Wikipedia

Resultados da pesquisa

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Portugal deve comprar seis aviões cargueiros da Embraer

A previsão é que o primeiro voo do cargueiro da Embraer ocorra em 2014, com entrada em serviço no final de 2015




SÃO PAULO - Portugal manifestou nesta sexta-feira, 10, a intenção de comprar seis cargueiros KC-390, avião militar em desenvolvimento pela brasileira Embraer. Assim, o total de vendas encaminhadas da aeronave já chega a 52 unidades, com valor potencial da ordem de US$ 4 bilhões.



A previsão é que o primeiro voo do cargueiro da Embraer ocorra em 2014, com entrada em serviço no final de 2015.



Os ministros da Defesa do Brasil e de Portugal, Nelson Jobim e Augusto Santos Silva, assinaram nesta sexta declaração de intenções relativa à participação dos portugueses no desenvolvimento do KC-390, que será usado para transporte militar.



"O acordo marca o início das negociações para a entrada de empresas portuguesas no projeto e na fabricação do novo avião, bem como para a futura aquisição de seis aeronaves para equipar a Força Aérea Portuguesa", informou a Embraer em comunicado à imprensa.



As ações da Embraer avançavam 1,06% às 16h00, para R$ 11,42. No mesmo horário, o Ibovespa tinha oscilação positiva de 0,11%.



De acordo com o presidente-executivo da Embraer, Frederico Curado, os estudos preliminares para o KC-390 foram concluídos e "estamos avançando na definição da configuração final da aeronave e dos principais fornecedores".



Antes de Portugal, o Chile e a Colômbia assinaram acordos com a Embraer para futura aquisição de seis e 12 unidades do KC-390, respectivamente. Além disso, a Força Aérea Brasileira (FAB) pretende comprar 28 aeronaves para renovação da frota.



A Embraer não divulgou o preço do KC-390, mas já informou querer um terço do mercado global de cargueiros estimado em 700 unidades em 15 anos, o que significaria receita de US$ 18 bilhões para a fabricante brasileira.



Com base nesses números, é possível chegar a um valor médio por cargueiro perto de US$ 80 milhões. Assim, o valor potencial das vendas das 52 unidades seria de pouco mais de US$ 4 bilhões.



(Reportagem de Cesar Bianconi)

China pretende lançar nova sonda para Lua ainda neste ano



Ilustração da sonda Chang'e-1, que partiu em 2007, feita pela Nasa. Divulgação






A China lançará sua segunda missão de exploração lunar ainda em 2010, impulsionando o esforço do país para ascender como uma potência espacial e, um dia, tornar-se capaz de realizar pousos lunares, informa a mídia estatal.




Obama pede 'uso responsável' do espaço e propõe cooperação intrernacional



Um engenheiro que supervisiona o programa chinês de exploração lunar, Wu Werein, disse que o trabalho na sonda Chang'e-2 "prossegue como esperado", diz o jornal Diário do Povo.



"Ela está agora no estágio de testes pré-lançamento e preparativos, e o plano é realizar um voo de teste até o fim do ano", disse Wu, segundo o diário.



A Chang'e tem o nome de uma deusa mitológica chinesa que voou para a Lua. Uma missão bem-sucedida marcaria mais um avanço no plano chinês de rivalizar com EUA e Rússia em termos de exploração espacial.



Em 2003, a China se tornou o terceiro país, atrás de Rússia e Estados Unidos, a demonstrar a capacidade de enviar um ser humano ao espaço por meios próprios.



Autoridades chinesas dizem estar estudando o envio de astronautas à Lua entre 2025 e 2030. A China enviou sua primeira sonda orbital à Lua, a Chang'e-1, em outubro de 2007.



O engenheiro Wu disse que a Chang'e-2 chegaria 15 km da superfície lunar, testando a tecnologia necessária para a realização de um pouso não-tripulado que pode acontecer por volta de 2013.



O temor de uma corrida armamentista espacial entre EUA, China e outras potências aumentou desde que os chineses usaram um míssil para abater um de seus próprios satélites, em janeiro de 2007.

