Wikipedia

Resultados da pesquisa

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Porta-aviões ‘São Paulo’ volta ao mar

navio-aeródromo São Paulo (A12) suspendeu hoje do AMRJ para testes de mar. Nosso amigo e colaborador Luiz Padilha – Portal Defesa Brasil, fez estas fotos hoje na Baía de Guanabara. O Poder Naval fez um plantão no Leme esperando a saída do navio para fotografá-lo até as 15h, mas ele ainda permanecia no interior da Baía.




O navio-aeródromo (NAe) São Paulo (ex-PA Foch) operou na Marinha do Brasil, ininterruptamente, de 2001 até 2005, quando ocorreu o rompimento em uma rede de vapor principal, o que determinou a sua parada para a realização de reparos.



Em função da extensão dos serviços a serem realizados e o tempo necessário à sua consecução, bem como da programação de futuros períodos de manutenção do navio, diversos outros serviços foram oportunamente antecipados, em face da necessidade de sua imobilização. Dessa forma, compatibilizou-se a manutenção corretiva com a preventiva, decorrente do número de horas de funcionamento de determinados equipamentos e sistemas.



Em outubro de 2007, alguns serviços foram concluídos e o navio iniciou suas provas de mar, quando foi constatada uma avaria no eixo propulsor de boreste, cujo reparo culminou na sua substituição. O período de tempo necessário ao serviço do eixo, cerca de um ano, permitiu a execução de outros serviços de manutenção e a modernização de alguns sistemas componentes da planta propulsora e catapultas. De um modo simplificado, podemos resumir as obras, em cinco grupos, assim discriminados:

PORTA AVÍAÕ ~SÃO PAULO A-12

I – Praças de Máquinas – revisão das turbinas de propulsão do eixo de bombordo; reparos de turbo-geradores, que são as principais fontes de energia elétrica; e reparo da maioria das bombas principais do Navio.



II – Praças de Caldeiras – duas caldeiras foram retubuladas completamente. Para se ter uma idéia, são cerca de 1.500 tubos por caldeira. Uma delas ficou pronta no fim de abril e a outra em julho de 2009.



III – Catapulta lateral – a catapulta lateral está sofrendo uma revisão geral com a troca de inúmeras peças do seu aparelho de força, aquele que impulsiona a aeronave; reforço em sua estrutura; e verificação de todo circuito vapor. A previsão de término do reparo é para 15 de julho de 2010.



IV – Condensadores principais – estão sendo realizados serviços de reparo no

engaxetamento (vedação) dos 19.700 tubos, pertencentes aos dois condensadores principais do Navio. A previsão de término é para julho de 2010.



V – Outras obras – foram modernizadas as quatro unidades de resfriamento principais, para melhorar o sistema de condicionamento de ar do navio. Foram, também, substituídos três motores de combustão, responsáveis por parte da geração de energia, bem como foram instalados grupos de osmose reversa, responsáveis pela produção de água doce.

Se preparem, porque pelo o que tem sido mostrado terminaremos com o MD97 L e LC "picatinny" para calibre 5,56

Se preparem, porque pelo o que tem sido mostrado terminaremos com o MD97 L e LC "picatinny" para calibre 5,56 e modernizaremos o FAL para o padrão PARA-FAL calibre 7,62 "picatinny". O FAL totalmente modernizado ficará assim:


"Até o FAL pode ser modernizado: na foto um Fuzil de Assalto PARA-FAL M964 A1 MD1 com guarda-mão em alumínio com trilhos de acessórios “Picatinny”, nos quais se encontram afixados defletores de calor em polímero; e cobertura deslizante da caixa da culatra também com trilho “Picatinny”, onde se encontra afixada uma mira ótica de ponto vermelho Aimpoint CompM2, com guarda-mão e cobertura da caixa da culatra em alumínio e dotados de trilhos de acessórios “Picatinny”. Note a alavanca de manejo do ferrolho dobrável, como a do MD97, o seletor de tiro alongado, para facilitar o manuseio, e o quebra-chamas modificado, para servir como redutor de recuo."

