Wikipedia

Resultados da pesquisa

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Exército brasileiro prepara sistema de prevenção contra ataques cibernéticos


O Exército brasileiro anunciou a compra de novos softwares para segurança e prevenção contra ataques cibernéticos.
As medidas fazem parte de um planejamento mais abrangente do governo brasileiro para criar um sistema de defesa e contra-ataque de possíveis ameaças a páginas e redes institucionais e de proteção a dados sensíveis.

Em janeiro, as Forças Armadas concluíram duas licitações para a compra de um antivírus e de um programa que simula ataques cibernéticos, no valor total de cerca de R$ 6 milhões. Os dois programas serão desenvolvidos por empresas brasileiras."Hoje temos um preparo mínimo para cenários de ataque. Temos uma grande rede, a EBnet, que reúne os quartéis em todo o país, e ela está bem blindada, mas há pontos de vulnerabilidade", disse à BBC Brasil o general Antonino Santos Guerra, diretor do Centro de Comunicações e Guerra Eletrônica do Exército (Ccomgex).
Na última sexta-feira, o grupo de hackers Anonymous Brasil atacou o site do Banco Central e as páginas dos bancos BMG, Citibank e PanAmericano, que ficaram temporariamente instáveis.
O grupo também assumiu a autoria de ataques aos sites dos bancos Itaú, Bradesco, Banco do Brasil e HSBC, que aconteceram durante a semana.
Também na última sexta-feira, o FBI anunciou que está investigando como ativistas ligados ao grupo Anonymous conseguiram interceptar uma conferência telefônica entre agentes americanos e a britânica Scotland Yard, em que discutiam ações legais contra os hackers.
Outros ataques em sites institucionais americanos e gregos foram registrados.

Defesa cibernética

"Os ataques que registramos até agora são parecidos com os que acontecem em qualquer empresa. Tentativas de roubos de senhas, negações de serviço, etc. Mas o modo como se obtém uma senha de banco é o mesmo que se pode usar para obter dados confidenciais do Exército. E já tivemos sites do governo derrubados", afirma Guerra.
Segundo o general, o simulador de guerra cibernética treinará os oficiais em pelo menos 25 cenários de diversos tipos de ataque contra redes semelhantes às do Exército.
A Ccomgex, que coordena a compra do antivírus e do simulador de ataques cibernéticos faz parte do Centro de Defesa Cibernética do Exército (CDCiber), criado em 2010 para concentrar a administração de todas as ações de proteção virtual da organização.
O programa adquirido por R$ 5,1 milhões será desenvolvido pela empresa carioca Decatron e atualizado de acordo com as necessidades da organização, o que deve facilitar a manutenção do sistema de segurança, de acordo com o general.
O antivírus, no valor de R$ 800 mil, também está em fase de desenvolvimento e deverá ser entregue pela empresa BluePex, de Campinas (SP), dentro de 12 meses.O diretor do Ccomgex diz que a preferência por empresas nacionais para o programa de proteção do Exército deve estimular a competição e o avanço das empresas de tecnologia e sistemas de segurança no Brasil.
Por isso, as empresas que venceram as licitações terão prazos maiores para realizar mudanças customizadas nos programas, de acordo com as necessidades das Forças Armadas.
O orçamento previsto para o CDCiber em 2012 é de R$ 83 milhões, que devem ser destinados a pelo menos outras quatro aquisições que incluem equipamentos, softwares e o treinamento de pelo menos 500 oficiais.
"Temos cursos externos para militares das três forças e também no mercado universitário, para pós-graduações. No futuro, queremos contratar pessoas que conhecem a área para trabalhar aqui, ou que possam dar consultoria", disse Guerra.