Caças AMX da Itália atingem a marca de 1.500 horas de voo no Afeganistão

As aeronaves de caça AMX da Força Aérea Italiana (AMI) destacadas em Herat, no Afeganistão, registraram mais de 1.500 horas de voo, em cerca de 600 surtidas, desde o dia 7 de novembro de 2009.








Uma vista aérea da Base Aérea em Herat, no Afeganistão, mostrando dois caças AMX, uma aeronave C-130 Hercules e os membros do Esquadrão Black Cats formando o nº 1500. (Foto: AMI)

As quatro aeronaves do Grupo Tarefa ‘Black Cats’ são parte da Força Tarefa Aérea Conjunta (JATF), e são utilizados basicamente para missões ISR (Inteligência, Vigilância e Reconhecimento) em apoio as forças aliadas e da Itália pertencentes a ISAF.



Durante suas missões operacionais, as aeronaves tem mostrado uma grande versatilidade nas operações completadas durante o dia e noite graças a tecnologia de seus pods RecceLite e aos óculos de visão noturna (NGV) utilizados pelos pilotos. Esses sistemas permitiram que as aeronaves explorassem cerca de 1.000 locais e gerassem cerca de 10.000 fotografias para análise e distribuição para os analistas de imagens da Força Aérea Italiana.




O Major Fabio Traversa, comandante dos ‘Black Cats’, destacou que “a avançada tecnologia trazida pelas aeronaves, as quais os pods tiveram a habilidade de transmitir as imagens em tempo real para as tropas no solo, em várias ocasiões contribuiram para uma resolução favorável de situações táticas perigosas.”

Começa hoje a venda de ingressos para 'Tropa de Elite 2'

Os cinemas do Grupo Severiano Ribeiro/ Kinoplex dão início nesta quinta-feira (9) à venda antecipada de ingressos para 'Tropa de Elite 2'. O filme do diretor José Padilha tem no elenco Wagner Moura, André Ramiro, Maria Ribeiro, Milhem Cortaz e Seu Jorge.






Bento Marzo/DivulgaçãoNascimento volta como secretário de segurança

A compra, válida para todo o Brasil, pode ser feita pelo site www.kinoplex.com.br, ou nas bilheterias dos cinemas.



Continuação de um dos filmes de maior sucesso do cinema nacional em 2007, o longa mostrará o crescimento do Batalhão de Operações Especiais do Rio (Bope) e trará o capitão Nascimento, vivido por Wagner Moura, 13 anos mais velho, como secretário de Segurança Pública, O filme tem estreia prevista para o dia 8 de outubro.

Planetas gigantes e quentes podem ter vida curta, diz estudo

A maioria dos "Jupíteres quentes" que os astrônomos buscam em aglomerados de estrelas provavelmente já foram destruídos há tempos, diz artigo aceito para publicação no Astrophysical Journal. Os autores, John Debes e Brian Jackson, da Nasa, levantam a hipótese para explicar por que nenhum planeta de trânsito - mundos que cruzam a linha de visão entre suas estrelas e a Terra - jamais foi observado em aglomerados estelares.






NasaIlustração do planeta sendo destruído pela gravidade estelarA pesquisa prevê que a busca por planetas atualmente em curso com a missão Kepler terá mais sucesso em aglomerados jovens. "Planetas são difíceis de achar", disse Jackson, em nota. "E nós descobrimos mais um motivo para isso".



Quando astrônomos começaram a buscar planetas nos aglomerados globulares de estrelas, há cerca de uma década, havia a esperança de que muitos novos mundos fossem encontrados. Esperava-se que uma busca realizada no aglomerado 47 Tucanae, por exemplo, encontrasse pelo menos uma dezena de planetas entre 34.000 estrelas candidatas. Mas nada foi achado.



Segundo Debes, a grande maioria dos mais de 450 planetas encontrados fora do Sistema Solar estão em órbita de estrelas solitárias, fora dos aglomerados.



A grande densidade de estrelas nos aglomerados sugere que os planetas podem ser arremessados para fora de seus sistemas solares pela gravidade de astros próximos. Além disso, os aglomerados se mostram pobres em "metais" - astronomicamente, o termo se refere aos elementos químicos mais pesados que o hélio - que são a matéria prima dos planetas.



