Wikipedia

Resultados da pesquisa

terça-feira, 22 de maio de 2012

Foguete comercial decola rumo à Estação Espacial Internacional


A empresa americana SpaceX lançou com sucesso nesta terça-feira a cápsula Dragon, sem tripulantes, a bordo de um foguete Falcón 9 com destino à Estação Espacial Internacional (ISS).
O foguete decolou de Cabo Canaveral (Flórida) às 3H44 (4H44 de Brasília), após uma contagem regressiva sem problemas e três dias depois do adiamento da primeira tentativaDez minutos depois da decolagem, a Dragon se separou da segunda fase do foguete e alcançou a órbita terrestre.Foguete Falcon 9 é lançado em direção à Estação Internacional (ISS)
Um minuto depois, a nave abriu as antenas solares e começou a aproximação da ISS, que está a 350 quilômetros de altitude e à qual deve chegar na quinta-feira.

"A sensação é de que um peso gigante saiu das minhas costas", disse pelo Twitter o fundador e executivo-chefe da empresa, Elon Musk, depois de ver o Dragon abrir seus painéis solares, primeira de várias etapas necessárias para que o módulo possa atracar na Estação. "O Falcon voou perfeitamente!", acrescentou Musk. 
A Dragon efetuará uma série de manobras e testes. Caso tudo aconteça de acordo com o programado, a Nasa autorizará um acoplamento na sexta-feira, que acontecerá com um braço robótico da ISS controlado por dois dos seis astronautas a bordo.A Nasa espera que empresas como a Space Exploration Technologies, ou SpaceX, assumam a tarefa de levar cargas --e depois astronautas-- até o complexo orbital multinacional, que flutua a 390 quilômetros sobre a Terra. Atualmente, a Nasa depende da Rússia para levar tripulantes à Estação, a um custo que supera 60 milhões de dólares por pessoa. Rússia, Europa e Japão também levam cargas à Estação.
Se o voo-teste for bem sucedido, a SpaceX vai se tornar a primeira empresa privada a chegar à Estação. A SpaceX e a concorrente Orbital Sciences Corp. já têm contratos num valor total de 3,5 bilhões de dólares para levar cargas ao complexo.
A SpaceX está também entre as quatro empresas que planejam fabricar táxis espaciais que transportem astronautas, turistas e pesquisadores alheios à Nasa.Separadamente, a Nasa contribuiu com quase 400 milhões de dólares para o programa espacial comercial da SpaceX, uma empreitada de 1,2 bilhão de dólares que inclui o desenvolvimento e até três testes dos foguetes Falcon 9 e das cápsulas Dragon.
Uma análise do Congresso mostra que um programa semelhante, sob a égide da Nasa, custaria de quatro a dez vezes mais.O Dragon deve levar cerca de um dia para chegar à órbita da Estação Espacial, e depois passará mais um dia treinando as manobras e testando seus sistemas de comunicação e auxílio à navegação. Se tudo correr conforme o previsto, a Nasa deve autorizar a atracagem na sexta-feira.

(Com informações da AFP e Reuters) SEGURANÇA NACIONAL BLOG

projetos > defesa > FPG-82 Sistema Friuli de Planeio e Guiamento - FRIULI / FINEP


um kit a ser acoplado em bombas de aviação do tipo BA-FG-230/ MK-82.
Tem como objetivos dotar bombas de capacidade de planeio de forma controlada até um alvo pre-definido, potencializando o emprego tático com um baixo custo.
O KIT é composto basicamente de:
1. Um conjunto de asas que garante uma razão de planeio que, dependendo da altitude de lançamento, poderá conferir um alcance entre 70 e 80 Km ao conjunto;
2. Um sistema de guiamento GPS/INS com Eletrônica Embarcada para guiar a bomba até um alvo predeterminado O projeto é patrocinado em 80% pela Finep, com previsão dos testes de homologação em vôo no início de 2013.A empresa paulista Friulli está desenvolvendo kits de armas para aumentar o alcance das SMKB SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Bombas Guiada SMKB - Acauã