Roubos eletrônicos

O especialista em segurança cibernética Mikko Hypponen, da empresa finlandesa F-Secure, diz que o Brasil se distingue de outros países pela frequência de ataques cibernéticos relacionados ao roubo de dinheiro.
No entanto, o país já começa a registrar ataques a sites de instituições governamentais e empresas privadas de grupos de ativistas, como o Anonymous e o LulzSec, que tem "divisões" nacionais.
"Na maioria dos países, os ataques são feitos por pessoas de fora. O Brasil é diferente porque boa parte dos ataques alveja os bancos e a maioria deles é feita por pessoas do próprio país", disse Hypponnen à BBC Brasil.
Segundo o especialista, o Brasil é considerado o número 1 em criar "cavalos de Troia", espécies de programas maliciosos, para atacar bancos.
"Esses programas nem tentam romper os sistemas de segurança do bancos, que são, em geral, muito bons no Brasil. Mas eles infectam os computadores pessoais dos clientes, para poder entrar em suas contas quando elas acessam os bancos online", explica.


Para o general Antonino Guerra, o Brasil ainda não precisa se preocupar com ataques realizados por outros países nem com a espionagem de seus cidadãos. "Somos um pais pacífico, não é esse o tipo de problema que temos aqui", diz.
No entanto, Hypponnen acredita que o governo brasileiro precisará se preocupar também com a segurança de empresas privadas, caso queira prevenir possíveis crises.
"Boa parte da infraestrutura crítica do Brasil não é gerida pelo governo e sim por companhias privadas, como a telefonia e as usinas nucleares. Para garantir que o país conseguirá operar durante uma crise, é preciso garantir que essa infraestrutura continuará a funcionar. O governo tem que ter um papel mais ativo em ajudar as empresas a protegerem suas redes", afirma.
Em comunicado enviado à BBC Brasil, o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência (GSI) disse que "os ataques mais preocupantes são aqueles que visam acesso indevido a informações sigilosas da Administração Pública Federal" e afirmou que a preparação do órgão contra possíveis ataques tem sido "adequada".
De acordo com o Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança (CERT), que reúne notificações de ataques eletrônicos em todo o país, o Brasil registrou quase 400 mil ataques a computadores em 2011.
Cerca de metade das fraudes registradas, segundo o CERT, foram páginas falsas, geralmente de bancos, criadas para roubar dinheiro dos usuários. A outra metade das notificações corresponde quase completamente aos cavalos de Troia, que dão acesso a contas bancárias quando elas são acessadas pela internet.
O centro, que recebe dados de empresas, universidades, provedores de Internet e Grupos de Segurança e Resposta a Incidentes (CSIRT), diz que as segundas-feiras são os dias com mais incidentes reportados e que mais de 80% dos ataques tem origem no Brasil.
Segundo dados da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), as fraudes bancárias realizadas pela internet e computadores dos clientes custaram R$ 685 milhões aos bancos só no primeiro semestre de 2011, 36% a mais do que no mesmo período em 2010  BBC Brasil em São Paulo

