Wikipedia

Resultados da pesquisa

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Na ilha do Sarney..

Durante a ocupação..

Relações bilaterais

Depois da dedetização.

Boeing P-8A Poseidon "Sub-Hunter"

Multimissão Maritime Tactical Tomahawk

TOMAHAWK Bloco IV Teste TLAM Lançado de Submarino Astute

Tomahawk da Marinha dos EUA Armas sistema provou sua capacidade de, mais uma vez durante os últimos testes de vôo britânica na costa da Flórida em Eglin Air Force Base, 09 de novembro e 10. A Marinha Real, em conjunto com a equipe da Marinha dos EUA Tomahawk, os testes conduzidos para provar Terra Tomahawk Ataque de mísseis de capacidade (TLAM) a bordo de uma nova classe de submarinos, HMS Astute. O evento de dois dias marcada testes da Marinha Real de vôo nono e décimo Tomahawk. A primeira do Reino Unido lançaram mísseis de teste, em meados da década de 1990. "Estes testes bem sucedidos demonstram a capacidade da nossa sub nova classe e nossa interoperabilidade contínua entre os EUA eo Reino Unido", disse o comandante. Gary Blake, UK oficial de ligação da frota para Tomahawk escritório do programa Sistema de Armas (PMA-280). O primeiro lançamento testou um míssil Tomahawk Block III Land Attack. O míssil voou sobre o Golfo do México antes de executar com êxito uma Manobra de Mergulho variável (VDM) impacto ogiva inerte contra um alvo em Eglin Air Force Base. "The Block III míssil lançado na semana passada é a estrutura mais antiga de mísseis a ser de vôo testado no inventário Tomahawk é , que remonta a 1983 ", disse Marsha Smith, PMA-280 Foreign Sales Militar (FMS) gerente de caso. "Não só é o mais velho, mas é também o último bloco III a voar durante o teste de vôo." Em 10 de novembro, a equipe testou um torpedo tube-lançado Bloco IV TLAM usando um Ataque Terminal Conjunto UK Controller (JTAC) solo elemento. Embora o alcance, o míssil redirecionada para as coordenadas JTAC e executado com sucesso uma VDM impacto ogiva inerte contra um alvo em Eglin AFB. "Estamos muito satisfeitos com o desempenho de mísseis Tomahawk durante testes recentes e durante missões operacionais", disse Blake. "Estamos ansiosos para a nossa parceria continuou com os EUA" A relação Tomahawk entre os EUA eo Reino Unido remonta a 1995 quando os governos assinaram um acordo FMS para a aquisição de 65 mísseis Bloco III, marcando a primeira venda de Tomahawk para um país estrangeiro . O Reino Unido adquiridos 65 Bloco IV Tubo Torpedo Lançamento Tomahawks em 2006 e recebeu as primeiras entregas em 2008.

Ataque da Royal Navy Submarine Astute



O Astute 

Submarino da Marinha Real de ataque maior e mais poderoso chegar a Faslane no Clyde em 20 de novembro de 2009. 
Astute é capacidade de alta velocidade sustentada combinado com resistência quase ilimitada permite um alcance verdadeiramente global. SSNs implantados são inerentemente com elevada prontidão, eles podem se mover mais de 500 milhas em um dia, permitindo-lhes reimplantar a qualquer teatro do mundo dentro de 14 dias.Stealth o SSN é um atributo-chave, que lhe permite operar de forma encoberta, com pouco risco de contra-detecção, isso proporciona flexibilidade estratégica e operacional. O projeto amplia a capacidade Astute SSN atual para explorar plenamente o ambiente subaquático, incluindo as águas litorâneas, permitindo-lhe integrar ainda mais estreitamente com outras forças conjuntas para oferecer uma gama de efeitos, alguns bem perto da costa "

Submarino da Marinha Real de ataque maior e mais poderoso chegar a Faslane no Clyde em 20 de novembro de 2009. 
Astute é capacidade de alta velocidade sustentada combinado com resistência quase ilimitada permite um alcance verdadeiramente global. SSNs implantados são inerentemente com elevada prontidão, eles podem se mover mais de 500 milhas em um dia, permitindo-lhes reimplantar a qualquer teatro do mundo dentro de 14 dias.Stealth o SSN é um atributo-chave, que lhe permite operar de forma encoberta, com pouco risco de contra-detecção, isso proporciona flexibilidade estratégica e operacional. O projeto amplia a capacidade Astute SSN atual para explorar plenamente o ambiente subaquático, incluindo as águas litorâneas, permitindo-lhe integrar ainda mais estreitamente com outras forças conjuntas para oferecer uma gama de efeitos, alguns bem perto da costa "

