Wikipedia

Resultados da pesquisa

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

A conquista do turismo espacial será em 2012

Washington - Este ano de 2012 está repleto de propostas de viagens turísticas ao espaçooferecidas por companhias como a Virgin Galactic, que mesmo incertas já possuem uma longa lista de espera.Sir Richard Branson, fundador e dono da Virgin Galactic, informou que a primeira viagem com turistas a bordo - ele e sua família - poderá ser feita no final deste ano ou início de 2013.
A companhia selecionou um grupo reduzido de agências no mundo para oferecer as viagens, como a de Lynda Turley Garrett, presidente da Alpine Travel of Saratoga na Califórnia, e a de Bill Rubinsohn, presidente da Rubinsohn Travel na Pensilvânia, que já tem uma lista de clientes desejando experimentar novas emoções.
'A data do primeiro voo ainda não foi definida, mas os testes terminaram bem e dentro do programa previsto', disse Lynda à Agência Efe, especificando que a Virgin Galactic 'tem atualmente 475 reservas de clientes de todo o mundo'.
Por enquanto, já há toda uma infraestrutura no deserto do Novo México, onde está sendo erguido o 'Spaceport', um complexo futurista, obra do arquiteto Norman Foster, de onde está previsto que saiam as nave mãe WhiteKnightTwo (WK 2) e as SpaceShipTwo (SS2).
A nave SpaceShipTwo, com o tamanho de um jato particular e capacidade para transportar seis passageiros e dois pilotos, realizou com sucesso seu primeiro voo de teste tripulado sobre o deserto do Mojave (Califórnia) em outubro de 2010.
De acordo com Lynda, há uma série de assentos reservados para personalidades de diferentes países do mundo que irão viajar convidadas pela Virgin Galactic. 'Sir Richard quer que isto seja um evento global, com um primeiro viajante de cada país do mundo - dos Estados Unidos, Canadá, Espanha e Japão'.
O restante dos interessados, acrescentou, pode comprar uma passagem para o primeiro ano de voos por US$ 200 mil ou um bilhete para o segundo, com uma entrada de US$ 20 mil e pagamento do resto quando o voo estiver confirmado.
Além disso, as famílias aventureiras ou grupos de amigos que, entediados com os destinos convencionais na Terra, queiram fretar uma nave, terão um desconto de 10%.

Marte pode ter tido oceanos

A idéia de que Marte já teve oceanos é controversa: Tem sido proposto antes, e as formações que se assemelham a linhas de costa foram encontrados em imagens de uma variedade de naves espaciais.
Agora os cientistas, após analisar os dados da Agência Espacial Europeia,Mars Express missão, concluíram que as planícies do norte de Marte pode ter tido um oceano.
Mars Express ' radar MARSIS , implantado em 2005, penetra profundamente na superfície marciana. Cientistas do Instituto de Planétologie et d'Astrophysique de Grenoble e Universidade da Califórnia, Irvine, dizer que os primeiros 60 a 80 metros de evidências do planeta shows subsuperficial de material sedimentar e gelo, indicando que um oceano poderia ter existido lá.
Os cientistas estão propondo não apenas um, mas dois oceanos possíveis na mesma área. O primeiro oceano teria existido 4 bilhões de anos atrás, quando Marte era mais quente.
A segunda teria existido 3 bilhões de anos atrás, depois de Marte sofreu um impacto derretimento de gelo. Teria sido temporária, já que de a água ou refroze ou vaporizada para a atmosfera.
Evidências dos oceanos neste caso não indica vida, no entanto, dizem os cientistas. O oceano, segundo temporária provavelmente não teria existido tempo suficiente para sustentar a vida, o Dr. instituto francês Jérémie Mouginot disse em um comunicado. Para encontrar a vida, astrobiologists terá que estudar partes da história de Marte quando a água pode ter existido por longos períodos de tempo.

