Wikipedia

Resultados da pesquisa

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Diamond brilha em sua chegada em Portsmouth

Portsmouth, Reino Unido – Diamond, o terceiro destróier de defesa antiáerea do Tipo 45 construído pela BAE Systems para a Marinha Real do Reino Unido, foi entregue ao Ministério da Defesa, em uma cerimônia realizada hoje na Base Naval de Portsmouth.






Membros da tripulação do navio levantaram a insígnia branca, pela primeira vez a bordo do Diamond, quando o Comodoro da Marinha Real Steve Brunton aceitou formalmente o navio em nome do Ministério da Defesa, em Portsmouth, onde se reunirá aos destróieres HMS Daring e HMS Dauntless.



Angus Holt, Diretor de Programas da divisão de Navios de Superfície da BAE System no Reino Unido, disse: “O Diamond é um navio excepcional e temos orgulho em entregá-lo hoje à Marinha Real. O programa de Tipo 45 é um grande exemplo de uma parceria efetiva entre a indústria, a Marinha Real e o Ministério da Defesa para capacitar nossas forças armadas”.





“Nosso trabalho no Diamond e nos outros dois destróiers, seus pares, continua agora com suporte em serviço ao navio e ao resto da frota, garantindo que o Reino Unido atenda às suas necessidades operacionais”.




No comando da frota de destróieres, o Comodoro Steve Brunton declarou: “É um enorme privilégio aceitar este magnífico navio em nome do Ministério da Defesa, não muito tempo depois da aceitação do HMS Daring a serviço da Marinha”.



“Com cinco navios na água – um em serviço, dois nas mãos do Ministério da Defesa e dois outros em testes – 2010 está sendo um ano extremamente atarefado para o programa do Tipo 45, com previsão para ver ainda o último de sua classe, o Duncan, descendo a carreira de lançamento na base de Clyde.”





O primeiro aço do Diamond foi cortado em maio de 2005 e o navio foi lançado no estaleiro de Govan em novembro de 2007. Após a execução de um extenso programa de testes no mar, o Diamond deixou o rio Clyde, com uma tripulação mista da BAE Systems e da Marinha Real, pela última vez no sábado, 18 de setembro, e chegou hoje em sua nova base de Portsmouth.




Na posição de gerente de produção desta Classe de embarcações, a BAE Systems também fornecerá suporte à frota em serviço. Trabalhando lado a lado com a Marinha Real, na Base Naval de Portsmouth, os engenheiros da empresa serão responsáveis pela coordenação de todos os aspectos das operações de reparo, manutenção e assistência, visando aumentar a disponibilidade do navio e reduzir os custos de suporte, durante toda a sua vida útil, para que a Marinha Real possa cumprir seus compromissos operacionais no mundo.




O Tipo 45 representa os maiores e mais poderosos destróieres de defesa antiaérea já construídos para a Marinha Real, conferindo à Defesa do Reino Unido uma capacidade militar de classe mundial. Os navios de Tipo 45 constituirão a espinha dorsal da defesa naval antiaérea do Reino Unido, muito além dos próximos 30 anos. Estes navios serão capazes de desempenhar uma ampla gama de operações, entre elas ações de antipirataria e anticontrabando, assistência em situações pós-desastre e vigilância, assim como operações de combate de alta intensidade durante uma guerra.







Os destróieres são capazes de visar vários alvos, simultaneamente, bem como defender porta-aviões ou grupo de navios, a exemplo de uma força anfíbia de desembarque, fazendo frente às maiores ameaças aéreas do futuro. Estes navios contribuirão com uma capacidade especializada de combate antiáereo, em operações conjuntas e marítimas, realizadas em todo o mundo, até 2040.



Fonte: BAE Systems

Contra terrorismo na Europa, EUA intensificam ataques no Paquistão

CIA afirma que insurgentes estariam planejando ataques na França, na Alemanha e no Reino Unido
WASHINGTON - A Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA) aumentou a intensidade dos ataques aéreos contra zonas do Paquistão fronteiriças com o Afeganistão, em uma tentativa de frustrar eventuais atentados terroristas na Europa, informaram veículos de imprensa americanos nesta terça-feira, 28.





Em setembro, a CIA efetuou pelo menos 20 ataques com aviões sem pilotos que lançam mísseis contra supostos alvos terroristas nas zonas tribais do noroeste do Paquistão, segundo informam os jornais The New York Times e The Wall Street Journal e a rede televisiva CNN.



A iniciativa responde às informações sobre supostos "complôs" para realizar atentados terroristas no Reino Unido, França ou Alemanha, segundo funcionários não identificados da CIA consultados pelo The Wall Street Journal.



"O propósito de tudo isto é desmantelar os complôs terroristas, independente da fase de desenvolvimento em que estejam e sejam quais forem os locais onde pretendem realizar atentados", disse à CNN um funcionário que pediu o anonimato.



Por sua vez, o The New York Times afirmou que "os ataques refletem a crescente frustração, tanto no Afeganistão como nos EUA, perante a impressão de que o governo do Paquistão não foi suficientemente agressivo na tentativa de despejar os militantes de suas bases nas montanhas ocidentais do país".



As atuais operações da CIA se centram na região do Waziristão do Norte, considerada um "refúgio" para Al-Qaeda e os talebans.



O governo paquistanês protestou formalmente por dois ataques que foram lançados domingo e segunda-feira com helicópteros americanos da Otan, desde o Afeganistão, contra a zona fronteiriça do Paquistão, nos quais morreram entre 30 e 70 pessoas, segundo as versões.



A rede Haqqani, vinculada à Al-Qaeda, segundo analistas, prepara atentados terroristas na Europa.

Arquivo do blog segurança nacional