A furtividade do Super Hornet


Guilherme Poggio
O desenvolvimento do Boeing F/A-18E/F Super Hornet beneficiou-se de uma série de tecnologias e estudos de aeronaves furtivas (principalmente em relação à redução da assinatura radar) promovidos nos EUA ao longo de quase duas décadas. Quando o Super Hornet foi projetado o F-117 Night Hawk já era uma aeronave madura, o B-2 já havia ganhado corpo, o programa ATF estava em andamento e mesmo o cancelamento do programa A-12 havia gerado muito conhecimento no campo da furtividade.
Portanto, no início da década de 1990 a Marinha dos EUA (USN) já reunia um volume substancial de estudos no campo da furtividade que permitia projetar um caça com assinatura radar bastante reduzida. Mas não era intenção da USN repetir os mesmos erros do programa A-12 Avenger II, o projeto do bombardeio furtivo que foi cancelado em 1991.
Buscou-se uma aeronave com desenho convencional (e consequentemente mais barata) que incorporasse características furtivas no seu desenho. O Super Hornet foi pensado desta maneira desde a prancheta.
Mas mesmo sendo uma aeronave com desenho convencional, no aspecto estrutural foram tomadas diversas medidas para reduzir a assinatura radar, como painéis com formas especiais que dispersam as ondas de radar para direções diferentes daquela do emissor. Dentre os painéis especialmente projetados estão as portas de acesso ao compartimento do trem de pouso.
Outros detalhes ao longo da fuselagem como a estrutura em forma de losango no entorno do sensor do ângulo de ataque (ver foto acima, à esquerda) colaboram para diminuir a seção reta radar.
As tomadas de ar dos motores também receberam atenção diferenciada. Além de permitir um fluxo de ar maior em relação ao Hornet antigo (devido à exigência do novo motor 414), o desenho originalmente ovalado foi substituído por uma geometria de superfícies retas, em forma de “caixa” (ver foto no início desta matéria). O desenho da tomada de ar também permitiu esconder melhor as palhetas do fan, outra grande fonte de reflexos.
Porém, mais importante que os detalhes da estrutura é o largo emprego de materiais absorventes de feixes de radar (RAM), capazes de absorver determinadas faixas do espectro de frequência.
Considerando estas modificações no seu desenho, acredita-se que a seção reta radar do Super Hornet tenha sido reduzida quase pela metade em relação ao Hornet original, mesmo sendo um avião bem maior que o seu antecessor.
Portanto, por ser um projeto mais moderno que os demais caças de quarta geração, como Rafale, Gripen e Typhoon, o Super Hornet incorporou desde o seu nascimento atributos no seu desenho que permitiram uma sensível redução da sua assinatura radar.
Mas isso não quer dizer que a Boeing esteja satisfeita. Existem estudos avançados sobre o programa “Silent Hornet” (imagem acima), uma versão do Super Hornet que engloba novas melhorias quanto ao aumento da furtividade. Dentre as novas características anunciadas, e que podem ser vistas na ilustração acima e na foto abaixo estão: tanques conformais, pod externo de desenho furtivo que carrega armas internamente (4 mísseis ar-ar AMRAAM ou bombas de pequeno diâmetro – SBD) e IRST instalado interamente, com sensores projetando-se em uma carenagem sob o nariz.

Super Saldão da Boeing: Super Hornet


SÃO PAULO, 10 Fev (Reuters) – A Boeing congelou o preço de sua oferta para um contrato multibilionário de jatos com a Força Aérea Brasileira (FAB), disseram fontes próximas ao assunto à Reuters, enquanto a corrida global se torna mais competitiva para vender equipamentos bélicos a potências emergentes.
A Boeing está oferecendo vender o caça F-18 ao Brasil pelo mesmo preço por avião que o oferecido durante uma rodada de ofertas em 2009, disseram as fontes, que pediram anonimato.