Paquistão rejeita relatório da Otan sobre ligações do país com o Talebã


A ministra de Relações Exteriores do Paquistão Hina Rabbani Khar afirmou nesta quarta-feira que seu país não tem nenhuma agenda secreta no Afeganistão, em resposta ao vazamento de um relatório secreto da Otan sobre ligações entre Islamabad e o Talebã afegão.
Falando a repórteres em Cabul ao lado do ministro de Relações Exteriores afegão Zalmai Rasoul, Khar disse que as afirmações do relatório eram "vinho velho em uma garrafa ainda mais velha".
O documento diz que o Talebã recebe ajuda dos serviços de segurança do Paquistão e alega que os insurgentes continuam desafiado o governo local e tem amplo apoio dos afegãos.
O correspondente da BBC em Cabul, Quentin Sommerville, diz que o relatório é uma leitura difícil para as forças internacionais e para o governo do Afeganistão.
Ele foi divulgado após o Talebã ter negado que planejava manter conversas preliminares com o governo afegão na Arábia Saudita.
"Não há verdade nos relatos de que a delegação do Emirado Islâmico (Talebã) encontraria representantes do governo Karzai na Arábia Saudita em um futuro próximo", disse o porta-voz do grupo, Zabihullah Mujahid, em um comunicado.

Ministro da Defesa viaja à Índia para reforçar cooperação bilateral no setor de Defesa


Brasília, 31/01/2012 - O ministro da Defesa, Celso Amorim, desembarca no próximo sábado (04/02), em Nova Deli, capital da Índia, para uma série de encontros com autoridades e visitas a instalações militares do país asiático. A viagem tem o objetivo de reforçar a cooperação bilateral entre os dois países na área de defesa.
Durante os cinco em que permanecerá em território indiano, Amorim terá reuniões com o ministro da Defesa, A.K. Antony, com o assessor de Segurança Nacional, Shankar Menon, e com o primeiro-ministro, Manmoham Singh.
Na cidade de Bangalore, o ministro brasileiro e sua comitiva – integrada por assessores, pelo comandante da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito, e pelo chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, general José Carlos De Nardi – visitarão as instalações da empresa Hindustan Aeronautics Limited (HAL). Também está prevista visita à 50ª Brigada Paraquedista, unidade militar indiana de elite situada na cidade de Agra.
Integrante do BRICS (Grupo de países emergentes formado pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), a Índia possui uma das maiores forças militares do mundo. Sua defesa é constituída pelo Exército, Marinha, Aeronáutica e por forças auxiliares, a exemplo da guarda costeira. As forças de defesa são subordinadas ao presidente do país, seu comandante supremo.
Os indianos mantém cooperação intensa em matéria de defesa com países como a França e a Rússia, mas, a exemplo do Brasil, buscam reduzir a dependência tecnológica de outras nações no desenvolvimento de produtos e serviços de emprego militar. O país asiático possui projetos em curso para fabricação de blindados, mísseis e aviões de combate.
A Índia acaba de finalizar uma concorrência para aquisição de 126 caças para sua força aérea, vencida pela empresa Dassault, fabricante dos aviões franceses Rafale. Especialistas afirmam que o contrato prevê a compra direta de 18 aviões. Os 108 restantes serão construídos no próprio país, com transferência tecnológica. Os indianos também adquiriram jatos brasileiros, modelo Legacy 600, da Embraer. Atualmente, os Legacy são utilizados pelo governo indiano para transporte de autoridades. 

