Wikipedia

Resultados da pesquisa

domingo, 12 de fevereiro de 2012

O longo voo do Rafale até a Índia


Muito tempo depois das ruas estarem vazias naquela noite gelada de inverno em dezembro de 1981, as luzes estavam acesas no 5º andar do Vayu Bhavan (em hindu “Edifício Aéreo”) na Divisão de Operações de Elite da Força Aérea Indiana. Os mais brilhantes pensadores da Força Aérea da Índia se preocupava com uma nova chegada impetuosa aos céus sub-continentais. Os Estados Unidos haviam acabado de anunciar a venda de quarenta caças F-16 ao Paquistão, dando a Força Aérea do Paquistão um forte, rápido e ágil caça, o suficiente para perturbar o equilíbrio do poder aéreo no subcontinente. A compra do F-16 desencadeou um conjunto de reações nos indianos que culminou na decisão da semana passada de negociar em breve com a empresa francesa, a Dassault Aviation para 126 aviões de combate médio multi-função Rafale, o contrato MMRCA.
A Índia agiu rapidamente para combater o F-16 com os caças Mirage 2000 e MiG-29. Logo após o Squadron Leader Shahid Javed pousar o primeiro F-16 do Paquistão, na Base Aérea de Sargodha, no dia 15 de janeiro de 1983, Nova Deli assinou um contrato com a Dassault para 49 caças Mirage 2000. Os pilotos da Força Aérea da Índia começou a treinar na França e, em 1985, o primeiro Mirage 2000 foi integrado à frota da Força Aérea da Índia. Este foi o primeiro verdadeiro caça multimissão do Sul da Ásia, bom para missões de ataque, suporte de guerra eletrônica, e também bastante rápido e manobrável para o combate ar-ar. Desde o início, os pilotos da Força Aérea da Índia saborearam o Mirage 2000, bem como a relação com a Dassault.
Em seguida, Rajan Bhasin, um jovem tenente de vôo e mais tarde um dos top guns mais importantes da Força Aérea da Índia, estava no primeiro lote de oito pilotos da Força Aérea da Índia que foi para a França em 1984 para aprender a voar o Mirage 2000. Ele recorda: “O Mirage 2000 era um excelente caça. E a relação com a Dassault sempre foi completamente profissional. Temos o caça que compramos; e nós temos a formação que compramos. Sempre que queríamos um extra, tivemos que pagar por isso. Mas a Dassault não trapaceou.”
Em 1987, a Força Aérea do Paquistão havia colocado em operação todos os 40 caças F-16s que tinham comprado e, em 1988, o Paquistão encomendou e pagou por mais 11 caças F-16. Mas, embora o alarme estava tocando em Nova Deli e a Força Aérea da Índia querendo encomendar mais caças Mirage 2000 dentro de uma cláusula de opções no contrato, ela não fez isso. A compra do caça russo MiG-29, supostamente um “destruidor de F-16″ devido à sua habilidade no combate aéreo, não havia deixado espaço para mais caças Mirage 2000.
Mas o entusiasmo da Força Aérea da Índia com os caças Dassault ainda estava alto, especialmente depois do Mirage 2000 demonstrar a sua capacidade para atacar quase invisíveis posições paquistanesas sobre os cumes acima de Kargil em 1999. Na virada do século – com o primeiro modelo de MiG-21 rapidamente se tornando obsoleto, e com a sua substituição, a Aeronave de Combate Leve Tejas ainda não tendo voado (ele voou pela primeira vez apenas em 2001) – a Força Aérea da Índia solicitou formalmente ao Ministério da Defesa para comprar e transferir para a Índia toda a linha de produção do Mirage 2000 que a Dassault estava fechando. Isso permitiria que a Hindustan Aeronautics Limited (HAL) pudesse construir o melhor caça Mirage 2000-5 para substituir os obsoletos MiG-21. E com a Dassault deslocando a produção para a nova geração de caça Rafale, a França estava disposta e ansiosa para vender a linha do Mirage 2000 para Índia.
