Wikipedia

Resultados da pesquisa

sábado, 2 de abril de 2011

Família de Mísseis

O Piranha foi concebido para fazer parte de uma família de mísseis. Ele também teria versões superfície-ar lançadas de terra ou navios além da versão ar-ar. O Exército e a Marinha parecem ter desistido destas versões.




A versão superfície-ar seria semelhante ao Chaparral americano, versão superfície-ar do Sidewinder, que também tem a versão embarcada chamada Sea Chaparral. O Sea Chaparral é usada em navios da Marinha de Taiwan.



A versão terrestre seria montada no blindado sobre lagartas Charrua e usada para defesa de colunas blindadas em movimento. Uma versão mais atual foi proposta para equipar o blindado sobre rodas Urutu. O Exército achou duvidoso o uso de um sistema ainda não testado.



Uma versão rebocada seria usada para defesa de alvos importantes como bases aéreas, postos de comando, pontes, usinas elétricas etc. O MAA-1A Piranha terrestre seria apoiado pelo FILA para vigilância e designação de alvos.



A falta de um sensor IR com capacidade "all aspect" torna o míssil muito limitado nesta tarefa pois só poderia atacar alvos por trás, ou seja, depois que já atacou o alvo. O míssil também sairia mais caro que sistemas dedicados com guiamento CLOS, radar semi-ativo e IR. A primeira proposta do MAA-1A Piranha antiaéreo era equipada com um motor acelerador para compensar a perda de energia usada para acelerar o míssil. O alcance chega a cair em até 70% na versão terrestre. O lançador acima está instalado no blindado CharruaUma versão terrestre do MAA-1A Piranha antiaéreo. A versão terrestre atual com o lançador é chamada SIMDABA (Sistema de Mísseis de Defesa Aérea de Baixa Altitude).

O Piranha também foi proposto para defesa de navios fluviais na Amazônia. A versão naval equiparia os navios da Marinha como fragatas, corvetas e navios de apoio
Por um tempo pensou-se que a fuselagem do Piranha estava sendo usada para um projeto de um míssil anti-radiação chamado MAR-1. O míssil seria equivalente ao SIDEARM (desenvolvido a partir do Sidewinder AIM-9C) e seria usado contra radares de controle de tiro de canhões e mísseis antiaéreos. O MAR-1 mostrado ao público tem uma configuração bem diferente.




Limitações Operacionais



Comparando o MAA-1A Piranha com outros mísseis mais atuais, a conclusão que se chega é que ele já está quase absoleto. O míssil demorou muito para ser desenvolvido e já deveria estar sendo substituído por modelos mais atuais, pois deveria ter entrado em serviço no fim da década de 80 ou início da década de 90.



Enquanto os projetos de mísseis de curto alcance atuais já estão classificados na quinta geração, o MAA-1A Piranha pode ser classificado como sendo de Segunda ou Terceira Geração (e meia).



A segunda geração é caracterizada por só poder engajar alvos por trás e os de terceira geração podem engajar alvos em qualquer quadrante. Por ter características atuais como espoleta laser, processadores modernos, algoritmos mais complexos e ângulos de visada maior que os projetos antigos ele pode ter um adicional. Com as capacidades atuais, o MAA-1A Piranha pode ser considerado apenas um bom projeto de pesquisa e capacitação de pessoal ou servir para ser um míssil de segunda linha para reserva e treinamento.







O potencial de crescimento é limitado. O sistema de navegação não permite realizar manobras agressivas típicas de mísseis de quarta geração nem aproveitar a capacidade de ser apontado muito fora da linha de visada da aeronave (high off-boresight) com miras no capacete (HMD). Com um sensor "all-aspect" o MAA-1A Piranha pode chegar no máximo na terceira geração.



O potencial de exportação também é pequeno. O míssil pode ser até mais caro que outros mísseis mais capazes e o comprador terá que integrar o míssil a uma nova aeronave se não for o F-5, ALX ou AMX.



Como exemplo, temos os mísseis russos vendidos baratos para países que já usam armas russas, principalmente caças. Os americanos devem vender mais de 200 mísseis AIM-9X de quinta geração (quase longo alcance e superagilidade) aos suíços por pouco mais de US$100 milhões e já integrado aos seus F/A-18A Hornet. Um Magic 2 com capacidade "all aspect" e com manobrabilidade maior custa US$220 mil cada. O primeiro lote do 100 mísseis MAA-1A Piranha irá custar US$20 milhões para a FAB ou US$200 mil por míssil.





Por outro lado, os mísseis de Terceira Geração como o AIM-9L e Python 3 não estão absoletos e ainda são de muita utilidade em alguns cenários. Até mesmo a USAF e US Navy irão usar o AIM-9M até 2020 até serem completamente substituidos pelo AIM-9X. Israel comprou um lote de 500 AIM-8M em 2007. Os mísseis de geração mais recente também são muito caros para substituir os mísseis mais antigos na razão de 1:1.



O uso do MAA-1A Piranha nas aeronaves de caça da FAB tem várias limitações:



O F-5E é um caça relativamente pouco manobrável comparado aos caças de última geração e não seria ideal em combate aéreo contra aeronave mais ágeis. A melhor possibilidade de sucesso do MAA-1A seria se aproveitar de táticas furtivas. A tática seria conseguir surpresa num ataque por trás, sem que o alvo faça manobras evasivas ou lance contramedidas. Isto aconteceu na maioria dos engajamentos com sucesso. Os R-99 podem ser usados como fonte de dados para o caça passando os dados direto para o HUD do F-5EM pelo datalink. No caso de perda da surpresa, o MAA-1A teria poucas chances de sucesso contra outro caça de Terceira ou Quarta geração. Um míssil ar-ar de combate aproximado de Quarta ou Quinta Geração seria necessário para garantir sucesso em todos os engajamentos a curta distância.