Prioridade estratégica
A parceria com a Índia em diversos campos, incluindo a Defesa, é uma prioridade estratégica do Brasil. O governo entende que existe um amplo potencial de cooperação científico-tecnológica com país asiático no setor militar, com a possibilidade de desenvolvimento de projetos de interesse mútuo.
Entre os assuntos que deverão ser tratados pela comitiva brasileira com as autoridades indianas durante a viagem figuram cooperação no setor naval em projetos de construção de porta-aviões e submarinos da classe Scorpène, além da ampliação do já existente intercâmbio de vagas para oficiais das forças armadas em cursos aperfeiçoamento e de altos estudos oferecidos por escolas militares de ambos os países.
A pauta incluirá ainda tratativas sobre parcerias entre centros de pesquisas militares dos exércitos brasileiro e indiano para desenvolvimento de equipamentos de defesa que possam suprir, no futuro, necessidades de projetos como o Sistema de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron). Nas conversas também deverão ser tratados temas referentes às respectivas forças aéreas, como intercâmbios entre escolas de pilotos, medicina aeroespacial, operações de busca e salvamento e paraquedismo.
Para o ministro Celso Amorim, a visita à Índia será uma relevante oportunidade de fortalecer os laços entre os dois países na área de defesa. A relação bilateral nesse segmento começou a ganhar força a partir do acordo celebrado em 2003 entre os dois países no âmbito do IBAS, grupo integrado pela Índia, Brasil e África do Sul com o objetivo de unir propostas em temas globais e aprofundar o relacionamento em áreas diversas. Desde a implementação desse fórum de diálogo, ocorreram diversos eventos bilaterais de defesa, como visitas às Marinhas de Guerra, e reuniões de colegiados como o Comitê Conjunto de Defesa Brasil-Índia (CCD), a Comissão Mista Brasil-Índia (COMISTA) e do Grupo Setorial de Defesa do IBAS.
Além da Índia, a viagem do ministro da Defesa brasileiro inclui paradas em outros dois países: Itália e Marrocos. Amorim terá encontro no próximo dia 3 com o ministro da Defesa italiano, Giampaolo Di Paola, na cidade de Palermo. No Marrocos, ele se reúne no dia 10, na cidade de Rabat, com os ministros da Defesa, Abdellatif  Loudiyi, e das Relações Exteriores, Saad Eddine Othmani, do país africano.

Malvinas: em meio a tensão, Príncipe William viaja às ilhas


O príncipe William, neto da rainha Elizabeth II da Inglaterra, faz nesta quarta-feira uma viagem às Malvinas em meio a tensão entre o Reino Unido e a Argentina pela soberania dessas ilhas do Atlântico Sul.
Como revela hoje o jornal The Times, o duque de Cambridge, 29 anos, viaja em um avião da Real Força Aérea (RAF), que levará 18h para chegar às ilhas após uma breve escala na ilha britânica de Ascensão, no Atlântico.
Segundo na linha de sucessão ao trono britânico, o príncipe vai desembarcar na base aérea de Mount Pleasant e começar imediatamente a trabalhar em um dos dois helicópteros de resgate disponíveis às 24h para tarefas de resgate.
Sobre a presença do príncipe nas ilhas, um porta-voz do Ministério de Defesa britânico disse à Agência Efe que o duque é tratado como qualquer outro membro das Forças Armadas, por isso não podia divulgar detalhes da viagem.
Está previsto que o governo britânico divulgue uma fotografia do príncipe dias após a chegada às Malvinas. A presença de William é vista pela Argentina como um ato de provocação, por acontecer meses antes de completar os 30 anos da Guerra das Malvinas, que começou depois que militares argentinos ocupassem as ilhas em 2 de abril de 1982 e terminou em 14 de junho do mesmo ano com a rendição argentina.
O Reino Unido anunciou nesta terça-feira que enviará nos próximos meses às Malvinas um de seus navios de guerra mais modernos, o destróier HMS Dauntless, Tipo 45, apesar de ter deixado claro que o desdobramento estava planejado há um ano.
Apesar de tudo, o envio da embarcação - equipada com mísseis antiaéreos de alta tecnologia Sea Viper - coincide com o "aumento do tom" da retórica de Londres e Buenos Aires pela soberania das Malvinas, reivindicada pela Argentina desde janeiro de 1833.
Um porta-voz do Ministério de Defesa britânico definiu como "pura coincidência" o fato de destróier ser enviado neste momento e ressaltou que a Royal Navy (Marinha) sempre teve uma presença no Atlântico Sul. O HMS Dauntless substituirá a fragata britânica HMS Montrose.
As relações anglo-argentinas passam por um momento de forte tensão, especialmente porque vários países latino-americanos decidiram bloquear a entrada em seus portos de navios com bandeira das ilhas do Atlântico Sul.
Em uma cúpula em dezembro em Montevidéu, os países do Mercosul - Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai - acordaram impedir o acesso destes navios.
Há duas semanas, o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, informou ao Parlamento que havia convocado o Conselho Nacional de Segurança de seu país para abordar a situação no Atlântico Sul e acusou a Argentina de "colonialismo" por reivindicar a soberania.
Em resposta a esta afirmação, o governo argentino considerou "ofensiva" a declaração de Cameron, quem insiste em respeitar a vontade dos ilhéus de manter a soberania britânica.