Debes e Jackson propõem que Jupíteres quentes - planetas gigantes que têm órbitas muito próximas a suas estrelas - são rapidamente destruídos. Nessas órbitas estreitas, a atração gravitacional entre estrela e planeta reduz a energia da órbita planetária, o que faz com que o planeta chegue cada vez mais perto do astro. Ao longo de bilhões de anos, o planeta acaba mergulhando na estrela ou destroçado por ela.

Água interagiu com a superfície de Marte até tempos modernos

Dados da sonda Phoenix, que atuou perto do polo norte de Marte em 2008, sugere que água em estado líquido interagiu com a superfície marciana ao longo da história do planeta, e até tempos modernos. A pesquisa também oferece evidência de que Marte teve atividade vulcânica até poucos milhões de anos atrás.






NasaParte da instrumentação da sonda Phoenix, já coberta de areia marcianaEmbora a Phoenix não esteja mais operando, cientistas continuam a analisar os dados reunidos pela missão. As descobertas anunciadas nesta semana, na revista Science, baseiam-se em informações sobre o dióxido de carbono que compõe 95% da atmosfera do planeta.



"Dióxido de carbono atmosférico é como um espião", disse, por meio de nota, o cientista Paul Niles, da Nasa. "Ele se infiltra em cada pedaço da superfície, e pode indicar a presença de água, e sua história".



A Phoenix mediu em detalhes os isótopos de carbono e oxigênio da atmosfera marciana. No artigo da Science, Niles explica a proporção dos isótopos estáveis e sua implicação para a história do planeta.



"Isótopos podem ser usados como uma assinatura química para nos dizer de onde uma coisa veio, e que tipos de eventos experimentou", acrescenta ele.



Essas assinaturas químicas sugerem que água em estado líquido existiu principalmente em temperaturas próximas ao congelamento, e que sistemas hidrotermais, como nascentes de água quente, foram raras durante o passado marciano.



As medições do dióxido de carbono também revelam que Marte foi um planeta muito mais ativo no passado do que se imaginava. Os resultados implicam que Marte repôs sua atmosfera de CO2 em um período relativamente recente, e que o dióxido de carbono reagiu com o líquido na superfície.



O fato de Marte ter baixa gravidade e não contar com, um campo magnético faz com que a atmosfera de Co2 se perca lentamente para o espaço. O processo favorece a perda do isótopo mais leve, o carbono 12, em comparação com o carbono 13. Se a perda estivesse ocorrendo sem reposição, a taxa de C-12 para C-13 seria muito mais baixa que a medida pela Phoenix.



Isso sugere que a atmosfera marciana foi reabastecida por meio de vulcões, e num tempo geologicamente próximo.



No entanto, a assinatura vulcânica não aparece quando se avalia a proporção de dois outros isótopos, oxigênio 18 e oxigênio 16, que também compõem o CO2 marciano. Isso indica que o dióxido de carbono reagiu com água no passado recente, e acabou enriquecido em O-18.



Fonte     Estadão

Exército Brasileiro comandos

O 1º Batalhão de Forças Especiais, atualmente sediado na cidade de Goiânia, foi criado em 1983 na guarnição do Rio de Janeiro. Descende diretamente do Destacamento de Forças Especiais, criado em 1968, juntamente com os Cursos de Ações de Comandos e de Forças Especiais.




A denominação histórica de "Batalhão Antônio Dias Cardoso" reverencia a memória daquele sargento-mor, enviado a Pernambuco com a missão de organizar e instruir os civis locais para a condução de uma campanha de resistência ao invasor holandês. Ele infiltrou em território pernambucano grande quantidade de armamento e munição, recrutou e treinou civis, organizando-os como eficiente força irregular, bem como dirigindo suas ações com maestria - uma típica campanha dos operadores de forças especiais. A empreitada conduzida por mais de 20 anos, culminaria na expulsão do inimigo, após a vitória final de Guararapes, em 1640.



Antes da criação da Brigada de Operações Especiais, a unidade foi subordinada ao Centro de Instrução Pára-quedista General !Penha Brasil, integrante da atual Brigada de Infantaria Pára-quedista.