As fontes não quiseram divulgar a quantia em dólares da oferta, que inclui o custo do avião e também da manutenção futura e da substituição de peças. Mas a oferta significa, essencialmente, que a Boeing assumiria o custo da inflação dos últimos dois anos, enquanto os aviões sairiam 12 por cento mais baratos para o Brasil em termos reais comparado a 2009.
“É uma medida incomum… Isso mostra quanto valor está sendo posto em cima desse contrato”, disse uma das fontes.
A Boeing compete com a francesa Dassault e a sueca Saab pelo acordo com o Brasil, que deve valer mais de 4 bilhões de dólares ao longo do tempo. O ministro da Defesa, Celso Amorim, disse à Reuters em janeiro esperar que o governo tome uma decisão no primeiro semestre de 2012.
A oferta da Boeing ilustra a agressividade com que os Estados Unidos e as empresas de defesa europeias estão buscando acordos com países em desenvolvimento, enquanto seus mercados secam em casa devido a cortes orçamentários. Empresas também disputam contratos nos Emirados Árabes, no Catar e na Coreia do Sul.
Na semana passada, a Dassault entrou em negociações exclusivas para vender seu Rafale à Índia, que pode resultar na primeira encomenda externa do jato. O acordo pode fazer do Rafale uma opção mais viável no processo de oferta brasileiro, pois uma linha já estabelecida de produção permitiria que a Dassault oferecesse preços mais estáveis ao longo do tempo e reduzisse o risco de disparada de custos.
O acordo brasileiro será decidido por critérios que vão além dos preços. Embora acredite-se que o F-18 seja mais barato que o Rafale, Amorim disse que o Brasil baseará sua escolha priorizando a generosidade das empresas em partilhar tecnologia. O Brasil espera que o conhecimento ajude o país a construir uma indústria nacional de defesa, liderada pela Embraer, que está voltando às raízes ao investir no segmento de defesa.
A presidente Dilma Rousseff também vê o acordo como uma decisão importante no alinhamento estratégico do Brasil durante as próximas décadas, segundo autoridades do governo. Os aviões serão usados para ajudar a vigiar a costa brasileira, proteger os recém-descobertos campos de petróleo no pré-sal e projetar um poder maior conforme a economia do país escala para a elite mundial.
Um porta-voz do governo não respondeu a um pedido de comentário. A porta-voz da Boeing, Marcia Costley, disse: “Nós estamos em uma competição e não podemos comentar sobre as especificidades da nossa oferta, mas o que eu posso dizer é que a Boeing pode garantir um preço que tende para baixo, porque nós temos uma linha de produção ativa e podemos alavancar economias de escala”.
RESULTADO INCERTO
Comentários recentes de Amorim sugerem que o acordo está finalmente entrando em estágio final, após mais de uma década de intriga e surpresas de último minuto.
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva quase declarou vitória da Dassault no fim de seu mandato, mas deixou o cargo sem finalizar o acordo. Dilma, então, pareceu favorecer a Boeing em declarações feitas pouco após assumir a Presidência, em janeiro de 2011, mas acontecimentos recentes, inclusive as negociações da Dassault com a Índia, significam que a decisão final ainda é incerta.
O jornal Folha de S.Paulo noticiou nesta semana que o governo está inclinado ao Rafale novamente, embora não tenha dado a fonte da informação.
Dilma deverá liderar pessoalmente o processo de decisão do contrato, disse Amorim em janeiro.
A decisão pode acontecer em um momento em que Dilma estará sob forte pressão para atentar aos custos. Espera-se que o governo congele cerca de 50 bilhões de reais em gastos orçamentários nas próximas semanas, o equivalente a pouco mais de 3 por cento do Orçamento de 2012, em um esforço para ajudar a conter a inflação. O congelamento do Orçamento deve ser impopular no Congresso, já que deputados e senadores que terão suas emendas cortadas.
FONTE: Reuters