Venda do Rafale à Índia será "precedente útil" ao Brasil, diz ministro


Em entrevista nesta quarta-feira à rede de TV francesa Canal Plus, o ministro da Defesa da França, Gérard Longuet, disse acreditar que as negociações para a venda de 126 caças Rafale à Índia poderão representar um precedente favorável aos brasileiros. “O precedente indiano será muito útil aos brasileiros”, declarou o ministro. "Sobre o Brasil, há esperanças, e sobre a Índia estou confiante”, resumiu Longuet, mencionando também as expectativas otimistas para a venda do caça francês aos Emirados Árabes Unidos.
Para o ministro francês da Defesa, o governo brasileiro preferiu primeiro comprar o que tinha mais necessidade, ou seja, os quatro submarinos franceses. “Os aviões, eles (brasileiros) não compraram de outros e nós continuamos na disputa”, afirmou.
Na entrevista, Longuet considerou as perspectivas de assinatura de um contrato para a venda dos caças à Índia como uma “formidável promessa” para a indústria e a tecnologia francesas. Gérard Longuet estima também que a transferência de tecnologia prevista no contrato com Nova Délhi é “não apenas inevitável”, mas “desejável”.
“Nós trabalhamos com eles (a indústria indiana) como amigos de longa data. É por isso que nós vendemos”, disse o ministro, citando as parcerias nos setores de motores e da informática. Gérard Longuet adiantou que os caças serão montados na Índia com equipamentos e componentes fabricados por engenheiros e técnicos franceses que irão trabalhar no país e ajudar a formar a mão-de-obra local.
Batalha difícil
A batalha comercial em torno da venda de 126 aviões de caça Rafale à Índia, conforme anunciou ontem o governo francês, está longe do fim. O Departamento de Defesa dos Estados Unidos saiu no contra-ataque e disse, nesta quarta-feira, estar disposto a compartilhar as informações sobre o modelo F-35 com o governo indiano.
A transferência de tecnologia e o preço mais barato do Rafale, em relação ao segundo colocado na licitação, o modelo Typhoon, do consórcio Eurofighter, teriam sido determinantes na seleção do caça francês da Dassault. Dos 126 aviões que a França quer vender à Índia, 18 serão entregues finalizados e os 108 restantes serão fabricados com parceiros indianos. O valor global do contrato, incluindo o treinamento de pilotos e a manutenção dos aparelhos, é estimado em 15 bilhões de dólares.
Em abril passado, a Índia rejeitou as ofertas dos Estados Unidos, da Rússia e da Suécia. Mas como Nova Délhi tem a disposição de comprar mais 80 aparelhos, os concorrentes descartados na licitação vencida pelo Rafale podem apresentar futuramente novas propostas.
Analistas dizem que será um desafio para a França superar a fase de negociações exclusivas com a Índia, pois é nessa etapa que serão detalhadas as condições de transferência de tecnologia.
O presidente Nicolas Sarkozy disse que a vitória nessa licitação é um sinal forte de confiança na economia francesa. Mas, na França, ninguém esqueceu os fracassos de venda do Rafale na etapa final de negociação para o Marrocos e a Coreia do Sul e ainda o suspense no caso do Brasil e dos Emirados Árabes Unidos.

Taurus: busca consolidação no mercado


Alexandre Beraldi
Especial para DefesaNet

Neste ano de 2012, ao contrário de anos anteriores, a TAURUS foi mais comedida em seus lançamentos. Nas palavras de um funcionário norte-americano da empresa: a hora é de buscar a consolidação no mercado dos produtos lançados anteriormente, esclarecendo o público sobre suas características positivas e vantagens competitivas. A empresa também está empenhada num melhor atendimento pós-venda e num aprimoramento do controle de qualidade dos produtos enviados aos distribuidores.

