Wikipedia

Resultados da pesquisa

sábado, 14 de abril de 2012

Exército Brasileiro - SEMPRE EM AÇÃO - Região Amazônica

segurança nacional

Exército Brasileiro - SEMPRE EM AÇÃO - Região Centro-Oeste

Força de Fuzileiros da Esquadra realiza treinamento no Centro de Adestramento da Ilha da Marambaia


 

Militares durante adestramento na Ilha da Marambaia

 
A Força de Fuzileiros da Esquadra (FFE) realizou, entre os dias 27 de fevereiro e 04 de abril, o exercício ADEST-EQ-FFE-2012, conforme previsto no Programa Geral de Adestramento. O treinamento aconteceu no Centro de Adestramento da Ilha da Marambaia (CADIM), em Mangaratiba (RJ).
O exercício teve como propósito principal adestrar os militares e as pequenas frações envolvidas nos procedimentos básicos e individuais de combate, com ênfase no tiro real com armamento individual e orgânico da Companhia de Fuzileiros Navais (CiaFuzNav) dos Batalhões de Infantaria de Fuzileiros Navais (BtlInfFuzNav).
 
 
Para atingir o propósito, foram conduzidas Oficinas de Adestramento Básico e Oficinas de Adestramento Específico com a participação de 2.700 militares, incluindo instrutores e pessoal de apoio, divididos em pelotões, com um efetivo aproximado de um Oficial e 44 Praças, distribuídos em três períodos de dez dias e tendo como unidades líderes os BtlInfFuzNav.
Foram aplicadas as Oficinas de Tiros de Combate; Acuidade Visual e Auditiva, Orientação e GPS; Tiro Instintivo; Emprego do Grupo de Combate (GC); Pista de Equipamentos de Visão Noturna, Fogo e Movimento; Pista de Aplicação do GC; Explosivos, Minas e Armadilhas, Conduta de Patrulha; Primeiros Socorros; Natação Utilitária; Pista de Comunicações; Cidadania; Segurança Individual; Sobrevivência; Escola de Embarcação; e Defesa Nuclear, Biológica, Química e Radiológica.
Em visita à Ilha da Marambaia durante o período de adestramento, o Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra, Vice-Almirante (FN) Fernando Antonio de Siqueira Ribeiro, ressaltou a importância da participação de todas as Forças e Unidades Subordinadas com o máximo efetivo possível, a fim de que todos tenham a oportunidade de requalificar seus conhecimentos e aperfeiçoar-se profissionalmente.marinha do brasil segurança nacional

