Wikipedia

Resultados da pesquisa

domingo, 1 de agosto de 2010

mísseis de cruzeiro uma versão lançada de aeronave poderia ser desenvolvido para a FAB

O AV/MT-300 brasileiro será capaz de transportar uma ogiva de até 200 Kg de explosivos a alvos situados a até 300 Km de distância. Existem estudos para variantes navais do míssil (conhecidas como X-300) e de lançamento aéreo, sobre os quais a Avibras tem trabalhado, de forma intermitente, nos últimos Efectivamente se foram os EUA e a URSS que começaram, temos de concordar que os actuais pretendentes são numerosos.Mas antes disso, vamos precisar certos termos a esse respreito, pois alguma confusão parece existir…


Fundamentalmente, um míssil de cruzeiro é um engenho propulsado durante todo o seu voo- o que o distingue do míssil balístico.- mas que também possui um alcance suponhamos, superior a 150Kms(senão misseis como o Maverick,AS-18Kazoo,AS-30L ou AASM também seriam considerados).

Digamos que há duas categorias distintas.Históricamente os ASM(Anti Ship Cruise Missiles), misseis de cruzeiro anti-navio(que tinham também uma função secundaria de ataque terrestre, podendo transportar cargas nucleares) proliferaram mais rápidamente, especialmente na URSS.Engenhos como o AS-3Kangaroo(lançamento aéreo, 650Kms alcance), o AS-4Kitchen(aéreo), o AS-6Kingfish(aéreo,300Kms), o SS-N-12Sandbox e o seu sucessor SS-N-19Shipwreck(550Kms de alcance a partir de navios) são bem representativos.

Neste momento podemos incluir nesta categoria o TASM ou o SS-N-27Klub.Alguns especialistas consideram como tal a maior parte dos mísseis anti-navio como o EXOCET ou o HARPOON, embora isso não seja, no nosso ponto de vista, muito apropriado.Em parte porque não estão sujeitos ao Missile Technology Control Regime(limite no alcance de 300Kms-mesmo se isto seja discutivel) e por outro lado porque na verdade eles não tem como função secundária o ataque terrestre.

Segunda categoria, mais recente, os mísseis específicamente destinados a atacar objectivos terrestres a longa distância (LACM-Land Attack Cruise missile).Aos Tomahawk e AS-15/SS-N-21Kent/Samson podemos acrescentar o SCALP/Storm Shadow, o SCALP Naval, o AGM-86 Air Launched Cruise Missile, o AGM-129 Advanced Cruise Missile(dissuasao nuclear), o AGM-158 Joint-Air-to-Surface-standoff Missile(JASSM).

Tal como os mísseis de cruzeiro anti-navio, podem ser lançados a partir de aviões/e ou navios de superfície ou submarinos, mesmo que (apenas em alguns casos) sejam dotados de cargas nucleares(mísseis AS-15 e AGM-129) .Todos tem uma propulsão a reacção, e sobre eles nos concentramos .



UM SÍMBOLO DE MODERNIDADE MILITAR



Se a Guerra do Golfo, em larga medida, popularizou o míssil de cruzeiro, foram os conflitos dos anos 90, que o tornaram indispensável.As guerras dos Balcãs ou os ataques pontuais no Iraque, foram entendidos basicamente como operações onde o interesse principal da Europa ou dos EUA estavam em perigo.

Tratando os objectivos de uma maneira bem precisa e com distância de segurança, o utilizador destes engenhos podia influir no curso do conflito-e reforçar o seu poder sem arriscar perdas humanas ou materiais.

Melhor ainda…o míssil de cruzeiro rápidamente se tornou num símbolo de modernidade militar(se a França desenvolveu o SCALP-na base de um engenho anti-carro e anti-pistas, o APACHE- não foi apenas para dispôr de uma capacidade em falta, mas para se manter no ‘nível superior’ no mesmo momento em que a Inglaterra tentava introduzir os Tomahawk nos seus submarinos).