Disparo do Brahmos na Tropex-2012

Um míssil anti-navio Brahmos foi disparado da fragata indiana INS Ranvir durante o exercício Tropex-2012. A imagem acima mostra o momento do disparo. O Brahmos é um míssil anti-navio supersônico desenvolvido em conjunto pela Índia e Rússia. O míssil pode ser disparado verticalmente, como na foto 

A estratégia para a Marinha e para o Exército


Um novo submarino não-atômico será construído na Rússia até 2014. Já em 2020, deverá ser desenvolvido um novo tipo de porta-aviões que poderá ser usado "em todo tipo de missão". A declaração foi feita pelo Comandante da Marinha russa, o almirante Vladimir Vyssotsky.
Hoje, a modernização da frota russa é uma das prioridades da Marinha russa, disse Vyssotsky. As comissões do governo sobre a indústria militar têm trabalhado ativamente para resolver estes problemas. Até o final do ano, o exército deverá receber o foguete balístico "Bulavá". Ele deverá ser instalada no submarino nuclear "Yuri Dolgoruky", disse o Comandante da Marinha. Este acontecimento é um passo importante para o desenvolvimento da frota em um futuro próximo, disse o analista militar Vladimir Scherbakov.
"O complexo "Bulava" dará à Marinha uma nova força. Sem ele, a tríade nuclear do país estaria ameaçada em uma perspectiva de médio prazo. No ano passado, o complexo foi testado com sucesso e neste ano deverá ser entregue à Marinha. Depois disso, os complexos deverão entrar para o armamento dos submarinos "Yuri Dolgoruky" e "Aleksandr Nevsky". O comando da Marinha já anunciou que, ao invés de 8 submarinos, irá comprar 10."
Os especialistas já afirmam que o plano de modernizar os armamentos de todas os submarinos atômicos é um acontecimento histórico. Todos eles deverão receber o novo foguete "Liner", uma versão modernizada do foguete "Sinevá". A potência deste foguete é a maior entre todos os foguetes desta classe.
Uma etapa importante do desenvolvimento da frota pode ser considerada a construção dos novos submarinos não-atômicos. De acordo com Vyssotsky, já agora existêm projetos importantes. E, o mais importante, é a velocidade com que todos estes projetos têm sido realizados. Os novos armamentos deverão ser testados já em 2014. Comenta Vladimir Scherbakov.
"Os armamentos encontram-se nas bancadas de teste. São apenas protótipos. A última vez que nos fizemos armamentos iguais foi há mais de 20 anos, ainda na época da URSS. Ainda não temos a experiência necessária para desenvolver e fabricar armamentos modernos. Por isso, é preciso, antes de tudo, fazer uma produção em série destes armamentos e, só depois disso, instala-los nos submarinos. Acho pouco que isso tudo ocorrerá até 2014."
Um das mais importantes declarações, feita pelo almirante Vyssotsky, foi sobre os planos de construção de uma porta-aviões de nova geração. Vyssotsky declarou que ele deverá ser usado em "todos os ambientes", ou seja, no ar, na água e sobre ela e no espaço. No entanto, a Rússia precisa de uma melhora qualitativa, disse Visotskiy, é preciso construir um porta-aviões totalmente novo. Pois, se começar a construir ele agora, ele será apenas uma modernização do porta-aviões "Admiral Kuznitsov" ou do americano "Enterprise". Por isso, até 2014, será apenas desenvolvido o projeto, disse o Comandante da Marinha. A Rússia hoje têm todas os meios materiais e técnicos para construir este novo porta-aviões, disse durante a entrevista à rádio "Voz da Rússia" o conselheiro do chefe do Estado Maior, o almirante Igor Kasatonov.
"Se fizermos todo o necessário, no que se diz respeito ao desenvolvimento das tecnologias e o treinamento das pessoas, acho que o Comandante está certo. O navio poderá ser construído e reformado de acordo com as nossas necessidades e doutrinas. Os custos serão altos. No entanto, Putin já disse que irá investir alguns trilhões de rublos na Marinha."
Acrescentamos que, até 2020, para a modernização da frota da Marinha destinados 5 trilhões de rublos (mais de 200 bilhões de dólares). Além da compra de navios e submarinos, planeja-se reconstruir as bases navais.

EUA estão criando urgentemente uma bomba


Os EUA estão criando urgentemente a bomba não-nuclear mais poderosa do mundo, que garantidamente será capaz de destruir as centrais nucleares e instalações de armazenagem do Irã, localizadas debaixo da terra ou em túneis de montanha. O Congresso aprovou a alocação de 81,6 milhões de dólares para modernizar a maior bomba aérea norte-americana Massive Ordnance Penetrator (МОР).
O Pentágono duvidou de que o MOP fosse capaz de eliminar tal objeto como Fordo, onde se faz o enriquecimento de urânio. Os Estados Unidos acreditam que é nesta instalação, construída num túnel sob montanha, que o Irã vai produzir urânio altamente enriquecido, necessário para criar bombas nucleares.

Irã adotou dois submarinos de tipos Ghadir


As Forças Navais do Irã receberam dois submarinos leves de tipo Ghadir de fabricação iraniana. De acordo com o comandante da Marinha do Irã, almirante Habibollah Sayyari, os dois submarinos foram construídos inteiramente por especialistas iranianos. Submarinos estão armados com torpedos e são capazes de cumprir tarefas em águas rasas.
Tendo em conta dua s novas embarcações do tipo Ghadir, o número de submarinos em serviço da Marinha iraniana chegou a 16 unidades. As Forças Navais do Irã receberam três submarinos deste tipo em novembro de 2011. A Marinha iraniana obteve o primeiro barco de tipo Ghadir em 2007

