estrangeiras na região "prejudicial" para a segurança, acrescentando que as manobras com mísseis mostram a capacidade do Irã para manter a estabilidade na área.
Segurança Nacional Blog

Farnborough 2012


A Embraer participará do 48° Show Aéreo Internacional Farnborough, na Inglaterra, promovendo toda sua linha de produtos para os mercados de aviação comercial, executiva e de defesa e segurança. O evento acontece de 9 a 15 de julho no Aeroporto de Farnborough, próximo a Londres.  A Embraer estará localizada no chalé A17/18. A Embraer Defesa e Segurança (EDS) realizará uma coletiva de imprensa liderada pelo seu presidente, Luiz Carlos Aguiar, na terça-feira, dia 10 de julho, às 13h45, na sala CODY do Media Center, localizada no Hall 1.
O jato AEW & C ERJ-145 na versão operada pela Força Aérea Indiana (Foto: EDS)
Segundo a EDS, a companhia promoverá soluções integradas que combinam alta tecnologia e eficiência operacional a custos competitivos de aquisição e operação. O portfólio da EDS inclui aviões militares, tecnologias de radar de última geração, veículos aéreos não-tripulados (VANT) e avançados sistemas de informação e comunicação, como por exemplo, as aplicações de Comando, Controle, Comunicações, Computação, Inteligência, Vigilância e Reconhecimento (C4ISR). Os produtos da EDS incluem o turboélice de treinamento avançado e ataque eleve EMB-314 Super Tucano, sua linha plataformas aéreas de Inteligência, Vigilância e Reconhecimento (ISR) baseadas no bem-sucedido jato regional ERJ 145, jatos comerciais e executivos customizados para o transporte de autoridades governamentais, o jato de transporte militar e reabastecimento aéreo KC-390 atualmente em desenvolvimento, programas específicos de modernização de aeronaves empregadas por forças armadas, bem como soluções logísticas integradas para clientes e o TOSS (Training and Operations Support System), avançado sistema de treinamento e suporte à operação.
.tecnodefesa.segurança nacional blog

CIENTISTAS ANUNCIAM DESCOBERTA DO QUE PODERIA SER “PARTÍCULA DE DEUS” E ABREM NOVA ERA NA FÍSICA


GENEBRA – Uma corrida bilionária que já durou meio século pode estar chegando ao seu fim e a ciência estaria a um passo de uma de suas maiores descobertas: a existência da “partícula de Deus”. Na manhã desta quarta-feira, 4, o Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (Cern) anunciou em Genebra o que é a mais importante prova da existência da partícula que, para muitos, fecharia a explicação sobre a formação do Universo. A apresentação apontou a descoberta de uma nova partícula subatômica que poderia ser o bóson de Higgs, abrindo uma nova era para a Física.
“Atingimos um marco no nosso entendimento da natureza”, declarou Rolf Heuer, diretor do Cern. “A descoberta é consistente com o bóson de Higgs”, disse.
A teoria é que é essa partícula que garante massa a todas as demais e, portanto, central na explicação do Universo. Conhecida fora do mundo da ciência como “partícula de Deus”, trata-se da última fronteira não resolvida pela física. Nos anos 60, Peter Higgs desenvolveu uma teoria na qual uma energia invisível preencheria um vácuo no espaço. Ao se moverem, partículas são puxadas uma contra as outras, dando massa a um âtomo. Já as partículas da luz não sentem essa atração e não contam com massa. Sem a partícula responsável por unir as demais, átomos não conseguiram ser formados no início do Universo e a vida como a conhecemos hoje simplesmente não existiria. O problema é que sua partícula hipotética – o bóson de Higgs – jamais foi encontrada, pelo menos até hoje.
Depois de acumular dados de milhares de choques de partículas no acelerador subterrâneo construído entre a Suíça e França e que custou US$ 8 bilhões, os cientistas praticamente confirmam a existência de sinais da partícula. Dois experimentos diferentes – os detectores Atlas e o CMS- se lançaram na corrida pela partícula no Cern e hoje estão comparando seus resultados.
Joe Incandela, porta-voz do CMS, confirmou que seu experimento detectou fortes sinais do bóson. “São resultados muito sólidos”, disse. Ao mostrar a tabela, ele mesmo confessou: “nem posso acreditar”. “São indícios muito fortes”, disse. A margem de erro ou variação no dado é de um a cada 1 milhão de eventos.
No Cern, cientistas insistem que o resultado final e a revelação sobre o “Santo Graal” da física só teria como rival a descoberta da estrutura do DNA, há 60 anos. “Essa é a semana mais excitante da história da física”, declarou Joe Lykken, do Fermi National Accelerator Lab (Fermilab) que conduziu as pesquisas nos Estados Unidos nesta semana. Se for confirmada sua existência, a descoberta abrirá o caminho para detalhar o funcionamento de átomos e do próprio Universo.
segurança nacional blog

