Wikipedia

Resultados da pesquisa

segunda-feira, 19 de março de 2012

Elbit Hermes 900

segurança nacional

Grumec/GERR - Forças Especiais do Brasil

SISFRON - Sistema de Vigilância da Fronteira

Eric Trappier (Dassault): "A Índia é uma assinatura do contrato Rafale em seis meses"


Eu não vejo nenhuma razão pela qual podemos ir atrás e trazer os índios para parar quando eles fizeram a parte mais difícil. O procedimento foi iniciado em 2007.Após várias semanas de avaliações em condições extremas, nas encostas do Himalaia para as areias do deserto, a Força Aérea selecionado duas aeronaves: o Rafale eo Eurofighter. Em última análise, é a menor lance que ganhou tanto em termos de custo unitário do próprio dispositivo ea sua manutenção ao longo do tempo. Tudo foi realizado com base em critérios definidos previamente e têm sido escrupulosamente observada, sem envolvimento política. Este concurso é exemplar.

Quando você espera encontrar?

Os índios querem ir rápido, e considerando uma conclusão em cerca de seis meses. Precisamos finalizar os termos técnicos e industriais, e construir um contrato cujos termos são equivalentes às do Mirage 2000 (assinado em 2000, Ed).

BAE tem sido sugerido que o Eurofighter pode voltar à pista ...

Eu não acredito, e eu estou surpreso que algumas pessoas estão se surpreso que o Rafale tem prevalecido. Em todas as competições onde os dois aviões foram opostas, o Eurofighter foi eliminado na primeira rodada, como na Coréia, Holanda e Brasil, onde ele foi classificado atrás do Rafale, como na Índia. Ou na Suíça, como evidenciado pelo relatório de avaliação das forças armadas publicados na imprensa. Acrescento que os cálculos do Tribunal de Contas do Reino Unido mostram que o Eurofighter é muito mais caro. Operacionalmente, em seguida, o Rafale provou sua versatilidade durante a Operação Harmattan, ao contrário do Eurofighter foi concebido como um lutador puro. O concurso nomeou indiano claramente a melhor aeronave.

A que preço? Você já ofereceu mais barato do que vendeu para a França?

O preço do Rafale na Índia é oferecida a preços franceses, ajustado para despesas relacionadas ao contrato, uma vez que não é bem a mesma configuração técnica, e que a produção será em parte localmente. A competição foi tão difícil que cada lado tinha a oferecer o melhor preço possível. Dito isto, nós não fizemos dumping para ganhar. A iso-condições, propusemos o preço do francês Rafale.

Das 126 unidades previstas, apenas 18 serão fabricados na França. Devemos esperar limitados benefícios industriais?

O IRB não irá coincidir com a produção de 126 Rafale na França, mas não para construir poucas cópias.A transferência de tecnologia será feita de forma gradual e não haverá nenhum acordo de licenciamento global, mas os acordos de licenciamento para cada dispositivo. Em outras palavras, cada dispositivo vai viver sua própria vida e sua produção na Índia vai obedecer a um aumento própria. O objetivo é que a Índia é capaz de produzir Rafale, mas sempre haverá alguma atividade na França. No conjunto, o contrato irá empregar dezenas de milhares de pessoas.

Um acordo com Emirados Árabes Unidos ainda é possível antes da eleição presidencial?

No nosso caso, a negociação chega a um fim, mas se acabou, nós saberíamos.

Em novembro, Abu Dhabi chamado sua oferta competitiva e irreal. A discussão é atrás de você?

Houve discussão? A discussão é quando você já não falado. Mas nós nunca parou de falar para nós. As palavras usadas não-competitivas e irrealista significava que Dassault tinha que fazer melhor. Em uma negociação, há sempre altos e baixos, mas um resultado no final. Hoje, nós não estamos lá ainda. É por isso que nós trabalhamos e continuamos cautelosos.

Se a mudança política em maio, há um risco de atraso de vários meses as negociações?

Uma mudança de governo não é susceptível de acelerar este tipo de decisão. Agora, os acontecimentos políticos na França são bem conhecidos. O aspecto político é importante com este tipo de contrato.

O Rafale é novamente dada vencedor no Brasil. Ou é concurso?

A escolha de Nova Délhi tem tido um efeito cascata sobre as nossas outras campanhas. Nós não superestimar, mas não subestime também, porque ele nos permite passar um número de mensagens.Seguindo um procedimento muito profissional, a Índia rejeitou os nossos concorrentes americanos, russo, sueco e europeu. Este não é indiferente para o país que lançou um concurso. Como no Brasil, onde o Rafale se opõe à Boeing F-18 e Gripen da Saab, que ambos foram eliminados na primeira rodada na Índia. Dito isto, hoje, o concurso no Brasil permanece congelado. A bola está no campo do governo brasileiro.

O cancelamento do contrato pela luz aeronaves Embraer Tucano Pentágono jogar muito em seu favor? Você vê uma decisão este ano?

Vemos este negócio com um olhar atento. Isso mostra que os EUA sabem proteger seus interesses. Não vejo como isso poderia servir-nos. Um ano atrás, ele disse que a decisão deve ser tomada no início de 2012. Agora vamos falar sobre o meio do ano. Nós assistimos. Enquanto isso, um sinal do governo, nós continuamos a construir as nossas parcerias locais.

