Wikipedia

Resultados da pesquisa

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010


Na sequência da decisão presente, a MB também receberá uma versão naval, o Rafale M, para futuros NAes. Comenta-se que já haveria alguns Rafales F1 sendo modernizados para emprego imediato no A-12 São Paulo.




Esse projeto mais amplo ainda contemplaria, pelo visto, o advento de Navios-Aeródromos a serem construídos em parceria com a França. Só esperamos que eles não sejam nucleares, como o tão problemático Charles de Gaulle (CDG), nem que venha a ser apenas um, pois quem tem um não tem nenhum (vide o São Paulo e o CDG). Já quem tem três, tem dois sempre.



Nesse processo, fica um tanto evidente que o pouco comentado processo FX-Naval servirá para uma boa encomenda de fragatas francesas FREMM, as quais poderão vir a ser construídas no Brasil, em esquema semelhante ao dos submarinos, já em andamento. As coisas começam a se encaixar?

 


FRAGATA MULTI MISSÃO FREMM.

O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva já bateu o martelo sobre a compra dos caças franceses Rafale, mas ainda tenta reduzir o preço final do negócio com a fabricante Dassault, informou à agência Reuters um ministro de Estado. A fonte não deu prazo, mas disse que a negociação estimada em R$ 10 bilhões para a compra de 36 aviões de combate será fechada ainda este ano, a despeito da predileção da Força Aérea Brasileira (FAB) pelos caças suecos Gripen NG, fabricados pela Saab.




Segundo o interlocutor, o governo não decidirá sob pressão de ninguém, nem da FAB. O ministro afirmou que, se a fabricante baixar o preço, o negócio sairá em breve, ressaltando que a compra é estratégica, e não apenas técnica.



A polêmica em torno dos caças vem se arrastando há meses. Ano passado, Lula já havia dito que sua decisão seria política e estratégica.



São 36 caças na negociação atual “no valor estimado de R$ 10 bilhões”, dentro de um pacote que pode prever a aquisição de até 120 aeronaves. A americana Boeing, fabricante do F-18 Super Hornet, também está entre as finalistas da FAB, mas o governo Lula sequer considera sua compra, segundo a fonte.



No caso da opção sueca, cerca de um terço dos componentes do Gripen possui tecnologia dos EUA. O Brasil tem dúvidas sobre a transferência de tecnologia e vê riscos de veto do Pentágono à venda de aviões fabricados no Brasil a outros países.



O ministro ouvido pela Reuters citou especificamente a tentativa brasileira de fornecer à Venezuela o avião militar de treinamento e ataque leve Super Tucano, produzido pela Embraer com parte de sua tecnologia desenvolvida nos EUA.



O Brasil exige três condições para concluir o programa F-X2: soberania de uso das aeronaves, reserva de mercado e transferência de tecnologia. Procurados, o Ministério da Defesa não quis se pronunciar sobre o assunto e a FAB não estava imediatamente disponível para comentários.Venceu o  verde e amarelo tava na cara venceu- brasil!!!!!RAFALE

Arquivo do blog segurança nacional