Wikipedia

Resultados da pesquisa

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Aspide 2000 melhorado com o mesmo sensor semi-ativo

Em 1994 foi iniciado o desenvolvimento do sistema Aramis de defesa terrestre. O Aramis/Aspide é um sistema de defesa aérea de defesa de área curta, com capacidade qualquer tempo, para defesa aérea a nível de brigada. O sistema é formado por um Posto de Controle de Bateria (Battery Control Post - BCP) com módulo operado por dois tripulantes em chassi 4x4. A antena de radar é montada em um mastro extensível de 10 metros de altura capaz de acompanhar 50 alvos a até 45km de distância. O sistema comanda até quatro lançadores de mísseis Aspide. O lançador não é tripulado e tem seis mísseis pronto para uso e pode ficar a até 5km do BCP. O sistema completo leva 8 minutos para ficar pronto para uso. Lançador pode usar o Aspide Mk 1 ou o Aspide 2000.O Aspide (Aspide-1A) iniciou como um projeto privado em 1969 baseado no AIM-7E Sparrow modificado com um sensor semi-ativo da Selenia (agora Alenia Marconi Systems, parte da EADS), motor de estagio único da SNIA-Vicosa, ogiva de 33kg da SNIA Difesa e Spazio e novos atuadores. O objetivo era ser uma alternativa ao Sea Sparrow para equipar os navios italianos e se tornou o sistema Albatros. Em 1971 passou a ser financiado pelo governo italiano. Foram estudados quatro variantes: o Aspide ar-ar para substituir o AIM-7E Sparrow e equipar os F-104S, SAM naval chamado Albatros, a versão superfície-ar para uso da Força Aérea Italiana chamada Spada e uma versão superfície-ar terrestre com o sistema Contraves Skyguard chamado Skyguard/Aspide. A versão SAM iniciou a produção em 1979. A versão ar-ar teve o projeto iniciado em 1974 e depois foi testado em 1981, 1985 e 1986, entrando em serviço nos F-104 italianos em 1988.O desenvolvido do Spada foi iniciado no fim década de 70 para equipar a Força Aérea italiana para defesa de base e outras aéreas chaves. Para diminuir o tempo e custo de desenvolvimento foi decidido usar componentes já existentes como o míssil Aspide Mk1 e o radar TIR. Os testes foram completados em 1977 com avaliação operacional entre 1982 e 1983.

Em 1986, um total de 12 sistemas foi comprado pela orça Aérea italiana com a primeira bateria operacional em 1983. Mais quatro sistemas foram comprados em 1991 para equipar um total de quatro batalhões. Em 1996, foi iniciado um programa modernização no sistema de comando e controle. A vida útil do sistema é de 24 anos e com possibilidade de ser aumentado em mais 12 apos modernizado ou restaurado.

Em 1986 a Força Aérea da Tailândia comprou um sistema Spada completo com quatro lançadores de seis mísseis entregues em 1988.

Os testes de vôo do Aspide Mk 1 iniciou em 1974 em testes de vôo cativo  com disparos operacionais em 1979. Os testes da versão SAM iniciou em maio de 1975.
O Aspide Mk 1 é similar em aparência ao Sparrow, menos as asas e barbatanas que são cortadas na variantes superfície-ar. O sensor semi-ativo usa técnicas de onda continua monopulso e tem capacidade home-on-jam. A espoleta é por radar ativo e os atuadores tem acionamento hidráulico.
O Aspide Mk 1 substituiu os Sparrow nos navios de várias marinhas. Foi instalado nos navios italianos da classe Garibaldi, Maestraly, Artigliere (LUPO) e Minerva.
O Albatros pode ser integrado em sistemas já existentes de acompanhamento e iluminação de alvos como o Alenia-Elsag NA-21 e NA-30 ou o Hollandse Signaalapparaten (Mk 2 Mod 9). O Radar Alenia Orion RTN-30X é dos mais usados e também equipa o sistema Spada. Está equipado com uma câmera de TV que ajuda na identificação dos alvos e avaliação dos disparos.

Um radar ativo para o Aspide Mk 1, chamado Idra 
operando na banda J , foi desenvolvido a partir de 1985, mas uma versão de baixo custo chamado Aspide Mk 2 foi adotado em 1990, mas que foi paralisado em 1996.
O Mk2 usa motor, ogiva e atuadores do Aspide, mas com sensor monopulso Pulso-Doppler AS3 da banda J com antena planar array e processador digital e datalink. Pode ser lançado contra alvos de longo alcance no modo passivo a até 40-50km, com atualização de meio curso. A ogiva é ativada quando alvo está a 6-8km. Em 1990 foi estudado a produção do Aspide MK2 com um sensor IDRA de baixo custo. O Mk2 seria a opção italiana se o AMRAAM não fosse adiante ou não fosse escolhido para o Eurofighter italiano.

O Aspide Mk3 (Aspide 2000) foi anunciado em 1993 com capacidade similar ao Mk2 mas com sensor semi-ativo e ogiva do Mk1. Em 1996, os programas Aspide Mk1 e Mk2 foram terminados para a versão ar-ar e a Alenia se junto no programa Meteor.

As versões SAM que estão sendo comercializadas são o Spada, Skyguard, Albatros e ARAMIS. O albatros tem alcance de 15km com teto de 8 mil metros. A versão Aspide 2000 com motor mais largo aumentou o alcance em quase 40%. Está em serviço no Skyguard da Tailândia.
Em 1995 foi iniciado o desenvolvimento do Aspide 2000 melhorado com o mesmo sensor semi-ativo do Aspide Mk 2 e a ogiva do Aspide Mk 1, mas com motor acelerador maior para aumentar o alcance. Foi oferecido para a Força Aérea Italiana como Spada 2000. O Aspide Mk 1 pode ser modificado para o Aspide 2000 que pode ser usado no Albatros, Spada e Skyguard já existentes. O Aspide 2000 tem motor maior, melhor ECCM, é mais rápido e consegue suportar aceleração lateral maior.

Arquivo do blog segurança nacional