A Mectron e a Britanite IBQ Defence Systems estão desenvolvendo kits de bombas guiadas por satélite com a designação Acauã (falcão) ou SMKB (Smart Kit Bomb). O CTA-IAE também está apoiando o projeto. Os kits foram mostrados em 2009 e inicialmente foram designadas BFL (BLF-1000, 500 e 250, com cabeça de guerra de 1000 Kg, 500 Kg e 250 Kg respectivamente).
A Britanite é responsável pela cabeça de guerra, kit de cauda e sistema de planejamento de missão. O kit virá em versões para ser instalado nas bombas Mk82 e na Mk83. As empresas não estudam um kit para a bomba Mk84 por ser considerada potente para "ataques cirúrgicos" (apesar de vários alvos importantes precisarem de armas até mais potentes). Também não citam se será usada em bombas penetradoras BPEN. As bombas com os kits são denominadas SMKB-82 e SMKB-83 equipadas, respectivamente, com as bombas Mk82 de 230kg e Mk83 de 450kg. Na FAB são denominadas BFA-230 e BFA-460 respectivamente. As Bombas de Fins Gerais são fabricadas pela Britanite.
O receptor de satélite é compatível com o GPS americano, Glonass russo e o Galileo europeu. A energia da bomba é gerada por uma pequena hélice no nariz da bomba não precisando de energia da aeronave. A precisão é tida como 6 metros. A SMKB/Acauan pode ser disparada a uma altitude de até 10 mil metros com alcance de 16 km a 24km. Um kit de asas está em desenvolvimento pela empresa Friuli para aumentar o alcance para 35-40 km.
Uma vantagem do novo kit é a facilidade de integração, particularmente em aeronaves pouco sofisticadas, pois não precisa conexão de databus para controle ou designação de alvos. As empresas desenvolveram um sistema sem fio portátil com criptografia que pode programar as coordenadas do alvo em terra ou no ar ou modos de operação. Assim o kit pode ser integrado em qualquer aeronave sem apoio do fabricante da aeronave. Armas como a SMKB e JDAM são tão simples que podem ser usadas em aeronaves de caça de Primeira e Segunda Geração com um sistema de navegação primitivo. As coordenadas do alvo podem ser passadas diretamente para a arma antes de decolar.
A primeira entrega era esperada para 2010, e as empresas citam que já foi vendida para outro país da América do Sul e pelo menos quatro oriente médio. A integração em aeronaves iniciou em 2011 nos A-4 Skyhawk, AMX, F-5EM, Sukoi Su-27, F-16 e Kfir. As primeiras entregas para a FAB devem iniciar em 2012.A entrada em operação das SMKB irá trazer novas capacidades para a FAB, mas também muitos problemas. Um dos problemas será a disponibilidade de código de GPS de precisão em caso de conflito. Caso os EUA não apóie o Brasil em um conflito será bem provavel a FAB não tenha acesso aos códigos para uso do GPS no modo de precisão ficando limitado ao modo INS. Outra opção é ter acesso também ao sistema GLONASS russo e futuramente ao Galileu Europeu.

Sem a disponibilidade da atualização do GPS, a capacidade das SMKB está relacionado com a precisão do INS. Se a capacidade for similar ao CEP conseguido pelas JDAM com o INS, ou cerca de 14 metros, o GPS nem fará muita falta. Se for igual ao requerimento original das JDAM, ou um CEP de 30 metros, as SMKB ainda poderão ser úteis contra boa parte dos alvos fixos.

Se a capacidade for pior, ou um CEP de cerca de 50-60 metros, a precisão será similar ao uso de bombas burras disparadas a média altitude com modos CCIP e que já está disponível para a FAB nos AMX e agora nos F-5EM. A vantagem será poder disparar as armas em qualquer tempo com apoio de radar com modo SAR, atacar alvos múltiplos,
 atacar alvos de área com pontos de impacto não linear, poder escolher o ângulo de impacto, fazer disparo fora do eixo e aumentar o alcance do disparo aumentando a capacidade de sobrevivência da aeronave.