A Força Aérea da Índia opera três esquadrões de caça Mirage 2000, os quais estão iniciando um processo de modernização na França.
“O Ministério de Defesa da Índia disse que queria aeronaves com as quais estava familiarizado. Esse foi o Mirage 2000 e queríamos a versão mais recente: o Mirage 2000-5. Como uma força aérea, estávamos muito familiarizados e confortáveis ??com o tratamento operacional e tático do Mirage 2000″, disse o Air Marshal (aposentado) Pranab Kumar Barbora, que era o Vice-Chefe do Estado-Maior Aéreo até 2010.
Mas o Ministério da Defesa, no ponto alto da exposição de Tehelka sobre a corrupção no setor da defesa, temia que uma compra de um único fornecedor, a Dassault, poderia ser acusado de uma decisão arbitrária. Lembrando que a Força Aérea da Índia não beneficiada de uma “cláusula de opções” no contrato de 1983 para os caças Mirage 2000, George Fernandes, do ministério de defesa pediu a Força Aérea da Índia para lançar um concurso mundial para um muito melhor caça que poderia ser comprado a partir do mercado internacional.
Outra razão para um novo concurso global foi o medo de que o Mirage 2000-5 poderia não ser bom o suficiente. Com a crescente dependência dos EUA pelo Paquistão devido à sua presença no Afeganistão, parecia provável que pelo menos mais dois esquadrões de caças F-16 em breve se juntariam a Força Aérea do Paquistão. Estes seriam formidáveis caças Block 50/52 com radares muito melhores e novos armamento. E a Força Aérea do Paquistão também programou para obter uma nova frota de mais de 200 caças leves chineses JF-17 Thunder.
Ainda mais alarmante foi o crescimento armamentista e de infra-estrutura da China no Tibete. Os velhos caças J-7 e J-8, que a Força Aérea da Índia poderia lidar confortavelmente, foram sendo substituídos por uma frota de caças russos Sukhoi Su-27/30, e com os chineses JF-10, que teriam aviônicos avançados comprados a partir de Israel. De repente, o dragão estava olhando sobre o Himalaia, e nas regiões militares de Lanzhou e Chengdu que fazem fronteira com a Índia, incorporando entre 5-7 divisões do Exército de Libertação Popular e uma rede de campo de pouso militar no Tibete melhorou, com pistas estendidas e instalações modernizadas. A China tinha agora um formidável poder aeroespacial.
“Precisávamos aumentar nossa frota de combate muito, muito, urgentemente”, disse um marechal do ar que serve a Índia, e que prefere permanecer anônimo. “E estávamos determinados a implementar um processo de aquisição que ninguém no Ministério da Defesa poderia falhas ou atrasar. Hoje, o processo da Força Aérea da Índia tornou-se o padrão ouro para aquisições de aviões de caça em todo o mundo. O ministro brasileiro da Defesa, que visitou esta semana Delhi, pediu para Índia compartilhar detalhes com o seu ministério apenas sobre como nós o fizemos.”
Tudo começou com a elaboração de especificações em Vayu Bhavan que não exigiram o melhor caça disponível no mundo, mas um caça tão bom que ele ainda não existia. As especificações da Força Aérea da Índia foram: excelente desempenho aerodinâmico, o mais avançado radar AESA (varredura eletrônica de matriz ativa) que permitiria o MMRCA detectar e disparar mísseis antes de um jato de combate inimigo perceber que estava na mira; avançada suíte de Guerra Eletrônica (EW) com capacidade para cegar as defesas inimigas; e armamento que esteja perfeitamente integrado a aviônica do caça. Tudo foi definido, por escrito, antes de uma Requisição para Propostas (RFP) ser enviado a seis empresas aeroespaciais mundiais em agosto de 2007.