Explosões, Serviço Secreto início ofuscar incidente da Colômbia cúpula


O presidente Barack Obama colocou um giro internacional na sua agenda econômica doméstica no sábado, anunciando laços mais profundos e parcerias comerciais em uma cúpula de fim de semana na Colômbia, que está reunindo a maioria dos líderes do hemisfério.
Enquanto Obama pretende se concentrar na expansão de oportunidades de comércio na Sexta Cúpula das Américas, em Cartagena com 33 da região de 35 líderes, ele também deverá enfrentar críticas crescentes por muitos dos líderes da região sobre a exclusão de Cuba do encontro.
Em discurso divulgados pela Casa Branca antes do discurso de Obama em um encontro de líderes empresariais mais tarde sábado, em Cartagena, o presidente pretende abordar "as enormes desigualdades" que perduram na região, apesar de um aumento das importações e exportações entre os Estados Unidos e países da região.
"Ao mesmo tempo, demasiadas pessoas ainda vivem na pobreza. Desigualdades Stark suportar. Barreiras Muitas evitar um maior espírito empresarial ea inovação", segundo discurso preparado do presidente.
"Estima-se que o comércio em todo o hemisfério é apenas metade do que poderia ser. Claramente, podemos fazer melhor. Com quase um bilhão de cidadãos, quase um bilhão de consumidores, entre nós, há muito mais que podemos fazer juntos."
O presidente chegou à cidade costeira colombiana resort sexta-feira, uma visita que marcará a maior parte do tempo um presidente dos EUA passou naquele país, onde as preocupações de segurança limitou anteriores viagens presidenciais.
Mas os incidentes de segurança separados - um envolvendo explosões de bombas e outro envolvendo o Serviço Secreto - ofuscou o início da Cúpula das Américas sexta.
Poucas horas depois de chegar, um número não revelado de agentes do Serviço Secreto que viajam com o presidente foram exonerados e substituídos, disse Edwin Donovan, porta-voz da agência.
"Houve alegações de má conduta feitas contra o Serviço Secreto em Cartagena, Colômbia, antes de viagem do presidente", disse Donovan em um comunicado."Por isso, o pessoal estão sendo aliviados de suas atribuições, retornou ao seu local de trabalho, e estão sendo substituídos por outros funcionários do Serviço Secreto. O Serviço Secreto leva todas as alegações de má conduta sério".
Donovan se recusou a identificar a natureza da suposta má conduta, dizendo apenas o mater estava sendo entregue aos assuntos internos da agência.
Mas Jon Adler, presidente da Associação de Direito Federal Enforcement Officers, disse ao Washington Post que as acusações dizem respeito a pelo menos um agente ter envolvimento com prostitutas em Cartagena.
A CNN não pôde confirmar imediatamente o pedido.
O Washington Post, que primeiro divulgou a história, disse que estava cotado para a investigação por Ronald Kessler.
Kessler, um ex-repórter da Mensagem, disse à CNN que 12 agentes foram exonerados do dever e voltou para casa.
"Um dos agentes não pagar uma das prostitutas, e ela se queixou à polícia", disse Kessler. Ele não disse como ele veio a informação.
Em meio aos relatos de que agentes do Serviço Secreto foram sendo substituídos, duas explosões ocorreram quase pequenas back-to-back, em Cartagena.
As explosões, um perto de uma estação de ônibus e outro perto de um shopping center, ocorreram bem longe de onde os líderes mundiais se reuniam para o início da cúpula, disse Alberto Cantihho Toncell, um porta-voz da Polícia Nacional da Colômbia.
Não houve vítimas, apenas danos menores e foi relatado, Toncell disse.
As explosões veio na esteira de um similar no início do dia perto da Embaixada dos EUA na capital de Bogotá, disseram as autoridades.
As explosões eram um lembrete da violência que assola a Colômbia em-e-fora como ele lutou contra os cartéis de drogas cocaína. A violência tem caído significativamente nos últimos anos como o governo de Bogotá, auxiliado pelos esforços de extradição dos Estados Unidos, com sucesso, escolhi para além dos cartéis.
Segurança regional, particularmente o alto preço a ser pago na guerra às drogas na América Latina, esperava-se que no topo da agenda para os líderes.
Em uma recente reunião na Casa Branca com os líderes de México e Canadá, Obama foi contundente sobre a ameaça permanente em uma região onde alguns líderes acreditam que a guerra contra as drogas está fracassando.
Em uma entrevista sexta-feira com a Colômbia baseados televisão Caracol, Obama disse que não acredita que a resposta era a legalização das drogas, uma consideração entre alguns países.
"Eu respeito o fato de que os governos aqui estão se sentindo muito contestada por isso, eo que eu quero fazer é ter uma conversa construtiva sobre como nós podemos parceira com os países para resolver esse problema", disse ele.
"Mas eu acho que é um erro pensar que há uma bala de prata lá fora, e que de alguma forma a legalização diminui o maior desafio."
Enquanto a caminho da Colômbia, Obama anunciou o desenvolvimento da rede de pequena empresa das Américas, que ele disse que ajudaria as empresas a obter acesso aos mercados sul da fronteira dos EUA.
Mas a agenda da cimeira pode ser accionado por outras preocupações que têm sido debatidas por líderes latino-americanos.
Cuba, que não é um membro da Organização dos Estados Americanos, não foi convidado para se juntar aos líderes, embora tenha havido uma mudança de última hora pelo esquerdista do Equador, o presidente Rafael Correa para obter o líder cubano Raul Castro um assento à mesa.
Correa ameaça de organizar um boicote com outros líderes da Aliança da Bolívia (Venezuela, Bolívia e Nicarágua) levaram a intensos esforços diplomáticos nos bastidores. Castro convidativo poderia ter causado problemas para Obama, que está em um ano eleitoral.
Obama disse à televisão Caracol que o que está a impedir Cuba de ser um "membro pleno da comunidade internacional não é os Estados Unidos da América", mas sim políticas próprias de Cuba.
"Este continua a ser um profundamente anti-democrática do Estado, autoritário", disse Obama.
As autoridades colombianas tinham conhecimento da precipitação potencial neste caso, para ministro das Relações Exteriores do país, foi enviado para Cuba. O presidente colombiano, Juan Manuel Santos viajou para Cuba para se reunir com Fidel Castro.
Essas reuniões efetivamente terminou a disputa, mas Correa do Equador, estava com raiva. Ele disparou uma carta ao Santos criticando a negação da participação de Cuba como "intolerável".
Então, ele boicotou a cúpula, apesar de os outros líderes que haviam apoiado o apelo disseram que iriam comparecer.
Durante a cúpula anterior, há três anos em Port of Spain, Trinidad, Obama teve um encontro desconfortável com Hugo Chávez, quando o líder venezuelano entregou-lhe um livro crítico dos Estados Unidos e Europa.
Presença de Chávez no fim de semana permanecia incerto sexta à noite, quando ele disse à Televisão Nacional Venezuelana, "Na realidade, isso não vai ser decidido por mim, mas pelos médicos."
Nos últimos meses, Chávez foi submetido a tratamento em Havana para o câncer.
Questionado durante a entrevista à TV Caracol se os Estados Unidos visto na Venezuela como uma ameaça, o presidente foi medido:
"Nós não vemos a Venezuela como uma ameaça para os Estados Unidos. Eu acho que a Venezuela tem, às vezes jogados em torno de seu peso, no bairro de maneiras que são destrutivas", disse ele.
"Nós não pensamos que o povo venezuelano foram servidos pela retórica e, você sabe, o. Minando as instituições democráticas, a prevenção da liberdade de expressão ou o fato de que é mais difícil para a oposição para organizar Queremos que os povos da América Latina e no Caribe para determinar seu próprio destino. "segurança nacional

Arquivo do blog segurança nacional