Sete Brasil deve construir sondas em cinco estaleiros


SABRINA VALLE - Agencia Estado
RIO (AE) - A empresa de investimentos Sete Brasil informou hoje que pretende fechar nas próximas semanas os termos de garantias de contratos com cinco estaleiros para a construção de 21 sondas de perfuração que serão arrendadas à Petrobras. A empresa negocia com os estaleiros Enseada do Paraguaçu, na Bahia; Jurong Aracruz, no Espírito Santo; Keppel Fels, no Rio de Janeiro; Rio Grande 2, no Rio Grande do Sul; e OSX, no Rio.
Ontem, a Petrobras aprovou a contratação de 21 sondas de perfuração para exploração do pré-sal, totalizado 28 sondas destinadas à Petrobras, num negócio de pelo menos US$ 75 bilhões em recebíveis em contratos que vão entre 10, 15 e 20 anos a partir da data de entrega. São seis sondas do tipo semi-submersíveis e 22 navios-sonda.
Para a operação das 21 sondas, a companhia se associou a seis operadores: Etesco, Odebrecht, Odfjell, Petroserv, Queiroz Galvão e Seadrill. O presidente da empresa, João Carlos Ferraz, que concede entrevista nesta tarde, disse que a Sete é uma empresa de investimentos, não operadora. O modelo de negócios, segundo ele, será sempre este: a Sete Br se associará a um operador. Os estaleiros, no caso, não sócios da empresa, e sim fornecedores que vão construir as sondas.

Polêmica por estrada se intensifica na Bolívia


CARLOS QUIROGA - REUTERS
A aprovação de uma lei que prevê consultas a grupos indígenas para a construção de uma rodovia na Amazônia boliviana provocou nesta sexta-feira um agravamento do confronto entre o governo esquerdista de Evo Morales e setores contrários à obra.
Líderes indígenas anunciaram um processo judicial internacional contra o governo, além de mobilizações de protesto contra o projeto aprovado na quinta-feira pelo Congresso, que revoga uma lei anterior, do ano passado, que suspendia a construção de um trecho da estrada financiada pelo Brasil.
Morales sofreu um forte desgaste político por causa desse conflito, quando, sob pressão de uma primeira marcha indígena, a Assembleia Plurinacional (Congresso) aprovou uma lei que declarava como "intangível" o parque nacional conhecido pela sigla Tipnis, onde vivem índios que se opõem à obra.
Recentemente, no entanto, outros setores indígenas do parque, aliados do governo, realizaram uma segunda marcha até La Paz, exigindo a retomada da obra ou pelo menos uma consulta pública.
A nova lei dá quatro meses para que as 63 comunidades indígenas realizem assembleias para decidir se querem ou não a rodovia.
"A consulta é extemporânea, já dissemos que não queremos a rodovia ... porque representa um risco de etnocídio", disse nesta sexta-feira a jornalistas o deputado indígena Pedro Nuni, ao anunciar a abertura do processo contra o governo na Comissão Interamericana de Direitos Humanos.
Segundo Nuni, "Morales pretende consumar um atentado contra a propriedade coletiva indígena, violando a Convenção Americana de Direitos Humanos, o Convênio 160 da Organização Internacional do Trabalho (sobre indígenas) e a Declaração da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas."
Durante esta semana, Morales declarou em várias ocasiões que a consulta "é uma conquista democrática que respeita tratados internacionais e norma nacionais".
Cerca de 12 mil indígenas vivem no Tipnis, uma área de 1,2 milhão de hectares. A nova rodovia ligaria a região de Cochabamba, reduto eleitoral de Morales, com o departamento amazônico de Beni.
A obra de 306 quilômetros e 420 milhões de dólares está a cargo da empreiteira brasileira OAS, maior contratada do governo boliviano para projetos viários.
A OAS já está abrindo a estrada em seus extremos, mas ainda não pôde iniciar os trabalhos no trecho central, de 177 quilômetros, que atravessa o parque. 