As potências europeias menos importantes(Espanha, Alemanha,Grécia,Itália,Holanda ou mesmo Países Baixos), tem a mesma ideia, ou seja dotarem-se de mísseis de cruzeiro, no caso de ja não o terem feito, com os TAURUS, SCALP ou Tomahawk.A mesma tendência se observa no Golfo, com a encomenda pelos Emiratos de mísseis Storm Shadow(localmente chamados Black Shaheen).Mas à modernidade junta-se por vezes a uma busca de prestígio associada mesmo que sem aplicações concretas.Uma rápida análise a este respeito mostra que (1) os pilotos dos Emiratos não foram treinados no uso destes engenhos, que (2) lhes falta a capacidade indispensável de aquisição de alvos, que deveria acompanhar o programa e (3) que a filosofia militar dos Emiratos não é necessáriamente um factor de poder.Não será por acaso que alguns pilotos de F-16 dos Emiratos, (quadros superiores civis) utilizam os seus F-16 como uma espécie de diversão, sem programa de treino sério ou concreto e cuja capacidade de combate pode ser posta em séria duvida.



OS LACM ISRAELITAS



Alguns países ultrapassaram a situação de compra no mercado de equipamentos ja existentes, para participar numa concepção e desenvolvimento próprios.Foi o caso de Israel, em que o míssil Popeye Turbo foi concebido para dar aos submarinos israelitas uma capacidade de ataque convencional ou clássica sobre objectivos 'difíceis’.Com um alcance superior a 200Kms(alguns especialistas pensam existir uma versão com alcance de 1500kms) já testado nos anos 90, Israel veio a desenvolver uma nova geração de engenhos, os Delilah.Neste caso eles tem a capacidade de 'rondar' acima do alvo antes de o atingir( guiado primariamente por GPS depois por centro de inércia e no ’ataque’ final com os captores EO) tendo um alcance de 250Kms.

A conjugação de uma rede de 'drones' e estes mísseis colocaria os SCUD iranianos em clara inferioridade.Existe também outro engenho , o Delilah 2, com maior alcance e carga útil.Mas faltam, de momento, elementos fiáveis a este respeito...



ÍNDIA E PAQUISTÃO – par a par…- ÁFRICA DO SUL- com ambições


AFRICA DO SUL

Sendo potências tanto balísticas como nucleares, a India e o Paquistão estão actualmente num processo de diversificação dos seus vectores nucleares, mas também numa óptica de alargamento das suas capacidades convencionais.

Pensa-se que normalmente apenas os estados tecnológicamente mais avançados estariam em condições de produzir LACM’s-(o controlo dos micro-reactores e a navegação parecendo um problema muito especial- e estas limitações, em teoria, permitiriam limitar a proliferação.

Estes obstáculos foram contornados através de uma aliança industrial com a Rússia no caso indiano, e com a China no caso paquistanês.Ao mesmo tempo, os indianos-tal como os chineses-multiplicaram as suas compras (3M14E Klub russos), assegurando desta maneira as suas novas capacidades.

O míssil supersónico BRAHMOS é um ASCM com guia radar, mas a INDIA interessa-sse também no controle por satélite, beneficiando para já do sistema GLONASS russo bem como do GPS ‘público’, ao mesmo tempo que se juntou aos europeus no sistema Galileo.A ÍNDIA dispõe também de uma das maiores ‘reservas’ de técnicos informaticos e electrónicos do mundo.São estes factores que facilitam o desenvolvimento do LACM.

No que respeita ao Paquistão, os primeiros ensaios do BABUR parecem ter sido um sucesso.Trata-se de um míssil com alcance de 500Kms, guiado por GPS.Segundo alguns especialistas o BABUR(Hatf VII) apresenta algumas semelhanças com o DH-10 chinês, o qual por sua vez se baseava nos KH-55/AS-15 entregues pela Ucrânia à China.
BABUR-2 paquistão
Existe uma outra interpretação:alguns Tomahawk utilizados contra o Afeganistão em 1998 teriam caído no Paquistão e depois reexpedidos para a China.Um BABUR-2 estaria a ser desenvolvido dispondo de um alcance de 1000Kms e segundo algumas fontes( e aqui muito condicionalmente) utilizáveis a partir dos novos AGOSTA-90B da marinha paquistanesa.Seja como for, a verdade é que o primeiro ensaio do míssil constituiu uma ‘autêntica’ surpresa.



