Wikipedia

Resultados da pesquisa

sábado, 31 de dezembro de 2011

EUA vendem mísseis e tecnologia aos Emirados Árabes


AE-AP - Agência Estado
Os Estados Unidos firmaram um acordo para vender US$ 3,48 bilhões em mísseis e tecnologia relacionada aos Emirados Árabes Unidos, um próximo aliado norte-americano no Oriente Médio. A venda faz parte dos esforços para realinhar as políticas de defesa no Golfo Pérsico, a fim de manter o Irã sob controle.
O porta-voz do pentágono, George Little, anunciou a venda na noite de ontem. Ele afirmou que os EUA e os Emirados Árabes Unidos têm uma forte relação de defesa e ambos estão interessados em uma região "segura e estável" no Golfo Pérsico. O acordo compreende 96 mísseis, bem como tecnologia de suporte e treinamento, que, segundo Little, impulsionará a capacidade de defesa antimísseis da nação.
Atento ao Irã, os Estados Unidos têm construído mecanismos de defesa nos países aliados, incluindo um acordo no valor de US$ 1,7 bilhão para aprimorar os mísseis Patriot da Arábia Saudita e a venda de 209 mísseis ao Kuwait, avaliados em cerca de US$ 900 milhões. As informações são da Associated Press.

Irã adia teste com míssil e diz que está pronto para conversas


PARISA HAFEZI - REUTERS
O Irã adiou testes com mísseis de longo alcance no Golfo neste sábado, e assinalou que estava pronto para novas conversas sobre seu controvertido programa nuclear.
A mídia estatal do Irã divulgou inicialmente no sábado que os mísseis de longo alcance teriam sido lançados durante exercícios navais, uma postura que poderia aborrecer o Ocidente devido às ameaças de Teerã de interromper uma rota de tráfego de petróleo importante no Golfo.
Mas o vice-comandante da Marinha, Mahmoud Mousavi, negou ao canal de língua inglesa Press TV que os mísseis foram disparados.
"O teste de lançamento de mísseis será realizado nos próximos dias", disse.
Dez dias de exercícios navais iranianos coincidiram com o aumento da tensão sobre o programa nuclear de Teerã com Washington e seus aliados. A União Europeia disse que considerava uma proibição - já posta em vigor nos Estados Unidos - sobre as importações do maior produtor de petróleo do mundo.
Analistas dizem que os relatos conflitantes sobre o teste com míssil tinham por objetivo lembrar o Ocidente das consequências se arriscasse aumentar a pressão sobre o Irã por seu programa nuclear, que o Ocidente diz que visa à construção de bombas nucleares. Teerã rejeita essa acusação.
"O local e o momento do exercício foram muito sagazes... então houve os relatos de lançamentos de mísseis que podem atingir as bases da América na região e Israel", disse o analista Hamid Farahvashian.
"Uma das mensagens era a de que se você se meter com o Irã, então terá que sofrer o caos econômico", disse. "Os iranianos sempre usaram essa tática de cenoura e bastão... primeiro eles usaram o bastão, que foi fechar Ormuz, e agora a cenoura, que é a disponibilidade para conversações".
Um porta-voz da União Europeia disse que a chefe da política externa do bloco, Catherine Ashton, escreveu para o negociador nuclear do Irã, Saeed Jalili, em outubro, e ainda não havia recebido uma resposta. Mas a UE estava aberta a conversas significativas com Teerã assim que recebesse garantias de que não havia precondições.
"Continuamos buscando nossa abordagem de duas vias e estamos abertos para discussões significativas sobre medidas para o estabelecimento de confiança, sem precondições do lado iraniano", disse o porta-voz da política externa da UE, Michael Mann, em um email.
Na quinta-feira Teerã ameaçou interromper o fluxo de petróleo através do estreito de Ormuz no caso de virar alvo de um embargo de petróleo por causa de suas ambições nucleares, uma medida que poderia provocar o conflito militar com países dependentes do petróleo que passa pelo Golfo.
O ministro do Petróleo iraniano, Rostam Qasemi, disse que impor sanções às exportações de petróleo do Irã levaria a um aumento no preço do produto.
"Sem dúvida o preço do petróleo bruto vai aumentar de maneira dramática se forem impostas sanções contra nosso petróleo... vai chegar pelo menos a 200 dólares o barril", disse ao semanário Aseman no sábado.
Relatos sobre a ameaça do Irã de fechar o estreito de Ormuz foram suficientes para enviar tremores ao mercado de petróleo e aumentar o preço do barril. 

Arquivo do blog segurança nacional