Mas como não poderia deixar de ser, novidade havia: primeiramente na forma do revólver M380, um minúsculo snubbie no calibre .380 ACP que certamente atrairá muita atenção no mercado de segurança pública e privada do Brasil quando for aqui disponibilizado, visto ser a back-up gun ideal para quem tem uma pistola .380 ACP como arma primária.

O revólver tem sua armação, tambor, cano e mecanismo de disparo em aço inoxidável ou carbono, podendo ter, respectivamente, acabamento acetinado ou oxidado preto brilhante. Opera somente em dupla ação, com cão sem alça para engatilhamento, facilitando muito o saque a partir do bolso de calças ou jaquetas. Tem capacidade de cinco disparos e um pequeno cano de 1,75 polegada, ou 44,5mm de comprimento, mas mesmo assim sua mira traseira é regulável horizontalmente. Pode ser utilizado com full moon clips, sendo que a arma vem acompanhada de dez deles. É realmente uma arma muito pequena e leve, facilmente dissimulável, passível de “esquecermos” que está sendo portada – até o momento em que se torna necessária.

Também novo, o revólver Modelo 405 é um snubbie no calibre .40 SW que certamente despertará interesse como back up gun para profissionais de segurança que têm a pistola calibre .40 SW como arma primária. Trata-se de uma arma fabricada em aço inoxidável com acabamento acetinado, dotada de um cano de duas polegadas, como reza a tradição dos snubbies, e de um tambor com capacidade para cinco cartuchos, também alimentada por full moon clips que acompanham a arma, os quais aceleram o municiamento, agindo como speed loaders, e também facilitam a ejeção das cápsulas deflagradas. Uma arma sólida, com tamanho e peso adequados a domesticar o calibre .40 SW sem perder no quesito portabilidade e dissimulação.

A versão Ultra-Lite do revólver Modelo 445 em calibre .44 Special também foi apresentada, constituindo-se numa excelente arma de defesa num calibre condizente com a arma. Seria uma excelente opção para defesa pessoal caso a regulamentação nacional que estabelece o que é permitido ou restrito para o uso civil, o R-105 editado pelo Exército Brasileiro, estivesse mais adequado à realidade das necessidades da população civil em termos de auto-defesa legítima e legalmente permitida.

Ainda no mundo dos revólveres, as versões em polímero dos modelos mais vendidos da TAURUS estavam em destaque, sendo eles o Modelo 85 em calibre .38 Special +P, o Modelo 605 em calibre .357 Magnum, e o Public Defender, que pode calçar tanto munição calibre .45 Long Colt como cartuchos calibre 36. Todos acompanhados do nome POLYMER, que faz referência à sua construção destacadamente em polímero.

A pistola apresentada no ano de 2011 como modelo DTA é agora chamada Modelo 2011, podendo ser adquirida em duas versões: a INTEGRAL e a HYBRID. A INTEGRAL possui um chassi metálico com placas poliméricas destacáveis de vários tamanhos que são afixadas na parte posterior da empunhadura, para ajustar a mesma a mãos de várias dimensões. Ela pode ser encontrada nas verões em aço inoxidável ou oxidado, e nos calibres .380 ACP, 9x19mm Parabellum e .40 SW. Já a versão HYBRID possui um chassi misto, com empunhadura em polímero e a parte superior da armação e os trilhos em aço. Também nas versões com ferrolho e parte superior da armação em aço inoxidável ou oxidado, nos calibres 9x19mm Parabellum e .40 SW.

A pistola 24/7 de segunda geração, a modelo G2, também estava em destaque, com uma combinação de atributos modernos que a torna uma séria competidora no mercado civil norte-americano: gatilho leve e de pequeno curso mesmo em dupla ação, com reset curto e definido; sistema de desmontagem simplificado, comandos ambidestros, trava externa e trilho de acessórios. Disponível nas versões Standard e Compact, com ferrolhos em aço inoxidável ou oxidado, e na tríade de calibres mais utilizados para auto-defesa na América do Norte: 9x19mm Parabellum, .40 SW ou .45 ACP.

Também mostrada a versão Compact da PT840, com capacidade de 10+1 tiros no calibre .40 SW.

Resumindo, a TAURUS, diferente de muitas grandes companhias de armas, não consegue passar um único SHOT Show sem apresentar um lançamento interessante, que neste ano, a meu ver, ficou por conta do Mini Revólver M380, uma arma de uso extremamente polivalente e prático.

Arquivo do blog segurança nacional