O Batalhão tem por missões organizar, desenvolver, equipar, instruir e dirigir forças paramilitares em operações de guerra irregular, envolvendo guerra de guerrilhas, subversão, sabotagem, fuga e evasão. Além disso, está pronta para realizar operações contra forças irregulares, contraterrorimo e de reconhecimento especial.



Entende-se por guerra irregular um largo espectro de operações militares e paramilitares conduzidas em território controlado pelo inimigo ou politicamente sensível, em proveito de grandes comandos estratégicos ou de nível estratégico operacional. Caracteriza-se por ações de longa duração, empregando, predominantemente, técnicas da guerra de guerrilhas, executadas por pessoal nativo da área de operações, organizado, adestrado, equipado e conduzido, em diferentes níveis, por pessoal das Forças de Operações Especiais (Destacamentos Operacionais de Forças Especiais). As ações, quando conduzidas fora do território nacional, são desencadeadas no contexto de "Movimentos Revolucionários Patrocinados" e, dentro do território nacional, no contexto de "Movimentos de Resistência".



O emprego do 1º Batalhão de Forças Especiais se dá em tempo de paz, crise ou conflito armado, particularmente em áreas hostis sob controle do inimigo ou politicamente sensível visando alcançar objetivos políticos, econômicos, psicossociais ou militares.



Está organizado em Comando, Estado-Maior, duas Companhias de Forças Especiais - as quais enquadram os Destacamentos Operacionais de Forças Especiais (DOFEsp) - um Destacamento Contraterrorismo de valor subunidade e uma Companhia de Comando e Apoio. Para fins de emprego, o Batalhão configura os destacamentos - seus elementos básicos de combate - segundo as necessidades da missão, podendo infiltrá-los ou exfiltrá-los por vias terrestres, aquáticas, aéreas ou mistas. Por intermédio de seus elementos operacionais infiltrados a unidade pode:



- conduzir os fogos terrestres, aéreos e navais;

- conduzir operações psicológicas, em caráter limitado, notadamente em proveito próprio;

- apoiar, em suas áreas de desdobramento, outras forças para realização de operações terrestres, aeroterrestres, aeromóveis, anfíbias e aero-estratégicas;

- realizar, em caráter limitado, operações especiais de ação direta / ações de comando (interdição, eliminação, destruição, recuperação e / ou captura de pessoal e / ou material) sobre alvos compensadores do ponto de vista estratégico, operacional ou tático;

- operar por largos períodos de tempo com um mínimo de direção e apoio; e

- executar outras operações de inteligência de combate.



O 1º BFEsp pode, ainda, assessorar outras forças contra o emprego de elementos operacionais de comandos e de forças especiais, assim como quanto a técnicas, táticas e procedimentos peculiares deste tipo de tropa.



Seu elevado grau de prontidão, aliado ao apoio de meios aéreos, confere ao Batalhão elevada mobilidade estratégica e rapidez de desdobramento, capacitando-o a ser empregado em curto espaço de tempo, seja em território nacional ou estrangeiro. A visão de futuro da Unidade é a de obter capacitação operacional plena e tornar-se referência internacional em operações especiais, contribuindo para a dissuasão de ameaças e para multiplicação e projeção do poder de combate da Força Terrestre.



IMAGEM: Orion da FAB em testes na Espanha

O P-3AM, matrícula 7203, visto durante testes de voo próximo em Madri, na Espanha. (Foto: Ruben Galindo Verdugo / AviationCornet.net)


Imagem de uma aeronave Lockheed P-3AM Orion destinada para Força Aérea Brasileira (FAB) durante um voo de testes na unidade da EADS de Getafe, em Madri, Espanha.






A foto feita no dia 15 de julho de 2010, mostra a aeronave ainda sem a pintura definitiva, com a cor amarela do “primer” aplicada.



A Força Aérea Brasileira deverá receber três aeronaves ainda esse ano, e as seis restantes sendo entregues quatro em 2011 e duas em 2012. Todas as nove aeronaves serão atribuídas ao 1º Esquadrão do 7º Grupo de Aviação da Força Aérea Brasileira (Esquadrão de Patrulha Orungan), sediado em Salvador (BA).

Arquivo do blog segurança nacional