 As empresas não informam se estudam a adição de outros kits de guiamento como laser, TV ou infravermelho. Um seeker de guiamento terminal poderá ser necessário para garantir a precisão final. Os sensores possíveis são o laser, imagem infravermelha e TV. O laser é bem provável como os já em uso nas JDAM. O sensores de TV CCD são baratos e os de imagem infravermelha podem operar em qualquer tempo. Os sensores de imagem precisam de algoritmo de aquisição automática de alvo ou de um datalink. O datalink irá encarecer o custo da arma assim como o casulo designador a laser. Os sensores infravermelhos dos mísseis MAA-1B poderá ser uma opção para instalar na SMKB e ser usada contra alvos quentes como navios e blindados.

Como acontece com as JDAM, a aquisição dos alvos é o gargalo do processo de operação das bombas guiadas por GPS. Os meios de aquisição de alvos disponíveis para a FAB são satélites de sensoreamento remoto, aeronaves de reconhecimento como o R-99B com radar SAR e casulos Litening III e Star Safire com telemetros a laser. O radar Grifo-F do F-5EM talvez possua modos SAR para apoiar o disparo em qualquer tempo enquanto o radar Scipio do A-1M não tem esta capacidade. Modos de radar SAR deve ser um requerimento obrigatório para os concorrentes do FX-2. A atualização das coordenadas do alvo em vôo com modos de radar SAR ou casulo de designação de alvos como o Litening III provavelmente será obrigatório.

Em 1943, a Oitava Força Aérea atacou menos de 50 alvos em um ano. Na Operação Desert Storm em 1991, foram atacados 150 alvos nas primeiras 24 horas. A USAF planeja formar uma pequena força de 12 aeronaves B-2A e 48 caças F-22A para atacar 426 alvos em um dia com o uso das JDAM ou equivalentes. Com as SMKB a FAB passa a ter uma capacidade próxima da operação Desert Storm, mas com uma frota bem menor e com um prazo maior, talvez uma semana, para atacar o mesmo número de alvos. Com aeronaves mais capazes como os concorrentes do FX-2, como o Rafale, Super Hornet e Gripen NG, capazes de levar até quatro bombas de grande potência como a SMKB, a capacidade será melhorada.

As SMKB deverá ser uma arma cara para os padrões da FAB. Os A-1M ainda terão uma boa capacidade de ataque de precisão a baixa altitude, com CEP de 15 metros com armas de alto arrasto. Com o NVG e NAVFLIR poderão realizar ataques a noite a baixa altitude a noite e em tempo bom contra alvos relativamente protegidos.

Além das novas capacidades de atacar alvos fixos as SMKB também podem ser usadas em outras missões:

- Supressão de defesas. Com o apoio de um casulo Litening III, um caça pode olhar para a área onde recebe emissões de radar. Detectando o emissor o Litening III pode determinar as coordenadas do alvo que será atacado pelas SMKB.

- Interdição aérea. Se a precisão da SMKB for adequada é possível usá-la para atacar pontes e locais de suprimento. Modos de radar GMTI como o do Griffo-F do F-5EM será útil para detectar alvos móveis.

- Ataque a bases aéreas. As bases aéreas são alvos bem defendidos e que devem ser colocados fora de ação rapidamente. As SMKB são a arma ideal contra este tipo de alvo tendo que ser disparada em grande quantidade contra vários pontos de impacto no alvo. Uma pista de pouso e pistas de taxiamento precisam de vários cortes para serem inutilizados. Outros alvos importantes são abrigos reforçados de aeronaves que precisam ser atacados com armas de precisão. Por ser um alvo bem defendido as SMKB serão úteis ao serem lançadas fora do alcance das defesas locais.

- Apoio aéreo aproximado. As JDAM mostraram ser úteis para as missões de apoio aéreo aproximado, mas para a FAB será necessário o acesso ao código do GPS para ter a precisão necessária.

As SMKB têm um bom potencial de exportação, mas primeiro a FAB precisa ser o primeiro usuário para conseguir a confiança de compradores em potencial. Os candidatos são paises que não tem acesso as JDAM ou armas equivalentes de outros países.