EUA aumentam forças no Golfo Pérsico em recado para o Irã


Thom Shanker, Eric Schmitt e David E. Sanger, The New York Times
WASHINGTON - Os Estados Unidos deslocaram discretamente reforços militares para o Golfo Pérsico para impedir os militares iranianos de fechar o Estreito de Ormuz e aumentar o número de jatos com capacidade de atacar regiões longínquas do Irã, caso persista o impasse sobre seu programa nuclear.Os elementos mais visíveis do reforço norte-amerciano são os navios da Marinha designados para aumentar a capacidade de patrulhamento do Estreito de Ormuz - e de reabrir o canal caso o Irã tente miná-lo para impedir que Arábia Saudita e outros exportadores de petróleo enviem seus petroleiros pela passagem vital. Além disso, a Marinha dobrou o número de navios caça-minas designados para a região para oito, o que oficiais descrevem como uma medida puramente defensiva.
"A mensagem ao Irã é: nem pensem nisso", disse uma autoridade do Departamento de Defesa norte-amerciano. "Nem pensem em fechar o estreito. Nós limparemos as minas. Nem pensem em enviar suas lanchas para assediar nossos navios ou embarcações comerciais. Nós as mandaremos para o fundo do Golfo." Como outros entrevistados, a autoridade falou sob a condição de anonimato em razão da situação diplomática e militar.
Os deslocamentos fazem parte de um esforço para fortalecer a presença militar americana na região do Golfo, tranquilizando Israel. Mas isso pode gerar uma reação violenta do Irã, com o deslocamento da Guarda Revolucionária islâmica, em um momento em que os Estados Unidos e seus aliados aplicam um embargo sobre as exportações de petróleo do Irã, com o propósito de obrigar o país a levar a sério as negociações sobre uma forte limitação de seu programa nuclear.
Desde o fim da primavera no Hemisfério Norte, aviões furtivos F-22 e os mais antigos F-15C foram deslocados para duas bases separadas no Golfo Pérsico como um reforço aos jatos de combate e aos porta-aviões que se revezam na vigilância da área. Os aviões de ataque adicionais dão aos EUA maior capacidade militar contra as baterias de mísseis costeiros que poderiam ameaçar as embarcações.
Ponce
Além disso, a Marinha, após um programa de desenvolvimento intensivo, deslocou um transporte marítimo anfíbio convertido, chamado de Ponce, para o Golfo Pérsico, com a intenção de ser a primeira base flutuante do Pentágono para operações militares ou ajuda humanitária.
A missão inicial do Ponce, segundo oficiais do Pentágono, é servir de base logística e centro de operações de limpeza de minas. No entanto, com instalações médicas, deque para helicópteros e alojamento para tropas de combate, ele poderá ser usado como base para forças de Operações Especiais e realizar uma série de missões, entre elas, reconhecimento e contraterrorismo, a partir de águas internacionais.
Para o presidente dos EUA, Barack Obama, a combinação de negociações, novas sanções centradas nas receitas de petróleo do Irã e aumento da pressão militar é a mais recente - e talvez mais vital - política de "via dupla" contra o Irã. No meio da campanha eleitoral, em que seu oponente, Mitt Romney, o acusou de ser "fraco" no tratamento da questão nuclear iraniana, Obama busca projetar firmeza sem precipitar uma crise na região.
Ao mesmo tempo, o presidente precisa sinalizar apoio a Israel, mas sem instigar um ataque às instalações nucleares iranianas, o que poderia desencadearia uma guerra sem comprometer significativamente o programa iraniano.
Essa sinalização, delicada tanto para o Irã como para Israel é uma dança complexa. O senador John Kerry, democrata de Massachusetts e presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, disse que o governo precisa alcançar um equilíbrio entre posicionar forças suficientes para dissuadir o Irã e não indicar que um ataque a sítios nucleares é iminente ou inevitável.
"É preciso administrar várias expectativas", disse Kerry em uma entrevista. "As pessoas precisam saber que estamos falando sério, mas é preciso deixar espaço, também, para uma solução pacífica. É muito importante não dar passos que enviem as mensagens erradas aqui."
Há poucas evidências de que a maior pressão esteja causando o efeito desejado. As negociações com o Irã estão estagnadas, embora estivesse programada para ontem a reunião de um grupo de especialistas iranianos, americanos e europeus em Istambul para analisar uma recente proposta americana e resposta iraniana. Por enquanto, porém, o Irã resisti a todos os esforços para obrigá-lo a desistir do enriquecimento de urânio, tendo começado a produção de um tipo de material com teor de concentração próximo do necessário para se criar uma bomba.
Resposta
Em resposta ao endurecimento das sanções ocidentais, o Irã anunciou na segunda-feira que analisaria um projeto de lei para interromper o tráfego no Estreito de Ormuz bem. A lei propõe que os militares bloqueiem qualquer navio petroleiro em rota para países que já não compram o petróleo bruto iraniano por causa do embargo. Autoridades militares e do Pentágono reconhecem que o Irã tem capacidade para fechar o estreito, ao menos temporariamente.
Guerra com Iraque
A ameaça iraniana mais importante ao transporte marítimo ocorreu durante sua guerra de desgaste com o Iraque nos anos 1980. O Irã atacou petroleiros e outros meios de transporte comerciais para interromper as receitas de petróleo do Iraque e ameaçar os transportes de outros Estados árabes vistos como de apoio a Bagdá. O Irã também plantou minas na tentativa de bloquear o trânsito, acarretando operações de limpeza e ataques à Marinha iraniana por navios de guerra americanos.
Tradução de Celso Paciornik o Estado de Saõ paulo The New York Times
segurança nacional blog

Arquivo do blog segurança nacional