Você deposita o recurso na Suíça, que preferiu o Gripen?

Parlamento iniciou uma investigação. Queremos ter a certeza do procedimento, o que exigiu a aeronave a ser testado na produção, foi observada. O Rafale eo Eurofighter foram avaliados em voo. Mas qual a versão do Gripen foi? Será que um avião de papel? Um protótipo? Se este for o caso, então seria ao contrário do que entendido o procedimento. Vamos apresentar o resultado do inquérito parlamentar. Se ele confirma que o procedimento foi seguido, não vamos estabelecer uma ação legal contra um Estado soberano.

Quer ou não controlado, o avião de combate futuro europeu vai estar lá antes de qualquer franco-britânica?

Isto é o que podemos deduzir do Tratado de Lancaster House em novembro de 2010 ea declaração bilateral de 17 de Fevereiro. Ambos os países manifestaram o desejo confiar este projeto nos seus dois campeões nacionais, a BAE Systems e Dassault Aviation.

Não haverá espaço para outros países e especialmente para aqueles envolvidos no protótipo Neuron UCAV?

Estamos apenas no começo, mas estamos prontos para abrir o projeto para outros países. Também é necessário que os governos querem e estão dispostos a contribuir. A questão surge porque o projeto Neuron (que liga a França, Suíça, Espanha, Itália, Suécia e Grécia) vai acabar meados de 2013. Dito isto, a liderança permanecer em BAE e Dassault.
Foto: Eric Trappier, International Managing Director da Dassault / Dassault
ENTREVISTA ALAIN RUELLO

Irã iniciou produção de novo avião não tripulado


O complexo militar-industrial do Irã iniciou a produção de um novo veículo aéreo não tripulado Shaparak, que pode ser usado para cumprimento de um vasto espectro de tarefas, incluindo operações de resgate, busca, patrulhamento  e monitoramento do trânsito rodoviário.
O alcance de ação do novo engenho constitui 50 km, a altura máxima de voo se estima em 4600 metros. O Shaparak é capaz de permanecer no ar 3,5 horas e levar uma carga útil até 8 kg.   segurança nacional      

Comércio mundial de armas cresceu 24% nos últimos 5 anos, aponta estudo


O comércio internacional de armas aumentou substancialmente nos últimos cinco anos, segundo um relatório divulgado nesta segunda-feira pelo Instituto de Pesquisas para a Paz de Estocolmo (Sipri, na sigla em inglês).
De acordo com o levantamento, o comércio de armas aumentou 24% entre 2007 e 2011, sobretudo por conta da militarização empreendida pelos países asiáticos.
Os Estados Unidos permanecem como o maior exportador mundial, seguido de Rússia, Alemanha, França e Grã-Bretanha.
A Índia se tornou o maior importador de armas do mundo, seguida de Coreia do Sul, Paquistão, China e Cingapura.
Segundo os autores do estudo, a Índia ultrapassou a China como maior comprador graças em grande parte ao fato de que a indústria bélica chinesa cresceu muito nos últimos cinco anos.
As armas compradas pelos indianos representaram 10% do comércio mundial no período analisado.
O relatório dá assim um novo sinal da corrida armamentista na Ásia. Um estudo também divulgado neste mês por um centro de estudos de Londres indicava que os gastos militares asiáticos superarão os europeus pela primeira vez em 2012.
Stephanie Blencker, da Sipri, afirmou que a China está a ponto de entrar no grupo dos cinco maiores vendedores de armas do mundo, sobretudo por conta de suas vendas ao Paquistão.
Mas seus motivos não são puramente financeiros, segundo ela. A China teria também como objetivo, ao elevar suas exportações de armas, aumentar sua influência.
Porém Blenckner observa que a diferença entre a quantidade de armas vendidas pelos Estados Unidos e pela China ainda é muito grande.
Primavera Árabe
O relatório também mostra que as vendas de armas aos países protagonistas da Primavera Árabe não mudaram substancialmente no último ano.
Apesar de os Estados Unidos terem revisado em 2011 suas políticas de comércio de armas para a região, continuam sendo o maior fornecedor à Tunísia e ao Egito.
Os Estados Unidos venderam 45 tanques ao Egito no ano passado, e prometeram ao governo egípcio mais cem.
A Rússia, por sua vez, vendeu no ano passado a maior parte dos armamentos comprados pela Síria, incluindo aviões de combate e um sistema de mísseis.
O Sipri explica que os questionamentos éticos de exportar armas a países instáveis têm um impacto limitado.
A compra de armamentos não está necessariamente ligada à existência de ameaças externas, segundo o centro de estudos sueco.
Alguns países as compram simplesmente para aumentar seu prestígio internacional.
Mas a capacidade de pagar por elas segue sendo um fator importante, como aponta o jornalista da BBC John McManus. Ele destaca que as importações de armas pela Grécia vinham caindo progressivamente ao longo da última década, até zerarem totalmente no ano passado. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC. segurança nacional

Arquivo do blog segurança nacional