Também deve ser considerado o uso de armas equivalente por possíveis adversário em caso de conflito e estarmos preparados para interferir no código de satélite do GPS, GLONASS e futuramente o Galileu. Os interferidores são simples e baratos e as SMKB podem ser usadas para testar as táticas e técnicas de emprego.SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Aéreas apostam alto para emplacar caças


Washington (EUA) – A pouco mais de um mês do fim do prazo previsto para que a presidente Dilma Rousseff escolha de qual companhia comprará 36 caças para a Força Aérea Brasileira (FAB), numa negociação estimada em R$ 10 bilhões, as três finalistas — a sueca Saab, a norte-americana Boeing e a francesa Dassault — apostam alto para ganhar o lucrativo contrato. A Boeing, que concorre com o avião Super Hornet, já desembolsou US$ 5 milhões desde 2009 na campanha para emplacar o seu caça. O Super Hornet está na disputa com o Gripen, da Saab, e o Rafale, da Dassault. Nos esforços para estreitar as relações entre os governo norte-americano e brasileiro, a Boeing não só está estruturando um escritório em São Paulo, como também anunciou que, ainda este ano, instalará um centro de pesquisa e tecnologia aeroespacial no país. Em outubro, a companhia norte-americana também anunciou um acordo de cooperação com a Empresa Brasileira Aeronáutica (Embraer) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) para desenvolver um programa de biocombustíveis para o setor de aviação. Embora a presidente da Boeing no Brasil, Donna Hrinak, embaixadora americana no país de 2002 a 2004, negue que os investimentos tenham qualquer relação com as negociações do projeto F-X2, para a compra dos caças, a companhia dá sinais claros de que quer ganhar espaço no Brasil, que tem apresentado economia sólida no cenário mundial. Segundo Dana Dacharoeden, gerente da campanha F-X2 da Boeing, as ações organizadas desde 2009 envolveram não apenas os estudos para conhecer os anseios da presidente Dilma, como também o envio de especialistas ao Brasil para conversar sobre detalhes do Super Hornet. "Também recebemos uma série de visitas de militares brasileiros para fazer testes", observou. Ele ressaltou, ainda, que, diante do destaque que o país tem conquistado na economia mundial, a empresa avalia constantemente que outros projetos podem ser implementados. Apesar do esforço, Dachroeden tem consciência de que a decisão é muito mais complicada. "A Dilma vai escolher." Sem acordo As negociações para a compra dos 36 caças se arrastam desde o governo Fernando Henrique Cardoso. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou a declarar apoio à francesa Dassault em 2008, mas não fechou negócio. Agora, o ponto mais sensível para a presidente Dilma tem sido a transferência de tecnologia. O Palácio do Planalto quer ter acesso aos métodos e materiais de produção e ao conhecimento integral para executar todos os passos que permitam montar um caça no Brasil. As concorrentes, cada uma do seu jeito, têm tentado minimizar os questionamentos de que a transferência de tecnologia será limitada, e não irrestrita, como estabelece o F-X2. Os Estados Unidos ficaram com a pecha de não cumprirem a sua palavra após terem suspendido, no início do ano, um contrato de US$ 356 milhões com a Embraer para a compra de 20 aviões de defesa Super Tucanos da fabricante brasileira. Entre os argumentos da Casa Branca para a impugnação do contrato estão o de que a preferência por um fornecedor estrangeiro impediria a criação de 1,4 mil empregos em 20 estados norte-americanos, mas a alegação não convenceu Dilma. Em entrevista a jornalistas brasileiros, o governo norte-americano confirmou que não poderá ceder em um ponto considerado estratégico pela presidente. O principal secretário assistente do Departamento de Estado dos Estados Unidos, Thomas Kelly, afirmou que, embora o Brasil tenha sido incluído no "grupo de elite" dos parceiros comerciais do país, ao lado de economias como Reino Unido e Japão, os Estados Unidos não repassarão o código-fonte — que dá acesso irrestrito às informações da aeronave — do caça F-18 Super Hornet caso a Boeing vença a licitação. "O Brasil está no nível de transferência de tecnologia mais alto que podemos oferecer. Mas não fornecemos os códigos fontes a qualquer país do mundo", disse.
Fonte: Correio Braziliense..segurança nacional blog

Japão entra no mercado de lançamentos espaciais


O foguete de lançamento japonês H-IIA levou ao espaço o satélite sul-coreano KOMPSAT-3. Assim, o Japão se estabeleceu como um novo jogador no mercado de lançamentos comerciais.