Comercial israelense simula explosão de usina iraniana pelo Mossad


Um comercial produzido e veiculado em Israel causou nova polêmica ao simular a explosão de uma usina nuclear iraniana por agentes do Mossad, serviço secreto israelense. O comercial foi produzido para anunciar um aplicativo de um canal de TV israelense para o tablete Galaxy, da Samsung.
Confira o comercial a seguir:
Na peça publicitária, quatro agentes do Mossad chegam ao sul do Irã disfarçados de mulheres. Eles encontram outro agente do serviço secreto, que está entediado e por isso assiste a uma série de comédia israelense em seu tablet.
O agente começa a promover o aplicativo da rede de TV israelense e a mostrar seus benefícios. Um dos quatro agentes, no entanto, pega o tablet e aciona um aplicativo, curioso para saber sua função.
Nesse momento, no fundo da cena, uma usina explode e os agentes voltam-se para aquele que apertou o botão. “Que foi? Outra explosão misteriosa no Irã...”, defende-se o responsável pela explosão.
A peça publicitária foi criticada pelos iranianos que ameaçaram cortar as importações de produtos da Samsung no país. Membros do Parlamento Iraniano afirmaram que o comercial apresenta o Irã como uma sociedade primitiva e insinua que Israel é poderoso o bastante para destruir instalações iranianas.
Diante da polêmica, a Samsung divulgou um comunicado no qual condenou a produção do comercial. Além disso, a marca sul-coreana afirma que a peça publicitária foi completamente produzida pela emissora de televisão israelense e, portanto, a Samsung não possui responsabilidade sobre a produção.
Histórico
A polêmica se dá no momento em que o governo iraniano acusa o Mossad de causar explosões e assassinar cientistas do país que trabalham no desenvolvimento de energia atômica.
Segundo os iranianos, Israel estaria agindo juntamente com os Estados Unidos para atrasar ou até mesmo cessar a produção do país no setor.  No último dia 11, o cientista nuclear iraniano Mustafá Ahmadi Roshan morreu após uma explodir em seu carro, na Universidade de Teerã. Na ocasião, os iranianos acusaram novamente o Mossad e os norte-americanos, que negaram as suspeitas.
Tanto os EUA quanto Israel acusam o Irã de produzir energia nuclear com fins militares. Os iranianos também negam as denúncias.

Irã procede à produção em série de mísseis anti-navais

O Irã inicia a produção em série dos mísseis de cruzeiro Zafar de pequeno alcance, capazes de aniquilar alvos de média e pequena dimensão. Os novos mísseis, resistentes à ação da luta rádio-eletrónica, podem ser instalados em lanchas de patrulha e embarcações rápidas, bem como efetuar voos em pequenas alturas. Todavia, desconhecem-se outros parâmetros desta arma que, sem dúvida, veio aumentar os arsenais de  armamentos iranianos e os ritmos de projeção de novos tipos de armas modernas. Basta referir ainda a criação dos mísseis terra-mar Khalij-e-Fars e Tondar e a utilização pelas Forças Armadas dos Qader Nasr, a par do torpedoValfajr.       