Argentina diz que britânicos enviaram submarino nuclear às Malvinas


Eskinder Debebe/AP
NOVA YORK - A Argentina diz ter informações de que a Grã-Bretanha enviou um submarino nuclear para o Atlântico Sul, perto das disputadas Ilhas Malvinas, disse nesta sexta-feira, 10, o ministro de Exteriores argentino, Hector Timerman.
Timerman (e) encaminhou queixa diretamente ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon (d)
 
O chanceler afirmou na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, que o submarino chamado Vanguard, que carrega armas nucleares, foi enviado como parte da tropa da Grã-Bretanha ao arquipélago, chamado de Falklands pelos britânicos.
Timerman disse que a Argentina perguntou para os britânicos por meio diplomáticos sobre o envio de armar nucleares ao Atlântico Sul. "Até agora, eles se recusam a dizer se é verdade ou não", detalhou o chanceler. O embaixador da Grã-Bretanha na ONU, Mark Lyall Frant, apenas disse que "Londres não comenta a disposição de suas armas ou submarinos".
O diplomata argentino se reuniu mais cedo com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, para o qual denunciou "a militarização do Atlântico Sul por parte dos britânicos". Timerman ainda encaminhou uma queixa formal para o Conselho de Segurança, órgão do qual a Grã-Bretanha é membro permanente.
Ban pediu calma a ambas as partes e expressou "preocupação com as crescentes trocas de ameaças" entre os dois governos e afirmou que a ONU está disposta a mediar a disputa, se assim for solicitado, de acordo com um texto divulgado pelo gabinete do secretário-geral. A Argentina aceita a mediação, afirmou Timerman, embora Londres, rejeite negociações sobre a soberania do arquipélago, a não ser que seus habitantes assim o desejem.
A Argentina e a Grã-Bretanha entraram em uma guerra pelas ilhas em 1982, e as tensões entre os dois países aumentaram nas últimas semanas em torno do status do arquipélago do sul do Oceano Atlântico. As ilhas, atualmente sob controle britânico, são reclamadas pela Argentina.

Rússia vai construir o maior laser no mundo



A liderança russa decidiu criar no Centro Federal Nuclear russo o maior laser no mundo. A unidade terá dupla finalidade. Poderá ser usada tanto para aprimorar armas termonucleares, como para criar energia de futuro, na qual a fusão de laser será muito importante.
Uma unidade de laser semelhante já existe nos EUA. A França está concluindo a construção. A Rússia acabará o seu laser mais tarde, mas este será o mais poderoso do mundo. Terá potência de 2,8 MJ, enquanto as unidades americanas e francesas têm cerca de 2 MJ. O prazo de obras não está especificado.

Singapore Airshow Aumenta Stakes lutador da indústria na Ásia


TAIPEI - A bienal Singapore Airshow 2012, 14-19 fevereiro, o maior evento aeroespacial da Ásia e agora entre os três maiores eventos de aviação, incidirá sobre os programas de combate regionais na Austrália, Japão, Malásia, Coreia do Sul e Taiwan.
Decisão do Japão de dezembro para adquirir o caça Lockheed Martin F-35A para o seu programa FX deu o II Relâmpago um impulso na região, apesar da relutância no mercado ocidental para o lutador. O acordo de US $ 8 bilhões para 42 caças Mitsubishi irá substituir o envelhecimento do Japão Phantoms F-4EJ Kai. O acordo pode evoluir para um adicional de 100 a 120 F-35 para substituir os Eagles F-15J/DJ Mitsubishi sob o programa F XX-no meio da década.
O programa FX selecionado o F-35A sobre o Eurofighter Typhoon eo F/A-18 Super Hornet da Boeing.
Coréia do Sul tomou conhecimento da decisão do Japão e do F-35 é visto cada vez mais em uma luz favorável, disseram autoridades.Concorrência FX-3 lutador da Coreia do Sul coloca três caças, o F-35A, Boeing F 15SE-Silent Eagle e do Typhoon, em um negócio de US $ 7,3 bilhões para 40 a 60 lutadores. A decisão está programada para ser feita em outubro.
Cingapura também está considerando o F-35 para sua aquisição lutador seguinte. O Estado-nação é um membro de Segurança Cooperativa Participante do programa F-35 desenvolvimento. No entanto, funcionários disse que nenhuma decisão é esperada dentro desta década.
Mas o programa F-35 atingiu um problema Down Under. Austrália acaba de anunciar uma revisão de sua aquisição do F-35A e poderia adiar a compra até problemas no programa são fixos. A Austrália tem uma exigência para até 100 caças F-35A, mas comprometeu-se apenas para os primeiros 14. A Austrália é um Nível 2 participante do programa F-35 desenvolvimento.
Malásia está a debater a aquisição de 10 caças para substituir MiG-29. O Gripen Saab, Typhoon e Super Hornet estão competindo, mas nenhuma decisão é esperada até depois de 2013.
BAE Systems ea Lockheed está travando chifres para a atualização de aviônicos e integração de sistemas de armas em 135 KF-16C / Bloco D 52 caças para a Força Aérea sul-coreano, estimado em US $ 1 bilhão, e em 146 anos 20 F-16A / B Block para a Taiwan Força Aérea, estimado em US $ 5,8 bilhões.
Ambos os programas F-16 de atualização incluem o novo Active varredura eletrônica Matriz radar (AESA). Concorrentes AESA para os refits são Radar Northrop Grumman Boca Scalable Agile ea Raytheon Radar Combate Avançado. Cingapura é também um potencial cliente para a AESA para seus F-16C/Ds e está assistindo ambas as competições de perto.
A 31 de janeiro anúncio de que o francês Dassault Rafale derrotou o Typhoon em contrato Índia, de US $ 11 bilhões para 126 aviões de combate irá estimular a discussão.
Se Eurofighter e Boeing perde na Coreia do Sul e Malásia, como fizeram no Japão e na Índia, as questões serão levantadas sobre o futuro destes lutadores no mercado internacional.