Antiga potência nuclear, a África do Sul desenvolveu uma gama completa de armamento, permitindo-lhe contornar os efeitos do embargo durante o período do ‘apartheid’.Varios mísseis guiados foram desenvolvidos neste âmbito, entre os quais o MUPSOW(multi purpose standoff weapon) que veio a dar origem ao Denel TORGOS(missil de 300kms alcance) e proposto a exportação.Dispõe de imagem IR optimizada para utilização em ambientes’quentes’ e portanto com muito bom contraste.Este míssil disporia também de capacidade automática de reconhecimento do alvo (ATR).Mas na verdade, e até agora, apesar das ‘promessas’ deste sistema, os únicos compradores tem sido …os sul-africanos !



CONVITE À PRUDÊNCIA



Se até agora foram essencialmente os americanos a utilizar o mísseis de cruzeiro em operações, a verdade é que os iraquianos, em 2003, dispararam 5 HY-2 contra o Koweit.

Verdade que estes ataques não fizeram grandes estragos…mas também é certo que não foram então detectados !! mesmo se (derivados dos velhos STYX) eram considerados como muito vulneráveis em relação a novas gerações de engenhos.

De resto este tipo de mísseis são hoje relativamente abordáveis financeiramente.

Os peritos americanos pensam que 50 milhoes de USD permitem comprar 15 mísseis balísticos…ou 1000 mísseis de cruzeiro.Um engenho como o SS-N-2/SSC-3(versão defesa costeira do STYX anti-navio) seria facilmente convertivel num LACM ‘rústico’-nomeadamente com integração de receptores GPS civis, mas também com a disponibilizaçao de…Google Earth.

A precisão será muito diferente de um Tomahawk, mas uma ECP de 30 a 40 metros pode ser atingida fácilmente.O baixo custo dos engenhos permite, além disso, lançar tiros de saturação quando a precisão nao seja uma variável significativa.

A precisão é um ‘luxo’ das forças armadas do Ocidente, graças a relação especial que estas tem com a ética… relação esta que não é universal como sabemos !

Alguns observadores notam também que seria suicida da parte de muitas forças aéreas inimigas afrontar as suas equivalentes ocidentais, que possuem caças de 5° geraçao. E neste cenário, o míssil de cruzeiro oferece uma boa capacidade de ataque.

Retomemos os custos acima…50 milhões de USDolares permitem a um Estado, comprar, no máximo, 2 caças de 4°geração.Face aos caças actuais, eles nunca poderão vir a ‘bater’ os 70 ou 80 alvos dos 100 mísseis de cruzeiro ‘rústicos’ e que, como acima ficou descrito seriam comprados por identico valor.

De facto, até 2015 o mercado das LACM, representaria, fora a China, Rússia e USA, cerca de 6 a 7000 engenhos.Cerca de vinte países dispõem de STYX, enquanto outros 70 dispõem de 70 000 misseis anti-navio que os especialistas consideram como, em graus diversos, mais ou menos convertíveis em mísseis de ataque terrestre.

Convém não ser demasiado alarmista…se o Paquistão tem a capacidade e a vontade, já se imagina difícilmente que seja esse o caso da Finlândia ou do Brunei.

Prudência pois com os números..mesmo se… parece claro que o míssil de cruzeiro pode vir a ser uma séria ameaça no futuro.Seria o caso de algumas potências emergentes em que o míssil de cruzeiro poderia conhecer gerações sucessivas, cada vez mais difíceis de destruir rápidamente.

A ÍNDIA ao desenvolver o BRAHMOS e propondo-o a exportação é um caso típico, tendo uma boa experiência aeronáutica e desenvolvendo sectores de pesquisa conseguiu construir um engenho com fraco SER(surface equivalent radar) contra o qual a defesa sera difícil, e que aliàs está prestes a ser comprado pela Malásia.



Factor de prestígio para alguns Estados, símbolo de modernidade militar para outros, o LACM está em vias de se transformar também num instrumento de eficiência militar para muitos outros.
AVIBRAS S300 MATADOR

O que, em retorno, põe a questão de uma defesa adaptada e que pode vir a contribuir para a legitimação da 5° geração de ‘caças’.Estes mesmos que são tantas vezes criticados pelos seus custos ‘excessivos’ ( e falamos de aparelhos como Rafale, F-22,Typhoon ou o Grippen) poderiam tornar-se uma componente essencial na protecção das forças expedicionárias, não apenas contra forças aéreas hostis mas também contra…mísseis de cruzeiro de que seriam alvo.

Arquivo do blog segurança nacional