Wikipedia

Resultados da pesquisa

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Imagenes del MET 4 en El Palomar

En septiembre de 2010 se instaló temporalmente en la I Brigada Aérea con asiento en El Palomar el MET 4 (Modelo de Evaluación Tecnológica 4) de INVAP SE.




El MET 4 es un demostrador tecnológico desarrollado por INVAP como paso intermedio para el desarrollo del Radar Primario 3D de Largo Alcance (RP3DLA). El MET 4 no tiene partes activas y servirá solo para pruebas de Estructura y de los sistemas mecánicos y auxiliares.



INVAP trabaja desde el año 2004 en el desarrollo del RP3DLA. En diciembre de 2007 se firmó un contrato entre INVAP y el gobierno argentino por intermedio de la Dirección General de Fabricaciones Militares (DGFM) para el desarrollo, certificación y homologación del radar. Los trabajos tendrán un coste total de 141.5 millones de pesos (unos 36 millones de dólares) y deberán estar concluidos en agosto del 2012. Las especificaciones del radar incluyen un alcance de 220 a 240 millas y capacidad de contra medidas electrónicas.



El proceso de desarrollo incluye la fabricación cinco demostradores MET mas el MET 6 que será el prototipo operativo. Los MET 1 y 2 ya han sido completados, en tanto que los MET 3 y 5 serán completados durante el 2011.



Se espera la firma de un nuevo contrato por 144 millones de dólares para la fabricacion de 5 o 6 radares de serie para sustituir a los que se pensaban comprar en el exterior. El costo unitario de cada radar se estima en 15 millones de dólares. INVAP se refiere al radar definitivo como Radar Primario Argentino (RPA) y al conjunto completo como RTA, que incluye a un radar secundario RSMA Inkam montado encima del RPA.

NASA quer lançar foguetes sobre trilhos

                              O projeto inicial prevê a construção de uma pista de 3,2 km, disparando um avião hipersônico até uma velocidade Mach 10, o suficiente para que ele atinja as camadas mais altas da atmosfera.[Imagem: NASA   Ainda às voltas com discussões sobre o modelo do foguete que deve construir para substituir os atuais e os nem-nascidos da natimorta série Constelação, a NASA está se voltando para tecnologias mais futuristas. Ou mais retrôs, dependendo do ponto de vista.




Segundo a agência espacial norte-americana, a ideia é projetar um "lançador para as estrelas", o que deverá ser possível, diz a agência, com um sistema que transforme uma série de tecnologias já disponíveis em um "gigantesco salto para o espaço."



Foguete sobre trilhos



A NASA vem testando há anos um tipo inovador de avião hipersônico em formato de cunha, chamado estatojato, ou scramjet.



Nos testes iniciais, o avião hipersônico é acelerado até sua velocidade de partida por um foguete, lançado a partir de um avião comum.



Mas a ideia agora é baratear bastante o processo, lançando a aeronave horizontalmente. Isto poderia ser feito utilizando um trem, impulsionado por turbinas comuns, por motores elétricos ou por magnetismo, como nos chamados MagLev, trens que usam um sistema de levitação magnética.



O avião hipersônico atingiria a velocidade de arranque ainda no solo. Depois de se soltar e decolar, ele deverá acelerar até Mach 10 utilizando seus scramjets.



Ao atingir a parte mais alta da atmosfera, ele libera sua cápsula ou carga útil, semelhante ao segundo estágio de um foguete. A cápsula contará com seu próprio motor-foguete, para atingir a órbita. Já o avião hipersônico retorna ao solo, pousando em uma pista comum, ao lado dos trilhos de lançamento.



Parece promissor, mas bem aquém de qualquer coisa que lembre um "gigantesco salto para o espaço," conforme afirma a agência.



Metrô da era espacial



Segundo Stan Starr, do Centro Espacial Kennedy, tudo isto pode ser feito com tecnologia já disponível, não dependendo de nenhum invento disruptivo.



"Tudo pode ser feito com componentes tecnológicos já desenvolvidos ou estudados," Estamos propondo amadurecer estas tecnologias até um nível útil, bem além do nível já alcançado," diz ele.



Segundo o engenheiro da NASA, o projeto beneficiará uma série de outros setores, além do espacial, já que exigirá o aperfeiçoamento dos sistemas de transporte ferroviário, que poderão ser usados em sistemas de metrô, baterias, que poderão ser usadas em veículos elétricos, e vários outros.



Sistema avançado de lançamento



O projeto, chamado Advanced Space Launch System (sistema de lançamento espacial avançado) não pretende substituir os ônibus espaciais ou qualquer outro programa em um futuro próximo.



Mas, segundo Starr, poderá ser adaptado para transportar astronautas depois que o sistema for suficientemente testado em missões não tripuladas.



A equipe propôs um projeto com 10 anos de duração, que, se aprovado, teria início com o lançamento de aviões não tripulados comuns.



A seguir viriam modelos de aviões mais avançados, até que seja possível construir um capaz de lançar um pequeno satélite em órbita.

Arquivo do blog segurança nacional