Atendimento Airshow e Eventos

Apesar do declínio na economia mundial, a bienal Singapore Airshow não mostra nenhum sinal de diminuir. Airshow deste ano será o maior até hoje com 900 expositores de mais de 50 países, incluindo 22 pavilhões de países e 59 º do mundo, 100 maiores empresas aeroespaciais, disse Jimmy Lau, diretor de Eventos Experia, o organizador do show.
"A região da Ásia-Pacífico está montando em uma onda de crescimento que a região continua a liderar no fornecimento de novas oportunidades na indústria aeroespacial e de defesa", disse Lau. O Singapore Airshow é "estrategicamente posicionado como uma porta de entrada para esta região próspera, [e] tem um papel crucial como um trampolim eficaz para jogadores da indústria para tocar em novas oportunidades."
Em 2010, o airshow fechou com US $ 10 bilhões em ofertas e anúncios, apesar de uma recuperação da economia. Este ano também contará com uma série de conferências de alto nível - a Singapore Airshow Leadership Summit Aviation e da Ásia-Pacífico Conferência de Segurança.
O show terá dois pavilhões este ano com foco em novas tecnologias: a de Defesa da Terra e do Pavilhão sistemas não-tripulados e no Pavilhão Verde. O Pavilhão Verde contará com um componente adicional chamado "Deminars" ou seminários e demonstrações combinadas, Lau disse.
Funcionários Airshow não quis identificar o número ou tipos de delegações governamentais que visitam o show por motivos de segurança, mas o airshow 2010 viu 259 governos estrangeiros e delegações internacionais de 80 países e 43,459 participantes comerciais de 133 municípios.
A segurança será apertado para salvaguardar delegações e expositores. Além dos itens habituais proibidos, como armas de fogo e explosivos, a lista exaustiva inclui armas de lança, bengalas com adagas, nanchakus, bestas, lanças e soco inglês.
Haverá muita atenção paga aos expositores e as delegações chinesas este ano. Os participantes do Fórum Empresarial China vai ouvir apresentações de Ng Pock Too presidente e CEO de Tecnologia Novo Conselho, e Xin Zhang Guo, vice-presidente executivo da indústria da aviação Corp of China.
Empresas chinesas que exibem este ano incluem China National Aero-Technology Import and Export Corp, Commercial Aircraft Corp of China, Pequim AMECO e, pela primeira vez no show, Pequim Youtaishuncheng Technology Development Co., com uma exposição de UAV.
O display de vôo contará com a Rebel Aerosports Blair 300, Singapore Air Force F-16 e jatos F-15SG de combate, e Roletas a Royal Australian Air Force está voando Pilatus PC-9 / A formadores.Apesar dos rumores do Raptor F-22 iriam aparecer, indicou a Lockheed Raptor vai ser um show.

Arquivo do blog segurança nacional