Depois do lançamento do foguete europeu Vega, este é o segundo caso que dá razão para pensar sobre o futuro da Rússia neste sector da economia. Embora atualmente a Rússia seja líder pelo número de lançamentos, em breve, não só outros países, mas também empresas privadas, poderão fazer-lhe concorrência.
Vigésimo primeiro lançamento bem sucedido 
O lançamento do satélite sul-coreano teve lugar em 18 de maio do cosmódromo de Tanegashima com o foguete de lançamento H-IIA, fabricado pela empresa Mitsubishi Heavy Industries (MHI). A maior parte da carga era o satélite sul-coreano de sondagem remota KOMPSAT-3 que trabalha na gama ótica. Além disso, o foguete levou para o espaço três satélites japoneses. Dois para a Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial JAXA: GCOM W1 (Global Change Observation Mission – Missão de observação de mudanças globais, ou Shizuku no nome curto, que significa gota) para o estudo de processos de circulação de água, e um satélite de demonstração SDS-4, um pequeno satélite construído por estudantes.
O foguete de lançamento H-IIA foi projetado e construído pela JAXA, mas desde 2007 a agência passou a encomendar a construção de foguetes à MHI. A empresa realizou nove lançamentos para JAXA (é notável que o primeiro levou à Lua a sonda Kaguya), e no total houve 21 lançamentos, dos cuais 20 foram bem sucedidos.
Este lançamento deve ser considerado notável como o primeiro lançamento comercial que o H-IIA realizou. Seu preço foi estimado pelos clientes em vários bilhões de yen (dezenas de milhões de dólares), mas a MHI não confirmou esta informação. No entanto, o presidente da empresa, Hideaki Omiya, observou que a empresa deve continuar trabalhando na redução dos custos para que o preço do serviço seja comparável com os preços dos concorrentes mais próximos: Europa e Rússia.
Concorrentes
Em versões diferentes, o H-IIA é capaz de colocar na órbita baixa da Terra entre 10 e 15 toneladas, e de 4,1 a 6 toneladas na órbita geoestacionária de transferência. Assim, os rivais mais próximos do foguete de lançamento japonês são as modificações do Zenitucraniano e os foguetes russos Proton e Angara-A3 que está em desenvolvimento. Além disso, o foguete privado Falcon 9 desenvolvido pela empresa Space Exploration Technologies Corp. é surpreendentemente semelhante ao H-IIA em peso de carga lançada. Em 19 de maio o Falcon 9 devia ter levado para a Estação Espacial Internacional a nave não tripulada Dragon, mas o lançamento foi adiado devido a problemas técnicos.
A administração da empresa indica o preço aproximado de um lançamento do Falcon 9 em 54 milhões de dólares, o que é significativamente menor que um lançamento do Proton (cerca de 80 milhões).
No entanto, quando se trata de lançamentos, não é apenas o preço que importa. A confiabilidade é muito importante para os clientes, e oFalcon 9 ainda não é bastante confiável. O H-IIA, em contraste, mostra um bom desempenho. Além disso, é importante avaliar corretamente a carga útil do foguete, e o princípio de quanto mais, melhor nem sempre funciona. No caso de foguetes lançadores pesados, em cada lançamento são geralmente colocados vários satélites, mas se um deles ocupar a maior parte do peso permitido, pode ser difícil encontrar-lhe um par.
De qualquer forma, é evidente que no futuro próximo o mercado de lançamentos estará mudando. O problema do Proton que a Rússia tem hoje é que ele utiliza um combustível tóxico (heptil). E o Angara-A3 que está sendo desenvolvido pelo Centro Estatal de Pesquisa e Produção Espacial de Khrunichev ainda está longe de seu primeiro voo – por enquanto, assume-se que a primeira modificação da série de foguetes Angara será lançada não antes de 2013. Entretanto, o H-IIA já tem 20 lançamentos bem sucedidos.VOZ DA RUSSIA SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Arquivo do blog segurança nacional