Por dentro de uma Plataforma

Fernando Scheller, de O Estado de S. Paulo
ANGRA DOS REIS - 
O helicóptero da BHS, após uma hora e vinte minutos de viagem a partir do aeroporto de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, aproxima-se da plataforma Cidade de Angra dos Reis, a primeira do pré-sal a entrar em operação comercial. Construída na China, a embarcação fica estacionada, presa ao fundo do mar a 300 km da costa do Rio de Janeiro. A Petrobrás aluga a plataforma, operada pela japonesa Modec. Os 70 funcionários são alimentados pela italiana Fratelli Cosulich. De tempos em tempos, a plataforma recebe a visita de pessoal da consultoria brasileira CDS e das americanas InterMoor e BJ Services - todas prestadoras de serviço da unidade de produção de óleo e gás.
De cima, a embarcação - um cargueiro japonês construído em 1991 e convertido em plataforma de petróleo entre 2008 e 2010, na China - parece uma "tubolândia". Andando pelos cinco pavimentos da embarcação, um emaranhado de motores, caldeiras e reservatórios cheios de instruções de segurança, o visitante se vê cercado pelos maiores expoentes da indústria pesada mundial. Os adesivos colados nos equipamentos estampam marcas como a americana GE, a alemã Siemens e a brasileira Weg. Plataforma de petróleo é um território de briga de cachorro grande. E todos eles estão de olho nas oportunidades que o setor reserva nos próximos anos.
Banhada por quilômetros de mar azul, a plataforma Cidade de Angra dos Reis é o "marco zero" da produção comercial de petróleo em águas ultraprofundas, a mais de 2 mil metros abaixo da superfície. A Petrobrás pretende iniciar a produção de mais quatro unidades do pré-sal entre 2012 e 2013. Cada uma exigirá investimento entre US$ 1 bilhão e US$ 2 bilhões.
Além das plataformas do pré-sal, há unidades de perfuração nos planos da estatal. Estão previstas também cinco plataformas para a área do pós-sal nos próximos dois anos. A já anunciada troca de comando da estatal - entra Maria das Graças Foster, de perfil técnico, no lugar de José Sérgio Gabrielli, que deverá seguir carreira política na Bahia - foi interpretada pelo mercado como um sinal de que os ambiciosos projetos da companhia deverão sair mais rápido do papel. Só em janeiro, as ações preferenciais da empresa subiram 18%.
As primeiras plataformas do pré-sal serão terceirizadas, alugadas de empresas como a japonesa Modec e a holandesa SBM (o Estado apurou que o valor diário pago pela Petrobrás por um equipamento como esse gira em torno de US$ 500 mil). No entanto, a construção de pelo menos outras sete plataformas próprias da Petrobrás já entrou no radar das grandes indústrias. São os projetos batizados de P-67 a P-73. De acordo com Welter Benício, diretor da divisão de óleo e gás da Siemens no Brasil, a empresa está definindo sua estratégia de preço para essa concorrência, que deverá sair nos próximos seis meses.
Corrida
De olho em gordos contratos no horizonte, a Siemens se movimenta para definir investimentos. A subsidiária local do grupo alemão avalia a possibilidade de instalar uma unidade para montagem de módulos elétricos no estado do Rio de Janeiro para complementar a capacidade instalada em seu polo industrial de Jundiaí (SP), que concentra nove fábricas. "O valor vai depender do nosso sucesso em conseguir contratos", explica Benício. "É difícil dizer a evolução disso, já que cerca de 15 empresas estarão na disputa."
A brasileira Weg fez uma aquisição mundial pensando no setor de óleo e gás: comprou a Eletric Machinery de uma de suas principais rivais, a GE. Trata-se de uma aquisição de valor relativamente baixo, segundo o presidente da Weg, Harry Schmelzer Jr. Mas o negócio trará ao Brasil conhecimento tecnológico extra na disputa de contratos para fornecimento de motores e geradores para a Petrobrás. A Weg pretende ganhar espaço dentro do setor de óleo e gás, que hoje representa cerca de 5% do faturamento anual de R$ 6 bilhões. "Queremos estar preparados para entregar as especificações exigidas por este mercado."
Embora tenha sido obrigada a abrir mão da Eletric Machinery por restrições concorrenciais, a GE ganhou espaço no mercado mundial de óleo e gás ao comprar, por US$ 1,3 bilhão, a fabricante de tubos para produção de energia Wellstream, que já tinha uma fábrica em Niterói (RJ). Agora, a americana pretende investir mais US$ 200 milhões na ampliação da unidade.
Com presença ainda discreta no Brasil, a Rolls-Royce aumentou a aposta no País após o anúncio dos investimentos na exploração do pré-sal. A empresa prevê investir US$ 200 milhões no Brasil até 2013 - metade deste valor será aplicado em uma fábrica na capital fluminense. O grupo americano, mais conhecido pelos carros de luxo, cuja produção foi repassada à BMW em 1997, fatura US$ 700 milhões ao ano na América do Sul (em comparação, a GE teve receita de US$ 2,6 bilhões, somente no Brasil, em 2010). "Nosso objetivo é dobrar de tamanho na região até 2020. E a maior parte desse crescimento virá do Brasil", diz Francisco Itzaina, presidente da Rolls-Royce para a América do Sul.
A Rolls-Royce, a exemplo da GE, vai aumentar seu porte no mercado brasileiro graças a uma aquisição internacional - a empresa comprou, em uma joint venture com a Daimler, a operação da fabricante de turbinas e motores alemã Tognum, em uma operação avaliada em 3,2 bilhões. A Tognum está presente no País por meio de uma de suas subsidiárias, a MTU. A Rolls-Royce também mandou um time de brasileiros aos Estados Unidos para avaliar produtos que poderão ser montados em território brasileiro - o objetivo é garantir o cumprimento das metas de conteúdo local estabelecidas pela Petrobrás.
Serviços
No entanto, a vida a 300 km do continente não é feita só de máquinas e equipamentos. Há serviços destinados aos momentos de folga que os funcionários têm na plataforma. Os trabalhadores, que passam 14 dias sem pisar em terra firme, são atendidos por empresas que preparam refeições, limpam os quartos e pensam em opções de entretenimento a bordo.
A GRSA, mais conhecida pela administração de restaurantes coletivos, entrou no setor off shore há dois anos e teve de diversificar os serviços oferecidos para disputar contratos em plataformas, que já representam 10% de sua receita no País. Além de garantir cinco refeições diárias aos embarcados, a empresa arruma os alojamentos, que são individuais ou duplos, e cuida até dos filmes que os funcionários vão assistir. A GRSA, hoje presente em 11 plataformas de petróleo, pretende estar em 20 unidades até o fim do ano.
Ao entrar e sair de uma plataforma qualquer visitante é bombardeado por informações sobre segurança: a orientação é usar sempre macacão, óculos, capacete e luvas. Ninguém passeia desavisado pela plataforma: um funcionário da Petrobrás ou da Modec é constantemente destacado para seguir o visitante aonde quer que ele vá. Diante das repetições, é quase impossível esquecer da recomendação de correr em direção aos botes salva-vidas em caso de alarme.
Apesar de todo o cuidado interno, há ainda assessoria terceirizada para garantir que todas as regras da Marinha sejam realmente cumpridas - o que abre espaço para novos contratos de fornecimento. A CDS, consultoria que tem só sete engenheiros, foi contratada pela operadora da plataforma Cidade de Angra dos Reis para conferir todo o aparato de segurança. Só para garantir que nenhum detalhe do gigante ancorado no meio do mar passe despercebido.
  

Arquivo do blog segurança nacional