O AMX usaria o MAA-1A para autodefesa e cai no mesmo problema do F-5. O AMX é uma aeronave de ataque e deve sempre evitar um combate aéreo. Se tiver que lutar, então não conseguiu fugir e não vai conseguir surpresa contra um inimigo provavelmente de capacidade superior que passou pelos caças de escolta. A melhor defesa nesta situação seria um míssil última geração apontado por mira no capacete (HMD), pois permite atacar alvos sem ejetar cargas e sem apontar a aeronave para o alvo.


O A-29A/B também não precisaria do MAA-1A pelos mesmos motivos do AMX no caso de auto-defesa. O uso do ALX para interceptação de vôos ilícitos não justifica o uso de um míssil muito caro contra alvos mais baratos como o caso de pequenos monomotores a pistão. O MAA-1A também tem uso duvidoso em operações anti-helicópteros pois até os mísseis mais modernos tem dificuldades em trancar em helicópteros voando baixo.


No caso do Projeto FX, o MAA-1A estava muito desbalanceado com uma aeronave muito sofisticada como os candidatos do programa FX. Um caça de Quarta Geração precisa ser armado com um míssil ar-ar de última geração. O MAA-1A até que poderia ser uma arma de reserva ou para alvos secundários visto que a FAB não poderia comprar mísseis de última geração em grande quantidade.




A Mectron/CTA/IAE/Avibrás apresentaram a nova configuração do míssil ar-ar MAA-1B (Bravo) durante a LAAD 2007. O míssil usa a estrutura principal da fuselagem, a ogiva e a espoleta de proximidade e impacto do MAA-1A (Alpha), sendo o restante totalmente novo. O novo sensor de banda dupla (UV e IR) tem 80% de nacionalização, com grande capacidade de contra contramedidas, grande capacidade off-boresight (até 90 graus), com um buscador de altíssima velocidade, podendo ser apontada para o alvo pelo radar, pelo capacete do piloto ou ainda realizar busca autônoma. O piloto automático está programado para acompanhamento do tipo "lag pursuit" em um engajamento frontal de forma semelhante ao Python 4.






A configuração é do tipo canard duplo, com quatro canards fixos seguidos de quatro grandes canards móveis. Mais duas aletas foram adicionadas para controle de giro. A retirada dos rollerons sugere que o míssil tem um sistema de piloto automático digital que é necessário para mísseis de grande agilidade. Os atuadores tem o dobro da potência dos atuadores do modelo Alfa e pode puxar 60 g´s. O motor terá novo propelente "sem fumaça" aumentado o alcance em até 50% com impulso de dois estágios que queimam por seis segundos ao invés de dois segundos do MAA-1A. O piloto pode escolher o tipo de modo de operação de acordo com a ameaça, otimizando o desempenho para cada alvo. O comprimento e o diâmetro foram mantidos, mas o peso aumentou um pouco. O software será diferente para que o F-5EM não o perceba como sendo um MAA-1A e não aproveite toda sua capacidade. O sensor IR de antimoneto de irídio e telureto de chumbo tem seis elementos de busca com grande alcance.



O míssil pode ser considerado de Quarta Geração, considerado pelos técnicos como superior ao R-73 russo, mas inferior ao Python 4 israelense, com preço muito inferior aos similares no mercado. O custo previsto é de US$ 250 a 300 mil.





O período de desenvolvimento foi bem mais rápido em função das lições aprendidas com o MAA-1A. O projeto foi iniciado em 2005 com a produção de pré-série está prevista para o segundo semestre de 2008, com testes e homologação para o fim de 2008. A entrada em operação está prevista para 2009. O Projeto MAA-1B recebeu um orçamento de R$ 3 milhões em 2006. Ainda em 2006 foi terminada a oitava etapa do projeto (de 11 no total). A conclusão da décima primeira fase é esperado para para outubro de 2008. A pré-série do MAA-1B deve ficar pronta no terceiro trimestre de 2009 quando serão iniciados os testes. A avaliação operacional deve ser em 2010. Em novembro de 2008 foram realizados os testes de três motores do míssil MAA-1B na Avibrás.



Um lote de Python 5 (ou Python4) para armar os F-5EM/FM ainda está prevista para 2007, junto com a aparência e conceitos semelhantes ao Python 4, que off-sets tecnológicos podem estar sendo usados no MAA-1B. O projeto conjunto do A-Darter, de quinta geração, com os sul-africanos continua e deve terminar por volta de 2015, mas pode ter o projeto acelerado.

Montagem de um sistema antiaéreo montado em blindados com uma versão lançada de terra do MAA-1B com um motor foguete acelerador adicional.




Em 2004, o EB, FAB e MB estavam estudando uma versão lançada do solo do MAA-1 Piranha e o assunto voltou a ser estudado em 2007 sob iniciativa da Mectron. A Mectron provavelmente está interessada em desenvolver uma versão superfície-ar do MAA-1B com desempenho muito melhor e mais adequada para a função. O míssil teria o dobro do alcance do Igla já usado pelo EB e FAB. Um booster pode ser instalado para aumentar o alcance podendo ser usado contra novas ameaças como aeronaves atacando a média altitude com armas guiadas ou pontaria automatizada (CCIP/CCRP) quando estariam fora do alcance da artilharia antiaérea ou mísseis de curto alcance como o Igla, Mistral e Roland (não mais usado pelo EB).


Arquivo do blog segurança nacional