O caça Rafale foi escolhido a melhor proposta na competição MMRCA na Índia frente ao Typhoon.
Para essas empresas, a grande questão era: qual caça oferecer? A Lockheed Martin tinha o F-22 Raptor, o único caça de quinta geração do mundo, que venceria qualquer competição, mas nunca seria liberado para exportação. A empresa também estava desenvolvendo o F-35 Lightning II Joint Strike Fighter, mas esse estava anos longe da conclusão e não poderia participar nos iminentes ensaios em voo da Força Aérea da Índia. A Lockheed Martin eventualmente desdobrou seu mais avançado caça F-16 Block 60, apelidado de F-16IN Super Viper, com aviônicos e armamentos melhores do que qualquer F-16 vendido antes. Outras empresas tiveram menos escolhas; a Boeing alinhou seu F/A-18 Super Hornet, a Dassault ofereceu o Rafale; a Saab, o Gripen NG que ainda está no futuro; e a Eurofighter GmbH ofereceu o Typhoon, com a Rússia escalando o MiG-35.
No segundo semestre de 2008, a Força Aérea da Índia realizou uma avaliação técnica dessas propostas, para ver se as propostas estavam em conformidade com as solicitações de propostas. O que deveria ter sido um processo inócuo virou dramático quando a oferta da Dassault teria sido rejeitada como incompleta. Enquanto isto foi rapidamente resolvido pela intervenção diplomática, supostamente pelo próprio presidente Sarkozy, outras empresas estão dizendo agora que ao Rafale foi feito um favor para ser reintegrado no concurso.
Foi a fase seguinte de avaliação – a de ensaios de vôo – que estabeleceu o processo de testes da Força Aérea da Índia numa competição própria. Realizado pelo pessoal da Diretoria de Necessidades Aéreas (ASR), e supervisionado pelo calmo e imperturbável Air Commodore (hoje Air Vice Marshal) RK Dhir, cada um dos seis candidatos foram testados em voo por pilotos da Força Aérea da Índia, que testaram 660 aspectos de desempenho individuais de cada aeronave candidata. Por exemplo, a Solicitação de Propostas exigiu que o motor do caça deveria ser substituído dentro de uma hora. As equipes de manutenção realmente fizeram cada candidato fazer isso. Se a Força Aérea da Índia exigiu uma “taxa de curva sustentada” (a rapidez com que um caça pode virar-se no ar) de 24 graus por segundo, cada caça foi fisicamente colocado através desta manobra para estabelecer que cumpriria este requisito. (Aliás, ambos os caças americanos não cumpriram os requisitos da Força Aérea da Índia de “taxa de curva sustentada”)
O Air Marshal Barbora, que supervisionou o processo de avaliação de vôo junto com o vice-chefe da Força Aérea da Índia, conta como as seis equipes de pilotos, engenheiros de vôo e pessoal de manutenção da Força Aérea da Índia foram admitidos, um para cada caça que era estudado e avaliado. Cada piloto começou aprendendo a voar o caça que ele iria avaliar, enquanto os engenheiros de vôo e pessoal de manutenção aprendiam as informações técnicas. Os pilotos da Força Aérea da Índia fisicamente voaram cada um dos caças em disputa, embora com um piloto definido pelo fabricante no segundo assento. Esta foi a primeira vez que qualquer força aérea havia sido autorizada a realizar tal voo de avaliação.
O contrato do Rafale, antes de ser assinado, passará por uma rigorosa avaliação dos valores porpostos pela Dassault.