Coreia do Sul e EUA encerram exercícios militares de alerta a Pyongyang

Seul, 28 jul (EFE).- Coreia do Sul e Estados Unidos encerraram nesta quarta-feira sem incidentes uma rodada de quatro dias de exercícios militares conjuntos no Mar do Japão, destinados a mostrar ao regime comunista da Coreia do Norte o poderio militar dos dois aliados.




As atividades aéreas e navais, iniciadas no domingo sob o nome de Espírito Invencível, foram uma resposta ao afundamento em março da corveta sul-coreana "Cheonan", que tirou a vida de 46 marinheiros sul-coreanos.



Uma equipe internacional de investigadores financiada por Seul atribuiu o afundamento a um torpedo norte-coreano, mas Pyongyang nega envolvimento no caso.



As manobras militares foram as maiores realizadas na península coreana em três décadas e as primeiras de uma série que EUA e Coreia do Sul organizarão mensalmente até finais deste ano.



Segundo fontes militares sul-coreanas, os próximos exercícios conjuntos serão promovidos em meados de setembro no Mar Amarelo.



A Coreia do Norte criticou severamente essas manobras e ameaçou utilizar seu poder de dissuasão nuclear em represália, mas nenhum tipo de incidente foi registrado.



A operação conjunta de quatro dias contou com a mobilização do porta-aviões americano "George Washington", 20 navios de guerra, 200 aviões de combate e 8 mil soldados.



O "George Washington" é uma enorme embarcação com 330 metros de comprimento e capacidade para transportar 97 mil toneladas, cuja presença no litoral sul-coreano refletiu o compromisso de Washington em defesa de Seul diante de qualquer eventual ataque norte-coreano.



Nas manobras também participaram pela primeira vez aviões de combate F-22 Raptor, os caças mais avançados do mundo. Essas aeronaves teriam capacidade de alcançar, em meia hora desde a decolagem, as instalações nucleares norte-coreanas de Yongbyon.



A Coreia do Sul, por sua vez, mobilizou o porta-aviões "Dokdo", de 14 mil toneladas, o submarino "Son Won-il", de 1,8 mil toneladas, e vários caças de combate F-15K, entre outros.



As operações se concentraram principalmente em exercícios submarinos, que incluíram a detecção de aparelhos norte-coreanos, a simulação de torpedos e de ofensiva contra forças navais de Pyongyang.



Também foram realizadas manobras de treino para transportar combustível e outras provisões via mar e ar, em uma situação de suposta ameaça.



Com esses exercícios, Seul e Washington quiseram enviar uma taxativa mensagem a Pyongyang para que se abstenha de novas provocações similares ao afundamento do "Cheonan", ocorrido em 26 de março, e mostrar, ao mesmo tempo, a forte aliança existente entre os dois países.



As manobras se realizaram depois de a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, anunciar na semana passada, em Seul, novas sanções contra a Coreia do Norte em resposta ao afundamento da corveta sul-coreana.



Está previsto que o assessor especial para Controle de Armas e Não-Proliferação dos EUA, Robert Einhorn, se reúna na próxima segunda-feira em Seul com as autoridades sul-coreanas para discutir este tema.



As duas Coreias se encontram tecnicamente em estado de guerra, já que, após o fim da Guerra da Coreia, em 1953, apenas um armistício foi assinado, mas nunca um tratado de paz.



Atualmente, 28,5 mil soldados americanos estão mobilizados em território sul-coreano, como forma de dissuasão perante eventuais provocações norte-coreanas.



Embora em princípio estivesse previsto que as manobras concluídas hoje seriam realizadas em águas do Mar Amarelo, entre a península coreana e a China, os protestos de Pequim fizeram com que Seul e Washington mudassem o local para a costa oriental.



Alguns analistas sul-coreanos indicam que as manobras criaram desavenças entre EUA e China e que a península coreana viverá um tempo sob estado de tensão.

Arquivo do blog segurança nacional