Em abril passado, o Ministério da Defesa selecionou como finalistas o Rafale e o Typhoon, o que significa que só estes dois caças tinham passado pela avaliação experimental de vôo. Agora o jogo havia mudado, com o desempenho estabelecido, o mais barato dos dois iria ser julgado o vencedor. Pela primeira vez na Índia, os custos não foram comparados apenas com o preço de compra, mas de quanto o caça custaria para comprar, construir, atualizar e operar numa vida útil de mais de 3-4 décadas. A Força Aérea da Índia tinha claramente aprendido uma lição com a experiência do MiG russo, onde um preço inicial mais barato, que parecia inicialmente atraente, levou a enormes custos operacionais e uma menor disponibilidade de aeronaves, que significava que quando a Força Aérea da Índia pagou por seis esquadrões, ela realmente tinha apenas três esquadrões para voar.
O Marechal do Ar (aposentado) Padamjit Singh Ahluwalia, que trouxe o primeiro Mirage 2000 para a Índia, disse, “os caças russos como o MiG-29 são ótimos para shows aéreos, mas a manutenção é muitas vezes um problema. Quando você chegar no ar, o radar muitas vezes se torna imprestável… às vezes isso acontece entre duas missões. O resultado são as taxas de manutenção muito baixas.”
A contagem regressiva já começou para assinar um contrato com a Dassault Aviation. Um membro do Ministério de Defesa da Índia disse que o Comitê de Negociação do Contrato (CNC) irá agora engajar a Dassault de definir o seu preço, negociando com os membros da Dassault sobre os cálculos que determinaram o preço final do Rafale, a verificação dos custos de trabalho e materiais que vão para o caça. Por exemplo, o CNC vai descobrir o quanto de titânio vai para cada aeronave e, em seguida, verificar se os preços de titânio na Bolsa de Metais de Londres. O CNC também vai avaliar os custos do trabalho de fabricação, determinando o número de trabalhadores qualificados e engenheiros necessários para construir o Rafale e multiplicando com os custos de trabalho respectivos (notoriamente altos na França). O objetivo será demonstrar aos negociadores que o Rafale da Dassault pode ser construído mais barato do que o preço citado.
As negociações do CNC também serão centradas nas tecnologias que a Dassault (e seus sub-fornecedores, como a Thales) irão transferir para a Índia e as modalidades para ser feito. Os mandatos da Requisição de Propostas determinam que a tecnologia para o radar AESA (que a Thales fabrica) deve ser transferida para a Índia. O CNC vai verificar como essa tecnologia, e outras, seriam realmente transferidas. Os offsets são outro campo minado que a Dassault tem que atravessar, abrindo caminho de volta para a indústria indiana, de pelo menos 50% do valor do contrato estimado em US$ 15-17 bilhões deste negócio. Só depois de resolvidas estas questões, vai ser realmente assinado um contrato. Altos oficiais da Força Aérea da Índia acreditam que isso poderá ocorrer até o final de 2012.
Mesmo enquanto o drama do Rafale se desenrolava, o caso de amor da Índia com os caças franceses continuava. Por volta de 2005, a Índia comprou dez caças Mirage 2000, elevando a frota para três esquadrões. As negociações estavam em andamento para a compra de 40 caças Mirage 2000-5 dos Emirados Árabes Unidos, mas que pararam devido a questão do preço. No ano passado, a Força Aérea da Índia assinou um acordo de US$ 2,4 bilhões para atualizar a frota de Mirage 2000, estendendo sua vida útil por pelo menos mais 15 anos. E agora, se a compra do Rafale for concretizada, os franceses parecem que ficarão de vez na Índia.

Brasil enviará novo contingente para missão de paz no Líbano


A Marinha enviará na terça-feira um novo contingente de militares brasileiros para atuar na Força Interina das Nações Unidas para o Líbano (Unifil, na sigla em inglês). No dia 25, assume o comando da Força-Tarefa Marítima (FTM) da Unifil o contra-almirante Wagner Lopes de Moraes Zamith. Em abril, parte a fragata Liberal, com 270 homens a bordo.
Zamith vai substituir o contra-almirante Luiz Henrique Caroli, comandante da FTM, a bordo da fragata União. A embarcação está no Líbano desde novembro de 2011. A missão é ajudar, juntamente com embarcações de mais cinco países, no patrulhamento das águas territoriais libanesas, evitando a entrada de armamentos e produtos proibidos. A Liberal, assim como a União, será o navio capitânia da frota marítima.
"A missão da Unifil visa a criar um ambiente de diálogo, ajudar o governo libanês a evitar ingresso de armas ilegais pelas fronteiras e restabelecer a soberania na porção Sul do território, onde as invasões de Israel eram mais frequentes. Outro objetivo é levar auxilio humanitário à população local que, por causa dos conflitos, foi deslocada de suas residências", explicou Zamith.
Além de garantir estabilidade para o governo libanês consolidar a democracia no país, Zamith destaca que a missão também mostra a importância geopolítica do Brasil na região. "Isso projeta o Brasil como um país engajado em operações de manutenção de paz. Hoje somos o 12º país em termos de contribuição de tropas e material para missões de paz. Cresce nossa visibilidade e credibilidade em fóruns internacionais. O Brasil tem uma aceitação muito grande", explicou.
A Unifil foi criada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1978. Em 2006, o governo libanês solicitou que fosse criada força marítima em apoio à missão. No segundo semestre de 2010, o Brasil foi convidado a participar do projeto. "Isso demonstra a confiança e a credibilidade no nosso país, ao termos condições de tomar posição de liderança em uma missão de paz."
Todas as atividades e movimentos dos brasileiros em águas libanesas serão acompanhados em tempo real, a partir do Centro de Comando e Controle, subordinado ao Comando de Operações Navais, situado no 1º Distrito Naval, no centro do Rio de Janeiro. O local tem comunicação direta por satélite com as equipes no exterior, o que possibilita saber exatamente onde estão as embarcações brasileiras, além de oferecer ligação instantânea de áudio e vídeo.
As abordagens aos navios e embarcações estrangeiros só serão feitas a pedido do governo libanês, seguindo um rígido treinamento, para evitar qualquer atrito, pois a região reúne dezenas de grupos de diferentes religiões e convicções políticas. "Uma atividade amplamente exigida é a inspeção e abordagem a navios mercantes. A tripulação foi treinada para esse tipo de tarefa. Foi criado um grupo de reações contra ameaças assimétricas", explicou Zamith. Além disso, outra atividade importante é a atuação do Brasil no treinamento da Marinha libanesa.
O Ministério das Relações Exteriores acompanhou toda a preparação. Apesar das diferenças culturais e dos riscos de se atuar em uma região de conflitos políticos, Zamith lembra que os brasileiros são sempre bem recebidos no Líbano. Segundo ele, o Brasil tem uma população com origem ou descendência libanesa calculada em 8 milhões de pessoas, praticamente o dobro da população atual do Líbano, de cerca de 4 milhões de habitantes.

Caça sueco que pode equipar a FAB fracassa em teste na Suíça


O avião de combate Gripen, do grupo sueco Saab, fracassou nos testes realizados pelas forças aéreas suíças, país que decidiu adquirir recentemente 22 unidades, afirma um relatório confidencial com data de 2009 e publicado neste domingo pelo jornal Le Matin Dimanche.
Segundo o documento, "a eficácia global do Gripen MS21 é insuficiente para alcançar a superioridade aérea ante ameaças futuras" e o avião é "incapaz de alcançar as mínimas capacidades em todos os tipos de missões examinadas".
No dia 30 de novembro, Berna anunciou a escolha do Gripen, que competia com o Rafale francês e com o Eurofighter, do grupo EADS. O ministro da Defesa, Veli Maurer, justificou a decisão afirmando que o avião sueco cumpria as exigências militares.
O avião sueco é um dos finalistas da concorrência aberta pelo governo brasileiro para a compra de 36 caças para a Força Aérea Brasileira (FAB), em um negócio que pode chegar a cerca de R$ 10 bilhões. O Gripen concorre com o americano F-18 Super Hornet (Boeing) e o francês Rafale (Dassault).

Marinha dos EUA afirma que está preparada para confrontar o Irã


AE - Agência Estado
MANAMA - O vice-almirante Mark Fox, comandante da Marinha dos Estados Unidos no Golfo Pérsico, declarou hoje no Bahrein que a capacidade militar do Irã é levada a sério, mas as que as forças norte-americanas estão preparadas para "confrontar qualquer agressão iraniana" na região.
Fox disse a jornalistas reunidos na sede da Quinta Frota da Marinha dos EUA, em Manama, que foi desenvolvida "uma ampla gama de opções potenciais a serem apresentadas ao presidente" norte-americano, Barack Obama, e "hoje a Marinha está preparada para confrontar qualquer ação hostil por parte do Irã".
Em meio a uma escalada na tensão entre Washington e Terrã, o Irã tem ameaçado interromper o fluxo de navios pelo estreito de Ormuz, por onde passa um elevado porcentual da produção de petróleo do Golfo Pérsico. As informações são da Associated Press. 

Arquivo do blog segurança nacional